SBT poderá levar Cúmplices de um Resgate até o fim de 2016

Continua

O SBT fez as contas e admite levar “Cúmplices de Um Resgate” até o final do ano.

Devido à grande frente de capítulos gravados, há material de sobra. Vários atores já encerraram seus trabalhos, mas estarão presentes no grande show do Ibirapuera no próximo fim de semana.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

TV Globo registra o título O que nos Une

Descartado

A Globo oficialmente descarta “O Que nos Une” para título definitivo da sua próxima novela das 23h, escrita por Lícia Manzo.

Confirma o domínio da marca, mas não será para este trabalho. O nome definitivo só será anunciado depois de concluído o processo de registro no órgão responsável. E apesar dos muitos nomes cotados para o seu elenco, por enquanto está confirmado apenas o de Sophie Charlotte.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Segunda temporada do Ridículos será gravada em Miami

Nova temporada

Começaram os trabalhos de produção da segunda temporada do programa “Ridículos”, exibido na MTV, com Felipe Titto, Ellen Milgrau e Hugo Gloss.

As gravações em Miami, nos estúdios da Viacom, irão acontecer entre os dias 26 e 3 de setembro, sob a direção de Rodrigo Branco, ex-Band. Thiago Martins e Anderson Silva já confirmaram participação no programa.

Porteira

A Viacom, dona da MTV, tem como objetivo produzir cada vez mais programas nos estúdios dos Estados Unidos para exibição no Brasil.

O “Ridículos”, portanto, não será o único.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Yuriko Koike and Tokyo 2020 chiefs promise not to leave ‘white elephants’

Tokyo Gov. Yuriko Koike speaks at a news conference in Rio de janeiro on Saturday as Japan Olympic Committee President Tsunekazu Takeda (left) and Tokyo 2020 CEO Toshiro Muto listen. | KYODO

BY ANDREW MCKIRDY

STAFF WRITER

Tokyo 2020 Olympic organizers and Tokyo Gov. Yuriko Koike on Saturday vowed not to leave unused “white elephant” venues to the taxpayer after the Games have finished.

“The citizens of Tokyo are the taxpayers, and we must have their understanding in whatever we do,” said Koike, who was elected governer on Aug. 1 and is currently in Rio de Janeiro preparing to accept the Olympic flag on Tokyo’s behalf at the 2016 Games closing ceremonySunday.

“Before I became governer, there must have been certain procedures that went into the cost calculations and I would like to speak to 2020 organizers and the national government about that. I will not leave white elephants to the taxpayers. I will leave a good legacy. That is the direction I want to see the games take.”

Preparations for the Tokyo Olympics have been dogged by accusations of overspending, with plans for the new National Stadium sent back to the drawing board last summer after the projected cost had almost doubled to ¥252 billion.

Organizers of Rio 2016 have slashed costs with Brazil facing massive economic problems, leaning heavily on temporary arenas and venues that can be repurposed after the games have finished.

Rio’s Future Arena, where the Olympic handball competition has been held, will be taken down and the parts reused to build four state-run schools in nearby neighborhoods.

“What they did in Rio was a good reference for us,” said Tokyo 2020 CEO Toshiro Muto. “For the purpose of budget reduction in Rio, various innovative ideas were introduced. For us too, of course we have to reduce costs and not waste money.

“We can’t create white elephants. New ideas could be introduced to reduce the budget. We’d like to analyze what kind of processes Rio used.”

The organization of South America’s first Olympics has gone off relatively smoothly this month in Rio, although gridlocked traffic has caused serious delays for athletes, officials and spectators.

“In Tokyo, the road lanes are very narrow,” said Koike. “That’s the reality of the situation and we can’t just expand the roads right away.

“We will have to ask the citizens of Tokyo during the Olympics for their co-operation. We have a population of 13.6 million in Tokyo. We have about 3 million people commuting into the city every day. It’s the largest city in the world in that sense. On my return, I’d like to see to what extent we can do something and how much it will cost.”

Tokyo 2020 organizers will also have to contend with the extreme summer heat and humidity during the July 24-Aug. 9 games.

“We need to think about how we can ensure an environment that will enable people to endure the heat,” said Muto. “We are receiving various ideas from technology companies. For example, pavement technology can be upgraded to evaporate the heat and reduce the temperature. Or mist can be sprayed over the venues and athletes, or we can use more conventional ideas like greenery and planting trees.

“So we will have a variety of countermeasures and we will collaborate with the private sector. It’s a kind of innovation.”

The summer heat could also affect the athletes at Tokyo 2020 if organizers follow the same competition schedule as some previous Olympics held in East Asia.

