Lawyers’ request to meet Korea DPR defectors improper: unification ministry

Flag of North Korea.svg

SEOUL, May 16 (Yonhap) — South Korea’s unification ministry said Monday that it is not proper for a local lawyers association to request a meeting with the 13 North Koreans who defected en masse last month.

A group of North Koreans — one male manager and 12 female employees — who worked at a restaurant in the Chinese eastern port city of Ningbo defected to South Korea in early April amid toughened international sanctions.

Earlier in the day, the Lawyers for a Democratic Society, or Minbyun, called on the National Intelligence Service (NIS) to arrange a meeting with the defectors in a bid to clarify the North’s claim that they were kidnapped by Seoul.

South Korea’s unification ministry said that it viewed such a request as improper, saying that the defectors made the decision to come to Seoul.

“The defectors came to South Korea completely on their own free will,” Jeong Joon-hee, the ministry’s spokesman, told a regular press briefing. “As they are in the early stage of resettlement here, it is not proper to allow them to meet with outsiders.”

North Korea has claimed that South Korea kidnapped the 13 North Koreans, notifying Seoul in late April that it will send their family members to Seoul for a face-to-face meeting.

Pyongyang has threatened to take strong action against South Korea if Seoul does not accept its demand for a meeting with the family members and their immediate repatriation.

Jeong also dismissed a report by a North Korean propaganda website that one of the 13 defectors died in Seoul while fasting.

“The report is groundless,” he said. “They are all healthy.”

sooyeon@yna.co.kr

(END)

 

Source : Yonhap News Agency

Korea DPR pushes for timely rice planting to boost output

Flag of North Korea.svg

SEOUL, May 16 (Yonhap) — North Korea is calling on its people to carry out timely rice planting in an effort to boost the country’s grain production.

The move comes as the country gears up for the spring planting season in the wake of the rare congress of the Workers’ Party of Korea (WPK) that ended last Monday. In the key gathering, the first of its kind in 36 years, the North announced various economic projects aimed at improving the economic conditions of the impoverished country.

In an editorial on Monday, the North’s main newspaper, the Rodong Sinmun, called for the people to concentrate all their effort on a rice-transplanting campaign to gain a breakthrough in grain production. The paper likened rice farming to a “battle” to increase the country’s grain production.

The Northeast country of more than 20 million has suffered from frequent food shortages as the output of rice, its main staple, has not met demand. A lack of fertilizer, power shortages and poor infrastructure have been cited as causes of the country’s troubles.

The newspaper said a great victory in the agricultural frontline is a political struggle for the WPK.

Despite the severe drought last year, the daily claimed, the country successfully achieved rice planting success and urged all sectors of North Korean society to help out with farming.

Then it proposed a term, “the Speed of Mallima,” to prompt North Koreans to work harder to attain the country’s economic goals as well as rice planting.

The term Mallima, which was coined by the North, means a horse that runs 10 times as fast as Chollima, an imaginary horse with wings that can travel at least 400 kilometers a day.

North Korea first launched the Chollima Movement in the late 1950s as an economic campaign to rebuild its economy after the 1950-53 Korean War.

(END)

Source :  Yonhap News Agency

Korea DPR uses party congress to declare nukes its priority: report

Flag of North Korea.svg

SEOUL, May 16 (Yonhap) — North Korea used its latest party congress as a venue to show its will to give priority to developing nuclear weapons before it moves to bolster its fragile economy, a report showed Monday.

North Korea concluded a four-day run of the congress by the Workers’ Party of Korea (WPK) last Monday, where North Korean leader Kim Jong-un was elected as chairman of the ruling party.

Kim Kap-sik, a research fellow at the Korea Institute for National Unification (KINU), said in a report that the North formally announced that its priority will be developing a nuclear arsenal at the key gathering.

At the party event, the first to be held in 36 years, the North’s leader made it clear that he will “permanently” defend the pursuit of his signature policy of developing nuclear weapons in tandem with boosting the country’s moribund economy, commonly known as the “byeongjin” policy.

He also called his country a “responsible nuclear weapons state,” adding that Pyongyang will not use its nuclear arms first unless its sovereignty is threatened by other countries with nuclear bombs.

Seoul said that his message is nothing more than an expression that the communist country has no intention of giving up its nuclear program, adding that it will not recognize North Korea as a nuclear-armed state.

A report by Hong Min, another KINU research fellow, cast a similar view.

“The North seemed to set nuclear weapons as key words for the party congress,” Hong said. “The party event was used as a venue to formally declare that the country’s rule will be based on its nuclear arsenal.”

sooyeon@yna.co.kr

(END)

 

Source : Yonhap News Agency

Qual é a distância entre Moscou e Buenos Aires?

