United Airlines upgrades Sydney flights to Boeing 787

Sydney travellers will be able put the Boeing 787’s jetlag-smashing capabilities to the ultimate test from this weekend when United Airlines upgrades its Los Angeles and San Francisco flights to the advanced jet.

United’s Dreamliner will go up against Qantas’ older Boeing 747 on the Sydney-San Fran route, while the Star Alliance member also believes the Dreamliner will help cut a clearer path through the competitive trans-Pacific market to Los Angeles.

Alison Espley, United Airlines’ Managing Director of Sales for Asia, sees plenty of upside for trans-Pacific travellers.

“Passengers will appreciate the feeling of space in the cabin, the fact that wherever you’re sitting you can see out of the window, and the pressurisation that reduces and in some instance, people say, completely removes that feeling of jetlag.”

Of her own flights on the Boeing 787-9 Espley says “from the point of view of the higher humidity and pressurisation I feel much better, and I also appreciate the larger bathrooms, which are significantly larger than on the Boeing 777s.”

Sky-high WiFi

The Dreamliners also offer inflight Internet with a flat-rate US$17 charge for the entire flight.

“WiFi is no longer something that’s just ‘nice to have’ but an expectation, because people want to be connected if they choose” Espley tellsAustralian Business Traveller.

“The take-up differs depending on the direction you’re flying and also the day of the week, if it’s a working day or weekend” Espley notes.

United’s Boeing 787s also sport forward-facing business class seats in a 2-2-2 configuration (below), compared to the Boeing 777’s higher-density 2-4-2 layout with alternate backward-facing rows, which Espley describes as “a significant move forward.”

First class dropped

“We believe the mixture of our network, our schedule, the on-board product, connectivity through our west coast gateway and the superiority of the Boeing 787 will continue to win over our customers” Espley says.
United also faces renewed competition from Qantas between Sydney and San Francisco, but Espley won’t entertain thoughts of any impact on UA’s bookings for the route.
“Bookings are still very strong and we have have strong relationships with a number of corporations based in the San Francisco area,” she says.
“San Francisco is our largest west coast hub with over 150 onwards destinations, and we see that as a considerable strength.”
The airline last year rescheduled its Sydney-San Francisco flights to dovetail into earlier east coast services “so that customers could arrive into New York in time for dinner.”

 

Australian Business Traveller

ACCC slams Sydney and Melbourne Airport parking charges

Australia’s consumer watchdog the ACCC is rebuking the country’s major airports – particular those in Sydney and Melbourne – over the prices charged for airport parking, resulting in exorbitant profit margins at the expense of value for travellers.

In its latest Airport Monitoring Report 2014-15, the ACCC identifies Melbourne Airport as the worst offender with owner Australia Pacific Airports (Melbourne) Pty Ltd booking 73.2 cents in the dollar from parking revenue as pure profit.

That represents a mark-up of over 270% on the actual costs of building, running and maintaining the parking facilities, with Sydney Airport not far behind in converting 71.6 cents from every parking dollar earned into profit.

Brisbane and Perth Airports also enjoyed generous margins on airport parking of 67.2% and 63.7% respectively, which the ACCC attributed to a “lack of competitive pressure” from other providers.

While booking a car space online can sometimes avoid paying the full sticker price, the ACCC also found that the best savings were typically had when parking for longer durations, rather than shorter stays which weren’t as discounted.

“The ACCC found that consumers parking at the airports could save up to 66.5 per cent for longer durations by booking online,” said ACCC Chairman Rod Sims.

“Consumers should consider all of their options, including whether they could obtain a cheaper rate by booking online or using an off-airport parking operator,” Sims added.

 

Australian Business Traveller

Airbus considers split-level layout for A350-1000

Airbus considers split-level layout for A350-1000

Airbus is considering adding a small lower deck to the forthcoming A350-1000 jet to accommodate lavatories and kitchens.

Shifting these ‘service areas’ off the main deck would free up significant amounts of space for more seats in both business class and economy class, Airbus says.

“The average passenger doesn’t want to sit next to a lav and doesn’t want to sit next to a galley” explains Kiran Rao, Airbus Executive Vice-President for Strategy and Marketing.

“As we move these service areas out of the passenger cabin we create space for more seats without compromising on comfort.”

