Palmeiras 3 x 3 Corinthians

Palmeiras e Corinthians fazem jogaço e empatam por 3 a 3 na casa alviverde

Dérbi é disputado em ritmo alucinante, com muitos gols e boas jogadas. Verdão toma a iniciativa, fica três vezes à frente do placar, mas cede empates ao Timão

Um Dérbi para ser lembrado por muito tempo. Palmeiras e Corinthians fizeram um jogaço neste domingo, na arena palmeirense, pela 23ª rodada do Brasileirão. O empate, por 3 a 3, poderia ter tido um placar ainda maior, tamanho o volume de jogo e as chances criadas pelas duas equipes.

Para o Verdão, um gostinho amargo. Afinal, o time tomou a iniciativa e esteve à frente do placar três vezes, gols de Lucas, Robinho e Dudu. Para o Timão, uma demonstração de garra para não se entregar em nenhum momento. Os gols corintianos foram de Guilherme Arana, Amaral (contra) e Vagner Love.

O Timão se mantém na liderança, com 50 pontos, mas vê a diferença para o Atlético-MG, que venceu o Vasco no sábado, diminuir para dois pontos. Já o Palmeiras, com 35, fica em sétimo lugar.

Palmeiras x Corinthians Lucas Malcom (Foto: Marcos Ribolli)
Lucas e Malcom disputam bola durante clássico na arena do Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli)

O JOGO

O primeiro tempo do Dérbi foi alucinante: cinco gols, várias jogadas de perigo, disputas intensas. Um grande jogo, enfim. O Palmeiras começou em cima, marcando forte as saídas de bola do rival. O Corinthians, bem a seu estilo, se encolhia tentando encaixar o contra-ataque.

O placar começou a ser movimentado aos 18 minutos. Lucas, destaque do Verdão, foi à linha de fundo, pela direita, e cruzou. A bola desviou em Guilherme Arana e encobriu Cássio.

O Corinthians procurou sair com um pouco mais de rapidez após sofrer o gol e conseguiu o empate aos 24. Malcom percebeu o avanço de Arana pela esquerda e deu o passe. O jovem lateral recebeu e, com um leve toque, tirou a bola do alcance de Prass.

O jogo era muito intenso, e a resposta do Verdão foi rápida. Lucas, novamente, foi à linha de fundo e acertou ótimo cruzamento para Robinho marcar o seu primeiro gol no Brasileirão, aos 26.

O jogo tinha uma sequência que parecia ensaiada: Verdão atacando, fazendo gol, e o Corinthians intensificando suas ações quando ficava em desvantagem. Assim, saiu o segundo gol alvinegro.

Logo após Prass salvar o time da casa evitando o que seria um golaço de Renato Augusto, que fez fila, invadiu a área e parou no goleiro, o Timão teve uma falta do lado esquerdo. Na cobrança, Marciel desviou de cabeça, Prass espalmou, e Love chegou para completar. A bola ainda tocou em Amaral antes de entrar. O juiz deu gol contra do volante do Verdão, aos 37.

O Palmeiras não se deixou abater e voltou novamente à frente do placar aos 41. Em cobrança de escanteio da esquerda, de Zé Roberto, Alecsandro desviou, e Dudu apareceu livre para escorar de cabeça.

Após um primeiro tempo tão intenso, os times diminuíram o ritmo no segundo. O jogo se tornou um pouco mais truncado, mas, ainda assim, agradável e com gols. O Palmeiras seguiu comandando as ações, com o Corinthians aguardando espaços para contra-atacar.

O Verdão foi quem criou (e perdeu) as melhores chances: aos 10, com Gabriel parando em Cássio, e aos 29, com Zé Roberto desperdiçando grande chance ao receber livre na área e chutar por cima.

Justamente quando os donos da casa eram melhores, o Corinthians chegou ao gol de empate: em cobrança de falta aos 33, Felipe cabeceou, a bola bateu na cabeça de Vagner Love e entrou.

