Criança de 5 meses morre à espera de cirurgia para curar doença rara

Criança sofria de cardiopatia congênita e estava internada há dois meses.
Piauí não conta com nenhum centro que faça cirurgia para corrigir o problema.

Bandeira do estado do Piauí

HUT - Hospital de Urgência de Teresina (Foto: Fernando Brito/G1)

Criança estava há dois meses no Hospital de Urgência de Teresina
(Foto: Fernando Brito/G1)

Uma criança de pouco mais de cinco meses de idade morreu nesta terça-feira (7) vítima de complicações por conta de uma cardiopatia congênita, doença rara que ataca o coração. Segundo o conselheiro tutelar Djan Moreira, o bebê estava internado há dois meses no Hospital de Urgência de Teresina (HUT) e aguardava uma decisão da Justiça que ser transferida para outro estado.

“Ontem nos ligaram informando da situação dessa criança, que estava há dois meses no HUT. Nós demos a ideia de a família acionar o plantão judiciário pedindo uma vaga na UTI do HUT e posterior transferência da criança para outro estado, para que ela fizesse uma cirurgia para correção da cardiopatia. Infelizmente, o bebê não resistiu e morreu”, contou.

Para o conselheiro, o estado tem que tomar uma atitude em relação às crianças que sofrem desse mal. Atualmente não há no Piauí nenhum centro, privado ou público, que realize a cirurgia que corrige a cardiopatia congênita e, segundo Djan Moreira, a secretaria de saúde não quer pagar a transferência dessas crianças para outros estados.

A Secretaria de Estado de Saúde afirma que as crianças acometidas com cardiopatia congênita grave são cadastradas na Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC), que coordena uma fila nacional de pacientes que precisam de tratamentos complexos. A Central é de responsabilidade do Ministério da Saúde.

A Sesapi esclarece que o Piauí não é dotado de nenhum centro público oU privado que trate cardiopatia congênita. A secretaria diz ainda que solicitou mais rapidez do Ministério da Saúde no atendimento ao pacientes inseridos na fila da Central.

Em abril deste ano, um bebê de apenas um mês de vida foi transferido da Maternidade Evangelina Rosa para o estado de Goiás para receber tratamento especializado de cardiopatia congênita. A criança foi levada pela UTI aérea. A transferência foi determinada pela Justiça, que concedeu pedido feito pela Defensoria Pública e Ordem das Advogados do Brasil, seccional Piauí (OAB-PI).

 

G1.COM.BR

Preço do quilo do feijão ultrapassa R$ 10 no Grande Recife

Segundo Dieese, aumento foi de 7,20% no mês de maio.
Financista recomenda pesquisa de preços e escolha de tipos mais baratos.

Bandeira do estado de Pernambuco

Nas feiras livres ou nos supermercados, a reclamação do consumidor é unânime: o aumento expressivo do preço do feijão. Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), houve um crescimento de 7,20% no preço do alimento de abril para maio. Em alguns lugares, o quilo já ultrapassa os R$ 10, fazendo do grão uma raridade na mesa do recifense.

“Nunca vi o feijão tão caro assim! Está a preço de ouro. Quando eu compro, a gente faz a festa lá em casa”, brinca a comerciante Maria Lopes da Silva. Segundo ela, a alternativa é comprar outros alimentos mais baratos, como batata ou fubá. Para a família, a troca não faz o mesmo efeito; para o bolso, o alívio é considerável.

De acordo com o Dieese, o feijão teve alta em 24 capitais brasileiras. A seca em estados como Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás – locais de onde sai a maior parte do feijão consumido no Brasil – prejudicou a última safra e diminuiu em quase 80% a oferta do grão. “A redução da oferta reflete diretamente no aumento do preço”, explica o financista Arthur Lemos.

Segundo o especialista, o valor do alimento presente na mesa de praticamente todos os brasileiros varia conforme a quantidade de interferências na revenda no produto. “Vemos diferença de preço de locais como a Ceasa em relação a feiras e supermercados. Quanto mais intermediadores, maior o preço”, observa Lemos.

Ciente disso, a dona de casa Maria Helena opta pelo Mercado de São José, no Centro do Recife, para comprar o feijão, apesar de ter supermercados próximos à sua casa. “A gente sabe que os mercadinhos fazem promoção, mas 20 ou 30 centavos já fazem a diferença na hora da compra”, ressalta.

Para Lemos, a estratégia de comparação de preços é realmente eficaz. “Também é importante tentar evitar comprar um tipo mais caro e escolher um mais barato”, orienta, já que o feijão mulatinho tem apresentado preços superiores ao feijão preto.

Pesquisa
Segundo os números levantados pelo Dieese, o valor da cesta básica no Recife teve queda de  1,33% no mês de maio, apresentando, assim, queda de R$ 358,55 para R$ 353,78. O valor compromete 43,7% do salário mínimo líquido, segundo o órgão. Apesar da diminuição no valor,  houve aumentos expressivos em alguns alimentos como a farinha (5,29%) e a manteiga (9,38%).

