Qantas Boeing 737-800 takes on Tesla electric car

A Qantas Boeing 737-800 VH-XZI and a Tesla Model S electric car at Avalon Airport. (Qantas)

 

Could an electric car outrace an aircraft?

That was what Qantas and Telsa sought to find out as the Flying Kangaroo pitted one of its Boeing 737-800s, VH-XZI, against the electric car maker’s Model S P90D electric car at Avalon Airport over the weekend.

The event marked the start of a partnership between the two companies, with benefits including a Qantas club membership for those purchasing a Tesla Model S vehicle. The airline is also installing charging points at its airport valet facilities in Adelaide, Brisbane, Melbourne and Sydney.

“We’re huge admirers of the way Tesla has transformed the electric car sector as a premium brand and we look forward to sharing our understanding and advance the work we started in 2012 on biofuels as an alternative to jet fuel,” Qantas head of environment and fuel Alan Milne said in a statemnt.

“What better way to celebrate working together than having a unique race – car versus plane.”

 

Australian Aviation

Fair Work Commission halts planned airport work stoppages

SmartGatelocations1

 

Planned industrial action at Australia’s airports for Monday and Tuesday has been called off after the Fair Work Commission (FWC) issued an interim order preventing staff from walking off the job.

Over the weekend, the Department of Immigration and Border Protection (DIBP), on behalf of the federal government, applied to the FWC calling for a three-month suspension to all industrial action on national security grounds.

While the FWC is yet to hand down its decision on the Department’s application, the Commission on Sunday night issued an interim order preventing the Community and Public Sector Union (CPSU) from carrying out planned work stoppages that were set down for on Monday and Tuesday.

It will hear the case on Tuesday, the CPSU said in a statement on Sunday night.

“The Department of Immigration and Border Protection made an application to the Fair Work Commission at close of business Friday, 1 April to suspend all industrial action for three months on national security grounds,” the CPSU said.

“The Fair Work Commission has not yet heard CPSU evidence responding to the Department and Borders Force’s application but has issued an interim order to suspend protected industrial action/strikes until a decision on the case is made, with a further hearing on the main application on Tuesday.

“The CPSU will continue to vigorously oppose the Department’s application and will keep you across new developments as they arise.”

The CPSU said there had been multiple exemptions in previous stop work actions to ensure national security was not compromised.

“The Department has previously been able to reach agreement with the union on more than 50 exemptions for officers whose work relates to counter-terrorism and security in similar action taken by DIBP and Border Force workers over the past 10 months,” the CPSU said.

The Department noted the Commission’s order on its website on Sunday night: “The Fair Work Commission has today issued an interim suspension order for all protected industrial action, pending the outcome of a final hearing on 5 April.”

Australian Aviation

Royal Aeronautical Society to hold conference on Sydney’s second airport

Royal Aeronautical Society (Australian Division) logo

The Australian division of the Royal Aeronautical Society is holding an online webinar on April 22 discussing the question of Sydney’s proposed second airport.

The RAeS online webinar, titled “Sydney’s second airport: reality and myth”, will be hosted by Aviation Safety Regulatory Review (ASRR) author David Forsyth.

The panel of guests features Dr Warren Mundy from the University of NSW School of Aviation, Airservices executive general manager for air traffic control Greg Hood and Regional Development Australia Sydney committee executive officer Bob Germaine.

Tickets for the event, which runs from 1200-1300 Friday April 22, are available from this website:https://raeswebinar.eventbrite.com.au/.

 

Australian Aviation

DSTG analysis shows RAAF Hornets less fatigued than thought

Op OKRA

Scientists within the Defence Science and Technology Group (DSTG) Aerospace Division have developed a new fatigue-monitoring algorithm that shows the Royal Australian Air Force’s F/A-18A/B Hornets are less fatigued than previously thought.

The new algorithm, known as MSMP3, has been brought into use after validation testing demonstrated that the old algorithm over-predicted damage due to small load cycles, resulting in unnecessary conservatism, DSTG statedon March 24.

