Emissoras de TV anunciam boicote ao Atlético-GO após eleição de presidente

Emissoras de TV anunciam boicote ao Atlético-GO após eleição de presidente

Emissoras de televisão de Goiás anunciaram que farão boicote à cobertura diária do Atlético Goianiense, devido à eleição do novo-velho presidente do clube, Maurício Sampaio (foto).

Maurício é acusado da morte de Valério Luiz, cronista esportivo que trabalhava na PUC TV, afiliada da TV Brasil, e em rádios locais, e foi morto a tiros no dia 5 de julho de 2012, por volta das 14h, em frente à rádio onde trabalhava, no Setor Serrinha, em Goiânia.

Logo depois de ter entrado no carro, um motociclista efetuou os disparos. Ele chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu aos ferimentos. A investigação concluiu que o cronista foi morto por sua atuação profissional no “Jornal de Debates”, da Rádio Jornal, e no “Mais Esporte”, da PUC-TV, pois fazia duras críticas contra a diretoria do Atlético-GO.

Com isso, a TV Brasil Central e a PUC TV anunciaram que não cobrirão mais o Atlético em seus jornais diários. Além disso, Record Goiás e TV Serra Dourada estudam fazer o mesmo, em forma de apoio aos colegas.

Sampaio, que é agora o primeiro dirigente de um clube de futebol no Brasil a responder por homicídio durante o mandato, irá a júri popular junto com os policiais militares Ademá Figueredo Aguiar Filho e Djalma Gomes da Silva, o motorista Urbano de Carvalho Malta e o açougueiro Marcus Vinícius Pereira Xavier.

Em 2015, o Atlético-GO disputará o Campeonato Goiano, Copa do Brasil e a Série B do Campeonato Brasileiro, sendo um dos candidatos a subir para a primeira divisão.

 

NaTelinha

Brasil volta às urnas neste domingo; saiba como serão as coberturas das TVs

Como se sabe, neste domingo (26) o Brasil volta às urnas para escolher seu presidente da República pelos próximos quatro anos. Além disso, 13 estados também definirão seu governador.

Para acompanhar a mais apertada eleição para presidente desde a redemocratização, as emissoras abertas e fechadas prepararam grande cobertura.

A Globo irá ter boletins durante os intervalos da programação, com repórteres de todo o país mostrando o clima de votações. Já a partir das 17h, no horário de Brasília, irão ao ar as pesquisas de Boca de Urna do Ibope, com as possíveis prévias dos resultados para Presidente e Governador. O programa será comandado por Willian Bonner, Heraldo Pereira e Ana Paula Araújo. Por fim, o “Fantástico” começará mais cedo do que o normal, às 19h55, já dando os resultados finais.

Já a Globo News repetirá o expediente do primeiro turno, tendo um enfoque maior no pós-voto, com um programa especial a partir das 17h. O “Central das Eleições” levará aos estúdios a apresentadora Renata Lo Prete e os comentaristas Merval Pereira, Gerson Camarotti e Cristiana Lôbo, que analisarão, com auxílio de um telão touch screen, as apurações. Além disso, uma edição especial do “Jornal das 10” será exibida. Com isso, o “Manhattan Conection” não irá ao ar.

A Record também terá boletins a partir das 8h nos intervalos de sua programação. E o “Domingo Espetacular”, a partir das 19h, trará com Adriana Araújo todo o passo a passo da apuração. Já a Record News terá “Hora News” ao vivo, a partir das 8h, mostrando todo o clima das eleições. A partir das 16h45, o jornalista Heródoto Barbeiro comandará o “O Voto na Record News”, com o comentarista político Ricardo Kotscho.

O SBT promete boletins comandados por Carlos Nascimento durante o dia, com duração de até um minuto. Já a partir das 18h, serão veiculados boletins de três minutos com a apresentação de Neila Medeiros e Kennedy Alencar revelando as primeiras apurações. E depois do “Programa Silvio Santos”, à meia-noite, o SBT exibe um especial de 30 minutos ancorado por Carlos Nascimento, Karyn Bravo e Kennedy Alencar.

Novamente, mais de 500 profissionais, de suas praças em São Paulo, Brasília, Bélem, Rio de Janeiro, Jaú, Ribeirão Preto e Porto Alegre estarão dando todas as notícias sobre as eleições.

Canal tradicional, a Band também fará uma cobertura completa durante todo o dia. Às 17h, terá um programa comandado por Ricardo Boechat e Bóris Casoy, acompanhando a apuração. Já depois do “Pânico”, às 00h15, o “Canal Livre” será especial e ao vivo.

Para falar sobre o resultado das urnas e as projeções para o segundo turno, estarão na bancada os jornalistas Fernando Mitre, Fernando Rodrigues, Dora Kramer e Ricardo Boechat, acompanhados de um convidado de cada partido que disputa a eleição para Presidente. A apresentação será de Boris Casoy.

Já a RedeTV!, que teve sua cobertura elogiada no primeiro turno, tentará manter a qualidade no segundo. A partir das 16h45, a equipe estará mobilizada para a cobertura ininterrupta e ao vivo, com informações da movimentação dos candidatos e sobre o dia de votação nos estados brasileiros, além de atualização em tempo real dos resultados da apuração divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral. A transmissão terminará às 22h30.

Os jornalistas Amanda Klein, Eric Klein e Erica Reis passarão aos telespectadores dados atualizados sobre a corrida eleitoral. A cobertura ainda vai contar com a presença de Gabriel Priolli e Luciana Liviero.

NaTelinha

Na cobertura da morte de Eduardo Campos, TVs mantêm seus estilos

Era um acidente aéreo de pequenas proporções. Virou um dos mais emblemáticos desastres da história do Brasil.

Na manhã desta última quarta-feira (13), se falou sobre uma tragédia que mais combina com o terror associado quando a data cai na sexta-feira. Inicialmente, um helicóptero teria caído sobre uma academia em Santos, SP.

“Hoje em Dia”, “Jogo Aberto” e “Encontro” abriram um espaço rápido para noticiar o acidente, ainda com imagens enviadas por cinegrafistas amadores. Globo News e Record News repercutiam em tempo real na mesma base.

Mas logo começou um burburinho nas redes sociais. O presidenciável Eduardo Campos tinha agenda na região e já estava atrasado em 2 horas. A FAB confirmou que o avião havia saído do Rio de Janeiro, onde Campos esteve na terça-feira (12) para falar ao vivo no “Jornal Nacional”. Os dados batiam. Só faltava a confirmação.

Eis que ela veio em doses homeopáticas. Primeiramente por fontes do PSB, depois pelas autoridades: os 7 ocupantes da aeronave não haviam sobrevivido. Entre eles, Campos.

As confirmações iniciais na TV foram dadas por Aline Midlej, na Band, e Reinaldo Gottino, na Record.

Na Globo, Evaristo Costa interrompeu os telejornais locais sem nenhuma vinheta às 12h41 para noticiar sobre o acidente. Por duas vezes, pareceu encerrar o boletim e logo depois retomou as notícias ainda desencontradas sobre a até então presença de Eduardo Campos no voo acidentado.

Somente após 15 minutos e a chegada de Sandra Annenberg para cobertura especial foi que Cristina Serra, em link de Brasília e se baseando em nota da Aeronáutica, confirmou o falecimento do ex-governador de Pernambuco.

A partir daí, ficou claro que a cobertura seguiria direto por horas, como se confirmou. A tela da Globo ganhou caracteres fixos que informavam sobre a tragédia.
Com a cobertura avançando, além do restante dos telejornais locais, foram cancelados também o “Globo Esporte” e o “Vídeo Show”.

A cobertura global teve somente um intervalo comercial, já praticamente às 14h. Foi tão apressada que não houve tempo nem mesmo de Evaristo vestir seu terno. Ele e Sandra retornaram em praticamente todos os breaks da “Sessão da Tarde” e do “Vale a Pena Ver de Novo”, exibindo, dentre outras repercussões, a do governador de Pernambuco, da presidente Dilma e de Marina Silva.

Ambos mostraram maturidade para abordagem da pauta sem apelação para o sensacionalismo, apesar da evidente desconcentração com o volume de informação. Destacou-se também a postura do repórter José Roberto Burnier em contato direto com testemunhas oculares da tragédia. Entre choros e depoimentos abalados, ele conseguia colher o que interessava ao público sem infringir os limites.

Quando acionada, a equipe local também não decepcionou e soube usar a favor o fato de saber mais detalhes da região.

A Record teve uma cobertura mais dispersa de início. O “Balanço Geral SP”, de Reinaldo Gottino, foi entrando ao ar ao gosto de cada praça. Umas o viram na íntegra, outras cortaram para exibição de horários locados…

Somente a partir do “Programa da Tarde”, quando Gottino e Adriana Araújo foram integrados com Britto Jr. para cobertura que houve uma exibição nacional, prosseguida por Marcelo Rezende no “Cidade Alerta”.

No SBT, Patrícia Rocha e Roberto Cabrini se revezaram em boletins, sendo alguns até longos para o padrão do canal.

A Band trocou Aline Midlej por José Luiz Datena, que está em Brasília para dar uma palestra no Exército, por volta das 13h, sendo que às 15h ele deu lugar ao “Tá na Tela”, de Luiz Bacci.

E o novo contratado do canal não fugiu do estilo mostrado nas 6 edições anteriores de seu programa. Muito sensacionalismo e teorias absurdas sendo levantadas sem nenhum indício, como a possibilidade de sobreviventes embaixo de escombros ou de que somente o vento teria derrubado a aeronave.

O programa chegou a picos de vice-liderança em alguns momentos. E não foi o único a ter seus índices incrementados. A Globo, por exemplo, praticamente dobrou seus índices. Beirou os 20 pontos na faixa em que mal ultrapassa 1 dígito.

Foram números similares aos das partidas da Copa do Mundo no mesmo horário, mas infelizmente por uma tragédia que ninguém podia esperar.

Em resumo, as pautas de todas as atrações podem ter convergido para o mesmo trágico fato, mas cada um manteve seu perfil. Foram diversas as formas de se contar a história do dia em que a corrida presidencial brasileira foi abalada por uma tragédia numa das mais tristes páginas de nossa história política.

 

No NaTelinha, o colunista Lucas Félix mostra um panorama desse surpreendente território que é a TV brasileira.

Ele também edita o http://territoriodeideias.blogspot.com.br e está no Twitter (@lucasfelix)

 

 

Confira como ficará as grades das emissoras durante o horário político

 

Confira como ficará as grades das emissoras durante o horário político

Começando a ser exibido na próximo segunda (18), o horário de propaganda partidária obrigatória na TV vai mudar a grade de programação de todas as emissoras.

As faixas destinadas para os políticos serão das 13h às 13h50 e das 20h30 às 21h20.

A Globo irá exibir o “Globo Esporte” mais cedo, às 12h35, e o “Jornal Hoje” mais tarde, a partir das 13h50. Já o “Vídeo Show” ficará às 14h15. Por fim, a “Sessão da Tarde” terá uma duração menor.

Na faixa da noite, “Boogie Oogie” começará às 18h em ponto, assim como o “Jornal Nacional”, exibido pontualmente às 20h. “Império” entrará na sequência do horário político, às 21h20.

Na Record, o “Balanço Geral” será interrompido a partir das 13h, e será retomado às 13h50. O “JR” passa a ir ao ar a partir das 20h20, e “Vitória” será exibida após a propaganda da noite, às 21h20.

No SBT, as séries serão reduzidas no horário da tarde. À noite, o “SBT Brasil” entrará às 19h, e “Rebelde” passa para às 21h20, após a propaganda partidária. A RedeTV! abrirá mão de horário vendido das 13h às 13h50, e o “TV Fama” será reduzido no horário nobre, para se adequar ao tempo de propaganda partidária.

Já a Band ainda não divulgou a sua grade para o horário político.

As emissoras abertas já estão preparadas para perder audiência durante o período. Todas esperam ter seus números diminuídos em cerca de 15% na Grande São Paulo.

 

NaTelinha

 

 

Audiência das emissoras no mês dezembro de 2013

Normalmente, o mês de dezembro não é bom para as emissoras de televisão. E isso ficou comprovado no fim de 2013.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, da revista “Veja”, todos os canais perderam Ibope em dezembro em relação ao mês de novembro.

A Globo caiu de 14,0 para 13,3 pontos, a Record foi de 6,2 para 5,4, o SBT declinou de 5,2 para 4,6, a Band decaiu de 2,4 pontos para 2,2 e a RedeTV! foi de 0,8 para 0,7. Os números da TV Cultura não foram divulgados.

Quem caiu também foi a participação de televisões ligadas na faixa entre 7h e 0h. O número foi de 37%, contra 40% de novembro. Isso equivale a apenas pouco mais de um terço dos televisores que existem. Os fatores para a perda de Ibope são sempre as mesmas: horário de verão, festas de fim de ano, além do calor que faz em São Paulo nos últimos dias.

Os números são consolidados e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores da Grande São Paulo.

NaTelinha

Audiência das emissoras no mês de dezembro

Normalmente, o mês de dezembro não é bom para as emissoras de televisão. E isso ficou comprovado no fim de 2013.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, da revista “Veja”, todos os canais perderam Ibope em dezembro em relação ao mês de novembro.

A Globo caiu de 14,0 para 13,3 pontos, a Record foi de 6,2 para 5,4, o SBT declinou de 5,2 para 4,6, a Band decaiu de 2,4 pontos para 2,2 e a RedeTV! foi de 0,8 para 0,7. Os números da TV Cultura não foram divulgados.

Quem caiu também foi a participação de televisões ligadas na faixa entre 7h e 0h. O número foi de 37%, contra 40% de novembro. Isso equivale a apenas pouco mais de um terço dos televisores que existem. Os fatores para a perda de Ibope são sempre as mesmas: horário de verão, festas de fim de ano, além do calor que faz em São Paulo nos últimos dias.

Os números são consolidados e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores da Grande São Paulo.

Emissoras contratam seguranças para protegerem repórteres em protestos

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/ad1d6173e70c45913bae56b33bcbccdf.jpg

Vândalos tem perseguido a imprensa, como o SBT, que teve carro incendiado no Rio

Em meio a cobertura dos protestos pelo Brasil, repórteres de alguns veículos de comunicação, como a Globo News e Folha de S. Paulo, acabaram feridos por vândalos.

Agora, vários órgãos de imprensa não querem que esses ataques se repitam e decidiram tomar uma atitude.

Segundo o jornal “Folha de S. Paulo”, as emissoras estão contratando até três seguranças para protegerem os repórteres durante as manifestações.

Os protestos devem continuar em várias cidades brasileiras, e os veículos investem forte em suas coberturas.

NaTelinha