James Akel comenta o misterioso arrendondamento de audiência da Globo no consolidado

 

Domingo passado o ibope marcava ao final do Domingo Show da TV Record que o programa tinha feito média de 10 de ibope e a TV Globo também tinha 10 de ibope.

Eis que na segunda o ibope conta que a TV Globo consolidou 11 ao invés de 10 e ganhou do Domingo Show.

Estas contas que se apresentam no dia seguinte é que fazem os números do ibope serem misteriosos, mesmo sendo baseados em teoria da estatística.

Mas o anunciante inteligente vai entender tais números.

E vai pagar muito mais barato anunciando na TV Record do que na TV Globo e ter o mesmo retorno.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 05h15 no dia 02.04.2014

Band pretende tirar de sua grade noturna a Igreja Internacional da Graça do Demônio

 

Todas as discussões na Band estão voltadas para o ano que vem. E pode parecer piada, mas já se fala – novamente – em tirar a igreja do horário nobre.

O que a direção da Bandeirantes planeja é continuar com a igreja do R.R. Soares e o dinheiro dela, hoje perto dos R$ 10 milhões/mês, mas num outro horário que não comprometa tanto a sua audiência da noite. Evidente que a proposta também deve apresentar outras compensações.

Há o entendimento, na alta cúpula da Band, que após o trabalho de reestruturação colocado em prática a partir dos resultados da consultora McKinsey, a TV estará em condições de alçar voos mais arrojados. Entende-se, inclusive, que o momento nunca esteve tão propício para encostar nas audiências de SBT e Record.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Record nada contra a corrente

Reprodução/Record

"Fazenda de Verão" mudou de horário e agora é às 23h

“Fazenda de Verão” mudou de horário e agora é às 23h

Tanto na sede de São Paulo quanto no Rio de Janeiro, e isso inclui o Recnov, o pessoal da Record tenta entender a razão de tantas mudanças de horário na programação da emissora. Principalmente porque, se TV é hábito, é preciso deixar claro para o telespectador que, faça sol ou chuva, ele sempre irá encontrar o seu programa num horário estabelecido. Nem antes nem depois. Isso se chama fidelização. Simples assim.

Só que a Record resolveu entrar na contramão de tudo que foi inventado.

E as consequências aí estão. São muitos os chutes, os escorregões… Com prejuízo para todos os segmentos de sua grade. Fala-se em tentativas para se mudar esse triste quadro, mas que os esforços esbarram sempre numa única pessoa, da igreja. Que de televisão só conhece um tal de controle remoto. Complicado continuar desse jeito.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Record distribui câmeras espiãs na sua sede de São Paulo

Reprodução

A Record espalhou câmeras em quase todos os setores da sua sede, em São Paulo.

Foram colocadas, segundo a emissora,para evitar novos aborrecimentos. Um mexer nas coisas do outro.

Dizem, no entanto, que a finalidade é bem outra. São câmeras espiãs, em condições de entregar quem está trabalhando e quem não está.

“Penso em processar Luana Piovani”, diz ex-panicat Nicole Bahls .Atriz teria insinuado que Nicole faz “programa”.

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20121108163448.jpg

A ex-panicat Nicole Bahls está magoada com Luana Piovani após a atriz insinuar que ela seria prostituta.

De acordo com Nicole, em junho deste ano, Luana disse que a modelo faz “programa” por R$ 6 mil: “Ouvi dizer que ela sempre aceita as contribuições de 6.000 quando faz amor. Singelo, né”, escreveu a atriz no Twitter.

Em entrevista ao jornal “Extra”, Nicole Bahls se defendeu: “Gostava da Luana. Ela estava maravilhosa no filme ’A mulher Invisível’, mas ela fala besteiras demais. Usa o Twitter para agredir as pessoas, para aparecer. Na verdade, ela retribui paras as pessoas aquilo que ela recebe de ruim. E quem fala o que quer tem que saber que tem uma consequência para isso”.

A ex-Panicat falou sobre processar a atriz e também Vivane Araújo, que durante o reality show “A Fazenda 5” afirmou que Nicole ganhava dinheiro vendendo o corpo: “Penso em processar a Luana. Ela e a Viviane Araújo. Só não fiz isso ainda porque a minha mãe não deixou. Elas falam o que querem, mas tudo tem uma consequência. Minha família já está desgastada”, disse.

