Barcelona e Bayern München vai ser transmitido pela Globo e pela Band depois de amanhã

Bandeira de Espanha Bandeira da Alemanha

 

Band e Globo vão transmitir Barcelona e Bayern pela Liga dos Campeões, na quarta-feira, dia 6, a partir de 15h45.
Téo José e Neto de um lado, Galvão Bueno, Walter Casagrande e Leonardo Gaciba de outro.

A Band contará com os serviços do repórter Felipe Kilingn no Camp Nou em Barcelona, enquanto a Globo irá acionar  Marcelo Courrege.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Let´s remember the two matchs between Bayern München and Barcelona in UEFA Champions League 2012/2013

Published: Tuesday 23 April 2013, 22.50CET
FC Bayern München 4-0 FC Barcelona
Thomas Müller scored twice as Bayern recorded the biggest victory in a semi-final game and closed in on a third final in four years.
FC Bayern München made giant strides towards a third UEFA Champions League final in four seasons with a memorable semi-final first-leg triumph against FC Barcelona.The Bundesliga champions’ record-breaking campaign reached fresh heights as Thomas Müller started and finished the scoring on a famous night in Munich. Mario Gomez and Arjen Robben added further goals to secure a landmark victory which inflicted a heaviest European away defeat on Barcelona and left the four-time trophy winners with a mountain to climb in next Wednesday’s Camp Nou return.

After stepping out to a magnificently choreographed red-and-white display which spanned the entire arena, Bayern harnessed the home support and began powerfully, driving forward and creating the game’s first opportunity just two minutes in. Javi Martínez’s back-heel gave Robben time to set himself in the box only for the Dutchman to poke straight at Víctor Valdés.

Once the early advances subsided, Barcelona started to dominate possession and their incessant pressing forced Bayern to move the ball quickly out of defence. Though used to controlling matches, playing on the counterattack nevertheless seemed to suit the hosts, who looked dangerous on either flank and broke the deadlock in the 25th minute when Dante nodded Robben’s cross back for Müller to head past Valdés at the near post.

Barça came close to equalising when Pedro Rodríguez’s low cross was taken off the toes of the returning Lionel Messi in the centre by Dante, but otherwise Bayern continued to enjoy the upper hand, winning the duels in the middle and raiding with purpose.

The visitors regained their composure towards the interval, but were undone once more four minutes after it, as Bayern doubled their tally. Müller was again involved, heading Robben’s corner into the danger zone for Gomez, deputising for the suspended Mario Mandžukić, to tap in. It was the perfect tonic for any home fans fearful of a Barcelona revival and inspired a flurry of further chances.

First Müller dragged past the post after a diagonal run. Franck Ribéry was then unable to apply the finish after being fed by Robben, who next rose above Alexis Sánchez to glance Bastian Schweinsteiger’s free-kick wide.

The ball remained Blaugrana property for the most part, yet for all the intricate passing of Messi, Xavi Hernández and Andrés Iniesta, Bayern always had a body in the way. Marc Bartra might have pulled one back from close range, but Neuer made the save and the Bavarians’ back line would not be threatened again.

Instead, Barcelona were caught out twice more before the end. Robben notched Bayern’s third after a swift counterattack, drifting in from the right and slotting into the far corner, before Müller tapped in the fourth with eight minutes remaining. It signalled Barça’s biggest defeat since May 2007 and reversed Bayern’s 4-0 quarter-final loss at Camp Nou in 2009 – and, most crucially, took the German champions to the brink of a second successive final.

© 1998-2014 UEFA. All rights reserved.

Clinical Bayern complete Barcelona conquest

Published: Wednesday 1 May 2013, 22.50CET
FC Barcelona 0-3 FC Bayern München (agg: 0-7)
The German side recorded the biggest aggregate win in a UEFA Champions League semi-final to set up an all-Bundesliga final at Wembley on 25 May.
FC Bayern München enjoyed an exceptional night in an already glorious history with a comprehensive victory at FC Barcelona, reaching a second consecutive UEFA Champions League final and setting up an all-German affair against Borussia Dortmund at Wembley on 25 May.With the Bundesliga champions already 4-0 up from the first leg, second-half goals from Arjen Robben and Thomas Müller either side of a Gerard Piqué own goal, completed the biggest aggregate win in a UEFA Champions League semi-final. It was also Barcelona’s heaviest aggregate defeat in UEFA competition, and the first time the Catalan club had lost both legs of a European tie since March 1987. Bayern deserved every accolade that came their way.

