Globo escala apenas mulheres para edição especial do “É de Casa”

b395e-redeglobo

Pela primeira vez desde sua estreia, o “É de Casa”, exibido nas manhãs de sábado da Globo, será comandado inteiramente por Ana Furtado, Cissa Guimarães e Patrícia Poeta, na edição do próximo dia 4, que antecede a Semana do Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Na ocasião, como não poderia deixar de ser, todas as pautas vão girar em torno delas, as mulheres, e destacar profissionais com carreiras que não são mais exclusividade masculina, como duas marceneiras que darão dicas de decoração, no melhor estilo ‘Faça você mesmo’.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Elenco do É De Casa vai comemorar hoje o aniversário de 4 meses da atração

Performance
Desde a estreia, em 8 de agosto, na Globo, o “É de Casa” tem registrado crescimento de audiência no país (PNT – Painel Nacional de Televisão).
É líder no horário com média de 7 pontos e 24% de participação, um ponto a mais do que marcou em agosto, mês de estreia.
Seus apresentadores, aliás, irão comemorar os quatro meses da atração neste sábado, logo após o programa ao vivo. Patrícia Poeta, Cissa Guimarães, Tiago Leifert, Ana Furtado, Zeca Camargo e André Marques, mais a equipe do programa, vão se reunir em um restaurante japonês do Leblon.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

É De Casa manterá o sexteto de apresentadores pelo menos até maio de 2016

 

“É de Casa”, dos sábados, na Globo, passa por ajustes internos, como sempre acontece em qualquer programa, até se chegar ao ponto considerado ideal…
… Mas mudanças passam bem longe do sexteto de apresentadores – Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Tiago Leifert e Zeca Camargo…
…  Pelo menos até maio de 2016, todos estão garantidos em seus postos…
… A escala de trabalhos, inclusive, está fechada até lá.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Após quase dois meses no ar, Globo troca direção do “É de Casa”

Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Tiago Leifert e Zeca Camargo apresentam o "É de Casa"

Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Tiago Leifert e Zeca Camargo apresentam o “É de Casa”

Vivi de Marco entregou a direção do “É de Casa” para Alexandre Matoso, o que fatalmente acabará implicando mudanças também na estrutura do programa.

Se houve a troca de comando, devemos entender que, por consequência, também existirão alterações em seu conteúdo, porque cada um tem a sua maneira de pensar e trabalhar.

Às vésperas de completar dois meses de apresentações, já foi possível avaliar o que está certo ou errado e o que agrada ou não ao telespectador. Algo que nunca foi muito bem assimilado é o número de apresentadores. Mesmo que todos participem é conveniente deixar para dois, ou no máximo três, a missão de distribuir os trabalhos do dia.

Entende-se também como maior necessidade fugir daquilo que outros programas, como os da própria Ana Maria Braga ou de Fátima Bernardes apresentam todos os dias. Ajustes que são perfeitamente naturais. O que se deve destacar é a iniciativa de se investir em um horário que sempre foi considerado um mico pela televisão brasileira.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Tendência do “É de Casa” é de crescimento

Nessa transferência do Jornalismo para o Entretenimento, percebe-se que Patrícia Poeta mudou um pouco a postura e passou a adotar um estilo diferente na apresentação do “É de Casa” daquele que conhecíamos até aqui.

Com toda a experiência acumulada, desde o seu começo como repórter e depois apresentadora de diversos jornais, incluindo o “Fantástico”, ela tem se mostrado muito mais confiante agora à frente dessas novas funções. Sair do “Jornal Nacional”, verifica-se, fez muito bem à Patrícia.

E mesmo contando com a presença de outros nomes tão conhecidos quanto, como são os casos de Tiago Leifert, Zeca Camargo, Ana Furtado, Cissa Guimaraes e André Marques, ninguém do “É de Casa” está pretendendo ser dono do pedaço ou da situação. Por aí apresenta-se a mão segura do seu diretor, Boninho.

A tendência do programa é de crescimento. O fato de ainda não ter alcançado a audiência que dele se espera não passa de simples contingência.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Programa “É de Casa” perde pela 4ª vez para o SBT

29.jul.2015 - Apresentadores do "É de Casa", Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Zeca Camargo, Thiago Leifert, André Marques e Ana Furtado posam no cenário do programa

29.jul.2015 – Apresentadores do “É de Casa”, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Zeca Camargo, Thiago Leifert, André Marques e Ana Furtado posam no cenário do programa

O novo programa matinal dos sábados da Globo continua “invicto”: desde sua estreia, ainda não ganhou um único confronto contra o SBT.

