ACCC authorises American-Qantas alliance for five years

American Airlines and Qantas have expanded their trans-Pacific alliance. (American)

Australia’s competition watchdog has given final approval to Qantas’s partnership with American Airlines on trans-Pacific routes.

The green light from the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) leaves the two oneworld alliance members waiting for the US Department of Transportation (DOT) to hand down its decision on the tie-up.

The ACCC said in a statement on Thursday it had approved the American-Qantas partnership for five years, allowing the carriers to coordinate marketing, sales, freight, pricing, scheduling, distribution strategies including agency arrangements, yield and inventory management, frequent flyer programs, lounges, joint procurement, product and service standards with immunity from prosecution.

ACCC commissioner Roger Featherston said the alliance was likely to result in public benefits for passengers.

“The alliance is also likely to promote competition between other airlines that provide services on trans-Pacific routes,” Featherston said in a statement.

“The ACCC considers that the alliance is unlikely to result in any significant public detriment, largely because the ACCC accepts that American Airlines would have been unlikely to introduce its own trans-Pacific services in the absence of its alliance with Qantas.”

The ACCC issued a draft decision granting authorisation in November 2015.

American began flights between Sydney and Los Angeles in December 2015 with Boeing 777-300ERs, while Qantas returned to San Francisco for the first time in five years in the same month. Also, the US flag carrier is scheduled to fly to Auckland from June with Boeing 787 Dreamliners.

The New Zealand government approved the partnership in November 2015, while the US DOT said in February it had completed its investigation and was nearing a decision.

Qantas said it welcomed the ACCC decision, adding that the alliance gave passengers more choice for travel between Australia, New Zealand and the US.

“We’ve had a great response to Qantas’ new Sydney-San Francisco service and American’s new Sydney-Los Angeles service, and we’re looking forward to the launch of American’s LA- Auckland flights later this year,” a Qantas spokesman said in an emailed statement.

Qantas said it was “hopeful that the DOT will move quickly in approving our application”.

 

Source : Australian Aviation

Christopher Luxon says tourism boom supporting Air New Zealand growth

Air NZ chief executive Christopher Luxon at the unveiling of the new Auckland lounge. (Nicholas Young)

 

Air New Zealand chief executive Christopher Luxon says the airline’s recent capacity growth is being absorbed by a booming tourism market.

The Star Alliance member commenced two new long routes to Buenos Aires and Houston in December as part of a 24 per cent increase in available seat kilometres (ASK) on its international network in the half.

Closer to home, ASKs across the Tasman and to the Pacific Islands were seven per cent in part through the use of more widebody aircraft.

And figures from Air NZ’s first half results presentation showed that additional capacity was meeting demand in the market, with load factors on Tasman and Pacific island services up 0.6 percentage points to 83.8 per cent in the half, while they rose 0.7 percentage points to 86.1 per cent on its international network.

And there is more capacity to be added in the current half, with a seasonal service to Ho Chi Minh starting in June as part of an overall seven per cent boost to ASKs for the six months to June 30 2016.

Luxon said Houston and Buenos Aires had made a positive contribution to the Air NZ network “from day one”, while inbound tourism to NZ had growth 10 per cent in the year to December. The Air NZ chief executive added the airline brought in four in every 10 visitors to the country.

“Tourism clearly is booming in this country and Air NZ is participating in that tourism growth,” Luxon told reporters during Air NZ’s first half results presentation on Thursday.

“We are digesting this growth really well.”

The rise in NZ tourism has also brought with it competition in the form of new entrants into the market, such Emirates’ planned Dubai-Auckland service to kick off in March and American’s entry onto the Los Angeles-Auckland route, currently only served by Air NZ, from June.

There have also been new operators into NZ from China, while the likes of AirAsia X, Philippine Airlines and Singapore Airlines (from September) have joined a crowded field of fifth freedom operators between Australia and NZ.

Luxon said the Air NZ, with its simplified fleet of fuel efficient aircraft, “ruthless” focus on maximising revenue and reducing costs, was well placed to meet the challenge from other carriers.

“We are handling competition well. Air NZ has a great strategy that serves it well,” Luxon said.

“Air NZ is a fantastic street fighter.”

In terms of the Tasman, which Air NZ serves as part of an alliance with Virgin Australia, Luxon said tourist arrivals from Australia to NZ were growing  by 6-7 per cent and Air NZ had the capacity to meet that demand.

“Australia remains a very big tourism market for New Zealand,” Luxon said.