GLOBO ESPORTE.COM

De olho no G-4, Ceará embarca para desafio duplo fora de casa

16h25 | 25.09.2014

Quinto colocado, Vovô encara Ponte Preta, sábado, e Vila Nova, terça-feira, para tentar retornar ao grupo de acesso

565dc-ceara

Após reencontrar o caminho das vitórias e permanecer colado no G-4 da Série B, o Ceará terá dois desafios longe de casa para tentar manter vivo o sonho do acesso. No início da tarde desta quinta-feira (25), o Alvinegro embarcou para Campinas, onde enfrenta aPonte Preta, no próximo sábado (27), às 16h10, no estádio Moisés Lucarelli. Na próxima terça-feira (30), o adversário será o Vila Nova, em Goiânia.

No período da manhã, o elenco alvinegro realizou o último treino antes da viagem, em Porangabuçu – os titulares fizeram apenas um trabalho regenerativo. Depois, os 20 jogadores relacionados seguiram rumo a solo paulista. A última atividade antes da partida será na próxima sexta (26).

Para enfrentar a Macaca, o técnico Sérgio Soares não poderá contar com o lateral-direito Samuel Xavier, que recebeu o terceiro cartão amarelo – apesar disso, seguiu com a delegação visando ao jogo diante do Vila Nova. Sem o camisa 2, Marcos ganha chance na lateral direita.

Em contrapartida, o meia Eduardo, que foi poupado na vitória por 2 a 0 sobre o América-RN, na última terça (23), devido ao desgaste físico, fica novamente à disposição e reforça a equipe.Lulinha, então, cede a vaga no meio-campo e retorna para a reserva.

Com as duas mudanças, o Vovô deverá ir a campo com Luís Carlos; Marcos, Sandro, Wellington Carvalho e Vicente; João Marcos, Ricardinho, Eduardo e Nikão; Magno Alves e Bill.

A partida em Campinas, válida pela 26ª rodada, é um confronto direto por vaga no G-4. A Ponte Preta é vice-líder da Série B, com 46 pontos. O Ceará, por sua vez, está na quinta posição, com três pontos a menos.

Jornada dupla

Após o duelo com a equipe paulista, a delegação alvinegra permanece em São Paulo até segunda-feira (29), quando embarcará para Goiânia. No dia seguinte, o Vovô encara o Vila Nova, às 19h30, no Serra Dourada, e a diretoria alvinegra preferiu evitar o “bate-volta” em Fortaleza.

Confira os jogadores relacionados:

Goleiros: Jaílson e Luís Carlos

Laterais: Hélder Santos, Marcos, Samuel Xavier e Vicente

Zagueiros: Alex Lima, Sandro e Wellington Carvalho

Volantes: Amaral, João Marcos, Marcus Vinícius e Ricardinho

Meias: Eduardo, Nikão e Souza

Atacantes: Bill, Felipe Amorim, Lulinha e Magno Alves

 

Diário do Nordeste -Jogada-25.09.2014

Com duas baixas, Ceará terá mudanças para enfrentar o Paraná

Ceará Sporting Club

Em busca da reabilitação na Série B e da reafirmação no G-4, o Ceará terá novidades para encarar o Paraná, na próxima terça-feira (16), a partir das 19h30, no estádio Durival Britto, em Curitiba, pela 23ª rodada da competição nacional. Sem o volante João Marcos e o atacante Magno Alves, o técnico Sérgio Soares terá que realizar ao menos duas alterações na equipe.

Na derrota por 2 a 1 para o Náutico, na última sexta-feira (12), na Arena Pernambuco, o camisa 5 completou a série de três cartões amarelos e terá que cumprir suspensão automática. O principal candidato à vaga é o volante Marcus Vinícius, que deve atuar ao lado de Ricardinho. Há também a possibilidade de Anderson ou o recém-contratado Wellington Carvalho entrar na zaga e o volante Amaral, que atuou improvisado na defesa, jogar no meio-campo.

O Magnata, por sua vez, será poupado após disputar duas partidas – o triunfo por 5 a 2 sobre o América-MG, na última terça-feira (9), e o revés para o Timbu – em quatro dias. Sem o camisa 11, Sérgio Soares pode dar chance ao meia Souza e escalar o time no 4-2-3-1 ou colocar o meia-atacante Lulinha ao lado de Bill.