“So we are looking to utilise the under-floor area of the A350-1000 for galleys and lavs,” Rao told Australian Business Traveller at the launch of the aircraft manufacturer’s Airspace cabin concept in London.

 

The space beneath the passenger deck is typically used for cargo but “on long aircraft you can’t fill it all with cargo” Rao said, adding that this could mean larger galleys which would “give the cabin crew a nicer area to work in.”

It’s understood that some larger lavatories would remain on the main deck for reasons including accessibility by disabled travellers.

Airbus is already experimenting with relocated loos on the new A330neo, in which economy lavatories shift from the main cabin into a single service area alongside the galley kitchens, such as at the rear of the A330neo.

The A350-1000 is a larger and longer-range version of the A350-900, which most recently added Singapore Airlines to its growing list of customers.

 

Qatar Airways is the launch customer for the A350-1000, which is expected to take wing in the middle of 2017.

The A350-1000 will typically carry 366 passengers compared to 325 in the A350-900, although the actual passenger count depends on each airline’s seat design and overall layout.

However, freeing up space occupied by galleys and lavatories could boost the seat count closer to the 400 mark – a measure with substantial appeal to airlines.

 

Australian Business Traveller

 

Espresso da Bolsa: Para Cyrela, o pior já passou

Notícia Publicada em 24/03/2016 21:28

Incorporadora espera estabilidade no cancelamento de vendas neste ano

Cyrela: empresa é uma das que sofreram com cancelamento de vendas no ano passado (Facebook/Divulgação)
Cyrela: empresa é uma das que sofreram com cancelamento de vendas no ano passado (Facebook/Divulgação)

SÃO PAULO – Os cancelamentos de vendas, conhecidos como distratos, são uma das maiores dores de cabeça de qualquer incorporadora. Para a Cyrela, o ápice desse problema ficou para trás. Confira as empresas que foram notícia nesta quinta-feira (24):

O pior já passou – A instabilidade econômica e política no Brasil afeta as vendas da Cyrela Brazil Realty neste início de ano, levando a incorporadora a ser mais cautelosa no curto prazo. Contudo, a empresa acredita que os cancelamentos de contratos de venda (distrados) já alcançaram o pico e prevê estabilidade neste indicador em 2016.

Perdas – A Cespteve prejuízo líquido de R$ 363,6 milhões no quarto trimestre, recuo de 68,3% em relação à perda de um ano antes. O resultado foi impactado principalmente por uma provisão após o fim da concessão de duas hidrelétricas.

Assim não – O balanço do quarto trimestre Oifoi aprovado com ressalva pela auditora KPMG, o que já tinha ocorrido na divulgação do terceiro trimestre. O motivo foi a não inclusão, pela companhia, de perdas de R$ 4,99 bilhões referentes à amortização de uma mais valia nos ativos da Telemar Participações – acionista que foi incorporada pela Oi em setembro de 2015 -, assim como da perda de seu valor recuperável.

Mais tempo – A Justiça de São Paulo decidiu que a TAM terá de aumentar de dois para cinco anos a validade das milhas do seu programa de pontos. A sentença responde à ação civil pública movida há dois anos a pedido da Proteste.

Retorno – A Sabesp, concessionária de saneamento paulista, vai distribuir R$ 149,9 milhões como juros sobre capital próprio. O valor bruto corresponde a 21,93 centavos por ação. O pagamento será realizado em até 60 dias após a assembleia de acionistas, que ainda não tem data marcada. Será considerada a posição acionária de 05 de abril.

 

O FINANCISTA

Barbosa diz que ações do governo para estabilizar a economia dependem do Congresso

Notícia Publicada em 24/03/2016 20:20

Ministro diz que tudo o que governo precisa fazer nesse momento envolve autorização do Congresso

"Precisamos atuar com algumas medidas de crédito", acrescentou Nelson Barbosa (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
“Precisamos atuar com algumas medidas de crédito”, acrescentou Nelson Barbosa
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

SÃO PAULO – O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse nesta quinta-feira (24) que o governo federal depende do Congresso Nacional para adotar medidas que busquem a estabilização da economia e retomada do crescimento.

“Todas as coisas que o governo precisa fazer nesse momento envolvem autorização do Congresso para que possamos manter alguns programas e manter alguns investimentos em uma situação em que a receita está caindo”, disse Barbosa em entrevista exclusiva ao canal de televisão do governo federal NBR.