 

G1.COM.BR

Mulher é morta a facadas dentro da própria casa em João Pessoa

Perícia verificou que ela estava desacordada quando foi atacada.
Vítima estava deitada em uma rede e não ofereceu resistência.

Bandeira do estado da Paraíba

Mulher foi atacada dentro da própria casa, em Mangabeira (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Mulher foi atacada dentro da própria casa, em Mangabeira
(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Uma mulher foi morta a facadas no fim da tarde desta terça-feira (7) na própria casa, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa. Segundo a Polícia Civil, ela foi atingida por pelo menos 13 facadas enquanto estava deitada em uma rede.

A perícia indicou que ela levou os primeiros golpes quando estava desacordada, uma vez que algumas facadas perfuraram a trama da rede e o lençol que ela estava usando. A Polícia Civil ainda constatou que ela não tinha lesões de defesa no corpo, ou seja, que não houve reação por parte dela.

Ainda de acordo com a polícia, a vítima morava sozinha, mas havia sinais de que outras pessoas estavam com ela, consumindo drogas e bebidas. Equipamentos conhecidos como “maricas”, utilizados para o consumo de crack, foram encontrados na casa.

 

G1.COM.BR

Comércio em São Luís Gonzaga fica fechado após ataques de criminosos

Agências bancárias, dos Correios e casa lotérica foram alvo de bandidos.
Município conta atualmente apenas com dois policiais militares.

Bandeira do estado do Maranhão

O comércio no município de São Luís Gonzaga do Maranhão, a 255 quilômetros de São Luís, está completamente fechado após as duas agências bancárias, além da agência dos Correios e uma casa lotérica terem sido alvo de ações criminosas na região.

O aposentado Almir Laurindo da Silva que mora na cidade reclama da situação e diz que está inconformado com a situação de abandono em São Luís Gonzaga do Maranhão. “Eu resolvia tudo aqui. Agora com esse ladrão aí fracassou. Não estou resolvendo nada”, desabafou o aposentado.

A funcionária pública Cleidiane Silva revela que a economia no município está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade. “Na semana passada houve um outro assalto no Bradesco e é assim agora. A cidade está completamente sem banco”.

Atualmente em São Luís Gonzaga apenas dois policiais militares realizam o plantão na cidade e a única viatura que deveria ser utilizada em rondas pelas ruas do município está parada após ser atingida por tiros disparados por bandidos em um assalto.

Sobre a falta de segurança na cidade, o tenente-coronel Jurandy Braga, comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar de Bacabal, que responde pelo policiamento de São Luís Gonzaga do Maranhão, informou que o município possui um destacamento de 10 policiais que, em regime de plantão, trabalham em grupos de três PM’s. Quanto à viatura, Jurandy Braga disse que o veículo está em manutenção, depois de ter sido atingido por tiros no último assalto, mas que duas motocicletas auxiliam no patrulhamento da cidade.

Economia em São luís Gonzaga do Maranhão está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade (Foto: Reprodução/TV Mirante)Economia em São luís Gonzaga do Maranhão está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade (Foto: Reprodução/TV Mirante)
G1.COM.BR

Ceará fecha maio com redução de 11,8% nos casos de assassinatos

Foram 285 pessoas mortas violentamente no estado em maio deste ano.
Fortaleza apresentou redução de 35,6% no índice de criminalidade.

Bandeira do estado do Ceará

Um total de 285 pessoas foram vítimas de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs), que engloba casos de homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, durante o mês de maio deste ano no Ceará. Contudo, apesar da violência, o estado apresentou uma redução de 11,8% em relação a igual período de 2015.

Conforme dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a capital foi o território com redução mais expressiva no mês. Foram 85 assassinatos em maio deste ano, contra 132 em 2015, representando uma diminuição de 35,6%.

A Região Metropolitana de Fortaleza fechou o mês de maio com índice de CVLI 10,3% menor, caindo de 68 para 61 mortes neste ano.

Já o território Interior Norte teve uma alta de 13,5% nos casos de assassinatos. Foram 59 homicídios em maio de 2016, contra 52 em igual período do ano anterior.

O Interior Sul foi outro território da segurança pública que registrou alta de 12,7% nos CVLIs. Neste ano foram 80 mortes, e 71 em maio de 2015.

Segundo a SSPDS, a redução 11,8% no Ceará é quase o dobro da meta estabelecida pelo Programa Em Defesa da Vida, do Governo do Estado, que é de 6%.

Acumulado do ano
A Secretaria da Segurança apontou ainda que os cinco primeiros meses de 2016 apresentaram redução de 13,8% nos casos de mortes violentas. Fortaleza teve baixa de 37,9%.

O Interior Norte registrou queda de 3,6% e o Interior Sul redução de 0,5%. A Região Metropolitana é o único território que teve alta, fechando com aumento de 12,2%.

 

G1.COM.BR

Suspeito de liderar tráfico e comparsa morrem em troca de tiros com a PM

Caso ocorreu nesta terça-feira no bairro Sete de Abril, em Salvador.
Homens chegaram a ser levados para hospital, mas não resistiram, diz PM.

