Mesmo em crise , TV Bandeirantes assegura os direitos de transmissão para a Copa do Mundo da FIFA de 2018 e 2022

A TV Bandeirantes passa por uma das crises mais graves da sua história . Funcionários estão sendo demitidos e outros estão aceitando redução do salário e renunciando à regalias para não perderem o emprego . A emissora deixou de transmitir vários torneios de futebol para poder fazer frente à crise financeira . Em meio à essa situação díficil , o canal de TV aberta adquiriu os direitos de transmissão para a Copa do Mundo da FIFA de 2018 e de 2022 . Um executivo , que pediu anonimato , disse que o investimento se faz necessário para manter uma tradição da emissora . ” A TV Bandeirantes tem uma tradição de transmitir a Copa do Mundo para seus telespectadores desde 1990 e essa tradição que foi quebrada em 2002 e 2006 . Não podemos ser alijados da transmissão da Copa do Mundo da maneira como ocorreu em 2002 e 2006 . A TV Globo queria compartilhar conosco a transmissão das Copas do Mundo de 2002 e 2006 , mas a FIFA não permitiu . Ainda bem que nós retomamos as transmissões da Copa do Mundo em 2010 graças à parceira com a TV Globo e garantimos a transmissão da Copa do Mundo FIFA em 2018 e 2022 em parceira com eles .”

Fifa vende Copa de 2026 ao Fox Sports para “compensar” e irrita ESPN

Fifa vende Copa de 2026 ao Fox Sports para "compensar" e irrita ESPN

Para fazer uma espécie de compensação devido à mudança de data da Copa do Mundo de 2022, a Fifa teria facilitado a venda do Mundial de 2026 para o Fox Sports no EUA, sem consultar a ESPN, que tinha interesse em comprar os direitos.

A Copa de 2022 acontecerá no Catar entre os meses de novembro e dezembro, em vez dos tradicionais junho e julho, por causa do calor desértico, contrariando até mesmo uma regra da própria entidade, que diz que a competição só deve acontecer no meio do ano.

A alteração da data afeta as emissoras americanas, que precisariam dividir a transmissão do maior evento de futebol do mundo com a temporada da NFL, liga de futebol americano do país, que é líder incontestável de audiência.

Pensando nisso, segundo a agência de notícias Bloomberg, a federação teria negociado às escondidas a transmissão da Copa de 2026, que pode acontecer nos Estados Unidos, para compensar a Fox pela possível perda de audiência.

O problema é que a ESPN não foi avisada da concorrência, e a Fifa seguia conversando sobre a compra da Copa pelo canal esportivo da Disney. O fato irritou os diretores do canal.

Procurado para comentar sobre o caso, Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa, disse que a entidade não fez nada de errado. “Nós não fizemos nada de errado. O acordo é bom para a Fifa, o acordo é bom para a Fox. Esta é a parte mais importante, e nós fizemos tudo dentro dos padrões internacionais”, afirmou.

 

NaTelinha

James Akel comenta recusa do presidente Figueiredo ao convite da FIFA para o Brasil sediar a Copa do Mundo

João Havelange ofereceu pra que o Brasil fosse sede da Copa do Mundo no governo Figueiredo.

O presidente Figueiredo respondeu claro.

-Havelange, você conhece alguma favela do Rio?

Você conhece a seca do Nordeste?

E você acha que eu vou gastar dinheiro com campo de futebol?


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 04h06 no dia 29/11/2014

Brasileiros superam recorde e gastam mais de US$ 2 bilhões no exterior em julho

DOLAR

 

As despesas de brasileiros no exterior chegaram a US$ 2,415 bilhões, em julho, o maior resultado registrado pelo Banco Central(BC), na série histórica mensal, iniciada em 1995. Nos sete meses do ano, os gastos no exterior alcançaram US$ 14,9 bilhões, contra US$ 14,403 bilhões em igual período de 2013. Em julho do ano passado, as despesas totalizaram US$ 2,194 bilhões.

Houve aumento das viagens ao exterior mesmo com a realização da Copa do Mundo, no Brasil, entre os dias 12 de junho e 13 de julho.

As receitas de estrangeiros no Brasil chegaram a US$ 789 milhões em julho, contra US$ 540 milhões igual mês do ano passado. De janeiro a julho, as receitas chegaram a US$ 4,436 bilhões, contra US$ 4,020 bilhões nos sete meses de 2013.

Com esses resultados de despesas e receitas, a conta das viagens internacionais ficou negativa em US$ 1,625 bilhão, no mês passado, contra US$ 1,654 bilhão em julho de 2013. Esses dados de viagens estão incluídos na conta de serviços (viagens internacionais, transportes, aluguel de equipamentos, seguros, entre outros), que apresentou déficit de US$ 4,546 bilhões, em julho, e de US$ 27,135 bilhões, em sete meses.

A conta de serviços faz parte das transações correntes – compras e vendas de mercadorias e serviços do Brasil com o resto do mundo. Em julho, o déficit em transações correntes ficou em US$ 6,018 bilhões, ante US$ 8,969 bilhões em igual mês do ano passado. De janeiro a julho, o saldo negativo ficou em US$ 49,330 bilhões, contra US$ 52,150 bilhões nos sete meses de 2013.

O superávit comercial (exportações maiores que as importações) de US$ 1,574 bilhão, no mês passado, contribuiu para que o déficit em transações correntes não fosse maior. De janeiro a julho, houve déficit comercial de US$ 918 milhões.

Na conta de rendas (remessas de lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários), houve déficit de US$ 3,215 bilhões, no mês passado, contra US$ 3,294 bilhões de julho de 2013. Em sete meses, o saldo negativo ficou em US$ 22,153 bilhões, em relação aos US$ 23,073 bilhões, de janeiro a julho do ano passado.

O ingresso líquido de transferências unilaterais correntes (doações e remessas de dólares que o país faz para o exterior ou recebe de outros países, sem contrapartida de serviços ou bens) chegou a US$ 170 milhões, no mês, e a US$ 877 milhões, de janeiro a julho, ante US$ 276 e US$ 2,818 bilhões, em iguais períodos de 2013.

 

Diário do Nordeste – Negócios – 22.08.2014

País lucra US$ 850 milhões em transportes e viagens durante a Copa do Mundo

 

O Banco Central calcula que a Copa do Mundo representou um incremento nas receitas do país com viagens e transportes em cerca de US$ 850 milhões.

Desse valor, US$ 700 milhões foram ganhos adicionais referentes aos gastos dos turistasno país com alimentação, hotel, ingressos para os jogos, entre outras atividades, afirmou Túlio Maciel, chefe do Departamento Econômico do Banco Central, nesta sexta-feira (22).

Com passagens aéreas, os turistas que vieram para a Copa gastaram algo em torno de US$ 150 milhões.

Essa receita adicional veio nos meses de junho e julho, quando aconteceu o Mundial, e também em agosto, em função da data da fatura dos cartões de crédito.

 

Diário do Nordeste – Nacional – 22.08.2014