A economia em abril: o mês em que o mercado começará a cair na real

Notícia Publicada em 05/04/2016 08:59

Votação do impeachment de Dilma pela Câmara deixará mais claro o que virá na área econômica

A esfinge da vez: mercado busca um perfil mais nítido e menos eufórico de um possível governo Temer (Agência Brasil/Marcelo Camargo)
A esfinge da vez: mercado busca um perfil mais nítido e menos eufórico de um possível governo Temer
(Agência Brasil/Marcelo Camargo)

SÃO PAULO – Para o bem ou para o mal, abril representará um choque de realidade na política e na economia. O motivo é que, finalmente, o impeachment da presidente Dilma Rousseff será votado pela Câmara. Se não tiver apoio, os investidores saberão que conviverão com um governo fraco e desnorteado até 2018, e tomarão suas providências. Se o impedimento for aprovado e seguir para o Senado, um eventual governo de Michel Temer começará a ser avaliado com menos paixão e mais pragmatismo – afinal, a cabeludíssima crise não desaparecerá por mágica.

De qualquer jeito, a ficha começará a cair para os investidores que, nos últimos tempos, abandonaram os fundamentos da economia para tomar decisões com base na euforia de possíveis mudanças – a ponto de fazer a Bolsa disparar quase 17% no mês passado, mesmo com a visível piora da economia real. O alerta já soou para muitos analistas. “A alta motivada pelo cenário político poderá sofrer um revés neste mês, dependendo do andamento do processo de impeachment da presidente Dilma”, afirma a Ativa, em relatório.

“Com a ‘Ponte para o Futuro’ e o ‘Plano PT’ circulando, os mercados já sabem o que esperar com o cargo de presidente sendo ocupado por Temer ou Dilma”, acrescenta a XP Investimentos, em análise assinada por Ricardo Kim. Mesmo que haja uma predileção clara dos investidores pela troca de governo, cada vez mais analistas afirmam que um eventual governo Temer não será um passeio no paraíso. Para a Ativa, por exemplo, o plano “Ponte para o Futuro” é de “difícil implementação”.

Em parte, a dificuldade decorre da impopularidade de algumas medidas, como a reforma da Previdência. Mudanças como essas precisam do crivo do Congresso, algo que não é, necessariamente, garantido, mesmo com Temer no Palácio do Planalto. “Qualquer melhoria sustentável nos resultados fiscais dependerá de reformas, que requerem aprovação do Congresso”, observa o Bradesco, em seu relatório de cenário para abril. “Mas as incertezas no ambiente político não devem se dissipar tão cedo, e isso continuará limitando essas reformas necessárias.”

A realidade

O pano de fundo da votação do impeachment será a economia real, segundo os analistas. Em abril, a inflação deve continuar apresentando sinais de arrefecimento, mas pelos motivos errados: a persistência da retração econômica e o aumento do desemprego. Para os analistas, este mês registrará um novo avanço no indicador de pessoas desocupadas, seja por que perderam seu emprego, seja por que a deterioração da renda está levando mais membros de cada família a procurarem uma colocação.

A desaceleração dos preços e a recessão, contudo, não devem ser suficientes para convencer o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central a cortar a taxa básica de juros (Selic) na reunião prevista para o fim do mês. A maioria dos analistas espera que o BC mantenha a taxa, hoje em 14,25% ao ano, até por volta de outubro, quando deve começar a cortá-la.

Em meio a toda essa confusão política e à ansiedade dos mercados, os analistas apontam o câmbio como o indicador que está, atualmente, mais colado aos fundamentos econômicos. A Gradual, por exemplo, observa que a cotação do dólar, no Brasil, guarda uma correlação de 74% com o preço das commodities agrícolas e minerais exportadas pelo país. Por isso, afirma que o BC deve intervir discretamente no câmbio.

O FINANCISTA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.