Emenda da oposição rejeitada pela base em 2015 volta à ALMG como projeto do governador

dalmo

Crédito: Clarissa Barçante/ALMG

Enviado pelo governador Fernando Pimentel à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Lei nº 3.230 reascendeu a discussão sobre a Lei 100 na Casa. O texto do projeto, que prevê o atendimento pelo Ipsemg aos ex-efetivados da educação, tem o mesmo teor da emenda nº 155/15 apresentada pela oposição em dezembro do ano passado e que foi rejeitada pelos deputados da situação. Durante a reunião da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia na manhã desta quinta-feira (18/02), o deputado Dalmo Ribeiro Silva (PSDB) criticou duramente a hipocrisia do governo e de sua base na ALMG. Após rejeitarem a proposta apresentada pela oposição e permitirem o desligamento dos servidores da lei 100 sem nenhuma garantia de auxilio do Ipsemg, o governo Pimentel tenta agora reeditar a proposição antes rejeitada e recebe apoio de sua base para tratar o novo projeto como “grande solução” para a situação.

“O povo de Minas Gerais precisa saber que o próprio bloco da situação rejeitou uma emenda da oposição, no PPAG, que traria aos servidores da Lei 100 os benefícios apresentados agora pelo senhor governador. Estes servidores poderiam agora já estar desfrutando do que determina a norma. Mas o que o PT quer é agir como o salvador da Pátria. Acompanhei a Lei 100 desde que ela chegou a esta casa, em 2004. A Lei 100 não foi para contratar, ela veio para regularizar uma situação de penúria que vinha de governos passados. Foi com ela que conseguimos garantir a aposentadoria de milhares de servidores que dedicaram sua vida profissional ao estado. E ela não passou por aqui a toque de caixa, foram 3 anos debatendo esta lei. E ela foi aprovada após discussão e com o voto e o apoio dos deputados de partidos como o PT, que agora tem deputados que parecem se esquecer disso. Estão fazendo agora o que tentamos ofertar a estes servidores no PPAG”, criticou Dalmo.

 

Fonte : Site Minas de Verdade