“As a direct result of the upgrade of the Hornet monitoring program, the reprocessing of the entire fleet’s usage history indicates that fatigue is no longer the main driver to the planned withdrawal date,” said research leader Loris Molent.

“After thorough peer review, DGTA-ADF (Directorate General Technical Airworthiness – Australian Defence Force) advised the Tactical Fighter Systems Program Office to adopt MSMP3. The historical all-time strain records of each aircraft were reprocessed and the results adopted in September 2015,” DSTG said.

 

Australian Aviation

Qantas Founders Museum preparing for Super Constellation arrival with fundraising drive

The Super Constellation being prepared for storage at Manila Airport. (Qantas Founders Museum)

The Super Constellation being prepared for storage at Manila Airport. (Qantas Founders Museum)

A Lockheed Super Constellation headed for the Qantas Founders Museum at Longreach has been successfully moved from its previous location at Manila Airport and is in storage awaiting transportation to Australia.

The Qantas Founders Museum purchased the Super Constellation, which had been grounded for 25 years, at an auction of old aircraft organised by the Manila International Airport Authority in September 2014.

Since then, the aircraft, N4247X, has been raised out of the mud, made safe for moving and moved to storage after it was disassembled.

The museum is hoping to secure $1.5 million in donations through a fundraising campaign, with the funds to go towards a new aircraft display featuring the Super Constellation. The aircraft was expected to be transported to Australia by ship or possibly in an Antonov aircraft, before making the journey to Longreach by road, the Qantas Founders Museum said on Monday.

“Qantas Founders Museum is a not for profit organisation, we are a fully sustainable museum, with all profits going back into the museum and its exhibits. However with a project of this size, we need all the help we can get whether it is in kind or financial support.” Qantas Founders Museum chief executive Tony Martin said in a statement.

“Longreach, like much of Western Queensland, is enduring one of the worst droughts in its history, the restoration and launch of Super Constellation will create jobs directly through the museum and indirectly through museum visitors staying in the region and requiring local services.”

The Super Constellation was previously operated by World Fish and Agriculture Inc to transport fish cargo and the United States Air Force. It was similar to those flown by Qantas in the 1940s and 1950s.

Highlights of the Constellation in Qantas colours
  • Constellation operated Qantas Kangaroo route air services between London and Sydney from 1947
  • Constellation was the first Qantas aircraft to feature flight hostesses, and the first pressurised aircraft operated by Qantas.
  • Super Constellation operated the first Qantas trans-Pacific air service in 1954
  • Super Constellations in Qantas colours operated first ever regular round-the-world air services via both hemispheres in 1958

(Source: Qantas Founders Museum)

Donations can be made via the museum website.

 

Australian Aviation

Dilma exonera presidente da Embratur nomeado por Temer

Notícia Publicada em 04/04/2016 10:21

Exoneração foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União. Ainda não há indicação oficial de substituto

Desde o mês passado, funcionários ligados ao PMDB foram exonerados. O partido decidiu deixar o governo em decisão no fim de março (José Cruz/Agência Brasil)
Desde o mês passado, funcionários ligados ao PMDB foram exonerados. O partido decidiu deixar o governo em decisão no fim de março (José Cruz/Agência Brasil)

BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff exonerou, a pedido, Vinícius Renê Lummertz Silva do cargo de presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), nomeado em maio de 2015 pelo vice-presidente Michel Temer, que exerceu a Presidência por alguns dias enquanto Dilma estava em visita ao México .

A exoneração foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União. Ainda não há indicação oficial de substituto.

Desde o mês passado, funcionários ligados ao PMDB foram exonerados. O partido decidiu deixar o governo em decisão no fim de março.

Dilma exonerou o vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Roberto Derziê de Santanna, na sexta-feira (1º). Indicado pelos peemedebistas Moreira Franco e Geddel Vieira Lima, Derziê é funcionário de carreira da Caixa e trabalhou com o vice-presidente Michel Temer, que é presidente do PMDB, durante o período em que Temer atuou na articulação política do governo, até agosto do ano passado.

Embora outros nomes indicados pelo PMDB também tenham sido exonerados, como o diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), Walter Gomes de Sousa; e o diretor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Rogério Luiz Abdalla; o governo aceitou na quinta-feira (31) a indicação do partido e nomeou Luiz Otávio Oliveira Campos para o cargo de diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Campos foi senador e era secretário-executivo da Secretaria de Portos da Presidência da República, comandada pelo também peemedebista Helder Barbalho. A nomeação para o comando da agência precisa ser apreciada pelo Senado.

O presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Antônio Henrique Carvalho Pires, conhecido por sua proximidade com o vice-presidente Michel Temer, também foi exonerado.

O FINANCISTA

Governo sacrifica ajuste para tentar conter crise política

Notícia Publicada em 04/04/2016 09:47

Além das medidas de crédito e redução de juros em operações do BNDES, governo pediu abatimento da meta em até R$ 120 bi para despesas

Ppacote de socorro aos Estados e alongamento da dívida com União anunciado recentemente ficou muito maior do que o previsto (Reuters/Ueslei Marcelino)
Pacote de socorro aos Estados e alongamento da dívida com União anunciado recentemente ficou muito maior do que o previsto (Reuters/Ueslei Marcelino)

BRASÍLIA – O compromisso continua o mesmo: fazer o ajuste fiscal. Mas, na prática, a equipe econômica sacrificou o ajuste no curto prazo e adotou medidas que retardam a recuperação fiscal e a reversão do rombo das contas públicas, que deve chegar perto de R$ 100 bilhões em 2016.

Além das medidas de crédito e redução de taxas de juros em operações do BNDES e de fundos constitucionais, o governo pediu um abatimento da meta em até R$ 120 bilhões para acomodar mais despesas, inclusive na área de defesa, e recursos não previstos para os Estados de R$ 1,95 bilhão como compensação pela Lei Kandir que desonerou as exportações.

Também estão sendo atendidos pleitos de renegociação agrícola, como ocorreu em 2014. Há pressão ainda para a liberação dos depósitos compulsórios pelo Banco Central.

O pacote de socorro aos Estados e alongamento da dívida com a União anunciado recentemente ficou muito maior do que o previsto, com impacto que pode chegar a R$ 45 bilhões em três anos.

Medidas impopulares, como as reformas da Previdência e trabalhistas, que chegaram a ser anunciadas pelo ministro da Fazenda Nelson Barbosa, foram engavetadas. Na situação de rombo das contas públicas e atraso na votação da CPMF, medidas adicionais de alta de tributos já teriam sido adotadas.

O roteiro é semelhante ao seguido pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega em 2014, ano de eleições presidenciais, quando foram adotadas “bondades” econômicas ou retardadas ações para não atrapalhar a campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Para muitos economistas, essa foi a raiz do agravamento da crise que o País vive hoje.

Agora, na guerra contra o impeachment da presidente, o governo abriu espaço para mais despesas em nome do enfrentamento da recessão. A decisão facilita, porém, o atendimento das demandas políticas de aliados e “neoaliados” e ajudaria a criar um ambiente mais favorável com a população, como tem cobrado o ex-presidente Lula. Novas medidas estão sendo preparadas para serem anunciadas nesta semana.

Barbosa tem vivido dias de “equilibrista fiscal”, principalmente depois que virou alvo das críticas do PT. O quadro também se assemelha ao de 2014, quando Lula trabalhou nos bastidores para a substituição de Mantega no cargo. A diferença com o que ocorreu há dois anos é que o cofre agora está vazio.

Com o pedido de revisão da meta fiscal, para poder registrar novo déficit, a equipe econômica buscou antecipar a solução de um problema, o que naquela época só aconteceu depois da vitória de Dilma nas eleições. Mantega chegou a preparar medidas de ajuste, como mudanças nas regras de seguro-desemprego, que ficaram na gaveta até o final do segundo turno.