A provável escalação do Alvinegro para a partida é Luís Carlos; Samuel Xavier, Alex Lima, Amaral e Vicente; Marcus Vinícius, Ricardinho, Nikão e Eduardo; Lulinha e Bill.

No último domingo (14) à noite, a delegação alvinegra deixou Recife e embarcou para Curitiba. Em razão dos desfalques, além do zagueiro Anderson, o meia Maranhão e o atacante Felipe Amorim se juntaram ao grupo e participam do último treino antes da partida, na tarde desta segunda (15), no CT do Coritiba.

Após a derrota para o Náutico, o Ceará caiu para a quarta posição, com 38 pontos, e já vê a posição no grupo dos quatro melhores da Série B ameaçada pela Ponte Preta, quinta colocada, com um ponto a menos. O Paraná, por sua vez, está na 12ª posição, com 29 pontos.

 

Diário do Nordeste – Jogada – 15.09.2014

Goiás 2 x 1 São Paulo

 2 x 1 

GOIÁS ENCONTRA O CAMINHO DO GOL E BATE O SÃO PAULO NA ESTREIA DE KAKÁ
Alviverde goiano não vencia e não marcava há quatro jogos, mas sai de campo com justo triunfo por 2 a 1. Meia vai bem, mas Tricolor falha muito
O Goiás havia conquistado apenas três dos últimos 12 pontos disputados. Não fazia gols há quatro partidas. A reação sonhada pela torcida teve início neste domingo com a justa vitória por 2 a 1 sobre um São Paulo que, mesmo com a estreia de Kaká, cometeu muitas falhas defensivas e sofreu seu segundo tropeço consecutivo no Campeonato Brasileiro. O camisa 8 teve boa estreia, atuou os 90 minutos e, de pé esquerdo, fez o único do gol do time comandado por Muricy Ramalho.

Amaral e Bruno Mineiro deram a vitória aos esmeraldinos, que voltaram a subir na tabela de classificação. Com 20 pontos, o Goiás é o sétimo colocado, duas posições à frente do São Paulo, que vinha de derrota para a Chapecoense no Morumbi.

Pelo Brasileirão, as duas equipes voltarão a campo no próximo fim de semana. No sábado, o São Paulo receberá a visita do Criciúma, às 18h30, no Morumbi. No dia seguinte, no mesmo horário, o Goiás vai ao Rio de Janeiro enfrentar o Fluminense, no Maracanã. A equipe paulista, no entanto, jogará ainda na quarta-feira, quando enfrenta o Bragantino pela Copa do Brasil, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.

Kaká no jogo São Paulo x Goiás (Foto: Bruno Spada / Agência Estado)
Kaká sofre com a forte marcação na partida deste domingo  (Foto: Bruno Spada / Agência Estado)

Kaká busca jogo, mas Goiás abre o placar

O primeiro tempo foi ruim tecnicamente, com São Paulo e Goiás numa crise de criatividade. O Tricolor teve a iniciativa, viu Kaká se movimentar bastante, mas contou com uma atuação ruim dos principais jogadores. Nem mesmo os gritos do técnico Muricy Ramalho fizeram a equipe melhorar.

O Esmeraldino, que começou preocupado apenas com a marcação, começou a adiantar seu meio-campo e, na única chance que teve, abriu o marcador com Amaral, de cabeça, após cruzamento de David. O São Paulo teve sua única oportunidade um chute de Kaká que saiu à direita de Renan.

Um ataque, segundo gol

No segundo tempo, o Goiás aumentou a vantagem logo no primeiro ataque: Bruno Mineiro aproveitou vacilo de Rafael Toloi e fez 2 a 0. Com desvantagem ainda maior, Muricy tentou de tudo. Colocou mais atacantes, mexeu no meio-campo, orientou, gritou, reclamou. Nada adiantou. Kaká, aos 31, diminuiu a vantagem da equipe, que só teve mais uma chance com Alan Kardec. Renan fez boa defesa. No fim, o Goiás soube se defender e saiu de campo comemorando a justa vitória.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Goiás 1 x 0 Criciúma

