Retrospectiva 2015 – Ceará campeão da Copa do Nordeste 2015

Jogo da Ida

Vozão joga bem, vence o Bahia e sai na frente na busca pelo título

Marinho participou do gol que definiu a partida, teve boa movimentação, mas não vai jogar na partida de volta por suspensão

Marinho participou do gol que definiu a partida, teve boa movimentação, mas não vai jogar na partida de volta por suspensão
(Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

Os primeiros 90 minutos da grande Final da Copa do Nordeste 2015 foram disputados na noite desta quarta-feira, 22/04, quando o Ceará Sporting Club foi até Salvador/BA para enfrentar o Bahia, na Arena Fonte Nova. O jogo entre as duas equipes foi muito disputado, mas o Vozão mostrou muita garra e empenho, conseguindo uma grande vitória por 1 x 0. Ricardinho colocou o Vozão na frente e garantiu a vantagem para o jogo de volta, afinal, o Ceará vai poder levantar a taça do Nordestão 2015 até com um empate no duelo da Arena Castelão, na próxima semana.

O primeiro tempo começou com muita marcação e com os dois times tentando levar perigo na bola aérea. Pelo Vozão, Charles tentou de cabeça, mas foi travado, enquanto isso, o Bahia respondeu com Leo Gamalho, que recebeu cruzamento e desviou, mandando rente à trave esquerda. Ricardinho também trabalhou com muita movimentação e tentou três vezes em chutes de fora da área, mas não acertou o alvo.

A etapa inicial seguiu muito disputada por parte dos dois times, que tomavam cuidados para não se expor. Aos 35 minutos, Ricardinho cruzou com perigo, mas Jean espalmou. No rebote, Marinho tentou o chute rasteiro, mas o camisa 1 do Bahia fez a defesa em dois tempos. Os donos da casa responderam dois minutos depois, porém, a cabeçada de Keiza passou por cima.

No decorrer do primeiro tempo, o confronto não mudou seu panorama e cada equipe teve mais uma chance perigosa. Aos 39 minutos, Assisinho arriscou de fora da área, mas mandou por cima do gol. Em seguida, Souza chutou, mas foi travado. Na sequência, o volante recebeu cruzamento e cabeceou para defesa tranquilda de Luís Carlos, mantendo 0 x 0 no placar do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Vozão voltou um pouco mais  à vontade, mas a marcação no meio-campo e a quantidade de faltas excessivas atrapalhou o jogo. A primeira finalização surgiu apenas aos 18 minutos, quando Ricardinho chutou cruzado, Marinho dominou na área e finalizou com força, no entanto, a bola passou rente à trave esquerda, com muito perigo.

O Bahia tentou reagir aos 23 minutos, quando Zé Roberto arriscou de fora da área, mas mandou nas mãos de Luís Carlos. Dois minutos depois, Marinho viu a passagem de Samuel Xavier, que foi à linha de fundo e cruzou para Ricardinho. O meio-campista chutou de primeira, contou com a colaboração do goleiro Jean, que aceitou, e marcou o gol do Alvinegro Cearense: 1 x 0.

Com 29 minutos, Marinho recebeu de Magno Alves, disputou com o goleiro Jean e caiu na área. A arbitragem entendeu o lance como simulação do camisa 10 e ainda advertiu o atacante com o cartão amarelo. Um minuto depois, após troca de passes, a bola chegou para Zé Roberto, que chutou de primeira, mas parou na defesa sensacional de Luís Carlos.

Com o objetivo de dar novo fôlego ao setor ofensivo, o técnico Silas colocou Wescley e William nos lugares de Assisinho e Magno Alves, respectivamente. Perdendo diante do seu torcedor, o Bahia se lançou ao ataque e Maxi Biancucchi quase empatou aos 34 minutos, porém, a cabeçada do meia saiu pelo lado direito do gol. O Vozão respondeu dois minutos depois, com William, que recebeu passe de Ricardinho e cabeceou, mas mandou para fora.