“Precisamos atuar com algumas medidas de crédito”, acrescentou, sem especificar quais seriam essas medidas.

Nesta semana, o governo anunciou que enviaria ao Legislativo proposta para flexibilizar a meta fiscal, para que possa fechar o ano com um déficit primário de até 96,65 bilhões de reais. Sem essa flexibilização da meta fiscal, o governo diz que não tem condições de manter alguns investimentos e programas.

“Se o Congresso Nacional nos der os instrumentos, nós vamos estabilizar a economia ainda nesse ano”, disse Barbosa, acrescentando que o desemprego pode parar de subir em meados do ano e a economia poderá crescer a partir do quarto trimestre.

(Reportagem de Natália Scalzaretto; Texto de Raquel Stenzel)

VA

 

O FINANCISTA

Impeachment x lista da Odebrecht: “ninguém deve ser poupado”, diz autora do pedido

Notícia Publicada em 24/03/2016 20:45

Para a jurista Janaína Paschoal, tudo o que foi revelado pela Lava Jato não pode “ir para debaixo do tapete”

Janaína Paschoal: pedido de impeachment não basta para passar o país a limpo (Reprodução/YouTube)
Janaína Paschoal: pedido de impeachment não basta para passar o país a limpo (Reprodução/YouTube)

SÃO PAULO – A jurista e professora da Faculdade de Direito da USP Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, está preocupada com os primeiros movimentos da comissão especial da Câmara. O motivo é a decisão dos deputados de excluir a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem-partido, MS), ex-líder do governo no Senado, anexada por ela ao processo, com o objetivo de reforçar suas denúncias.

Se a manobra partisse apenas dos aliados do governo na comissão, a jurista até entenderia. O que a preocupa, porém, é a concordância da oposição. Seu temor é que as revelações da Lava Jato, corroboradas por Delcídio, sejam empurradas pelos parlamentares para baixo do tapete.

É nesse sentido que Paschoal espera que a lista da Odebrecht, com centenas de políticos, não interfira na condução do pedido de impeachment. “Quem tiver que cair deve cair”, disse, em entrevista a O Financista, no início da noite desta quinta-feira (24). Veja os principais trechos da conversa feita por telefone

O Financista: Como a senhora analisa os primeiros movimentos da comissão especial da Câmara?

Janaína Paschoal: No dia em que o ministro Teori [Zavascki, responsável pela Lava Jato no STF] retirou o sigilo da delação do [senador] Delcídio [Amaral], eu estava em Brasília. Fui ao Supremo, peguei uma cópia e a juntei ao pedido de impeachment. Na petição, destaquei os trechos que confirmam nossas denúncias. Não acrescentei fatos novos. Aí, vejo na comissão que o governo pediu para excluir a delação. O que me deixou chateada é que a oposição não resistiu. Juridicamente, não poder juntar um documento é insustentável. O que prejudicaria o processo seria um aditamento, isto é, acrescentar fatos novos.

O Financista: O argumento da oposição é que ela apoiou a retirada do depoimento do Delcídio do processo para acelerar a análise e não dar margem de contestação para o governo…

Paschoal: O que deve ficar claro é que a presidente foi notificada depois de eu juntar a delação. Por isso, isso de dizer que é preciso abrir novos prazos não condiz com a realidade. Além disso, quando o presidente da Câmara recebeu a denúncia, ele a acolheu na sua totalidade, não parcialmente. Os governistas disseram que vão contestar isso, mas não tem como, porque a denúncia é um documento único. São 65 páginas com três fundamentos: pedaladas fiscais, petrolão e decretos. Não tem sentido, diante de tudo o que aconteceu, de todas as denúncias, que os deputados queiram se restringir apenas a pedaladas e decretos. O petrolão está descrito na denúncia.

O Financista: Em que medida isso pode ameaçar o pedido na comissão?

Paschoal: Isso não ameaça o pedido, porque a denúncia se sustenta por si. Mas, o que me parece, é que talvez exista um interesse geral de não se discutir a questão da Petrobras. Isso me incomoda.

O Financista: A senhora acha que isso se deve ao fato de que há muitos políticos envolvidos, e eles preferem não tocar nesse assunto?