Boeing 777-3M0/ER aircraft picture

Distância de Moscou para Buenos Aires

A distancia é 13459 km ou 8363 milhas ou 7267 milhas náuticas
A distância é a distância do ar teórica (distância ortodrômica). Voar entre aeroportos dos dois locais pode ser uma distância diferente, dependendo da localização dos aeroportos e via real escolhida.

Mapa – caminho mais curto entre Moscou e Buenos Aires

Map – Shortest path between Moscow and Buenos Aires

Moscou

 Buenos Aires

O mapa é usando uma projeção que faz a terra e oceanos muito mais amplo perto do pólo sul e pólos norte. O título / curso / rolamento durante um voo varia na maioria dos casos. Roteiro com base na imagem da NASA.

A posição de Moscou
Latitude: 55 ° 45 ‘Norte
Longitude: 37 ° 37 ‘East
posição inicial: 253.1 ° Oeste-sudoeste
título final: 220,9 ° Sudoeste
A posição de Buenos Aires
Latitude: 34 ° 37 ‘Sul
Longitude: 58 ° 23 ‘Oeste
posição inicial: 40,9 ° Nordeste
título final: 73,1 ° leste-nordeste

Fonte : timeanddate.com

Procuradoria-Geral da República diz que Pimentel pode ser afastado antes de autorização da Assembleia

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que receba denúncia feita pela Polícia Federal contra o governador de Minas Fernando Pimentel, do PT, sem autorização prévia da Assembleia Legislativa. De acordo com a Agência Estado, se a Corte acolher a solicitação da PGR, o petista poderá ser afastado do cargo apenas pelas mãos do Judiciário, sem consulta aos deputados estaduais.

Pimentel foi denunciado na semana passada por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de receber propina da montadora de veículos CAOA para favorecê-la no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, pasta que comandou de 2011 a 2014.

“Se a denúncia for aceita, o petista passa à condição de réu em ação penal que correrá perante o STJ”, afirma a reportagem da Agência Estado, acrescentando que, segundo a vice-procuradora geral da República, Ela Wiecko, o pedido segue o que determina a Constituição de Minas. “Diferentemente do que ocorre em outros estados, a legislação mineira não prevê aval do Legislativo para a abertura de ação criminal contra o chefe do Executivo. Diz somente que, ao ser submetido a processo e julgamento no STJ por crimes comuns, o governador mineiro deverá ser suspenso de suas funções”, conclui a matéria.

A solicitação da PGR joga por terra a estratégia de parlamentares petistas e de advogados de Pimentel, que defendem a tese que o afastamento do governador só seria possível se for autorizado por dois terços dos parlamentares estaduais.

“O artigo 92 (parágrafo 1º, inciso 1) não deixa dúvidas, quando afirma que o governador do Estado será automaticamente suspenso de suas funções, se a denúncia ou queixa pela prática de crimes comuns for aceita pelo STJ”, explica o deputado estadual Bonifácio Mourão.

 

Site Turma do Chapeu

Decreto de Pedro Taques estabelece cláusula anticorrupção em contratos no Mato Grosso

Os contratos de prestação de serviços firmados com a administração pública de Mato Grosso passarão a ter uma cláusula anticorrupção. É o que determina o Decreto 572/2016, assinado pelo governador Pedro Taques. A norma altera o Decreto 7.217/2006, que regulamenta o processo licitatório em Mato Grosso, ao acrescentar a cláusula que prevê a rescisão do contrato caso a empresa pratique atos ilícitos.

A medida visa coibir atos de corrupção e assegurar a qualidade dos serviços públicos. Taques ressaltou que a regra vale para todos os fornecedores do Executivo Estadual, independentemente do órgão atendido. “Esta é uma iniciativa inédita no Brasil e será implementada em todo o Governo, sem distinção de área ou setor. Iremos trabalhar em parceria com todas as empresas que prestam serviços ao Estado”, esclareceu o governador mato-grossense.

A cláusula prevê que o contrato pode ser encerrado mesmo quando o ato ilícito não seja em desfavor do contratante. Segundo a secretária do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção do Mato Grosso (GTCC), Adriana Vandoni, este é um importante instrumento que faz parte do pacote anticorrupção elaborado pela atual gestão. “Um ambiente corrompido não é saudável para os empresários, nem para o Governo e menos ainda para a sociedade, que merece serviço público de qualidade”, frisou. O conjunto de medidas também inclui a implantação de um programa de integridade, tanto na esfera privada quanto na administração pública. É o chamado compliance, que trabalha a efetivação da cultura da ética e integridade no meio corporativo.

 

Site Turma do Chapeu

Não custa tentar, Michel Temer

Duas definições se aplicam bem ao novo governo Michel Temer:

É o que tem“, disse Fernando Henrique Cardoso. Ninguém nunca sonhou com Temer presidente, e até alguns que votaram nele (o número era 13, se alguém não lembra) não estão muito felizes.