Nevertheless, even though the first game had been such a clinical defeat and regardless of the disappointment that Lionel Messi was fit only for the bench, this was initially a much more typical Barcelona performance. In terms of work-rate, self-confidence and positive intentions, Tito Vilanova’s team were at least equal to opponents who had overrun them eight days earlier.

Bayern showed clear intent, however, to try and press with the same diligence and intelligence witnessed in Munich, then pounce on errors. Thirteen minutes in that nearly paid a rich dividend when Bastian Schweinsteiger used the ‘third-man run’, a tactic so beloved of Barcelona themselves, to set Robben haring in on goal. Piqué’s tackle was a goal-saving intervention.

Before the half was out Piqué was required to produce equally vital interceptions to deny Philipp Lahm and Mario Mandžukić, with the influential Schweinsteiger again at the heart of both moves.

However, because Barcelona were working so hard, they too enjoyed their opportunities. Pedro Rodríguez’s shot had the virtue of being an instant decision and so well struck that Manuel Neuer needed his full length to tip it over. Xavi Hernández then hooked a half-volley narrowly over at a time when a Blaugrana goal would have given a real competitive edge to an already intriguing match.

Yet chances missed will always come back to haunt, particularly at this level. Four minutes after the break Barcelona cleared a corner as far as David Alaba on the halfway line. The full-back’s long crossfield pass exposed the defence and allowed Robben space to run at Marc Bartra. In his trademark manoeuvre the Dutchman ran straight, cut inside onto his left foot and smashed the ball beyond Valdés.

Soon both Xavi and Andrés Iniesta were taken off, an indication that for the Barça staff this tie was already lost and tired stars could be protected. Confirmation came with 18 minutes left when Franck Ribéry’s fierce left-wing centre sliced off Piqué’s shin as he tried to clear and bulged the net.

Four minutes later, Barcelona’s misery was complete. Ribéry lofted another cross to the back post and Müller outmuscled Bartra and Adriano to nod in, capping a genuinely remarkable night for Jupp Heynckes’ heavyweights, whose ruthless and stylish display bodes well for a fifth European title in north London.

 

© 1998-2014 UEFA. All rights reserved.

Após eliminação humilhante, jornais alemães chamam Bayern de “Botafogo de Munique”

Para ser um legítimo botafoguense, só faltou chorar (FOTO: Seedorf)

 

Existe a derrota, a derrota feia, a derrota humilhante e derrota à la Botafogo. E quando esta última ocorre, amigo, haja coração! O Bayern de Munique foi humilhado pelo Madrid e eliminado da UCL com duas derrotas, sem marcar e com uma sonora goleada em casa de 4 a 0. O jogo foi tão fácil que o técnico do Madrid, Carlo Ancelotti, colocou o Casemiro no 2° tempo só para tirar onda.

Depois do resultado, os jornais alemães e os torcedores rivais não perdoaram. Muitas críticas e piadas surgiram, mas uma realmente chamou a atenção por ser pesada e humilhante: o clube alemão foi chamado de Botafogo de Munique, em alusão à botafogueada da equipe.

O jornal Chucrutz Post classificou a derrota como a maior botafogueada da história do Bayern. Já o jornalista Heinz Harald Frentzen lembrou daeliminação do Botafogo na Libertadores com derrota por goleada, reforçando a semelhança.

Criticado até mesmo em vitórias, Guardiola sabe que após uma derrota como esta seu cargo deve ficar vago em breve. Por isso, o espanhol já curtiu Catho Online.

A partida também rendeu uma péssima notícia para os fãs do futebol.  Com a suspensão de Xabi Alonso, Casemiro deve jogar a final da UCL. É melhor os Deuses do Futebol começarem a mexer seus pauzinhos.

 

OLÉ DO BRASIL .COM.BR

Bayern München evolui com Pep Guardiola e pode ser campeão e recordista sábado

Vitória sobre o Mainz e tropeços de Borussia e Schalke garantem bicampeonato com incríveis oito rodadas de antecedência. Invencibilidade na Bundesliga já dura 50 jogos .

Guardiola Arsenal x Bayern (Foto: Reuters)

Guardiola está perto de conquistar a Bundesliga com o Bayern de Munique (Foto: Reuters)

Contrariando até clichês, o Bayern de Munique mudou o time que estava ganhando. Foi uma decisão surpreendente, especialmente pelo desafio de repetir as glórias com um novo treinador. Pep Guardiola substituiu o detentor da Tríplice Coroa Jupp Heynckes no início da temporada e precisou de meses para adaptar o seu estilo predileto no esquadrão bávaro. Em menos de um ano, está em vias de conquistar o seu terceiro título e com ele estabelecer um novo recorde.

Quebrar marcas parece ser o passatempo predileto de Pep e seu elenco estelar. Uma vitória sobre o Mainz, neste sábado, combinada com tropeços de Borussia Dortmund (visita o Hannover, 11º colocado) e Schalke (recebe o lanterna Eintracht Braunschweig), garantirá o bicampeonato com impressionantes oito rodadas de antecedência. Na pior das hipóteses, um outro triunfo na terça-feira, diante do Hertha Berlim, na capital, também assegura matematicamente o caneco sem depender de outros resultados. O GloboEsporte.com acompanha Dante, Rafinha e companhia em Tempo Real a partir das 11h30m (de Brasília).

Info Bayern de Munique Supremacia (Foto: Editoria de Arte)

Se consagrar campeão em março seria apenas um dos feitos inéditos. O Bayern de Munique 2013/14 tem até aqui a melhor média de pontos por jogo da história das quatro principais ligas europeias (Alemanha, Espanha, Itália e Inglaterra), com 2,84, superando a própria equipe de Jupp Heynckes, campeão com 91 pontos (2,68 de média) em 2012/13.

Achou pouco? Que tal as 50 partidas de invencibilidade na Bundesliga? A última derrota ocorreu com Jupp Heynckes, em 28 de outubro de 2012 – o Arsenal, com 49 jogos entre 2003 e 2004, foi superado. O próximo da lista é o Milan, com 58 jogos sem perder entre 1991 e 1993. A sequência de vitórias é igualmente incrível: são 17 seguidas, com 59 gols pró e nove contra, fazendo dos supostos rivais pelo título presas irreconhecíveis – caso, por exemplo, do Schalke, que sofreu 9 a 1 no placar agregado após turno e returno.

INFO Campeonato alemão Números do Bayern de Munique (Foto: Editoria de arte)

Corneta dentro de casa

Abusando de outro clichê, Guardiola não pode reclamar dos ovos que contou para fazer este omelete. Chegaram Mario Götze e Thiago Alcântara – saíram jogadores apenas com o seu aval: Mario Gómez, Luiz Gustavo e Emre Can. Administrar o ego de tantos nomes de impacto no cenário europeu tem sido uma tarefa árdua para Pep. Até mesmo dentro de casa.

– Minha esposa Cristina muitas vezes reclama de minhas táticas. Ela continua me dizendo que eu deveria ficar com os jogadores que venceram o último jogo. Explicar para ela meu sistema de rotação é muito mais difícil do que dizer para Arjen Robben que ele vai ter que se contentar com um lugar no banco. Com muitas estrelas no plantel, como temos no Bayern e eu tive no Barça, pode se chegar a situações em que a dversidade pode ser destrutiva. Todos querem jogar. Por exemplo, sempre que deixava Messi no banco havia confusão em Barcelona – disse o treinador em recente entrevista.

O holandês Robben, citado por Guardiola, concorda.

– Eu estou feliz por termos tantos jogadores talentosos. Sempre tivemos dois ou três lesionados, agora estamos praticamente com o elenco à disposição. E há apenas uma pessoa neste caso que passa por um aperto nessas situações. Esse é o treinador. Não é fácil decepcionar as pessoas.

ribery dante robben bayern munique x Wolfsburg  (Foto: Reuters)
Robben, Dante e Ribéry: grande número de estrelas permite variações no esquema de Guardiola (Foto: Reuters)

As variedades táticas e importância dos adversários permite Pep a deixar no banco de reservas não apenas Robben, como Götze, Mandzukic, Thiago Alcântara, Thomas Müller, Schweinsteiger e até o capitão Philipp Lahm. Há de se entender que, num meio de quase 20 atletas excepcionais, apenas 11 podem começar jogando.

