Proibição de festa de aparelhagem em Mosqueiro provoca protesto

Trabalhadores protestam contra a proibição: ‘Ficaremos sem emprego’.
PA-391 foi interditada por cerca de 1h30 neste domingo, 29.

Protesto reuniu trabalhadores de bares e festas que se sentem prejudicados com a proibição de festas em Mosqueiro (Foto: Alex Rodrigues/ Arquivo Pessoal)
Protesto reuniu trabalhadores de bares e festas que se sentem prejudicados com a proibição de festas em Mosqueiro (Foto: Alex Rodrigues/ Arquivo Pessoal)

Neste domingo (29), cerca de 250 pessoas interditaram a PA-391, estrada que leva até Mosqueiro, em frente à fábrica da Natura. Eles protestaram contra a decisão judicial que proibiu a realização de festas de aparelhagem em Mosqueiro.

“Dependemos disso para sobreviver. São centenas de trabalhadores, garçons, DJs, pessoal da elétrica, fornecedores de bebida, comida, como todo mundo vai trabalhar sem as festas?”, critica Alex Rodrigues, uma das pessoas à frente do protesto.

De acordo com os manifestantes, a interdição iniciou por volta de 15h. As duas vias foram bloqueadas por uma barricada, gerando um longo congestionamento. A Polícia Militar esteve no local e negociou a liberação de uma via, o que foi consentido. No entanto, segundo os manifestantes, momentos após a liberação parcial, uma equipe de ao menos 15 homens da Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) chegou ao local e disparou balas de borracha contra manifestantes. Duas pessoas teriam ficado feridas.

“Não havia necessidade dessa repressão violenta. A gente fez acordo com a PM e liberou uma das vias. Mas nada vai nos deter, porque somos trabalhadores lutando pelo direito de trabalhar. Não temos outra saída a não ser continuar interditando essa estrada até que o juíz marque uma audiência pública para sermos ouvidos”, disse Alex. Após a intervenção da Rotam, os manifestantes se dispersaram. A via foi liberada por volta de 16h40.

Protesto provocou longo engarrafamento na PA-391 (Foto: Alex Rodrigues/ Arquivo Pessoal)
Protesto provocou longo engarrafamento na PA-391 (Foto: Alex Rodrigues/ Arquivo Pessoal)

Proibição
O acordo judicial permite o funcionamento de bares e similares depois das 22h, em Mosqueiro, desde que os proprietários respeitem o volume de som permitido no horário, os promotores de eventos e donos de casas de shows criticam a proibição de festas de aparelhagens na ilha. O impedimento novamente foi feito pelo Fórum Distrital, sob a justificativa de que nenhuma casa noturna possui o isolamento acústico necessário e ainda considera que as aparelhagens tocam em um volume acima de 60 decibéis – volume máximo permitido durante a noite. Os promotores de eventos começam a se mobilizar para derrubar a decisão judicial.

“As festas de aparelhagens estão inseridas na cultura do povo paraense. Proibi-las é ferir a nossa cultura”, considerou Derick Pompilho, promotor de eventos. “Estamos em contato com os nossos advogados e estudando as melhores saídas para o caso”, antecipou.
Com a nova proibição as festas juninas correm o risco de não serem realizadas em Mosqueiro, uma vez que a animação destes eventos é feito com aparelhagens – que inclusive, tocam as músicas que as quadrilhas dançam.
O Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado do Pará também estuda uma estratégia legal para garantir que as festas de aparelhagens voltem a ser liberadas em Mosqueiro. “Uma parte expressiva da população não ficou satisfeita e nós, que representamos os empresários donos dos estabelecimentos, iremos restabelecer um novo diálogo para resolver esta situação”, frisou o assessor jurídico do SHRBS-PA, Fernando Soares.

Fernando ressaltou que o acordo judicial firmado durante a audiência pública realizada no último dia 23, em Mosqueiro, em momento proíbe a realização festas com aparelhagens, pelo contrário ajuda a regulamentá-las conforme a lei. “O TAC (Termo de Ajuste de Conduta) veta a poluição sonora e não a promoção de festas com aparelhagens”, pontuou.