Dilma menos a ideologia“, avaliou Demétrio Magnoli. O governo do eleito na mesma chapa (13, confirma!) só podia mesmo ser parecido com o da afastada.

De qualquer forma, Michel Miguel assume o Planalto como depositário de muita expectativa de todos os lados, positiva ou negativa. A minha é a soma de FH e Magnoli: considerando que é isso aí o que a gente tem, se Temer for uma Dilma que cumpra a meta de superávit, já estamos no lucro.

Por não defender a afastada, eu já me sinto mais à vontade para reclamar quando Temer comete os mesmos erros que Dilma ou nomeia os ex-aliados do PT. Acredito, porém, que o novo governo faria um imenso bem ao país se parasse de cair nas armadilhas que só servem ao PT.

O governo Michel Temer resistiria muito melhor a ataques petistas se tivesse tido o cuidado de planejar e distribuir bem sua versão dos fatos. Ao não fazer isso, deixa o Partido dos Trabalhadores ocupar esse espaço com a versão deles.

É óbvio que ao tirar a primeira presidente mulher do poder, surgiriam as alegações de machismo. Não discuto o mérito aqui, a maioria delas não faz sentido, mas elas acontecem. Quando se cria um ministério só de homens, então, se presta um enorme favor a quem já estava previamente disposto a colar no novo governo a pecha de misógino. A resposta padrão, claro, é dizer que não importa o gênero, mas a competência de quem ocupa a esplanada. Isso é verdade. Mas a resposta também não serve muito a esse caso, porque a lista ministerial de Temer, basicamente uma reciclagem do governo da afastada, não exala mérito. Tanto que o próprio governo já recuou e Temer agora diz que procurará representantes do “mundo feminino”.

Não é possível que não tinha ninguém no departamento-de-vai-dar-merda pra falar pra dar uma colorida na foto dos ministros. Ou ao menos no palco em que Temer fez em seu primeiro discurso. Todo político que se preze tem um organizador de cenários para esse tipo de evento, mas o PMDB se esqueceu disso.

Como pode um governo que quer se firmar não ter atuado ativamente para apresentar sua nova organização? Quando decidiram, de forma acertada, reunir o Ministério da Cultura de volta com o da Educação, não teve ninguém encarregado de expor uma versão? “Cultura é integrada a Educação e forma ministério ainda mais poderoso, com atuação multisetorial”. “Desenvolvimento Agrário agora caminha lado a lado com Agricultura”. “Direitos Humanos, Mulheres e Diversidade racial ganham mais força no coração do Ministério da Justiça”. Todos esses exemplos poderiam ser manchetes positivas para o governo, se esse soubesse divulgar sua versão. Não houve esse cuidado. Ficou o PT repetindo a versão abobada deles, sem reação do governo.

No primeiro dia que reclamassem da falta de mulheres no governo, eu já teria colocado a Secretária-Executiva do Ministério da Educação e a Chefe de Gabinete do presidente a disposição de todo veículo de imprensa. Apresentado todas as mudanças ministeriais com sua versão. mas parece que depois de uma década de convivência íntima com o PT, não aprenderam como fazem para disseminar discurso governista. Um governo que já tem ataques suficientes fica perdendo tempo com bobagem e agindo na defensiva porque não sabe o que vai ser direito da pasta da Cultura.

Fica evidente que não houve o menor cuidado com a comunicação quando Temer lança o lema “Não pense em crise, trabalhe!”. Primeiro, é uma reedição do que os petistas diziam ao negar a crise. Segundo, na forma que foi dito, é brega, como uma boa frase de posto de gasolina. Terceiro, fica tenebrosamente soviético quando o presidente fala que quer distribuir isso em outdoors pelo país. Ninguém conduziu uns grupos de pesquisa pra testar isso aí?

Sei que conquistar a confiança do Congresso é muito importante e o interino, ex-presidente da Câmara, tem habilidade para fazer isso bem. Assim como Henrique Meirelles deve estar trabalhando direitinho para reconquistar os mercados. Mas há, na opinião pública, uma batalha a ser disputada. E Temer deveria ter aprendido uma coisa com o PT, um talento que garantiu inclusive a eleição do próprio Michel: se apropriar da narrativa. O PT nunca fez muito especialmente para as mulheres. A maior conquista feminina do governo Dilma foi o nascimento da própria nesse gênero. Para a população LGBT, praticamente nada. Quanto à Cultura, ficou distribuindo recursos públicos via Lei Rouanet como já se fazia. Mas posa como defensor de todas essas pautas porque ninguém nunca contestou. E aí muita gente pode falar que é melhor falar do que fazer. Para o mundo real, pode ser verdade. Para a política, funciona diferente, e o PT fez isso muito bem: o ideal é pelo menos fingir que se importa. Não custa tentar, Michel.

 

Site Turma do Chapeu