Internacional 1 x 1 Figueirense

Inter sai na frente, mas cede empate ao Figueira e vê fim de série de vitórias

No reencontro entre Argel Fucks e o Alvinegro, placar termina 1 a 1, e Colorado perde chance de se aproximar do G-4; time catarinense continua na zona do rebaixamento

O reencontro entre o técnico Argel Fucks e o Figueirense não foi bom para lado algum. Depois de deixar o clube alvinegro para comandar o time do coração, o treinador do Inter viu sua equipe sair na frente no primeiro tempo e ceder o empate na etapa final. A equipe colorada vinha de três vitórias seguidas e perdeu a chance de colar ainda mais no G-4 do Campeonato Brasileiro. O empate de 1 a 1 na noite deste sábado, no Beira-Rio, foi razoável para o Figueira, que segue na zona do rebaixamento e chegou a seis jogos sem vencer. Na 27ª rodada da disputa nacional, Alex abriu o placar, e Thiago Santana deixou tudo igual.

Com o resultado, o Colorado foi a 41 pontos e fica no momento na sétima colocação da tabela. A situação do Alvinegro continua delicada. Com 28 pontos, a equipe catarinense permanece no 18º lugar. Os times dão um tempo no Brasileiro. Na quarta, o Inter recebe o Palmeiras, no Beira-Rio, pelo jogo de ida das quartas da Copa do Brasil. No mesmo dia, é a vez de o Figueirense medir forças com o Santos, em Santa Catarina. A volta ao Nacional será no domingo. Às 11, o Inter visita o Santos, na Vila Belmiro. Mesmo dia em que o Figueirense duela com líder Corinthians, às 16h, no Orlando Scarpelli.

Internacional x Figueirense Inter Beira-Rio Ernando Inter (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)

Internacional e Figueirense empataram em 1 a 1, no Beira-Rio (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)

O jogo

Conhecidos dos tempos de Figueirense, Argel Fucks e de Hudson Coutinho adotaram estratégias parecidas. Os dois times tentaram preencher o meio-campo, em uma partida de muita marcação e truncada. A primeira chance foi do time visitante, após cruzamento rasteiro de Rafael Bastos. O goleiro Alisson defendeu tranquilamente. Foram poucas chances criadas na etapa inicial, e Rafael Moura testou para fora uma das oportunidades.

Os donos da casa saíram na frente do placar depois de pênalti polêmico, aos 36. Alex recebeu a bola dentro da área e caiu no gramado após chegada mais forte do lateral Marquinhos Pedroso. O árbitro entendeu que o ala do time visitante empurrou o meia colorado e marcou a penalidade. O próprio Alex converteu – 1 a 0 para o Inter.

Para o Figueirense, o intervalo fez bem. O time alvinegro voltou com uma alteração e postura ofensiva. O atacante Thiago Santana entrou no lugar do volante Paulo Roberto. Os catarinenses foram para cima e, após belo lançamento de Clayton, Leandro Silva acertou o cruzamento na medida, na marca do pênalti. Thiago Santana pegou forte e deixou tudo igual, aos 30 do segundo tempo. A partir daí, o confronto ficou aberto, mas nenhum time conseguiu fazer o segundo.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Internacional 6 x 0 Vasco

O JOGO

FÁCIL, FÁCIL

Esperança de um lado, drama do outro. Sentimentos distintos que resumem bem a goleada de 6 a 0 do Internacional sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, no Beira-Rio, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com facilidade e belos gols, o Colorado aumentou ainda mais o calvário do clube carioca na lanterna da competição. E já se permite sonhar com o G-4 diante do bom momento impulsionado pela chegada do técnico Argel: são quatro vitórias nos seis últimos jogos (dois pela Copa do Brasil). Já o Cruz-Maltino segue na UTI: chegou à quinta derrota seguida, não marca no Brasileirão desde o fim de julho e atingiu a marca de -33 de saldo.

DESTAQUE

PANORAMA

A vitória levou o Inter a 31 pontos ganhos – três a menos do que o quarto colocado (Palmeiras) tinha no início da rodada. Já o Vasco segue afundado na lanterna da competição com apenas 13. O Colorado volta a campo no próximo sábado para enfrentar o São Paulo, às 19h30 (de Brasília), no Morumbi. No mesmo dia e horário, o Cruz-Maltino recebe o Atlético-MG no Maracanã.