 

G1.COM.BR

Mulher morre em acidente no município de Santa Bárbara do Pará

Segundo testemunhas ela era uma professora da comunidade.
Acidente foi registrado por volta das 7h30 desta segunda, 30.

Uma mulher de idade ainda não identificada morreu na manhã desta segunda-feira (30), em Santa Bárbara do Pará, após colidir com um ônibus. Segundo informações do Centro Integrado de Operações (Ciop), ela pilotava uma mota e ao se chocar com o ônibus não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para fazer a remoção do corpo.

Segundo testemunhas, Socorro Nascimento Pereira era professora no município de Santa Bárbara.

 

G1.COM.BR

Homem é morto após atirar contra policial em Parintins, diz Polícia Militar do Amazonas

Homem teria efetuado disparo contra a coxa direita do policial militar.
Crime ocorreu no bairro Itaúna, no município a 369 km da capital.

Cidade de Parintins está entre os municípios beneficiados (Foto: Reprodução/TV Amazonas)

Crime ocorreu na cidade de Parintins
(Foto: Reprodução/TV Amazonas)

Um homem, de 21 anos, morreu após ser atingido com pelo menos dois tiros no município de Parintins, a 369 km de Manaus. De acordo com informações repassadas pela Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), o jovem tentou matar um policial que revidou à investida.

Segundo informações do do Comando de Policiamento do Interior (CPI), o homem morto seria um detento do regime semiaberto.

O tiroteio ocorreu na madrugada deste domingo (29), na rua Paraíba, localizada no bairro Itaúna, um dos bairros mais populosos de Parintins.

Segundo relatos de testemunhas repassados para a polícia, o homem estava na frente da casa dele com um amigo, quando viu o soldado do 11º Batalhão da Polícia Militar (11º BPM) passar pela rua em uma motocicleta.

O policial que estava sem o uniforme e acompanhado da esposa, passou pelo local para retornar para a residência onde mora, quando foi atingido com um tiro na perna direita que teria sido disparado pelo detento.  A mulher do soldado não foi atingida.

De acordo com testemunhas, mesmo machucado, o soldado sacou a arma de fez cerca de 12 disparos contra o suspeito. Dois atingiram as costas e a barriga do rapaz que morreu no local.

O soldado foi levado a uma unidade de saúde do município e passa bem. Nesta semana ele deve ser ouvido na delegacia do município.

O amigo do suspeito fugiu do local e ainda não foi localizado pela polícia, segundo informações do CPI.

 

G1.COM.BR

Homem e filhote de cachorro morrem após serem baleados em Manaus

Vítima vendia pipas; suspeitos fugiram em moto após crime.
Crime ocorreu perto de campo de futebol na Zona Sul da capital.

Crime ocorreu no bairro Petrópolis (Foto: Ive Rylo/G1 AM)
Crime ocorreu no bairro Petrópolis, em Manaus (Foto: Ive Rylo/G1 AM)

Um homem de 40 anos foi morto a tiros na Zona Sul de Manaus, na tarde deste domingo (29). De acordo com a Polícia Militar (PM), ele foi baleado no bairro Petrópolis e morreu em um hospital. Um filhote de cachorro também foi atingido e faleceu no local.

Segundo informações da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), testemunhas disseram que o homem estaria  jogando futebol e bebendo com amigos pouco antes do crime.

Moradores disseram ao G1 que o homem vendia pipas (também conhecidas como papagaios) e organizava campeonatos no campo. Eles afirmaram que a vítima estava do lado de fora do campo, próximo ao expositor de pipas que ele tinha montado, quando foi abordado pela dupla.

Populares relataram à polícia que dois homens em uma motocicleta se aproximaram da vítima. Eles teriam dito que queriam comprar uma pipa, atiraram e fugiram do local.

O homem foi atingido por sete disparos, segundo a PM. Dois tiros acertaram a barriga e cinco a cabeça da vítima.

De acordo com os moradores, um dos disparos atingiu um filhote de cachorro. Uma cadela – que seria a mãe do filhote – ficou no local após o tiro.