– Eu nunca vi um treinador como ele e eu estou prestes a completar 40 anos no Bayern. Este homem prepara a equipe até o último detalhe: Taticamente, fisicamente, mentalmente. Ele tem um plano muito claro de como os jogadores devem se comportar fora de campo. Isso é o que eu sempre gostei sobre o Barcelona: seus jogadores não são arrogantes. Você não pode cometer o erro de confiar exclusivamente em títulos. Para mim, a coisa mais importante é o que acontece na semana, durante o treinamento – afirmou Karl-Heinz Rummenigge, CEO do Bayern.

‘Xô, arrogância!’

 

A humildade definitivamente é um dos segredos. Guardiola não considera falta de respeito explorar as deficiências de seus rivais e chegar a fazer cinco, seis gols. Mas não o deixe ver passando o pé por cima da bola, ensaiando jogadas de efeito apenas porque o adversário está batido.

– O Pep sempre nos passa o que precisamos melhorar, cobra foco, exige que não nos deixemos levar pelo sucesso. Manter os pés no chão é a nossa força para vencer a cada semana. Temos um grupo fortíssimo, mas não é o fator mais importante. E sim como trabalhamos, como podemos ser os melhores e chegar um pouquinho mais perto da perfeição – resumiu Dante ao GloboEsporte.com.

– O que aconteceu na temporada passada já passou, não volta mais. Temos é que brigar para acontecer tudo de novo. Estamos na história do Bayern? Sim. Mas aqui o lema é ganhar sempre. Essa euforia nós temos que deixar para o torcedor. Eles podem usufruir dessa temporada mais do que nós – opinou Rafinha.

Chato de se ver?

Beckenbauer Alemanha no jogo Espanha (Foto: Getty Images )
Ídolo Beckenbauer teme ver o ‘Bayern jogando como Barcelona’ (Foto: Getty Images )

Para não fugir das frases prontas, Guardiola poderia citar que é impossível agradar a gregos e troianos ao ouvir críticas direcionadas ao estilo de jogo de sua equipe. Franz Beckenbauer, ícone do clube e da seleção alemã, afirmou que temia ver o Bayern “jogando como o Barcelona, impossível de se assistir”.

– Ninguém vai querer nos ver, pois quando estão na linha do gol, os jogadores tocam outra vez a bola para trás – alfinetou.

O excesso de passes é uma das antíteses em relação ao time de Jupp Heynckes, mais vertical quando tinha a posse de bola. Com Pep, o Bayern procura cansar seu oponente até dar o bote e finalizar, ilustrado pelos 50 passes em média até cada uma das 14 finalizações no empate com o Arsenal, por 1 a 1, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões. Pode não ser o entretenimento ideal para os espectadores, mas os fins, até aqui, têm sido os mesmos.

– O modo de jogar mudou um pouco. Estamos mais no campo ofensivo, temos mais a bola no meio em vez das pontas. Achamos espaços para nossos atacantes. Mas Guardiola não quer fazer concessões. Ele quer inspirar o time – disse Thomas Müller.

INFO Campeonato alemão seleção derrotaria o Bayern de Munique (Foto: Editoria de arte)

Tamanha superioridade levou a página oficial da Bundesliga a criar uma enquete pedindo para torcedores elegerem a seleção ideal sem jogadores do Bayern. O volante Luiz Gustavo, da Seleção e do Wolfsburg, foi um dos escolhidos com outros cinco nomes do Borussia Dortmund, entre eles o de Robert Lewandowski, já de pré-contrato assinado com os bávaros. Para a entidade, este seria um time capaz de acabar com o reinado do Bayern, que caminha para ser o primeiro campeão invicto da história do país.

Domínio ou equilíbrio?

Info Bayern de Munique - Maiores Campeões Bundesliga (Foto: Editoria de Arte)

Como o rival à altura ainda faz parte da ficção, é sensato acreditar que o cenário não mudará em curto prazo. Mas há alguns poréns que podem preencher esta enorme lacuna entre o Bayern de Munique e os “mortais” na Alemanha – a diferença de títulos da Bundesliga aumentará para 18.

Primeiro é preciso analisar rapidamente o próprio Bayern. Tudo o que o clube construiu em sua história recente é resultado de uma administração financeira responsável e inteligente – exceção feita ao ex-presidente Uli Hoeness, condenado ironicamente a três anos e meio de prisão por fraude fiscal.

– Não é que eles ganharam dinheiro na loteria ou um cara russo chegou e doou um monte de dinheiro. É consequência de um belo trabalho. E é nosso dever nos aproximarmos – disse Jochen Schneider, director esportivo do tradicional Stuttgart, vice-lanterna da Bundesliga.

Por mais que principalmente o Borussia Dortmund condene as compras de Götze e Lewandowski, o Bayern deverá seguir com a mesma filosofia. É muito mais simples recorrer ao mercado interno, onde domina, do que tirar um jogador do Chelsea, Manchester City, Real Madrid ou Barcelona. Cabe às vítimas se fortalecerem financeiramente para evitar perdas significativas, ou simplesmente, no caso do centroavante polonês, aproveitar as oportunidades que o mercado oferece – o clube optou por mantê-lo em seu último ano de contrato, mesmo com sua saída iminente e sem ressarcimento por parte dos bávaros.

Um sinal positivo é o novo acordo de TV da Bundesliga, que deverá render € 1,2 bilhão (R$ 3,84 bilhões) por ano até 2016. Uma divisão igualitária da renda, ao contrário do que acontece na Espanha, por exemplo, dá a chance aos outros postulantes a expandirem suas marcas exatamente como fez o Bayern, hoje presente com um escritório até nos Estados Unidos.

Outro exemplo de que “nem tudo está perdido” vem da Liga dos Campeões. Apesar da diferença abrupta do Bayern para seus concorrentes locais, outros três clubes (Borussia Dortmund, Schalke e Bayer Leverkusen) conseguiram se classificar para as oitavas de final. Um fato inédito que ainda situa uma força dos alemães dentro do continente. Ter o Bayern como modelo, neste caso, pode ser uma meta e tanto.

Robert Lewandowski comemoração gol Borussia Dortmund e Zenit (Foto: Getty Images)
Destaque do rival Borussia, Lewandowski já tem acordo para defender o Bayern na próxima temporada (Foto: Getty)
Fonte : GLOBO ESPORTE . COM

Heynckes: Bayern hat große Dekade vor sich

Heynckes: Bayern hat große Dekade vor sich

© Getty Images

Jupp Heynckes sagt dem FC Bayern München eine langanhaltende Dominanz voraus. “Ich sehe keine bessere Mannschaft in Europa als Bayern, sie ist stark genug, in den kommenden Jahren die Nummer eins in Europa zu bleiben”, sagte der zurückgetretene Erfolgstrainer in einem Interview mit dem kicker. Heynckes hatte die Münchner in der vergangenen Saison zum Triple aus UEFA Champions League, Meisterschaft und DFB-Pokal geführt. Unter seinem Nachfolger Pep Guardiola kamen noch der UEFA Supercup und der Titel bei der FIFA Klub-Weltmeisterschaft dazu.

Unter ihm, ergänzte Heynckes (68), sei die Mannschaft “nicht nur die beste Europas, sondern der ganzen Welt” gewesen. Dabei werde es auch noch ein Jahrzehnt bleiben, prophezeit er. “Eine Mannschaft, die so strukturiert ist, vom Alter, von der Qualität und vom gegenseitigen Respekt, hat noch eine große Dekade vor sich.” Die Besetzung des Kaders sei “einzigartig in Europa”, die Mannschaft “außergewöhnlich mit ihren fantastischen Charakteren, die absolut erfolgreich sein wollen.”

Ihm selbst, berichtete Heynckes, gehe es “blendend”, es sei eine Erleichterung, nicht mehr die vielen Termine in der Öffentlichkeit wahrnehmen zu müssen. Darüber hinaus sei er “tief berührt von der Anerkennung und der Sympathie, die mir tagtäglich entgegengebracht wird”, sagte er. “Es ist überwältigend, wo immer ich hinkomme, werde ich angesprochen, vor allem von jungen Leuten.”

Heynckes sieht sich dadurch auch in seiner Entscheidung bestätigt, seine Laufbahn als Trainer beendet zu haben. “Es war richtig, nach den Erfolgen dieses Jahres Schluss zu machen.” Angebote von Real Madrid, Paris St. Germain, AS Monaco oder anderen Klubs aus Russland oder Katar hätten ihn kalt gelassen. “Das hatte für mich weder sportlichen noch wirtschaftlichen Reiz. Nach Bayern München und diesem Jahr hätte ich nirgends das vorgefunden, was ich hinterlassen habe.”

 

FIFA.com

Band consegue boa audiência com a Copa do Mundo de Clubes da FIFA Marrocos 2013 e Torneio Internacional de Futebol Feminino

A Band alcançou neste sábado, 21, o segundo lugar no IBOPE com a transmissão da final do Mundial de Clubes da FIFA, entre Bayern e Raja Casablanca. O jogo marcou 6 pontos de média com pico de 7. Antes da partida, a emissora transmitiu a disputa pelo terceiro lugar, entre Atlético-MG e Guanghzou, conseguindo média de 3 pontos, pico de 5 e o terceiro lugar na audiência.

 

No domingo, 22, a emissora exibiu também a final do Torneio Internacional Feminino, entre Brasil e Chile, com 6 pontos de média, 8 de pico e conquistando o segundo lugar na audiência do horário.

 

Fonte: IBOPE Media Workstation (Dados da Grande SP).

O Planeta TV

Conheça o caminho do Atlético Mineiro na Copa do Mundo de Clubes da FIFA Marrocos 2013

Rota traçada para o Galo

© AFP

 

Atlético Mineiro já sabe que caminho vai trilhar na Copa do Mundo de Clubes da FIFA Marrocos 2013. O sorteio oficial realizado no grande salão do hotel La Mamoudia, em Marrakech, nesta quarta-feira, determinou que o Galo, campeão da Copa Libertadores, enfrentará nas semifinais o Auckland City, o Raja Casablanca ou o Monterrey. Do outro lado da chave está o Bayern de Munique, campeão da UEFA Champions League. O clube alemão vai encarar quem vencer o duelo entre ocampeão asiático e o campeão africano.

Ao final de uma bela cerimônia, conduzida magistralmente pelo jornalista marroquino Jalal Bouzrara, a sorte foi lançada. Músicas, apresentações, vídeos e discursos aqueceram o clima para o tão aguardado momento em que as bolinhas traçaram o destino dos competidores, todos devidamente apoiados por seus torcedores, que participaram da cerimônia.

A festa das torcidas, aliás, começou com um duelo entre Raja Casablanca, campeão nacional e representante do país anfitrião, e Auckland City, vencedor da Liga dos Campeões da Oceania. No palco, cativantes cânticos marroquinos foram prontamente rebatidos por um impressionante hakaneozelandês. Embora os dois times já estivessem cientes de que abririam o torneio com a disputa de um play-off no dia 11 de dezembro, em Agadir, eles agora sabem também que o vencedor do confronto enfrentará o Monterrey nas quartas de final. Além disso, a outra partida das quartas de final colocará frente os representantes da Ásia e da África, que entrarão em campo algumas horas antes. Esses dois jogos serão realizados no dia 14 de dezembro, no Estádio de Agadir, que tem capacidade para 45 mil pessoas.

Os vencedores das quartas de final avançarão para as semifinais, etapa em que os dois grandes favoritos do torneio entrarão na disputa. Na primeira semifinal, o Bayern de Munique, vencedor da Liga dos Campeões da UEFA, medirá forças com o vencedor do jogo entre os representantes da Ásiae da África no dia 17 de dezembro, em Agadir. Já o Atlético Mineiro, campeão da Copa Libertadores, jogará no dia seguinte contra o vencedor do outro confronto das quartas de final, que pode ser Raja Casablanca, Auckland City ou Monterrey.

Quem levar a melhor nas duas semifinais disputará o direito de se tornar o décimo campeão mundial de clubes da FIFA, sucedendo ao Corinthians, que ganhou em 2012 no Japão. Até o momento, o título nunca foi conquistado por equipes de fora da Europa e da América do Sul. Auckland City, Raja Casablanca, Monterrey e os futuros campeões da Ásia e da África já sabem o caminho a ser percorrido para colocar um ponto final nesse tabu.