 

DESTAQUE

90 MINUTOS

Enquanto nada dava certo para o Vasco, o Inter tinha uma noite iluminada. O primeiro gol veio logo no início com Ernando, subindo livre na área, de cabeça. Eduardo Sasha ampliou ainda no primeiro tempo. No segundo, a goleada deslanchou. Lisandro López aproveitou cruzamento de Alex e fez o terceiro. Os dois seguintes foram golaços: Valdívia em belo chute de fora da área e Nílton finalizando de primeira um cruzamento da direita. No fim, Lisandro fechou o placar de cabeça.
Nas poucas vezes que chegou perto do gol de Muriel, o Vasco se aproveitou de jogadas de bola parada ou de falhas da defesa colorada – como quando William entregou nos pés de Christiano e o lateral conseguiu perder o gol sem goleiro. No restante do tempo, por mais que tivesse a posse de bola, nunca conseguiu dominar. Pelo contrário: viu o Inter construir o placar com grande facilidade e requintes de crueldade.

 

DESTAQUE

REABILITAÇÃO E GOLAÇOS

Após a derrota por 3 a 0 para o Avaí, o Internacional se reabilitou com direito a show no Beira-Rio. Destaques para Alex, Eduardo Sasha, Lisandro López e Nilton, autor do mais belo gol da noite.

 

DESTAQUE

UM PONTO EM 30 POSSÍVEIS

De seus 13 pontos no Campeonato Brasileiro, o Vasco conquistou apenas um longe do Rio de Janeiro: empate com o Figueirense na segunda rodada. Nos nove jogos seguintes, nove derrotas.

DESTAQUE

VEXAME HISTÓRICO

O Vasco vivenciou nesta quarta-feira mais um triste capítulo em sua gloriosa trajetória. O Cruz-Maltino foi derrotado pelo Internacional por 6 a 0, o que representa a sua pior derrota na história do Campeonato Brasileiro, que começou a ser disputado em 1971. Este resultado supera o 7 a 2 aplicado pelo Atlético-PR na edição de 2005.

 

 

 

 

 

GLOBO ESPORTE.COM

 

Ex-jogador Alex investe em suas novas funções

Alex é comentarista da ESPN

 

O ex-jogador Alex está investindo forte na nova função de comentarista esportivo.

Depois de analisar cuidadosamente as suas primeiras participações em transmissões e programas da ESPN Brasil, ele contratou os serviços de uma fonoaudióloga.

Flávio Ricco

ESPN Brasil viajou domingo para Berlim para a cobertura da final da UEFA Champions League

Juventus F.C. Logo.pngFCBarcelona.svg

Profissionais da ESPN Brasil embarcaram domingo rumo à Berlim para a cobertura da final da UEFA Champions League…

 … O jogo entre Juventus e Barcelona acontece neste próximo sábado às 15h45…
 Serão 20 profissionais diretamente envolvidos com a transmissão na Alemanha…
… No vídeo, Paulo Andrade, Paulo Calçade, Mauro Cezar Pereira, Juan Pablo Sórin, Alex (ex-jogador), Mendel Bydlowsi e João Castelo Branco.
… Globo e Band farão o jogo do Brasil.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Ex-jogador Alex estreia na ESPN em Palmeiras e Sampaio Correa

No dia 12 de janeiro de 2015, Alex foi anunciado como novo comentarista da ESPN

Agora de vez, o ex-jogador Alex passa a integrar a equipe de esportes da ESPN Brasil.

A sua estreia como novo comentarista da casa acontecerá hoje, nesta terça-feira (12), no jogo da Copa do Brasil entre Palmeiras e Sampaio Corrêa.

Flávio Ricco com colaboração José Carlos Nery

A mania de culpar CBF e federações pelo mal do futebol brasileiro

No Brasil, temos a mania de culpar os políticos pela corrupção que acontece no País. Como se só eles cometessem atos de corrupção. No futebol, não é diferente. CBF e Federações são as vilãs.

Na última sexta-feira, o até então presidente do Corinthians, Mário Gobbi (houve eleição no dia seguinte e o candidato dele foi escolhido, Roberto de Andrade), em uma entrevista histórica,surpreendeu a todos com um discurso duro, populista e realista.

Ele garantiu que se a Federação Paulista não permitisse a venda de ingressos para o Corinthians, o time não entraria em campo no clássico diante do Palmeiras. 20 minutos depois, a FPF recuou e aceitou a exigência do maior clube do Estado de São Paulo.

Foi o gancho para muitos afirmarem que CBF e Federações não têm peito para impor nada aos clubes e que já está passando da hora de haver a criação de uma Liga, com os times tomando conta do futebol, e a CBF cuidando apenas da Seleção Brasileira.

Sem querer tirar a culpa das federações e da CBF, que acabam trocando, muitas vezes os pés pelas mãos, mas qual a moral (no sentido real da palavra), a ética e o poder financeiro para os clubes pelo menos levantarem o dedo para sugerirem a criação de uma liga?

Só os 12 maiores clubes do Brasil (Atlético/MG, Cruzeiro, Inter, Grêmio, Flamengo, Vasco, Botafogo, Fluminense, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos) juntos, devem quase R$ 3 bilhões (três bilhões de reais) à União. Não declara R$ 100 à Receita Federal para tu ver o que acontece!

Não vou entrar nem na seara das dívidas trabalhistas. Onde a irresponsabilidade financeira e principalmente a falta de planejamento reina há décadas. Se não bastasse, praticamente todos os anos, vários desses clubes conseguem de maneira insaciável aumentar suas respectivas dívidas, sem nenhuma punição.

São esses aí, que vão estar à frente da Liga Nacional de Clubes. Que vão cuidar do futebol brasileiro?

O grande problema é que a CBF e as federações viraram o nosso salvo-conduto de tudo que é ruim no futebol brasileiro.

Se o futebol padece, a culpa é delas. 7×1 para a Alemanha? CBF que nunca olhou para as categorias de base. Pouco público nos estádios? CBF ou Federação que não sabem fazer um calendário adequado. Briga de torcedores nos Estádios? Retrato do futebol brasileiro comandando por entidades que têm dirigentes se perpetuando no poder. Jogo às 10 horas da noite? CBF e federações que viram reféns e se vendem para a TV.

Aí, eu pergunto: E quem são essas pessoas que comandam a CBF e as federações? De onde elas vêm? Quem as escolhem?

São os próprios clubes que escolhem os presidentes das respectivas entidades. Por interesse, politicagem ou até por birra mesmo, os dirigentes dos times se esforçam para que a conjuntura do futebol siga sem alterações.

CBF, federações e clubes estão no mesmo barco, com raras exceções, alguns pulam fora e desistem ou até mesmo gritam, mas são abafados pela esmagadora maioria. Os que permanecem gostam de navegar em águas calmas, com todo o conforto e luxo de um grande navio.

Então, o que pode ser feito? Só os jogadores podem mudar essa situação. São também por eles que o futebol existe e é apaixonante. Mas assim como em outras profissões, assim como na política, para modificar esse cenário é necessário virar refém de tubarões, ceder, engolir sapos e sofrer grandes consequências.

O Bom Senso FC foi o primeiro passo de uma verdadeira revolução, mas o silêncio da maioria é o que preocupa. Talvez precisasse só de 10, daqueles que já saíram de cena ou não precisam de tapinhas nas costas: Pelé, Zico, Rivelino, Ronaldo, Falcão, Romário, Neymar, Hulk … pudessem ajudar.  O grito deles, juntos, daria um peso maior, traria um clamor maior.

Já imaginou, Paulo André, Alex, Pelé, Romário, Ronaldo, Falcão e Zico, juntos, numa coletiva de imprensa para exigir mudanças no futebol brasileiro?

Os pessimistas dirão: Sonha, Alice! Os realistas: Complicado demais. Os otimistas: Um dia, quem sabe!

“O futebol é o retrato do nosso País. Triste. Não tem educação, não tem cultura, não tem saúde, não tem justiça. O Estado é uma figura de ficção”, Mário Gobbi.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 12/02/2015

Após dizer que irá suprir ausência de Alex, Ganso recebe convite para fazer stand up comedy

Ganso discute com amigo imaginário (FOTO: Jobson)

Ganso discute com amigo imaginário
(FOTO: Jobson)

Ganso pode estar trocando de palco. O jogador disse em entrevista que pode suprir a ausência de Alex 10, talvez último meia cerebral que o Brasil teve, e foi convidado para fazer comédia. Diversas emissoras e grupos de stand up estão de olho no meia e tentam fechar contrato, já que o passe do meia deve valorizar depois da maior piada de todos os tempos.

“Eu estava tomando um café quando ouvi dezenas de pessoas rindo no setor de esportes. Fiquei curioso e fui conferir. No exato momento em que me contaram o que foi dito pelo Ganso, eu notei que o rapaz tem o dom da comédia. Liguei para ele na hora para fazer parte do meu projeto”, disse um diretor de uma grande emissora.

O comediante Rafinha Bastos também comentou o talento e o estilo de Ganso: “É daquele tipo de piada que pega você de surpresa, ninguém imagina um profissional dizendo uma loucura dessa. Por isso, acho que seria um grande quadro do meu programa. Essa espontaneidade, essa coisa do inesperado é muito bacana”, finalizou.

Os pais do jogador, Dona Cisne e Seu Pelicano, disseram que o meia sempre foi de dar esse tipo de declaração: “Quando criança, ele vivia dizendo que disputaria uma Copa do Mundo e jogaria na Europa. Nós entendíamos como brincadeira, só não sabemos se ele entende assim também”, disseram.

O São Paulo não descarta oferecer tratamento psiquiátrico para o meia.