 

natelinha

James Akel comenta as demissões na Rede Record

https://i0.wp.com/images3.wikia.nocookie.net/__cb20120227150507/telepedia/pt-br/images/1/10/Rede-record.png

O número de demissões do Grupo TV Record e afins é contraditório em muitos dados.
Alguns dizem 40 e outros 400.
Quem esteve no departamento pessoal antes de ontem viu um número próximo de 200.
E dentro da emissora se comenta que o número será 400.
Estranha-me que nas vésperas de Natal, uma emissora comandada por religiosos cause tantas demissões de uma só vez.
As alegações de enxugamento de custos vale sempre.
Mas em qualquer grande empresa não se faz isto sem planejamento e sensibilidade humana.
Quando isto acontece numa indústria, é realizado todo um trabalho de acompanhamento dos colaboradores, quer financeiro, social ou psicológico.
Além de um trabalho de recolocação no mercado.
E tudo feito abertamente.
Quando uma empresa é grande, do tamanho da TV Record e afins, é, sim, cobrada a responsabilidade social que é cobrada das indústrias automobilísticas.
Esta coluna sempre escreveu aqui tudo de errado que acontecia na TV Record e tudo que escrevi se realizou.
E escrevi que a responsabilidade do que está acontecendo agora é, sim, de Honorilton Gonçalves.
Ele sempre foi o detentor do poder total da rede.
Ele sempre foi o mandante de tudo.
Ele sempre foi aquele a quem todos temem dentro da emissora.
Honorilton se tranca em seu espaço de poder total.
E neste seu poderio acabou com o que restava de carisma na TV Record que todos nós tanto gostávamos.
O começo da decadência da TV Record é marcante depois da contratação de Gugu, fruto dos caprichos de Honorilton em seu enfrentamento com o SBT.
Logo depois veio a invenção de Ana Hickmann sendo apresentadora e a despersonalização do Hoje em Dia.
Pra completar temos o pior planejamento de novelas da história da emissora.
Pior mesmo foram as agressões gratuitas aos irmãos evangélicos de outras denominações.
Isto selou a derrocada da TV Record perante o povo.
A emissora só voltará a ter chance se resolverem trabalhar com gente do ramo de tv no comando.
Do contrário a TV Record estará a caminho da TV Gazeta.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h15 no dia 08 de novembro de 2012

Band faz corte em suas produções, e situação na Record também preocupa

  • Datena no "Quem fica em pé?"

    Datena no “Quem fica em pé?”

Na última quinta-feira, final do expediente, a Bandeirantes dispensou cerca de 20 profissionais, em São Paulo, a maioria das produções de “Muito Mais” e “Quem fica em pé?” – programas com ciclo encerrado. Segundo se informa, outros cortes estão previstos no decorrer dos próximos dias.
 
Fim de ano – 2

 
Na Record, a notícia também não é nada boa. Um grande corte é aguardado nas suas produções, ainda neste fim de ano. Na Record News, ontem, como a mudança anunciada, foram dispensadas 40 pessoas. O clima, como não poderia deixar de ser, é de tensão. Quando a conta não fecha, sempre sobra pra folha.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

IURD vai fiscalizar investimentos feitos pela RECORD

Parte da equipe da Record que foi a Londres para os Jogos Olímpicos de 2012

Parte da equipe da Record que foi a Londres para os Jogos Olímpicos de 2012

Ainda em relação à Record, fala-se num controle maior de gastos a partir de agora, coordenado pela Universal, mas não necessariamente num freio em relação a novos investimentos. Busca-se uma política de pés no chão.

Até porque, segundo setores da igreja, andaram gastando demais, e os resultados não foram os desejados. Os jogos olímpicos estão entre os exemplos negativos.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery 

Tudo junto e misturado

Tanto a Record quanto a Igreja Universal não gostam de assumir abertamente sobre as suas relações mais próximas.

Mas fato é que já de algum tempo veículos impressos da igreja, antes na zona sul de São Paulo, agora se instalaram na sede da emissora na Barra Funda. Estão todos juntos.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery