Coluna do Tom Barros 07 de junho de 2013

Escudo do Ceará Sporting Club

Em busca do padrão ideal

Recordando. No famoso Beco do Cotovelo, na querida cidade de Sobral, Luiz Torquato posa defronte o Cafe de sua propriedade. Luiz foi presidente do Guarany durante décadas, tendo conquistado o mais importante título do clube: campeão brasileiro da Série D em 2010. Esta foto está no livro “Na Boca do Becco”, de César Barreto Lima e Marcelo Barreto Alves.

O time do Ceará, pelo que vem mostrando, não tem a confiança do torcedor. Para sonhar com a Série A nacional em 2014, ano de seu centenário e ano da Copa do Mundo, o alvinegro terá de ralar muito. Em nenhuma das quatro partidas que realizou (São Caetano, Paysandu, ABC e Oeste) o alvinegro deu sinais de um padrão ajustado, coerente, pronto para superar os desafios. Numa avaliação parcial, é possível dizer que, com o atual nível de produção, o time tem futebol para não cair, mas jamais para chegar entre os quatro primeiros. Há tempo, porém, para as devidas correções. A chegada de um novo técnico é o momento ideal. Mas, estancado como está, não pode demorar muito.

Intercâmbio

No Fortaleza, há jogadores que estão em franca ascensão, desde a goleada sobre o Confiança, passando pela goleada sobre Baraúnas. Cito, por exemplo, Guaru e Esley. Quanto a Assisinho não é preciso dizer muita coisa, pois há muito vem dando provas de seu talento. O jogo de amanhã contra o Águia será divisor de águas. Se o Leão acabar de vez com o fantasma paraense, abrirá o caminho rumo à ascensão para a Série B em 2014. Tem futebol para isso.

Salários

O repórter José Maria Melo, numa conversa com o presidente do Ceará, Evandro Leitão, ficou espantado com os valores pedidos pelos técnicos Silas (R$ 220 mil) e Jorginho (R$ 180 mil), quando consultados pela diretoria do Ceará. Fico a pensar até que ponto vale a pena pagar salários tão elevados. Já está na hora de uma revisão nos valores para torná-los compatíveis com a capacidade de pagamento dos nossos clubes. Está demais, gente.

Homenagem Coral

Hoje, às 19h30, na Câmara Municipal de Fortaleza, Sessão Solene em homenagem aos 80 anos de fundação do Ferroviário Atlético Clube. Por iniciativa do vereador Wellington Sabóia, o requerimento foi subscrito pelos vereadores José do Carmo, Benigno Júnior, Toinha Rocha, Carlos Mesquita e Fábio Braga. Mesquita, além de torcedor coral, foi presidente do clube. O Ferroviário tem nove títulos de campeão cearense, tendo sido vice-campeão estadual dezenove vezes. Uma força que merece apoio para retomar seu destino de conquistas.

Dimas, outra vez

Perdi as contas. Mas quem não as perdeu. Dimas Filgueiras, técnico do Ceará. Interino, outra vez. Recordista absoluto. Duvido que no Brasil alguém tenha assumido tantas vezes o comando técnico de um mesmo clube. Vai para o Guinness Book of World Records. E mais importante: sempre que assume, Dimas deixa a marca de sua competência, tal como fez recentemente ao assumir o Ceará justo num clássico diante do Fortaleza. Dimas ganhou.

Novo momento

Saindo das turbulências (duas derrotas seguidas no Romeirão e desistência do técnico Diá), o Icasa busca em Arapiraca a recuperação. Já faz tempo o Asa tem sido um calo na trajetória do futebol cearense. Icasa e Ceará que o digam. O atacante Léo Gamalho, do Asa, tem sido o tormento quando enfrenta os clubes daqui. O Icasa tem surpreendido pela capacidade de superar momentos adversos. Resta saber se sem Diá terá a mesma força de retomada.

Gosto de jogar de volante, minha posição de origem. Às vezes, jogo de terceiro zagueiro. E dou tudo de mim. Mas me especializei mesmo como volante em toda a minha carreira”.

Coluna redigida pelo jornalista Tom Barros para o jornal cearense Diário do Nordeste no dia 07 de junho de 2013