Ainda de acordo com testemunhas, o homem foi levado por populares ao Hospital Pronto-Socorro 28 de Agosto, bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade.

O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), na Zona Norte. A Polícia Civil deverá investigar o caso. Os suspeitos ainda não foram identificados.

 

G1.COM.BR

No Amapá, internauta reclama de motos estacionadas em vaga para idosos

Reclamação foi enviada pela plataforma colaborativa VC no G1.
CTMac informa que fiscalizações de trânsito são feitas diariamente.

vaga, estacionamento, idoso, VC no G1, Macapá, Amapá (Foto: Jéssica Alves/G1)
Idoso diz que situação ocorre diariamente no Centro de Macapá (Foto: Jéssica Alves/G1)

O internauta Arnaldo Bianchetti, de 67 anos, registrou um flagrante de desrespeito a uma vaga preferencial para idosos, em um estacionamento localizado no Centro de Macapá. O idoso diz que a situação ocorre diariamente e motos ocupam o local. Indignado, ele enviou fotografias para a plataforma colaborativa VC no G1.

O estacionamento fica localizado em frente à uma agência bancária da Caixa Econômica, na Avenida Coaracy Nunes, esquina com Rua São José, onde o idoso faz serviços pelo menos uma vez por semana. Arnaldo Bianchetti diz que já reclamou com os motoqueiros, mas prefere estacionar em outro local para evitar transtornos.

vaga, estacionamento, idoso, VC no G1, Macapá, Amapá (Foto: Arnaldo Bianchetti/ VC no G1)
Vaga está localizada em frente à uma agência
bancária (Foto: Arnaldo Bianchetti/VC no G1)

“Infelizmente o desrespeito é grande e até evito estacionar ali, porque só fico estressado. Muitos jovens ou motoqueiros ocupam a vaga destinada aos idosos. Todo dia isso acontece, especialmente no horário das 11h. E fiscalização praticamente não existe no local”, reclamou.

Nota da redação: a Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac) informou que a fiscalização ocorre diariamente na capital. De acordo com a assessoria de comunicação, os casos podem ser denunciados diretamente na CTMac, localizada no bairro Santa Rita, na Zona Sul da cidade, de 8h às 14h. A assessoria jurídica da companhia é quem avalia as denúncias, informou a companhia.

 

G1.COM.BR

Oposição articula CPI na Educação de Macapá; base na Câmara tenta barrar

Vereadores colhem assinaturas para apurar contratos em secretaria.
Base aliada diz que não tem motivos para investigar denúncias na Câmara.

Uniformes macapá prefeitura de macapá secretaria de educação (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Uniformes causaram polêmica e podem provocar
CPI em Macapá (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Vereadores de oposição ao prefeito de Macapá,Clécio Luís (Rede), colhem assinaturas de parlamentares para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue a gestão da Secretaria Municipal de Educação (Semed), a partir de 2013.

A instalação da CPI ganhou força a partir dedenúncias feitas pela secretária afastada da pasta, Dalva Figueiredo, que apontou supostas irregularidades em contratos na Semed, segundo ela, antes de sua gestão, em setembro de 2015. Dalva diz que as práticas eram de conhecimento do prefeito.

A Semed virou alvo de polêmica após vereadores descobrirem pagamentos a empresas sem a entrega total da confecção de uniformes escolares para crianças da rede pública. Foram desembolsados pelo menos R$ 689 mil pela compra de 37 mil peças de roupas. O dinheiro é de emenda do senador Randolfe Rodrigues (Rede), aliado de Clécio Luís. Ele também pediu apuração no caso.

Câmara Municipal de Macapá (Foto: Abinoan Santiago/G1)
Câmara Municipal de Macapá pode aprovar
instalação de CPI (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Liderada pelo PSB, a maior bancada na Câmara Municipal de Macapá (CMM), com quatro vereadores, a oposição diz que precisa de mais duas assinaturas para criação da comissão.

