Novela tem que voltar com o arroz e feijão de cada dia

Ramon Vasconcelos/Divulgação/TV Globo

Claudia Abreu, Reynaldo Gianecchini, Isabelle Drummond e Chay Suede, que vivem os mesmos personagem nas duas fases de “A Lei do Amor”

A Globo, seguidamente, tem apelado para o recurso de dividir novela em várias fases, como se isso agora fosse quase uma obrigação para todo autor do horário das 9 da noite.

É difícil até dizer desde quando vem sendo assim, levando todo e qualquer trabalho a ser multiplicado por dois. Novelas contadas em períodos diferentes, em termos práticos, significam dor de cabeça a mais. E dor de cabeça que custa dinheiro, bate no caixa. Há a exigência de dobrar a escalação em duas, além de onerar cenografia, cidade cenográfica, figurino etc.

Muitos atores, inclusive, estão se especializando nessa função de aparecimento de curto prazo. Chay Suede, por exemplo, fez o começo de “Império” e, agora há pouco tempo, “A Lei do Amor”. Assim como ele, outros também.

O arrozinho com feijão, bem temperado, na grande maioria das vezes é insubstituível.

 

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s