Com apenas sete minutos em campo, o atacante William teve que ser substituído depois de sentir dores na coxa e deu lugar a Eloir. Depois disso, a única chance de ataque aconteceu aos 44 minutos, quando Maxi Biancucchi chutou forte, mas mandou para fora. Depois do apito final, os atletas comemoraram muito, afinal, o Vozão conquistou a vantagem do empate para o jogo de volta, que será na próxima quarta-feira, 29/04, no Castelão.

Agora, a delegação do Mais Querido vai retornar à capital cearense e o foco já deve ser o compromisso pelo Campeonato Cearense 2015, afinal, no próximo domingo, 26/04, o Vozão vai encarar o Fortaleza, no jogo de ida da grande Final da competição estadual. O desembarque do time será por volta das 12h30min e a reapresentação geral acontecerá somente na sexta-feira, 24/04, às 16 horas.

 

Site do Ceará Sporting Club

Jogo da volta

30/04/2015 00h17 – Atualizado em 30/04/2015 00h17

Inédito, invicto e de casa cheia! Ceará bate Bahia e leva a Copa do Nordeste

Ricardinho dá assistências para Charles e Gilvan, que decretam a maior conquista da história do Vovô. Estádio registra recorde de público: 63.903

Gilvan comemora gol do Ceará x Bahia (Foto: Juscelino Filho)

Zagueiros marcam os gols que deram a taça ao Ceará (Foto: Juscelino Filho)

Inédito, histórico, invicto… são tantas as alcunhas que talvez os 63.903 torcedores (recorde de público do estádio) que compareceram à Arena Castelão nesta quarta-feira (29), juntos, não sejam capazes de definir o tamanho da conquista do Ceará. Uma vitória maiúscula sobre o Bahia por 2 a 1 que confirmou a campanha impecável da equipe de Silas Pereira no certame nordestino. A coesão e a consistência era tamanha que se o ataque não acertava, a zaga resolvia. Os gols foram marcados pela dupla de beques Charles e Gilvan, em cruzamentos de Ricardinho. Um tento em cada etapa. Mas nem o gol de Max Biancchuchi foi capaz de desfazer a festa que coloriu de preto e branco o Castelão.

O domínio foi tão completo que se Magno Alves não resolvia, Ricardinho dava as cartas. O camisa 8, melhor jogador das finais, foi responsável pelas duas assistências que encontraram as cabeças de Charles e Gilvan, a dupla de zaga que se firmou na titularidade do Vovô. Pelo Bahia, nem Kieza nem Souza conseguiram resolver. Max Biancuchi até marcou, mas não adiantava mais. A festa foi caseira. E o torcedor sabe bem como comemorar.

O Bahia agora volta as atenções para o estadual. O Tricolor encara o Vitória da Conquista, no domingo (3), na Fonte Nova. Nos mesmos dia e horário, o Ceará enfrenta o Fortaleza, na mesma Arena Castelão, na finalíssima do Cearense. Tanto Tricolor Baiano (3 a 0) quanto Vovô (2 a 1) perderam o primeiro jogo nos estaduais.

Usa a cabeça, Vovô!

Na coletiva que precedeu o jogo contra o Bahia, Magno Alves garantiu: O jogo não iria para os pênaltis. Além de artilheiro, seria Magnata vidente? Façam suas apostas. Após os cerca de vinte minutos de atraso, uma franca troca de ataques brindou os torcedores da arquibancada. Rômulo, pelo Bahia, Magno Alves, pelo Ceará. Falta de oportunidade não foi. Sandro Manoel, bobamente, perdeu bola na intermediária e Kieza quase completou um contra-ataque perfeito para o Tricolor de Aço.

O Ceará, dominante com a bola nos pés, sabia exatamente o que fazer. O maestro Ricardinho, decisivo no jogo da Fonte Nova, novamente apareceu para marcar seu nome na história do centenário Vovô. Um cruzamento perfeito, na cabeça de Charles, deu a dianteira aos donos da casa. Explosão da massa alvinegra. De fato, não haveria mais disputa de pênaltis.

Ataque não marca? Zaga resolve!