Além disso, o ex-ministro represou o aumento dos preços administrados, como gasolina e energia elétrica, que depois foram liberados, contribuindo com efeitos na escalada da inflação. “Quanto mais demoramos a enfrentar os problemas estruturais, mais graves os problemas e a crise, mais custoso o ajuste. Essa é a natureza da crise”, diz Marcos Lisboa, presidente do Insper e ex-secretário de Política Econômica do governo Lula.

Lisboa diz não ter visto até agora nenhuma medida do governo que realmente encaminhe uma solução estrutural para o problema fiscal. “O problema do crescimento do gasto primário não está resolvido”, diz. Para ele, o governo voltou adotar medidas de estímulo feitas nos últimos anos que resultaram na crise fiscal de hoje.

No governo, ao contrário, a avaliação é de que não tem como cortar mais despesas, sob o risco de colapsar a máquina pública e empurrar mais a economia para a recessão. “A realidade da economia não vai mudar no curto prazo com ou sem impeachment. O processo de recuperação é longo”, diz um integrante da equipe econômica.

“O governo está no limite. Não tem mágica”, acrescenta ele, lembrando que o abatimento maior permite o pagamento de despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), da Saúde e recursos para os Estados.

Congresso

Na visão da área econômica, as medidas fiscais adotadas estão no caminho certo, mas a grande interferência na política fiscal é a aprovação de medidas pelo Congresso que aumentam despesas. Como, exemplo, a fonte cita a aprovação de Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Câmara, que aumenta os gastos para a saúde.

Ex-secretário da equipe de Mantega, o economista Marcio Holland avalia que a política fiscal fracassou porque o governo não consegue mais originar superávits primários minimamente necessários para garantir um cenário de queda da dívida.

Segundo o economista, que está terminando o livro A economia do ajuste fiscal: Por que o Brasil quebrou, não é só no Brasil que ocorre um freio na adoção de medidas econômicas durante períodos de eleições e de fragilidade política. Outros governos também já adotaram táticas semelhantes. Ele cita medidas cambiais represadas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante sua campanha à reeleição.

“É o fenômeno político afetando a as decisões”, diz.

Holland lembra que, em 2014, a equipe preparou uma série de medidas para diminuir gastos com pensões, seguro desemprego e abono salarial, adotadas só após as eleições.

“Em 2014, já havia a avaliação de que era preciso entrar em janeiro com um ajuste bem forte”, avalia ele, que critica sobretudo o reajuste do salário mínimo.

“Houve hesitação em 2015 e agora em 2016. Está havendo postergação e até falta de convicção.” Colaborou Victor Martins. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Por Adriana Fernandes)

O FINANCISTA

Aumenta repercussão de eventos vindos de emergentes como Brasil e China, diz FMI

Notícia Publicada em 04/04/2016 11:20

O que vem acontecendo com a economia da China nos últimos meses tem tido peso importante na precificação dos ativos ao redor do mundo

Contágios de eventos em países emergentes como Brasil para o resto do mundo sempre existiram, mas no passado eram limitados a períodos de crise (Flickr/George Vale)
Contágios de eventos em países emergentes como Brasil para o resto do mundo sempre existiram, mas no passado eram limitados a períodos de crise (Flickr/George Vale)

NOVA YORK – A repercussão para o mercado financeiro mundial de eventos em países emergentes como Brasil, China e Rússia aumentou de forma significativa nos últimos anos, conclui um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado nesta segunda-feira, 4, que faz parte do Relatório Estabilidade Financeira Global. Mais de um terço da variação na rentabilidade dos ativos nas bolsas e moedas dos países avançados são explicados por essas repercussões financeiras.

“As repercussões financeiras de mercados emergentes têm ficado significativamente mais fortes desde a crise financeira mundial”, afirma o relatório, destacando que o movimento é mais intenso nos preços dos ativos nas bolsas de valores e moedas ao redor do mundo. Por conta disso, o FMI alerta que os governos de países do primeiro mundo precisam levar em conta, cada vez mais, a evolução da economia e das políticas nos mercados emergentes.

O FMI calcula que o contágio para o resto do mundo do que ocorre em mercados emergentes cresceu 28% desde a crise, mas quando se consideram os principais – Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul – houve aumento de 40%.