The finals of the track and field events at the 1988 Seoul Games were held during the blistering afternoon heat to accommodate the wishes of American TV networks, and Japan Olympic Committee President Tsunekazu Takeda admits he is unable to make any promises for 2020.

“I was the sports director of the Nagano Olympics, and at that time it was a very difficult point,” said Takeda. “This time the Tokyo Olympics are going to be staged in the middle of summer, so putting the athletes first has to be the priority. But at the same time, the air time for TV still has to be negotiated.

“We have to be fair to the athletes and we’d like to try on their behalf. Of course I can’t promise anything, but I am hopeful that the athletes-first concept will prevail.”

 

Source : Japan Times

Veja a distância entre Rio de Janeiro e Tokyo #Rio2016ClosingCeremony

Distância do Rio de Janeiro para Guadalajara
A distancia é 8119 km ou 5045 milhas ou 4384 milhas náuticas
A distância é a distância do ar teórica (distância ortodrômica). Voar entre aeroportos dos dois locais pode ser uma distância diferente, dependendo da localização do aeroporto e via real escolhida.
Mapa – caminho mais curto entre Rio de Janeiro e em Guadalajara

Map – Shortest path between Rio de Janeiro and Guadalajara

Rio de Janeiro

Guadalajara

Distância de Guadalajara para Tokyo
A distancia é 10911 km ou 6780 milhas ou 5892 milhas náuticas
A distância é a distância do ar teórica (distância ortodrômica). Voar entre aeroportos dos dois locais pode ser uma distância diferente, dependendo da localização dos aeroportos e via real escolhida.
Mapa – caminho mais curto entre Guadalajara e Tokyo

Map – Shortest path between Guadalajara and Tokyo

Guadalajara

Tokyo

A distancia é 19030 km ou 11825 milhas ou 10276 milhas náuticas

timeanddate.com > Distance Calculator

PMDB e PSDB se aliam em Fortaleza para as #Eleições2016 #Rio2016ClosingCeremony

PARTIDOS FORMARAM ALIANÇA PARA APOIAR CANDIDATO DO PR PARA PREFEITO
Publicado: 20 de agosto de 2016 às 18:30
Quinto maior colégio eleitoral do País, Fortaleza terá uma eleição este ano com a primeira aliança municipal entre PMDB e PSDB no primeiro turno desde a redemocratização do Brasil, em 1985. A aproximação entre os dois partidos no Ceará começou na eleição estadual de 2014, quando as duas principais figuras das siglas no Estado, os senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB), se uniram para se opor às chapas articuladas pelos irmãos Cid e Ciro Gomes, do PDT.Neste ano, PMDB e PSDB estão apoiando a candidatura do deputado estadual Capitão Wagner, do PR, para prefeito de Fortaleza. O PMDB indicou o candidato a vice: Gaudêncio Lucena, atual vice-prefeito e próximo de Eunício. Os peemedebistas romperam com os irmãos Gomes na campanha de 2014, porque Cid e Ciro preteriam a candidatura de Eunício para governador do Ceará, para apoiar Camilo Santana (PT), que acabou eleito. Sem quadros relevantes para indicar este ano, o PSDB acabou não compondo a chapa.

A aliança PMDB-PSDB-PR tenta derrotar o atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT). O pedetista disputa a reeleição tendo como candidato a vice o deputado federal Moroni Torgan (DEM). Os dois terão como principais cabos eleitorais os irmãos Gomes e Camilo Santana. Em retribuição ao apoio que recebeu do PDT para sua eleição em 2014, o governador petista está preterindo a candidatura da deputada federal Luizianne Lins (PT), que tenta voltar ao comando da capital cearense, onde esteve de 2004 a 2012.

Impeachment

Os três principais candidatos a prefeito de Fortaleza tentam afastar temas ligados à turbulência do cenário político nacional e deixar o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff fora do debate eleitoral. “Ninguém vai mexer nisso. O Roberto Cláudio e os Ferreira Gomes até ensaiaram essa questão do golpe, mas, quando colocam o Moroni, do DEM, de vice, com que moral vão falar em golpe?”, afirma Capitão Wagner. Segundo ele, sua campanha trabalhará apenas com as lideranças locais, como Tasso e Eunício.

Wagner admite que trazer a questão do impeachment poderia prejudicá-lo em um eventual segundo turno. “A gente tem possibilidade de alianças com a Luizianne talvez, com o PT não sei. Então, a gente quer evitar qualquer barreira já no primeiro turno”, afirma. Ele diz que pretende focar sua campanha no debate sobre segurança pública. Fortaleza é a cidade mais violenta do Brasil e a 12ª mais violenta do mundo, segundo ranking publicado em janeiro pela ONG mexicana Seguridad, Justicia y Paz.