Na volta do intervalo, Sérgio Soares precisava ir ao ataque. Sacou Rômulo e colocou Zé Roberto, mas o efeito não foi o desejado. Mais uma vez, foi o Ceará quem chegou com perigo. E mais uma vez, com os pés de Ricardinho, que acertou a trave e viu, caprichosamente, a bola correr pela área, sem que ninguém a colocasse para dentro do gol. O domínio era completo do Ceará. Dentro ou fora de campo. Dentro ou fora do estádio. A supremacia alvinegra era gritante. Tanto que, em nova cobrança de falta de Ricardinho, Gilvan, desta vez, subiu mais alto para decretar nova mudança no placar: 2 a 0 Vovô.

Se não vai na técnica, quem sabe na raça. O Bahia partia com o que tinha para o ataque. Saiu Pittoni, entrou Willians Santana. Até Sérgio Soares apressava uma reposição de bola, apostando as últimas fichas em alguma reação do Tricolor. Reação que não viria. Nem Kieza, nem Souza, nem nenhum tricolor seria capaz de colocar água no chopp do Ceará. Nem mesmo o gol de Max Bianccuchi, já nos minutos finais. A taça ficou no Ceará. O Castelão se coloriu de preto e branco.

GLOBO ESPORTE.COM

Cruzeiro 3 x 0 Joinville

Cruzeiro se despede da torcida, no Mineirão, com vitória sobre Joinville

Raposa chega a marca de 13 jogos de invencibilidade no Brasileiro; enquanto equipe catarinense foca no planejamento para 2016

O Cruzeiro deu um presente para cerca de 25 mil torcedores que estiveram na despedida do Mineirão em 2015. Venceu o rebaixado Joinville, por 3 a 0, gols de Willian, Charles e Alisson, dando o troco da derrota sofrida no primeiro turno, em Santa Catarina. A vitória serve para coroar a boa sequência de 13 partidas invicto e dar ânimo para a próxima temporada. No Joinville, fica a certeza de que muito trabalho deve ser feito para 2016. O jogo, válido, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro, foi disputado no Mineirão.

Com o resultado, o Cruzeiro permanece na oitava colocação, com 55 pontos. O Joinville, já com a cabeça na Série B do ano que vem, segue na lanterna, com apenas 31 pontos.

Na próxima rodada, a última do Brasileirão, o Cruzeiro enfrenta o Internacional, em Porto Alegre, enquanto o Joinville recebe o Grêmio, em Joinville. Os dois jogos estão marcados para as 17h (de Brasília) do próximo domingo.

Cruzeiro; Joinville; Mineirão (Foto: Washington Alves/Light Press)
Cruzeiro foi bem superior ao Joinville durante toda a partida no Mineirão
(Foto: Washington Alves/Light Press)

Superioridade azul

Cruzeiro e Joinville entraram em campo sabendo que o jogo pouco valia para os dois. O time mineiro já não tinha chances de terminar o campeonato no G-4, enquanto o catarinense já estava rebaixado. Dentro de campo, a partida foi interessante. A maior qualidade técnica do Cruzeiro foi refletida em amplo domínio territorial e de posse de bola, além do maior número de chances de gol criadas.

O ritmo do Cruzeiro já não era o mesmo do começo do jogo, quando o placar foi aberto. Mas ainda assim, a Raposa era superior em campo. Aos 34, Willian, sempre ele, recebeu na área e bateu forte pra fazer seu 11º gol no Brasileirão e se tornar o maior artilheiro do novo Mineirão, com 22 gols, ao lado de Ricardo Goulart. Cinco minutos depois, saiu o segundo. Um golaço de Charles! O volante arriscou da intermediária e contou com a ajuda do goleiro Agenor, que não conseguiu segurar a bola e a deixou entrar.

O segundo tempo foi bem parecido com o primeiro. O Joinville dava a impressão de que seu único objetivo era não sair de campo goleado, enquanto o Cruzeiro, em paz com a torcida, seguia dominando o jogo e criando suas chances de gol. O terceiro saiu aos 18 minutos. Marcos Vinícius e Willian começaram a jogada. Alisson concluiu, de dentro da área.

A partir daí, o que se viu de mais legal no Mineirão foi a festa da torcida do Cruzeiro, que cantou sem parar e repetiu o que fez durante todo o segundo turno do Brasileiro, livrando o time da parte perigosa da tabela de classificação. Ao Joinville, resta juntar os cacos e começar o planejamento para disputar a Série B do Campeonato Brasileiro do ano que vem.

GLOBO ESPORTE.COM

Ceará 3 x 0 ABC

Com quase 20 mil pessoas no Presidente Vargas, Vozão faz 3 a 0 no ABC e dorme fora da zona de rebaixamento depois de 5 meses. ABC pode cair ao fim desta rodada

Diante de quase 20 mil torcedores no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza, o Ceará bateu o ABC por 3 a 0 na noite desta sexta-feira, chegou a quarta vitória seguida na Série B do Brasileirão e vai dormir fora da zona de rebaixamento depois de cinco meses. O Vozão estava na Z-4 desde a sexta rodada. Com a derrota, o Mais Querido pode ter a queda para a Série C sacramentada ao fim desta 34ª rodada, em caso de vitórias de Macaé e Criciúma.

Ceará, ABC, Siloé (Foto: Christian Alekson / cearasc.com)
Siloé marca duas vezes na vitória do Ceará por 3 a 0 sobre o ABC
(Foto: Christian Alekson / cearasc.com)

O Vozão chega a 16ª posição, com 38 pontos conquistados, e agora aguarda o jogo do Macaé no sábado para definir a colocação na tabela. O ABC segue com 28 pontos, na 18ª posição, e dificilmente escapa do rebaixamento este ano.

Jogando de azul e com o apoio da torcida que encheu as arquibancadas do Estádio Presidente Vargas, o Ceará começou pressionando o ABC e assustou o goleiro Saulo logo no primeiro minuto no chute de Ricardinho. A primeira chance do time de Natal só veio aos 20 minutos, quando Bismark fez jogada individual e arriscou de longe. Mas não demorou muito para a pressão do Vozão dar resultado. Na cobrança de escanteio, o zagueiro Charles subiu sozinho e testou no gol para abrir o placar em Fortaleza. Dois minutos depois, em outra bola aérea, o Ceará marcou mais um. Ricardinho cruzou da direita, Siloé cabeceou para fazer 2 a 0 para os donos da casa e até chorou na comemoração do primeiro gol dele na Série B. Com o garoto Jones fazendo sua estreia como titular no ABC, o ataque não funcionou. Bismark bem que tentou de novo, mas foi o Ceará que quase fez o terceiro com Tiago Cametá. O lateral bateu forte de fora da área e a bola passou muito perto da trave de Saulo.

No segundo tempo, o treinador do ABC tirou um volante para colocar o meia de criação Ronaldo Mendes. Mas não teve jeito. Em noite inspirada, Siloé recebeu ótimo passe em profundidade de Wescley, invadiu a área e bateu cruzado para fazer o segundo gol dele no jogo e o terceiro do Ceará. A situação ficou tão ruim para o ABC que nos minutos finais Bismark recebeu na área e bateu em cima do companheiro Artur, que acabou impedindo o que seria o primeiro gol do Alvinegro potiguar. Com quatro vitórias em cinco jogos à frente do Ceará, o técnico Lisca saiu de campo aplaudido pela torcida, sob os gritos de “Ah, é Lisca doido!”.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Vasco 1 x 3 Cruzeiro

Em São Januário, Cruzeiro passa fácil pelo Vasco, que segue sem vencer

Raposa alcança a terceira vitória seguida sob o comando de Luxemburgo, que mantém aproveitamento de 100%. Sob vaias, cariocas afundam na zona da degola

Ainda não foi neste sábado que o Vasco conseguiu a primeira vitória no Brasileirão. Em São Januário, o time carioca foi derrotado por 3 a 1 pelo embalado Cruzeiro e viu a crise aumentar na Colina. Por outro lado, a Raposa chegou ao terceiro triunfo seguido e segue com 100% de aproveitamento desde a chegada do técnico Vanderlei Luxemburgo. Leandro Damião, duas vezes, e Charles, em falha gritando de seu xará – goleiro do Vasco -, marcaram os gols dos mineiros. Rodrigo, em bela cobrança de falta, descontou no fim.

Com o resultado, o Cruzeiro saltou cinco posições na tabela e ocupa agora a 8ª colocação, com 10 pontos. Sem vencer no campeonato e com apenas dois gols em sete rodadas, o Vasco segue na penúltima posição, com três pontos, à frente apenas do Joinville.

Os torcedores que pagaram por ingressos bem que tentaram apoiar o time. Até o primeiro gol do Cruzeiro, as arquibancadas de São Januário apoiaram. No segundo tempo, especialmente, o que se ouviu foram muitas vaias e gritos de “vergonha”. Muita gente deixou São Januário mais cedo e não viu o gol de honra do Vasco, nos minutos finais.

Jogadores do Cruzeiro comemoram gol (Foto: Marcelo Regua / Light Press / Cruzeiro)
Leandro Damião abriu o caminho para a vitória da Raposa. Atacante marcou dois gols
(Foto: Marcelo Regua / Light Press / Cruzeiro)

O Vasco começou melhor e animou a torcida em São Januário. Ao contrário dos últimos jogos, o time apresentou boa movimentação e conseguiu levar perigo ao gol defendido por Fábio. Em chutes da entrada da área, Emanuel Biancucchi e Gilberto quase marcaram. Mas foi o Cruzeiro, até então discreto, que saiu na frente. Caucaia perdeu a bola no meio de campo, o time mineiro saiu em velocidade, e Marquinhos achou Leandro Damião na entrada da área.  O atacante ainda tirou Luan da jogada e bateu com tranquilidade: 1 a 0. O time carioca deixou o primeiro tempo sob vaias.

Doriva Vasco (Foto: Paulo Fernandes / vasco.com.br)
Vasco, de Doriva, segue sem vencer no Campeonato Brasileiro
(Foto: Paulo Fernandes / vasco.com.br)

Na volta do intervalo, o Vasco ensaiou uma reação, mas não encontrou espaços para criar, uma vez que o Cruzeiro se fechou. Novamente, quando o Cruz-Maltino estava melhor em campo, a Raposa respondeu com gol. Charles recebeu de Willian e, de fora da área, chutou fraco. Seu xará, o goleiro Charles, do Vasco, falhou e aceitou. O Vasco desabou com o segundo gol, e a Raposa logo ampliou com Leandro Damião, em chute de fora da área. Quase no fim, Rodrigo descontou em cobrança de falta e marcou o gol de honra do Cruz-Maltino.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Cruzeiro 1 x 1 Ponte Preta

Cruzeiro faz primeiro gol no Brasileiro, mas Ponte reage e arranca o empate

Em um segundo tempo emocionante, Raposa sai na frente com Charles, em golaço de longe, porém, Biro Biro marca na sequência e mantém invencibilidade da Macaca

Enfim, saiu o primeiro gol do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. Mas a primeira vitória fica para uma próxima. Sem tempo para comemorar o golaço de Charles, aos 36 minutos do segundo tempo na noite deste domingo, no Mineirão, a Raposa viu a Ponte Preta reagir logo na sequência e empatar em 1 a 1 com Biro Biro para manter a invencibilidade e seguir em alta, com cinco pontos, em sétimo.

Com o foco voltado para a Libertadores, o atual bicampeão nacional utilizou apenas reservas e somou o primeiro ponto na atual edição. Foi o suficiente para deixar a lanterna para o Joinville, mas não para sair da zona de rebaixamento.

Cruzeiro x Ponte Preta  (Foto: DANIEL TEOBALDO - Agência Estado)
Cruzeiro e Ponte Preta ficaram no empate por 1 a 1 no Mineirão
(Foto: DANIEL TEOBALDO – Agência Estado)

Na quarta-feira, o Cruzeiro, com seu grupo principal, decide uma vaga às semifinais da Libertadores contra o River Plate. Após fazer 1 a 0 na Argentina, joga por um empate no Mineirão para confirmar a classificação. A Ponte também entra em campo na quarta: pela terceira fase da Copa do Brasil, inicia o confronto com o Coritiba, fora de casa.