“It’s important that we’ve got that capacity there that links in with that tourism growth.

“I’m very comfortable with where we sit with yields in general across the business and certainly across the Tasman as well.”

Yields, an industry measure of average airfares per passenger, across the network were down 1.1 per cent in the half.

Luxon said fifth freedom operators posed little threat, given the depth of Air NZ’s superior schedule, network and product both on the ground and in the air.

“We don’t feel particularly threatened by the fifth freedom guys in part because they really struggle with schedule,” Luxon said.

“We are doing and competing incredibly well on the Tasman.

“We expect the fifth freedom guys to keep coming and that is just a consequence of the capacity that has been pouring into Australia from international carriers and all they are trying to do is recover some cost.”

On the domestic front, Jetstar commenced Q300 turboprop operations in December 2015 serving regional centres, bringing competition to routes previously only served by Air NZ.

Although Luxon acknowledged it was still only early days, he said Air NZ was in “good shape” in the regional market.

“It hasn’t impacted us as much as we had anticipated to be honest. Maybe it is just a bit too early to see,” Luxon said.

“The bottom line is our competitors got off to a pretty poor start. I just look at last week I think on time performance and reliability was 20 points lower than what Air NZ was doing in regional New Zealand.

“We just have to keep the regional piece in a bit of perspective. From a domestic point of view it is four aircraft versus Air NZ’s 50 turboprops in regional NZ and we obviously have a superior lower cost aircraft as well.”

 

Source : Australian Aviation

Globosat pagou R$ 2,5 milhões por longa “Os Dez Mandamentos”

Sérgio Marone dá banho como o faraó Ramsés, tanto na novela como no longa-metragem

Sérgio Marone dá banho como o faraó Ramsés, tanto na novela como no longa-metragem

Para ter os direitos exclusivos de exibição do longa metragem “Os Dez Mandamentos”, na tv por assinatura, o Telecine –cujos canais no Brasil pertencem também à Globosat– pagou cerca de R$ 2,5 milhões.

Segundo esta coluna apurou, o valor de R$ 2,5 milhões foi maior que o inicialmente ofertado, porque outro canal (possivelmente o grupo Fox) também estava interessado no longa, uma parceria entre Record, Paris Filmes e Downtown.

Provavelmente foi a primeira vez em anos que alguma empresa ligada ao Grupo Globo pagou por alguma coisa de propriedade da Record.

O valor parece pequeno, mas há poucos compradores na TV por assinatura. Filmes em outros locais do mundo chegam a ser vendidos por até US$ 10 milhões.

Pelo acordo, nos próximos anos, assim que o filme sair dos cinemas, o Telecine poderá exibi-lo quantas vezes quiser, em quaisquer um de seus canais. Na TV aberta e nos direitos de produção de DVDs e blu ray continuam sendo da Record.

“Os Dez Mandamentos” foi montado a partir da novela homônima que bateu todos os recordes de audiência da Record, encerrada em novembro do ano passado.

Nem Record nem Globosat quiseram comentar os valores.

Com mais de 6,6 milhões de ingressos vendiso, “Dez Mandamentos” é o terceiro filme com mais público na história do cinema nacional, só atrás de “Dona Flor e Seus Dois Maridos” (78), que vendeu 10,7 milhões de ingressos,  e “Tropa de Elite 2”, que vendeu 11,2 milhões.

 

Fonte : Ricardo Feltrin – 24/02/2016 –08h42

“Os Dez Mandamentos” passa bilheteria de “Star Wars” no Brasil

Cena de "Os Dez Mandamentos - O Filme"

Cena de “Os Dez Mandamentos – O Filme”

Números atualizados na manhã desta quinta-feira apontam que a exibição de “Os Dez Mandamentos”, com quatro semanas em cartaz nos cinemas brasileiros, conseguiu superar “Star Wars” em cartaz desde 17 de dezembro do ano passado.

De acordo com números oficiais, o filme da Record foi assistido por 6,679 milhões de espectadores, contra 6,667 milhões da produção da Disney.

Este total, cabe salientar, é apurado pelas bilheterias, ou seja, o número de ingressos vendidos.

Band recontrata Guga Noblat para repórter de “A Liga”

Guga Noblat assina novo contrato com a Band

 

Guga Noblat, ex-“CQC”, vai compor a equipe do novo “A Liga”. Foi tudo acertado com ele, agora para trabalhar ao lado de Maria Paula, Mariana Weickert e Thaíde nas reportagens do programa.

É a sua volta à emissora, de onde saiu no fim de 2014, depois de quase um ano e meio de casa, inclusive se vendo às voltas com situações das mais embaraçosas.

A coragem e determinação deste jornalista na produção das matérias, sempre foi algo que impressionou a todos e o que levou a ser chamado de volta.

Alias, em dezembro de 2014, o Guga falou das violências que sofria:

“Cara, tô sendo perseguido pela extrema direita. Nas redes sociais e na rua quando me encontram. Em Brasília, mais uma vez, fui cercado por manifestantes que aos berros e com muito palavrão não me deixavam trabalhar. Xingam até a quinta geração da minha família e me chamam de viado e comunista”.

E completou: “Tá cômico, pra não dizer trágico. Os caras são totalmente desequilibrados. Nas redes sociais rolam todos os tipos de ameaça. Jogam baixo e pesado, mas ser criticado por gente desse tipo acaba virando propaganda a favor [risos]”.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Fernanda Souza é o nome da vez para apresentar o “Vídeo Show”

Fernanda Souza poderá assumir o "Vídeo Show" depois de novela

Fernanda Souza, atualmente fazendo a Mel em “A Regra do Jogo”, entrou forte no páreo para ser a nova apresentadora do “Vídeo Show”, ao lado do Otaviano Costa. É um nome que agrada e pode ser apontado como um dos favoritos da vez.

Isso se confirmando, a espera por ela irá se estender até o fim das gravações.

Um fim que não está tão distante assim. A novela do João Emanuel Carneiro terá o último capítulo exibido no dia 11 de março. Tem, portanto, mais duas semanas cheias pela frente e a Fernanda já estará liberada dos trabalhos um pouco antes disso.

Nenhuma das partes envolvidas, como é normal se esperar, se manifesta sobre o assunto.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Fernando Pimentel gasta quase R$ 1,5 milhão para alugar aviões em 2016

Na semana que anunciou cortes em saúde, segurança e habitação no orçamento do estado para 2016,  o governo de Minas Gerais resolveu gastar quase R$ 1,5 milhão para alugar dois aviões: um jato para 4 passageiros e 2 tripulantes em percurso de 35 mil quilômetros e um turboélice, também para 4 passageiros e 2 tripulantes e um percurso voado de 18 mil km. O contrato deve gerar um gasto de mais de R$ 100 mil por mês para os cofres públicos mineiros com o aluguel. Os gastos chegam em um momento em que o governo precisa fazer cortes e não consegue nem pagar os salários dos servidores em dia.

Em 2015, o governador petista gastou R$850 mil com fretamento de aeronaves, mesmo possuindo três aviões parados em pátio.

De acordo com dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI–MG), o governo anterior gastou muito menos que Pimentel: R$138 mil em 2014.

A rádio CBN consultou o secretário-geral da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, sobre a despesa:

“O que se discute é a necessidade, prioridade, a qualidade do gasto. Eu acho que nós precisamos ter a consciência que o cofre é um só. O cofre é o bolso do cidadão. A união, o estados não geram um centavo, muito ao contrário, sobrevivem as custas dos impostos, das taxas, e contribuições que nós cidadãos e pessoas jurídicas pagamos. Então é importante que haja um cuidado muito grande, sobretudo agora, em que o país e os estados passam por graves dificuldades.”

 

Fonte : Site Turma do Chapéu

 

Rejeição das contas de Fernando Pimentel pelo TSE fortalece ação de cassação do governador

O Tribunal Superior Eleitoral rejeitou hoje (25) as contas da campanha eleitoral para governador do petista Fernando Pimentel, confirmando o que já tinha sido decidido pelo TRE-MG. A decisão fortalece a ação de cassação proposta pela Procuradoria Regional Eleitoral de Minas Gerais. Além da rejeição de contas, a cassação também tem como argumentos algumas provas da operação Acrônimo compartilhadas pelo STJ.

Para a ministra Maria Thereza de Assis Moura, relatora do caso, a extrapolação do gasto de campanha é uma irregularidade grave que não pode ser tolerada pela justiça. A campanha de Pimentel, gastou R$ 10,1 milhões além da previsão inicial, e a prestação de contas omitiu despesas.

Além da cassação de Pimentel e do vice (Antônio Andrade – PMDB), uma eventual multa pode ser pedida pelo MP Eleitoral em outra ação. No último dia 17, o TRE mineiro também rejeitou as contas eleitorais do PT-MG em 2014.

 

Fonte :Site Turma do Chapéu