“O que interessa à cidade de Fortaleza não é o debate nacional, é o debate local”, afirma Roberto Cláudio, que se diz contrário à saída de Dilma, assim como seus principais apoiadores. Até mesmo Luizianne Lins, candidata do PT, defende que o impeachment não deve estar em primeiro plano no debate eleitoral. “Vamos ter de ter a boa dose de compreender, porque tem gente que não está preocupada nacionalmente com que está acontecendo”, diz. Ela pretende focar sua campanha na defesa do “legado” de sua administração anterior.

O discurso de Luizianne revela a divisão no PT sobre a estratégia de “nacionalizar” a campanha. Como mostrou o Estadão em julho, dirigentes do partido divergem sobre a eficácia de repetir a narrativa do “golpe” nas disputas pelas prefeituras. Apesar da estratégia de deixar o impeachment em segundo plano, a petista quer ter o ex-presidente Lula em seu palanque. A avaliação é de que, apesar do desgaste, o petista ainda ajuda a arregimentar votos. Seu candidato a vice será o deputado estadual Elmano de Freitas (PT). (AE)

 

Diário do Poder

Danilo Gentili comenta chegadas de Fábio Porchat e Marcelo Adnet à noite

Danilo Gentili

À coluna, o apresentador do “The Noite” comentou a chegada dos programas de Porchat e Adnet:

“Acho muito legal para o público, que terá mais opções. Espero que esses talk shows somem comigo no que estou tentando faz tempo: intercâmbio de artistas entre emissoras. O show business brasileiro ganha muito com isso. O Adnet foi meu primeiro entrevistado quando estreei meu talk show na Band e o Porchat foi meu primeiro quando estreei no SBT. Desejo boa sorte a esses bons colegas que estão chegando.”

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Exclusivo: Globo investiu US$ 250 milhões na Rio 2016; veja outras TVs

Luxuoso estúdio da Globo na Rio 2016 chamou a atenção até de TVs estrangeiras

Luxuoso estúdio da Globo na Rio 2016 chamou a atenção até de TVs estrangeiras

Maior gasto da empresa desde a Copa de 2014, o Grupo Globo investiu quase US$ 250 milhões (R$ 800 milhões) somente na Rio 2016, segundo levantamento feito pela coluna junto a executivos de outras emissoras. Esse montante se refere aos gastos tanto da TV aberta como os canais SporTV, em internet, mobile etc.

Procurada, a Globo se recusou a revelar valores (veja mais abaixo).

Segundo o mercado, a Globo gastou pelo menos US$ 40 milhões só com direitos de transmissão do evento, além de outros US$ 80 milhões entre permuta e pelo título de patrocinador de mídia dos Jogos Olimpicos.

Além disso, a emissora carioca gastou algo em torno de US$ 120 milhões em produção, infra-estrutura, equipes, logística, pessoal, alimentação, hospedagem, transporte e custos de produção de reportagens, inclusive uma imensa série apresentada nos meses antecedentes à Rio 2016.

Não está nessa conta ainda outros US$ 100 milhões  que o Grupo Globo já pagou pelos direitos de transmissão de todas as Olimpíadas até o ano de 2032. São direitos referentes não só à TV, mas para internet, celular etc.

A Record, por sua vez, gastou no total US$ 44 milhões na Rio 2016, entre direitos e gastos com produção. A Band também gastou outros US$ 40 milhões, valor que deve ser diluído na já tradicional parceria da Globo.

Procurada duas vezes nos últimos 15 dias, a Globo, por meio de sua Central de Comunicação, disse que não poderia comentar os gastos ou investimentos na Rio 2016 “porque são dados sigilosos e estratégicos”.

RESULTADO

Com exceção da Globo, é provável que Band e Record amarguem prejuízos na contabilidade final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A quantidade de dinheiro investido superou em muito os valores fechados por cotas de patrocínio e publicidade nessas duas emissoras.

Mesmo no caso da Globo, avaliam fontes do mercado ouvidas pela coluna, é provável que a emissora talvez consiga apenas “zerar” as contas, sem obter lucro relevante.

Por outro lado, o investimento feito pela Globo mostra que a emissora está “marcando posição” na cobertura esportiva e que certamente nunca mais deixará escapar de suas mãos uma olimpíada, como ocorreu com Londres 2012.

twitter: @feltrinoficial

RICARDO FELTRIN