Paschoal: Eu não posso afirmar com certeza, mas temo isso. Tenho convicção de tudo o que escrevi na denúncia. Mas, o que eu não quero é que, passado todo o processo de impeachment, as coisas se acomodem e tudo o que veio à tona na Lava Jato seja colocado embaixo do tapete. O intuito é que o país seja passado a limpo. As pedaladas são gravíssimas. Os decretos também. Mas eu não quero tratar apenas disso porque significaria circunscrever a discussão apenas ao governo Dilma. O petrolão tem a ver com Dilma, Lula, PT, empresas… tudo isso tem de ser debatido.

O Financista: Qual é o impacto da lista da Odebrecht no processo de impeachment?

Paschoal: Não sei lhe dizer se isso vai acelerar ou retardar o processo. Só acho o seguinte: caia quem tiver que cair. Me incomoda muito sentir que não se deseja discutir a questão do petrolão e o problema da Petrobras. Só sei dizer o seguinte: quem se apegar a essa lista para dizer que o processo não tem legitimidade está equivocado. Infelizmente, a presidente deu muitos sinais de que está disposta a tudo para manter esse projeto de poder. O que aconteceu nos últimos dias? Depois de uma manifestação gigantesca, no domingo (13), a presidente nomeou Lula ministro, com o intuito de cercear a Lava Jato. Isso é um sinal de que ela coloca o poder, Lula e o PT acima do interesse nacional. Por pior que seja a lista, que se investigue. Realmente, não tenho partido. Não quero que ninguém seja poupado. Agora, ainda que esta lista traga muitos nomes de pessoas que precisam ser investigadas e punidas, isso não interfere em nada no problema muito sério que se refere à presidente. Em nenhum momento, ela reconhece as ilicitudes praticadas. Sequer reconhece erros. Ela insiste no mesmo discurso da eleição: não há nada errado na Petrobras, nossas contas estão em ordem. Por pior que seja a lista, que se investigue e se puna, doa a quem doer. Isso não influencia o nosso processo, porque ele tem fundamento.

O Financista: Mas a senhora teme que essa lista seja usada politicamente para enterrar o impeachment?

Paschoal: Olha (pausa)… dá para a gente pôr a mão no fogo, neste país, por alguma coisa? Não dá. Eu acompanho política como uma cidadã interessada nas questões de seu país, mas não tenho uma vivência político-partidária. Sob o ponto de vista jurídico, acho que a situação é insustentável. Há coisas, por exemplo, que são pouco discutidas, como a sentença condenatória do [empresário] Marcelo Odebrecht pelo juiz Sérgio Moro. No item 167, o juiz escreveu que a origem do dinheiro para pagar as propinas está em Angola. Pois bem: a Odebrecht fez obras em Angola; o marqueteiro do PT [João Santana], que foi preso, fez campanhas em Angola; e, estranhamente, um pouco antes, o BNDES, que representa o governo brasileiro, mandou dinheiro para Angola. Ou seja: o dinheiro que foi utilizado para pagar a Odebrecht, que depois o devolveu por meio de doação, já é dinheiro público. É nosso. Isso já está na denúncia e deve ser discutido. Mas, se você reparar, todos os políticos fazem questão de tratar apenas das pedaladas. As pedaladas, em si, já são suficientes para o impeachment, mas a denúncia é muito maior do que isso.

O Financista: A OAB vai entrar com outro pedido de impeachment. Em que medida isso ajuda ou atrapalha processo de afastamento de Dilma?

Paschoal: A Constituição Federal garante o direito a qualquer cidadão de propor o pedido de impeachment. O fato de eu ter apresentado o meu, junto com o Dr. Hélio [Bicudo], não impede ninguém de fazer o mesmo. Não estou desmerecendo a iniciativa da Ordem, e nem poderia, mas seria preferível que a OAB apoiasse o nosso e unisse forças, até porque, já está tramitando e grande parte do que ela vai apresentar já está em nossa denúncia. Mas é um direito de cada cidadão propor o seu.

 

O FINANCISTA

North Korea warns of revenge against Park Geun-hye

N.K. warns of revenge against Park

This photo taken from the (North) Korean Central TV Broadcasting Station on March 23, 2016, shows an announcer issuing a statement saying North Korea will “launch a retaliatory battle of justice to resolutely eliminate” the United States and South Korean President Park Geun-hye. Pyongyang also warned that it is ready to turn South Korea’s presidential office into a sea of fire. (For Use Only in the Republic of Korea. No Redistribution) (Yonhap) (END)

Source : Yonhap News Agency.