Tromba d’água é registrada durante temporal no Rio Negro, em Manaus

Fenômeno meteorológico sobre o rio se originou na manhã deste sábado.
Tromba foi testemunhada por quem passou pela Manaus Moderna.

Bandeira do estado do Amazonas

O fenômeno se formou sobre o Rio Negro (Foto: Arquivo Pessoal)
O fenômeno aconteceu sobre o Rio Negro, durante a forte chuva deste sábado (2)
(Foto: Arquivo Pessoal/Saulo Monte)

Uma tromba d’água se formou sobre o Rio Negro, na manhã deste sábado (2), durante uma forte chuva, em Manaus. O fenômeno meteorológico foi flagrado por pessoas que passaram pela orla da capital, perto da feira Manaus Moderna, no Centro.

O estudante Saulo Monte, de 22 anos, conseguiu registrar o paredão de água que se formou na frente da cidade.

“Eu fui deixar meu amigo em um barco, quando olhei para o lado ela [tromba d’água] estava lá. Mas, poucos minutos depois se dissipou. Onde eu estava, quase ninguém percebeu. Muita gente nem sequer tinha olhado”,  relatou o estudante aoG1.

Não há registro de feridos ou de prejuízos por conta do fenômeno ocorrido no Rio Negro, neste sábado. De acordo com a Defesa Civil, choveu 4,4 mm na Zona Sul de Manaus durante esta manhã.

Em abril de 2015, outra tromba d’água se formou na margem direita do Rio Amazonas e foi presenciada por moradores do município de Parintins (a 369 Km de Manaus).

O fenômeno se formou sobre o Rio Negro (Foto: Arquivo Pessoal)
O fenômeno se formou sobre o Rio Negro (Foto: Arquivo Pessoal/Saulo Monte)

O meteorologista do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), Ricardo Dallarosa, explicou aoG1 que a tromba d’água é causada pela grande quantidade de nuvens de tempestade e costuma durar poucos segundos.

“Normalmente, as trombas d’água, quando ocorrem sobre superfície líquida, se formam associadas a tempestades severas produzidas por grandes células convectivas (grandes nuvens produzidas pelo forte aquecimento da superfície) por quando estas se inclinam e tocam a superfície. Felizmente, menos de 1% das nuvens de tempestade originam um tornado ou tromba d’água, o que dificulta sua previsibilidade. Na nossa região, costumam ter vida curta, uma faixa de uma centena ou pouco mais de metros e velocidade do vento de cerca de 100 km/h. Devido a essas características, produzem grandes estragos quando ocorrem sobre áreas habitadas”, disse Ricardo Dallarosa.

 

G1.COM.BR

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.