 1 x 0 

2ª RODADA
EM JOGO DE POUCOS ARREMATES, GOIÁS ACHA O GOL E A VITÓRIA SOBRE O CRICIÚMA
Renan aparece bem no primeiro tempo, e Amaral surge no segundo para marcar o único gol da partida. Criciúma ocupa a penúltima colocação . 
As poucas finalizações de perigo e os arremates de fora da área eram indício de uma partida de poucos gols. E saiu um só, do Goiás. Em jogada de bola parada, Amaral acabou com o jejum esmeraldino e fez 1 a 0 sobre o Criciúma, na noite deste domingo, no estádio JK, pela segunda rodada do Brasileirão. Agora, a escassez está para o lado do Tigre, que acumula dois jogos sem pontuar nesta Série A.

Os catarinenses não podem reclamar que não tiveram a sua oportunidade. No fim do primeiro tempo, foram parados por Renan duas vezes. As mudanças no início da etapa final foram mais eficazes para o Goiás: o atacante Welinton Júnior saiu do banco para arrumar a bola para o volante Amaral marcar aos 36 minutos, após cinco jogos seguidos sem gol do time.

O Goiás começou o jogo em cima, mais pelo lado esquerdo, com Lima. Mas a primeira oportunidade clara só ocorreu aos 30 minutos, com David furando a bem postada defesa e parando no goleiro Bruno. Deste lance em diante, só deu Criciúma. Foram três finalizações em que a bola esteve perto de entrar. Em duas delas, Renan fez belas intervenções. Do outro lado, Araújo apenas observava a partida, pouco acionado. A pouca agressividade da equipe catarinense sob o comando de Drubscky, que lhe custou a demissão, repetiu-se no primeiro tempo goiano.

O placar zerado obrigou os treinadores a colocarem sangue novo no jogo. O ataque dos goianos logo contou com Assuério (no lugar de Araújo), e o meio-campo teve Ramon (na vaga de João Paulo). No Criciúma, o lateral Cortez entrou, mas a esperança de Caio Júnior era que Cristiano fizesse a bola entrar em sua estreia. O mais eficaz a sair do banco foi Welinton Júnior. Foi ele quem deu a assistência, após cobrança de falta, para que Amaral marcasse.

O Goiás chegou aos quatro pontos e terminou a segunda rodada na oitava colocação. O próximo jogo será contra o Atlético-MG, às 18h30 de domingo, no Independência. O Criciúma segue zerado e na penúltima colocação. Recebe o Figueirense no Heriberto Hülse, às 16h do mesmo dia.

Bruno Lopes, Goiás x Criciuma (Foto: Fernando Ribeiro/Futura Press)
GLOBO ESPORTE .COM

Vinte jogadores relacionados para o jogo contra o Guarany de Sobral

 

Confira os relacionados:

ADALBERTO, ALAN, AMARAL, CORREA, DANILO RIOS, DIEGO NEVES, EDINHO, EDUARDO LUIZ, EVANDRO, FERNANDINHO, GUTO, LAERTES, LEANDRO, LUIS GUSTAVO, LUIS HENRIQUE, MAGAL, RICARDO, TIAGO CAMETÁ, UILLIAM e WALFRIDO

Assessoria de Imprensa do FEC
Jornalistas: Nodge Nogueira/Raíssa Feijó

Paulo César Norões comenta que Amaral deverá jogar no Ceará

Amaral está sem clube desde que deixou o Caracas FC Foto: Divulgação

 

Lateral-direito Amaral deve assinar com o Ceará, ao menos para disputar o Campeonato Cearense. Jogador pediu para manter a forma em Porangabuçu e, pelo visto, agradou. Amaral surgiu em 2005 no Fortaleza, quando, aos 17 anos, foi promovido a titular pelo técnico Vágner Benazzi, e mantido depois por seu sucessor, Hélio dos Anjos. Fez um belo Brasileirão com a camisa tricolor e acabou vendido para o Palmeiras, por R$ 1 milhão. Convocado para a seleção sub-20, foi campeão mundial jogando improvisado na lateral-esquerda, mas não conseguiu deslanchar no Verdão. Nem no rival Corínthians, para onde foi emprestado. Estava no Caracas, da Venezuela. Quem sabe volte a brilhar?