O que vem acontecendo com a economia da China nos últimos meses, por exemplo, tem tido peso importante na precificação dos ativos ao redor do mundo, nos países emergentes e avançados, de acordo com o relatório. Brasil, México e África do Sul são as três principais fontes de repercussões para o resto do mundo para as taxas de câmbio.

Crises

Contágios de eventos em países emergentes como o Brasil, México e China para o resto do mundo sempre existiram, mas no passado eram limitados a períodos de crise grave, ressalta o FMI. Foi o que ocorreu com as crises da Ásia, México e da Rússia nos anos 90. Depois da crise financeira mundial, em 2008 e 2009, as repercussões ficaram bem mais frequentes e não se limitam mais a momentos de crise, na medida em que o peso dos emergentes na economia mundial também aumentou no período.

O contágio para outros países cresceu na medida em que as economias emergentes ficaram mais integradas com o resto do mundo. “A integração comercial e financeira das economias de emergentes na economia mundial e no sistema financeiro aumentou consideravelmente nas últimas duas décadas”, afirma o FMI.

“Em consequência, as repercussões de choques nos mercados emergentes sobre os preços das ações e taxas de câmbio nos países avançados e emergentes são também muito mais intensas”, conclui o documento. “A maior integração dos mercados financeiros reforçou as repercussões entre países.” A exceção é no mercado de bônus, ainda guiado principalmente pelo que ocorre nos países desenvolvidos.

As repercussões internacionais nos preços dos ativos são mais fortes dentro dos setores, diz o FMI. Os segmentos mais dependentes do financiamento externo estão mais sujeitos às repercussões, e o mesmo ocorre nas empresas com menos liquidez e mais endividadas. Países com fundamentos macroeconômicos semelhantes também estão mais sujeitos ao contágio internacional.

Outro fator que tem colaborado para aumentar a repercussão internacional dos eventos são as mudanças estruturais nos mercados financeiros. Entre elas, o FMI destaca o crescimento da intermediação de fluxos de capital por fundos mútuos. Ao realocar e recompor suas carteiras de ativos, esses fundos são uma fonte de contágio para o resto do mundo de eventos em determinado mercado.

Seguradoras

O peso das seguradoras, segmento que vem tendo crescimento rápido sobretudo nos países emergentes, aumentou no mercado financeiro mundial e essas companhias já contam com US$ 24 trilhões em ativos financeiros. Com isso, cresceu também o risco sistêmico das empresas de seguro, especialmente em um cenário de juros negativos em regiões como Europa e Japão, alerta o FMI em um estudo que faz parte do Relatório Estabilidade Financeira Global.

As operações das seguradoras de vida e não-vida têm registrado crescimento rápido em países emergentes como o Brasil e China, afirma o relatório do FMI, mas ainda possuem negócios mais amplos nos países desenvolvidos, como Estados Unidos, Europa e Japão.

Desde a crise financeira mundial, as seguradoras têm aumentado o papel no sistema financeiro mundial, sendo um dos principais investidores institucionais do planeta. Com isso, passaram a ficar mais sujeitas às oscilações dos preços dos ativos e mais recentemente aos juros negativos, que passaram a ser adotados no Japão e na zona do euro, além de outras regiões.

“Quanto mais baixas as taxas de juros, mais vulneráveis as seguradoras se tornam”, afirma o relatório do FMI, destacando que as companhias de vida podem ter dificuldades em conseguir cumprir suas obrigações futuras com retornos tão baixos dos ativos no mercado financeiro. Nos países avançados, a contribuição das seguradoras de vida para o risco sistêmico aumentou nos últimos anos, embora ainda permaneça “claramente abaixo da contribuição dos bancos”, afirma o relatório do FMI.

A recomendação do FMI é que os governos precisam ficar mais atentos à importância sistêmica das seguradoras, por meio de uma avaliação macroprudencial. Reguladores e supervisores do setor devem ir além da análise de solvência e riscos de contágio de seguradoras individuais e redobrarem a atenção ao fato de que as companhias de seguro são crescentemente vulneráveis aos mesmos riscos de outras instituições do setor financeiro.

Risco

O fator de o risco sistêmico das seguradoras ter aumentado, afirma o FMI, não está relacionado ao fato de o setor como um todo ter elevado a exposição a papéis de maior risco. A parcela da exposição a ativos mais arriscados tem se mantido constante. Contudo, tem havido crescente diferenciação entre as seguradoras ao redor do mundo.

“Companhias menores, mais fracas e menos capitalizadas parecem ter tomado mais riscos em um número de países nos últimos anos”, afirma o FMI. Além disso, seguradoras de vida têm mais passivos futuros do que ativos, o que as tornam particularmente vulneráveis a juros negativos.

“Fatores amplos de mercado, como a maior correlação observada entre as classes de ativos, significam que mudanças nos preços dos papéis afetam as seguradoras de vida em formas cada vez mais similares”, afira o chefe da divisão de análise da Estabilidade Financeira Global, Gaston Gelos.

Uma das medidas específicas para as seguradoras sugeridas pelo FMI são a constituição de colchões de proteção de recursos, uma reserva financeira extra criada em tempos de crescimento para ser usada em épocas de maior fraqueza, como foi proposto para os bancos pelas regras de Basileia.

(Por Altamiro Silva Junior)

O FINANCISTA

Dólar sobe com resfriamento de cenário pró-impeachment

Notícia Publicada em 04/04/2016 11:17

Reforço de Lula na busca por votos contrários ao processo desanima mercado

Mercado de câmbio vê com pessimismo o possível ganho de terreno de Dilma Rousseff  (TOrange)
Mercado de câmbio vê com pessimismo o possível ganho de terreno de Dilma Rousseff (TOrange)

SÃO PAULO – O dólar opera em forte alta nesta segunda-feira (4) com a percepção dos agentes de mercado de que houve um resfriamento do cenário em direção ao impeachment de Dilma Rousseff, cujo processo está em contagem regressiva e com relógio acelerado.

O prazo de dez sessões para que a presidente apresente sua defesa termina hoje e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, deve entregar o documento focando no uso dos recursos apontados como pedaladas fiscais como tendo sido necessários para suprir programas sociais.

O governo já teria mapeado todos os cargos indicados por Jovair Arantes (PTB), relator do processo, e avisado que nenhum deles sobreviverá se o parecer for favorável ao impeachment. Membros da ala governista também teriam passado o fim de semana debruçados em um levantamento de decretos estaduais similares aos que deram origem ao processo de impeachment por meio de pedaladas fiscais.

A ofensiva do governo também atinge o Senado. Segundo o Estado de S. Paulo, a intenção é oferecer cargos aos senadores e construir um bloco de apoio. Dessa maneira o Palácio vai tentar convencer deputados menos conhecidos, do chamado “baixo clero”, de que a presidente tem todas as condições de barrar seu impedimento e assim conseguir mais votos na Câmara dos Deputados.

Além disso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai começar um avanço sob parlamentares que possuem bases eleitorais em lugares mais distantes do país, segundo o jornal Folha de S.Paulo. A ofensiva terá foco naqueles menos suscetíveis a pressão de grandes cidades – onde o impeachment tem maior força.

A entrada de novas possibilidades no cenário político também joga água fria no impeachment. “O impedimento da presidente já não é mais a única opção na mesa. Fala-se também do impeachment de Michel Temer, da renúncia de ambos, de acordos nos bastidores para antecipar as eleições”, afirma Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora.

O desembarque do PMDB, que poderia ter esvaziado boa parte da força governista, se mostrou uma ruptura apenas decorativa. “Para o PMDB a ruptura com o Planalto se mostrou um tiro no pé, já que dos sete ministros da sigla, seis estão dispostos a se licenciar do partido e permanecer no cargo”, diz João Paulo de Gracia Corrêa, superintendente da SLW Corretora.

Neste contexto, o dólar à vista tinha alta de 0,85%, cotado a R$ 3,5838.

 

O FINANCISTA