É necessária a adesão de oito dos 23 parlamentares para requerer que o presidente da Mesa Diretora, Acácio Favacho (PROS), coloque a criação da CPI em votação.

“Inicialmente, o objeto era apenas o uniforme, mas agora será mais aprofundada na Secretaria de Educação. (…) Mas não adianta apenas colhermos a assinatura. A sociedade tem que querer. A gente investiga ou empurra tudo para debaixo do tapete. Se eu fosse o prefeito Clécio deixaria a CPI ser instalada porque quem não deve não teme”, falou o vereador Washington Picanço (PSB), que encabeça o movimento.

Apesar de terem seis das oito assinaturas necessárias, a oposição pode ter dificuldade para instalar a CPI por causa da base do prefeito.

Além de ter o presidente da Câmara como aliado, Clécio tem pelo menos 12 vereadores ao lado, mesmo número necessário para barrar em plenário a instalação da comissão.

Para o vereador André Lima (PPL), apesar das denúncias, ainda não existe motivo para a criação de uma CPI devido a intervenção feita pela própria prefeitura na Semed e a apuração paralela no MPF. A proposta, no entanto, é criar uma frente parlamentar com as lideranças na Casa para acompanhar o andamento das investigações.

“A questão não é nem o fato de ter maioria ou não. Para se instalar uma CPI, devemos ter acusações concretas. Houve a denúncia na Semed e a prefeitura está apurando com a disposição de uma pessoa para conduzir esse trabalho, além de o prefeito Clécio Luís e o senador Randolfe Rodrigues também terem pedido a apuração ao MPF, por isso acredito que ainda não tem necessidade de uma CPI na Educação”, avaliou André Lima, membro da base da prefeitura na Câmara de Macapá.

G1.COM.BR

Dupla assalta sorveteria e foge com celulares, relógios e bolsas no Acre

Assalto ocorreu na noite de sábado (28) no bairro Bosque, em Rio Branco.
Ao menos 8 clientes estavam no local; dupla também levou R$ 40 do caixa.

Uma sorveteria localizada na Rua Alvorada, bairro Bosque, em Rio Branco, foi assaltada por dois homens neste sábado (28). Segundo uma testemunha, que não quis não ser identificada, ao menos oito pessoas estavam no local quando os suspeitos chegaram de moto e anunciaram o assalto, enquanto um deles trancava a porta. O crime ocorreu por volta de 21h30.

Os clientes tiveram objetos pessoais como celulares, bolsas, relógios e cordões de ouro levados pelos suspeitos. Um deles, que estava armado, permaneceu usando capacete durante toda a ação. Do caixa da sorveteria os suspeitos teriam levado R$ 40. A abordagem, segundo a testemunha, teria durado no máximo 10 minutos.

Ainda segundo a ela, a dupla teria tentado chegar ao depósito da sorveteria, mas no momento da ação um cliente estacionou e percebendo que era um assalto fugiu do local. Com medo que a polícia fosse acionada, os homens fugiram.

Violência no Bosque
Há aproximadamente dois meses, uma mulher foi baleada durante um assalto em uma escola de idiomas quase em frente à sorveteria. Foi o segundo em menos de uma semana ocorrido no bairro Bosque. já que no dia 29 de março, câmeras de segurança haviam flagrado quando três suspeitos chegaram a pé em um bar e restaurante localizado também na Rua Alvorada. O trio rendeu os clientes que estavam sentados na calçada e levaram objetos pessoais.

No dia 1º de março deste ano, também no Bosque, o servidor público Humberto Silva de Carvalho, de 47 anos, conhecido como Betinho, levou um tiro na cabeça ao tentar defender a mãe de um assalto. O assalto ocorreu na Rua Narciso José Lima. Carvalho sobreviveu e o suspeito do crime foi preso pela polícia dias depois.

Outro caso de violência na região, ocorreu em 7 de janeiro. Um sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope) trocou tiros com uma dupla após sofrer uma tentativa de assalto. O sargento foi atingido de raspão, mas conseguiu balear um dos suspeitos. Os dois suspeitos fugiram.

 

G1.COM.BR