Pelo Brasileirão, os times voltam a campo no fim de semana. Sábado, a Ponte recebe a Chapecoense, novamente com portões fechados devido a uma punição. No domingo, é a vez de o Cruzeiro visitar o Figueirense, em Florianópolis.

 

O jogo

A fase de estudos, com as equipes sem arriscar, deixou o primeiro tempo monótono até os 20 minutos. Foi quando a Ponte Preta apertou o ritmo, com marcação alta e jogadas de ultrapassagens, principalmente com Rodinei, pela direita. Já o Cruzeiro era previsível. O campo parecia penso para a esquerda. Quando conseguia pensar o jogo, insistia com Fabrício e Gabriel Xavier. A falta de entrosamento e também de variações facilitava ainda mais o serviço da Macaca.

Apesar da superioridade da Macaca, lances de perigo só mesmo com a bola parada. Em cruzamentos de Renato Cajá, Tiago Alves e Pablo chegaram perto de marcar. Para a sorte de Rafael, que saiu mal nas duas vezes, a cabeçada foi para fora.

O tédio ficou no vestiário. Na volta do intervalo, as equipes precisaram de apenas oito minutos para superar as (raras) emoções da etapa inicial. Do lado do Cruzeiro, Henrique acertou o travessão em cabeçada após escanteio. A Macaca respondeu com Cajá, que parou duas vezes em Rafael.

A postura agressiva dos times – mais dos donos da casa – deixou o jogo interessante. Marcelo Oliveira colocou o Cruzeiro para cima com as entradas dos atacantes Allison e Neílton nos lugares de Gabriel Xavier e Bruno Edgard, respectivamente. A Raposa foi para a pressão. E deu resultado. Em cobrança de falta ensaiada, Charles soltou a bomba para abrir o placar, aos 36 minutos. Mas as apostas de Guto Ferreira também surtiram efeito. Em lance com a participação de Cesinha e Borges, que substituíram Felipe Azevedo e Diego Oliveira, respectivamente, Biro Biro empatou logo na sequência. Os minutos finais foram de blitz cruzeirense, mas Marcelo Lomba apareceu bem para garantir o empate.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Marinho e Assisinho preocupam Silas para a partida contra do Ceará Sporting Club contra o Clube de Regatas Brasil

Brasão 1969

Pelo jeito a derrota para o Paysandu por 2 a 1, pela segunda rodada da Série B 2015, não foi o maior prejuízo para o Alvinegro. Na partida, Marinho e Assisinho acabaram se lesionando. O meia, principal jogador da equipe no atual momento, sentiu a coxa, já o atacante, artilheiro do Vovô no ano, sofreu uma entorse no joelho direito. Além da dupla,Silas Pereira não poderá contar com Fernandinho, que foi expulso.

Outro que preocupava, era Charles. O zagueiro foi substituído no intervalo, devido a dores de cabeça, após choque aéreo com um jogador adversário. O atleta passou por exames, ainda na capital paraense, e os resultados foram normais. Assim, o defensor deve ficar à disposição do treinador alvinegro.

Ceará e CRB se enfrentam na próxima terça-feira (26), às 19:30h, no Presidente Vargas. Ambas as equipes vem de derrota e precisam se reabilitar na competição.  O Vovô ocupa a 12ª posição, já o Galo da Pajuçara é o 17° colocado. O clube alagoano ainda não venceu no certame.

 

Jogada – Diário do Nordeste – 24/05/2015

Flávio Ricco comenta que algumas coisas ditas em narrações esportivas poderiam ser descartadas

 propósito…

De narrações esportivas, aqueles que se encarregam disso precisam partir do princípio que o telespectador está vendo tudo. As 33 câmeras colocadas no estádio de futebol permitem a todos acompanhar o que acontece. Nos mínimos detalhes.
E que em determinados momentos é necessário homenagear o silêncio. Entre outras coisas, para evitar a redundância e não cair no grotesco.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery