Botafogo 4 x 1 CRB

Nilton Santos aprovaria: Bota goleia CRB em dia de homenagem ao ídolo

Alvinegro mantém invencibilidade no estádio que leva o nome do lateral-esquerdo, que completaria 90 anos se estivesse vivo. Cariocas têm 100% na Série B

A homenagem a Nilton Santos foi completa e serviu de inspiração para o Botafogo chegar ao seu segundo triunfo na Série B. No dia em que um dos maiores ídolos alvinegros completaria 90 anos, o Alvinegro fez bonito antes e durante a partida deste sábado, goleando o CRB por 4 a 1 no estádio que agora leva o nome do ex-lateral. No palco, por sinal, os cariocas têm 100% de aproveitamento no ano, com 10 vitórias em 10 partidas oficiais. O público pagante foi de 10.600 torcedores, com 12.535 pessoas presentes. A renda foi de 319.850,00.

Botafogo x CRB Bill (Foto: Agência Estado)
Bill festeja o primeiro gol do Botafogo no jogo (Foto: Agência Estado)

O triunfo leva ao Botafogo aos seis pontos, na vice-liderança da série B. O time tem o mesmo número de vitórias, saldo de gols e número de gols marcados do líder Sampaio Corrêa, que leva a melhor por ter menos cartões recebidos.

O Alvinegro volta a campo somente daqui a uma semana pela Segunda Divisão, quando vai até Brasília, no próximo sábado, enfrentar o Atlético-GO, no Mané Garrincha, às 16h30 (de Brasília). Antes, na quarta, encara o Figueirense pela terceira fase da Copa do Brasil na quarta-feira, às 19h30, em Florianópolis. No Rei Pelé, em Maceió, às 21h (de Brasília), o CRB recebe o Bahia. A equipe alagoana mantém os três pontos na Série B, na zona intermediária da classificação.

Com Sassá e Diego Carvalho nas meias, o Botafogo iniciou o duelo pressionando o CRB e usando bastante os lados do campo. Aos 16min, Bill não perdoou e completou com eficiência a bela jogada de Sassá pela esquerda, abrindo o placar. Depois, o Alvinegro diminuiu o ritmo e viu o CRB ameaçar apenas em cobranças de falta do lateral Paulo Sérgio.

A segunda etapa começou e Sassá, com dores, saiu aos 3 para a entrada de Lulinha. Aos 8, o estreante recebeu um presentão do goleiro adversário Julio Cesar e bateu no canto para ampliar. O CRB sentiu o golpe e não ofereceu mais resistência. Arão, aos 16, completou jogada de Pimpão, e Elvis, aos 21, fez de cabeça, com outra colaboração de  Julio Cesar. Pimpão, por reclamação, foi expulso infantilmente aos 25. Fernando descontou aos 31 e ainda teve outra boa chance, mas mandou para fora.

GLOBO ESPORTE .COM

América Mineiro 1 x 1 Chapecoense

 1 x 1 

Em uma noite de chuva constante e um futebol longe de encher os olhos, América-MG e Chapecoense ficaram no empate por 1 a 1, nesta terça-feira, no Independência, em Belo Horizonte. Os dois colocaram fim à sequência de duas vitórias. Não conseguiram também mudar a escrita. O Coelho segue com rendimento ruim dentro de casa, enquanto a Chapecoense se mantém como um visitante pouco perigoso. Elvis abriu o placar, no primeiro tempo; Bruno Rangel igualou já no final da partida.

Com o empate, o time mineiro viu o sonho de colar no G-4 ir por água a baixo. O Coelho chegou aos 43 pontos e viu os adversários se distanciarem. A Chapecoense segue tranquila na vice-liderança. Tem agora 53 pontos,  viu o Palmeiras abrir mais ainda e pode ter Sport e Paraná mais próximos ao final da rodada.

Na próxima rodada, o Coelho fará um confronto mineiro contra o Boa Esporte. O jogo será na sexta-feira, às 19h30m (de Brasília), no Independência, em Belo Horizonte. Da mesma forma, a Chapecoense. O time catarinense também vai fazer um duelo estadual. Vai encarar o Avaí, no sábado, às 16h20m, na Ressacada, em Florianópolis.

América-MG x Chapecoense (Foto: Aguante Comunicação/Chapecoense)América-MG e Chapecoense ficaram no 1 a 1, no Independência (Foto: Aguante Comunicação/Chapecoense)

Ataque contra defesa

O América-MG começou o jogo em cima. Empurrou a Chapecoense para o campo de defesa e tentava, principalmente com tabelas pelo meio, encontrar espaços. Bady e Nikão conseguiram finalizar com certo perigo. Porém, nenhuma chance clara. A tentativa de abafa do Coelho durou apenas dez minutos. Depois, mesmo sem sair de trás, e passando muito pouco tempo com a bola, a Chapecoense conseguiu tranquilizar o jogo.

Parecia um ataque contra defesa, mas o América-MG tinha dificuldades. Faltava criação. A Chapecoense parecia satisfeita e sequer buscava verdadeiramente um contra-ataque. Só foi chegar ao gol de Matheus aos 35 minutos, em cabeceio de Bruno Rangel. Mas quando o ritmo de jogo já havia caído, o Coelho encontrou o gol. Aos 40 minutos, Nikão fez boa jogada pela direita e passou para Elvis, que bateu no canto. Merecida vitória parcial do time mineiro.

Castigo

O segundo tempo teve uma cara um pouco diferente. Atrás do placar, a Chapecoense teve de se soltar mais. Mas nada que movimentasse o jogo. O domínio dos primeiro minutos foi do América-MG, que conseguia tabelar. Os catarinenses chegavam em bolas levantadas na área. No entando, nenhuma vez com perigo.

O lance mais próximo de um gol foi um chute despretensioso de Elvis, de muito longe, e muito depois de o árbitro ter paralisado o jogo. A bola foi no ângulo, mas já havia sido marcada falta, e todos estavam parados no lance. Valendo, só aos 25 minutos, quando Elsinho chutou com perigo, após boa jogada individual.

Com a chuva e o futebol apenas razoável, o jogo ficou morno. Até feio. Parecia caminhar para uma vitória do América-MG, mas a equipe da casa foi castigada. Aos 35 minutos, o árbitro marcou pênalti a favor da Chapecoense. Os americanos relcamaram, mas não teve jeito. O artilheiro Bruno Rangel foi para a cobrança e não perdoou. Tudo igual no Independência.