Rede TV! define data de apresentação de sua retrospectiva

Erica Reis é uma das apresentadoras da retrospectiva da Rede TV!

Aconteceu 
A Rede TV! vai apresentar dia 28, às 22h45, com duas horas de duração, a sua retrospectiva com os principais fatos do ano.
Claudia Barthel, Augusto Xavier, Amanda Klein, Eduardo Campos, Erica Reis, Luciana Camargo, Ricardo Neves e Débora Velozo irão se revezar na apresentação.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

James Akel comenta a impressão que teve quando o corpo de Eduardo Campos chegou ao Recife

Eram 2 da manhã quando os caixões de Eduardo Campos e seus assessores chegaram ao velório depois de percorrer as ruas da cidade onde milhares de pessoas estavam nas ruas acompanhando toda a movimentação.

Lembrou-me sim o cortejo de Ayrton Senna.

Às 2 da manhã, todo povo de Recife nas ruas, coisa que só acontecia em comemoração de futebol mas que agora acontecia pra saudar o político Eduardo.

Renata veio acompanhando tudo dentro do carro onde estava Eduardo e foi um dos poucos momentos em que se viu ela chorar, emocionada pelo povo que de madrugada estava nas ruas úmidas de chuva esperando a passagem de seu marido.

Renata atravessou toda madrugada acordada com uma firmeza admirável e mesmo pela manhã ainda estava dando instruções sobre tudo que iria se realizar durante todo dia.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h48 no dia 17.08.2014

James Akel comenta agressões de Lula contra a pessoa de Eduardo Campos

As agressões pessoais a Eduardo Campos, feitas por Lula, foram tão violentas que ninguém entendeu o que fazia ele e Dilma ali em Recife pra participar da Missa de Eduardo.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h49 no dia 17.08.2014

James Akel comenta a mensagem que Eduardo Campos deixou antes de desencarnar

A web já divulga pra quem desejar o primeiro vídeo que Eduardo Campos gravou pra horário político.

Ele estava no meio de um teatro de arena e falava pras câmeras de maneira irônica e sorrindo.

Dizia Eduardo que no seu governo não haveria os mesmos políticos que ajudavam Dilma.

E disse o nome da cada um com ironia e falando pras pessoas avisarem os políticos que a farra deles  tinha acabado.

É um vídeo memorável que vai pras galerias daquilo que um dia poderia ter sido mas que não teve oportunidade de acontecer.

Embora seja ingenuidade acreditar que se governa o Brasil sem o PMDB, valeu ao menos o vídeo pra um desabafo de um candidato que acreditava na pureza e na possibilidade de vencer.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h50 no dia 17.08.2014

James Akel comenta a herança política de Eduardo Campos

 

Meu voto nem era de Eduardo Campos, ao contrário da maioria dos que falavam depois que ele morreu.

E nem era dele por uma razão objetiva.

Sua vice, Marina, é mulher de um petista militante que até hoje é assessor do Governador petista do Acre.

Eu não acredito que o ser humano possa fazer tal separação onde um marido e uma mulher estariam em posições políticas tão diferentes porque política é tão passional quanto futebol.

Assim igual existem, lamentável mas existem, torcedores de futebol que matam adversários, também existem militantes e políticos que matam outros e todo mundo sabe.

Mesmo porque tal comportamento nem é de hoje mas de muito tempo de atitudes.

Então não acredito numa Marina separada politicamente do marido.

Também vi notícias na mídia em que Marina apoiava o decreto de Dilma que acabava com poder do Congresso e em nenhum momento vi seu desmentido.

Vou lembrar aqui de um tempo em que Marina era ministra de Lula e acabou fechando uma indústria de 1400 funcionários que se mudou pra China e está exportando seus pneus de lé de não daqui.

Exemplos iguais a este deverão acontecer com Marina na presidência.