Bandeira do estado da Bahia

Dois homens suspeitos de tráfico de drogas morreram em uma troca de tiros com policiais militares no bairro Sete de Abril, em Salvador, nesta terça-feira (7). De acordo com a 50ª Companhia Independente (CIPM), o confronto ocorreu pouco antes das 11h, na Rua 21, numa localidade conhecida como Barragem.

Segundo a polícia, os PMs foram ao local após uma denúncia de que homens estavam amedrontando a população local. “Recebemos a informação de que eles estavam cobrando uma espécie de ‘pedágio’ de moradores para juntar dinheiro e soltar comparsas que estão presos. Além disso, também foi informado que eles estariam expulsando os moradores de casa e traficando drogas na região”, destacou um tenente da 50ª CIPM.

Ao chegarem ao local, segundo a Polícia Militar, os policiais foram recebidas a tiros por suspeitos armados e revidaram. Os dois homens atingidos foram socorridos para o Hospital Roberto Santos, mas não resistiram aos ferimentos. “Um dos mortos liderava o tráfico na região. Além disso, os dois já tinham passagens por homicídios”, disse o tenente ao G1.

Em nota, a PM informou que, com os suspeitos, foram encontrados dois revólveres calibre 38, com numeração raspada, 117 pedras de crack, sete papelotes de cocaína e 12 trouxas de maconha. Ainda de acordo com a corporação, a ocorrência foi registrada na Corregedoria da PM.

Outro caso
Na segunda-feira (6), outra troca de tiros entre policiais militares e suspeitos deixou um morto após assalto a um galpão na Estrada Coco. De acordo com informações da Polícia Militar, agentes da 81ª Companhia Independente foram acionadas após o roubo, que teria sido praticado por cinco suspeitos.

Uma equipe da Rondesp conseguiu interceptar os suspeitos na altura do Aeroporto. Segundo a PM, os acusados efetuaram disparos de arma de fogo contra os policiais e houve troca de tiros. No confronto, dois suspeitos foram baleados. Um deles morreu.

O outro suspeito ferido foi medicado e levado para uma delegacia. Outros três comparsas também foram presos. Um dos assaltantes conseguiu fugir. Com os suspeitos, a PM também disse ter apreendido uma pistola calibre 45. A arma e os três suspeitos presos foram apresentados à 27ª Delegacia Territorial (DT).

 

G1.COM.BR

Assembleia aprova projeto que permite intervenção na dívida da Casal

Estado quer mediar negociação de dívida que a Casal tem com a Eletrobras.
Projeto da LDO foi posto em pauta, mas adiado pelo presidente da Mesa.

Bandeira do estado de Alagoas

Os deputados da Assembleia Legislativa de Alagoas aprovaram, durante sessão nesta terça-feira (7), o Projeto de Lei 222/2016, que autoriza o Executivo a intervir na dívida da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) com a Eletrobras.

Em primeiro momento os deputados aprovaram o parecer. Em seguida, votaram o Projeto de Lei, e por último, foi a vez das emendas, apreciadas de forma separada. Em todas as ocasiões a aprovação se deu por maioria dos votos dos parlamentares.

Assim como na sessão extraordinária da última segunda-feira (7), quando a apreciação do parecer do projeto foi adiado, os deputados Bruno Toledo (PROS) e Rodrigo Cunha (PSDB) questionaram emendas que foram incluídas nele pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e que não condizem com o o texto original, como também o fato do PL não ter valores da dívida.

As emendas a que Toledo se refere são relacionadas à venda do Produbam e a renegociação da dívida do Estado com a União. “Eu entendo a importância das emendas e concordo com elas, mas não condizem com o texto do projeto original”, disse.

A deputada Jó Pereira, que é membro da CCJR, informou durante a sessão que no site da Casal há um balanço citando a dívida em um valor de mais de R$ 147 milhões. No entanto, ela admite que o montante final pode sofrer alterações.

“Os débitos foram parcelados em 2004, 2008 e 2009. Com o projeto, estamos autorizando o reparcelamento do saldo devedor. Mas estamos com dificuldade de chegar a um valor final da dívida porque há investimentos com a Eletrobras, que podem diminuir isso”, disse a deputada.

LDO
Ainda na sessão desta terça-feira, os deputados chegaram a apreciar o Projeto de Lei 252/2016, que versa sobre as diretrizes para a elaboração e a execução da Lei Orçamentária de 2017. O parecer da matéria foi aprovado em primeira discussão.

No entanto, quando a Mesa Diretora abriu a segunda sessão extraordinária para abrir a votação do projeto, os deputados Rodrigo Cunha e Bruno Toledo apresentaram emendas ao PL e ele foi adiado por Luiz Dantas.

No início da sessão, o deputado e líder do governo Ronaldo Medeiros (PMDB) fez um apelo para que o projeto fosse aprovado com celeridade. “Estamos deixando de adquirir remédios, bolsas. Veja que prejuízo podemos causar com a demora dessa votação”.

 

G1.COM.BR