 

Paulo César Norões – Diário do Nordeste-Jogada-09/11/2013

Renato Maurício Prado comenta repercussão do gol de Amaral no jogo da IDA da final da Copa do Brasil Perdigão 2013

Efeito Amaral

Em pleno ensaio da União da Ilha do Governador, tradicionalmente, realizado às quartas-feiras, o gol de Amaral, decretando o empate com o Atlético PR, levou o presidente da escola de samba a anunciar que, excepcionalmente, o ensaio da semana que vem será na quinta-feira. Foi aplaudido de pé, ao som de retumbante rufar da bateria….

Renato Maurício Prado – O GLOBO-25/11/2013

Atlético Mineiro 4 x 1 Goiás

 4 x 1 

A proximidade do Mundial de Clubes, em dezembro, e também o “puxão de orelhas” dado por Alexandre Kalil, na sexta-feira, fizeram os atleticanos correrem como se fossem eles os principais interessados no Brasileirão. Os mineiros golearam o Goiás por 4 a 1, no Independência, e complicaram a vida dos esmeraldinos. Fernandinho fez o primeiro e Tardelli, inspirado, tomou conta da festa com mais três. Amaral ainda diminuiu.

A vitória deixa o time mineiro no sexto lugar, com 55 pontos, enquanto os goianos, com 59, caíram uma posição – superados pelo Atlético-PR, que goleou o Náutico, agora estão em quarto.

Diego Tardelli comemora gol do Atlético-mg contra o Goiás (Foto: Paulo Fonseca / Futura Press)Diego Tardelli comemora gol do Atlético-mg contra o Goiás (Foto: Paulo Fonseca / Futura Press)

 

Renato Maurício Prado comenta Atlético Paranaense 1 x 1 Flamengo

 

Uma bomba de Amaral, aos 30 minutos do primeiro tempo, garantiu ao Flamengo um resultado importantíssimo, no primeiro jogo da final da Copa do Brasil. Até o chutaço do volante, disparado de fora da area, estufar a rede de Weverton, o Atlético Paranaense era dono  das ações e já vencia por 1 a 0, gol de Marcelo, aos 17 minutos, também num lindo chute de fora da area.

Com o 1 a 1 no placar, a partida se equilibrou e, apesar de perder dois jogadores por contusão, ainda no primeira etapa (André Santos e Chicão), o Fla conseguiu neutralizar bem a pressão do Furacão  e levou a igualdade para o vestiário (Samir e João Paulo, que substituiram os machucados, cumpriram bem suas missões).

Após o intervalo, o panorama se modificou um pouco, pois os cariocas recuaram demais e os paranaenses se lançaram decididamente ao ataque, na tentativa de fazer o gol de desempate. Quase conseguiram, numa cabeçada de Luís Alberto, mas Felipe fez grande defesa e espalmou.

À medida que o tempo ia passando, o Atlético avançava mais e os espaços para os contra-ataques começaram a surgir. Com um pouco mais de capricho, o Flamengo poderia até ter voltado do Paraná com a vitória: Hernane, Luís Antônio e Leonardo Moura chegaram a ter excelentes oportunidades para desempatar, mas todos chutaram para fora. Isso sem falar nas várias jogadas que acabaram neutralizadas pela lentidão e a tradicional inutilidade de Carlos Eduardo.

Nos minutos finais, Jayme tirou o queridinho de Paulo Pelaipe e fez entrar, outro de seus contratados: Diego Silva, alteração tática (de recuo) que entregou definitivamente o meio-campo aos rivais, que pressionaram até o fim, mas não conseguiram chegar ao gol que lhes garantiria a vitória.

Com o 1 a 1, o Fla pode ser campeão até com um  0 a 0, na partida de volta. Mas se o 1 a 1 se repetir haverá disputa por pênaltis e qualquer outro empate dará o título ao Atlético Paranaense.

No Paraná, a equipe dirigida por Jayme não foi brilhante (longe disso), mas esbanjou disposição, entrega e preparo físico. Basta dizer que o melhor em campo foi… AMARAL!

Com todos os méritos!

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 21/11/2013