Esta coluna foi a primeira que revelou a possibilidade de Renata Campos ser vice de Marina, pra poder dar conteúdo de Eduardo na campanha porque a diferença entre a cabeça de Eduardo e Marina eram enormes.

Então temos também um presidente do PSB, Roberto Amaral, que está arrasado por não poder apoiar Dilma que é seu sonho de presidente.

As pesquisas da Folha colocam Marina na reta de vitória contra Dilma.

Justo Marina, tão socialista quanto Dilma mas com a imagem pública de pureza de ideias.

Todo evento de velório e enterro de Eduardo Campos foi tratado de uma maneira igual fosse um evento de marketing da campanha.

Camisetas e outras coisas mais exatamente iguais entre si e feitas por uma só cabeça e executadas pelas mesmas mãos demonstravam que do limão se fez uma limonada.

Eu me pergunto quem é que acredita que Marina é diferente de Dilma e neste momento entendo que é o mesmo público da novela das oito que chora quando o personagem da novela morre.

Temos que ter todo respeito pela morte e mais ainda pela vida de Eduardo Campos que foi um político amado pelo seu povo e que tinha um governo bem atualizado de desenvolvimento.

Mas será uma ingenuidade acreditar que Marina é sucessora.

A palavra certa é apenas substituta no marketing.

Sucessora é a viúva de verdade Renata Campos que daqui a 4 anos obrigatoriamente será a governadora de Pernambuco.

Sucessores são seus filhos que daqui a 4 anos terão um cargo de deputado de verdade.

Sucessores são aqueles que batalharam com Eduardo no desenvolvimento de Pernambuco e não alguém que apareceu por razões de tempo de televisão e que se arvora em ser candidata de algo que não professava.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h00 no dia 19.08.2014

James Akel comenta porque não se pode acusar o PT de sabotagem na tragédia que matou Eduardo Campos

O PT não estava interessado na desencarnação de Eduardo Campos

Li em vários lugares que existe suspeita de que houve sabotagem contra o avião de Eduardo Campos e estas suspeitas nas redes sociais recaem sobre os petistas.

Não existe motivo para que petistas, quaisquer que fossem, neste caso tenham feito qualquer tipo de sabotagem.

Vou explicar o fato.

Quando há um ano a polícia de Pernambuco prendeu agentes da ABIN disfarçados de trabalhadores do Porto de Pernambuco tentando obter alguma informação contra o Eduardo Campos, naquele tempo o PT tinha sim medo do crescimento de Eduardo e por isto poderia estar tentando achar algo contra ele.

Mas todo um ano passou e Eduardo deixou de representar ameaça contra o PT pelo que as pesquisas mostraram de votos tão poucos.

Então com Eduardo Campos a chapa do PSB estava lá embaixo porque Marina não transferiu os votos que ela tinha pra Eduardo e a chapa não tinha chance de chegar na disputa.

Durante todo este ano o PT bateu forte em Eduardo por razões naturais de campanha e não porque ele tinha chance.

E bateu também nos tucanos porque o PT tem o perfil de bater em todo mundo.

Vamos em frente.

Nos dias atuais, considerando os baixos números de Eduardo, nada ameaçava o PT a não ser a própria rejeição de Dilma e seu péssimo desempenho na economia.

Agora com a morte de Eduardo todo mundo sabia que se não fosse Eduardo a candidata seria Marina, coisa que vai acontecer.

Esta sim é temida por Dilma e seu grupo.

Marina tinha mais de 20% de ibope quando deixou a campanha de presidente com seu nome e agora volta com a emoção da morte de Eduardo.

Já tem fila de candidatos a vice dela e até esqueceram de algum nome da família de Eduardo, quer seja sua mulher, citada por Marina, quer seja seu irmão, citado por outros.

A entrada de Marina é o que de pior poderia acontecer aos petistas e por este motivo eles não podem ser suspeitos de nada contra Eduardo, coisa que corre tanto nas redes sociais.

A morte de Eduardo não interessava a ninguém.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h13 no dia 17.08.2014

James Akel comenta a grande politização pernambucana

Durante o velório de Eduardo Campos e seus dois assessores, velório feito ao mesmo tempo e no mesmo local por determinação da viúva Renata Campos,  foi demonstrada a politização do povo.

Qualquer pessoa que os repórteres abordavam pra falar, falavam com uma capacidade grande de conhecimento político.

Cada um sabia o que estava falando e sabia porque estava ali.

Eduardo tinha uma adoração do seu povo que raros políticos de hoje em dia tem de verdade de seus eleitores.

Eduardo dificilmente ganharia esta eleição por um detalhe que sua equipe de comunicação relevou.

Não souberem transmitir ao povo do restante do Brasil todo este afeto e amor que o povo de Pernambuco dedicava ao seu líder e comandante.

Fosse isto feito e há muito tempo Eduardo estaria em muito melhor posição de pesquisa.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h46 no dia 19.08.2014

Homem mente em depoimento para a Globo sobre morte de Eduardo Campos

Entrevista foi ao ar ao vivo na emissora

Homem mente em depoimento para a Globo sobre morte de Eduardo Campos

Durante a cobertura do acidente aéreo que vitimou o ex-governador de Pernambuco e candidato à presidência da República, Eduardo Campos, na tarde desta quarta (13), uma entrevista chamou atenção nas redes sociais.

Um homem se aproximou do repórter José Roberto Burnier, que estava entrevistando vários populares, e fez um depoimento emocionado, que foi exibido ao vivo pelo plantão do “Jornal Hoje”.

Ele disse que identificou o corpo de Eduardo Campos. “Cheguei a abrir o olho dele”, contou. Burnier estranhou a revelação, e perguntou se era verdade mesmo. Convicto, a suposta testemunha disse que sim e continuou: “Ele era o meu candidato, apostava nele. Era um candidato querido”.

Nas redes sociais, o depoimento foi considerado estranho, pois em um acidente aéreo raramente é possível reconhecer as vítimas a olho nu, pois os corpos acabam ficando carbonizados e dilacerados.

“A Globo acaba de entrevistar ao vivo um popular que disse que socorreu Eduardo Campos e chegou a abrir os olhos dele e ‘viu aqueles dois olhos verdes’ e em seguida caiu no choro pq perdeu seu ‘querido candidato’. Olha, sei não, mas achei bem estranho. Se repórter eu fosse desconfiaria dessa história aí antes de botar no ar”, disse, por exemplo, a internauta Milena Murno.

E o fato se confirmou: os corpos só puderam ser identificados com exames de arcada dentária e DNA, ou seja, o tal cidadão mentiu para o jornalista.

O homem foi identificado nas redes sociais e virou alvo de ataques e piadas.

Procurada pelo NaTelinha, a Central Globo de Comunicação disse que não vai comentar o assunto.

 

NaTelinha

James Akel comenta indefinição do PSB para escolher substituto de Eduardo Campos

 

Embora o presidente do TSE tenha declarado que o PSB tem 10 dias pra indicar o novo nome de candidato à Presidência, duas alas estão em dúvida o rumo a ser tomado.

Uns querem esperar as pesquisas do DataFolha de sábado pra saber se tem alguma novidade.

Outros querem definir uma candidatura até domingo.

Os originais do PSB tem medo que uma candidatura de Marina tire poder deles porque ela breve vai estar em seu partido REDE e o PSB não teria o que fazer ali.

Alguns ainda são pela candidatura da mulher de Eduardo Campos, que sempre foi ativa na política ao lado do marido e manteria o poder do PSB na campanha.

Estes acreditam que a mulher de Eduardo teria grandes chances de ter o voto emotivo e até ultrapassar Aécio.

Enfim são apenas lados de um partido que precisa tomar uma decisão e breve pra competir e colocar na tv a campanha que começa dia 19 no ar.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h06 no dia 14/08/2014