Neste sábado (29), a atração global de amenidades registrou 5,7 pontos, contra 5,9 pontos do SBT e 4 da Record – segundo dados do ibope em tempo real medidos pelo Instituto Ibope.

Foi a quarta derrota consecutiva para o SBT de Silvio Santos. Pela metodologia, cada ponto de ibope equivale a cerca de 67 mil domicílios na Grande São Paulo. O ibope consolidado só será informado às emissoras por volta das 12h de segunda-feira.

A estreia do “É de Casa!” representou o fim completo de qualquer programação infantil na TV Globo.

 

Ricardo Feltrin

Tiago Leifert fala sobre o É De Casa

Neste sábado, dia 8, a partir das 9h, o “É de Casa” vai estrear na Globo, com apresentação de Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Tiago Leifert e Zeca Camargo.

O programa terá como tema central a vida dentro da casa, com a proposta de reunir jornalismo e assuntos ligados à moda, decoração, serviço, entretenimento, saúde e cotidiano. Daí a pluralidade de temas e escolha dos apresentadores.

O “É de Casa” marca também a estreia de dois nomes que trocaram recentemente o jornalismo pelo entretenimento: Patrícia Poeta e Tiago Leifert.

Neste primeiro dia estarão presentes todos os integrantes e vários convidados especiais. A partir do segundo poderá ser implantado um revezamento nas duplas de apresentadores, sem abrir mãos de matérias, como a que Patrícia Poeta já realizou em Porto Alegre, por exemplo.

Leifert conversou com a coluna e revelou que “ritmo e criatividade” não podem faltar nesse novo investimento da Globo:

Flávio Ricco: Como está sua expectativa para a estreia neste sábado?
Tiago Leifert: Ansioso e curioso! Vamos entrar com um formato novo, criado por nós, num horário novo. Não há referências, não há nada que possa dar uma ideia pra gente sobre o que pode acontecer. Vai ser tudo novo.

Fale um pouco da sua participação. Como será?
Cada um de nós é responsável por ficar de olho em alguns assuntos específicos, assuntos sobre os quais temos mais domínio. Eu vou cuidar de tecnologia, games, cultura pop, esporte, cultura nerd. Mas posso acabar me intrometendo em outros assuntos também, da mesma forma que meus colegas podem me ajudar nos meus. Teremos reportagens gravadas e ação ao vivo na casa.

Você terá um colega fixo na apresentação ou será em formato de rodízio?
Será rodízio. Todos vão trabalhar com todos.

Quando e como você recebeu convite para trocar em definitivo o Jornalismo Esportivo pelo Entretenimento?
A conversa sobre meu futuro começou a ficar mais forte após a Copa do Mundo, todos os meus diretores conversaram comigo, foi tudo bem natural. A decisão foi deles. Eu estava preparado para ficar no esporte ou migrar para o entretenimento, as duas possibilidades eram boas.

Como foi o dia seguinte à sua despedida do “Globo Esporte São Paulo”?
Foram dois dos melhores dias da minha vida. Nunca imaginei que receberia tanto carinho, tanta positividade! Até na internet! As redes sociais todas estavam cheias de mensagens legais. Poder sair do programa por cima, tendo realizado a visão que a gente tinha lá em 2009 foi um privilégio e eu aproveitei cada segundo.

Você vai ficar na ponte-aérea ou pensa em se mudar em definitivo para o Rio de Janeiro por causa do programa?
Por enquanto, ponte aérea e hotel. Moro em São Paulo.

Na volta do “The Voice Brasil”, como ficará seu expediente?
Boa pergunta. As duas primeiras fases do “The Voice” são gravadas, então tudo indica que quando as gravações começarem eu vou passar umas quatro semanas na loucura, fazendo os dois programas. Vai ser bem divertido!

O que não vai poder faltar no programa “É de Casa”?
Ritmo e criatividade! Três horas é bastante tempo, por isso a necessidade de ter tantos apresentadores e pessoas tão diferentes.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery