O terror está instalado em emissoras da Record

 

Tem um jogo sujo acontecendo nos bastidores de algumas emissoras da Record, no interior, especialmente em suas redações do jornalismo. A generalização entra porque são numerosas as reclamações, muito embora se tenha conhecimento também da existência de raras e honrosas exceções.

Alguns profissionais, que estão à frente desses departamentos, resolveram botar pressão nos seus comandados, em cima de uma informação (?) de São Paulo sobre a possibilidade de cortes. Coisa de gente fraca, que usa de tais prerrogativas apenas para aumentar ou qualificar a sua produção, esquecendo que isto só tem tornado ainda mais insustentável as péssimas condições de trabalho oferecidas. Quando, por qualquer motivo, cai uma matéria, o seu responsável é colocado quase à beira do precipício.

É bom que a base em São Paulo, até para o próprio bem dos seus informativos, passe a acompanhar mais de perto o que está acontecendo em outros centros. O terror, é bom que todos saibam, está instalado.

Outra coisa

Não sei se isso está de acordo, se é moral ou ilegal, mas fato é que em Bauru, interior de São Paulo, o chefe de jornalismo, Arnaldo Ferraz, oferece aos estudantes de jornalismo cursos de repórter de TV.

Custa R$ 600 cada módulo. As explicações estão no site http://cursoreportertv.blogspot.com.br/. Não é esquisito?

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery