Em dez meses, apreensão de armas de fogo no Distrito Fderal aumenta 3%

PM afirma que seis armas de fogo são apreendidas a cada dia no DF.
Dados do GDF apontam redução na taxa de homicídios no último ano.

Bandeira do Distrito Federal (Brasil)

A Polícia Militar apreendeu 1.948 armas de fogo de janeiro a outubro de 2015 em todo o Distrito Federal. Dados da corporação apontam crescimento de 3% na apreensão e uma diminuição de 14,4% nas taxas de homicídio no DF em relação ao ano anterior. O total de armas de fogo apreendidas em 2014 foi de 1.896.

Os dados da polícia apontam que, do total apreendido, 66,4% são revólveres, 23,2% pistolas e 0,36% fuzis e metralhadoras. Segundo o especialista em segurança pública da TV Globo Daniel Lorenz, os dados da apreensão indicam que o baixo índice de armas como fuzis e submetralhadoras pode indicar a ausência de facções criminosas do DF.

Nos primeiros 11 meses deste ano, foram registrados 548 homicídios em todo o Distrito Federal, a menor taxa dos últimos sete anos. Em 2014 foram registradas 640 ocorrências.

Outros indicadores também apresentaram diminuição, como a taxa de latrocínios (9,1%), roubos de veículos (33,8%), roubos em comércio (32,6%) e furtos (30%). Os dados referentes à segurança pública no DF foram divulgados pelo governador Rodrigo Rollemberg na última terça-feira (8).

Das armas apreendidas em 2015, 17,7% eram falsas – armas de pressão ou réplicas que não efetuam disparo. As corporações responsáveis pelo total das apreensões são a PM (74,7%), a Polícia Civil (8,9%). As demais apreensões (16,4%) ocorrem em ações de arrecadação do Detran e do DER e em fiscalizações e pelo Corpo de Bombeiros em salvamentos.

De acordo com tese de doutorado apresentada ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 2011, a cada 18 armas de fogo apreendidas, uma vida é salva. Segundo o trabalho do pesquisador Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea e autor da tese, há relação entre o aumento de armas disponíveis com o número de homicídios. Para cada 1% a mais de armas, a taxa de homicídios aumenta em 2%. Em seu estudo, o pesquisador analisou o número de armas na cidade de São Paulo entre os anos de 2001 e 2007.

 

G1.COM.BR

Presos oito suspeitos por sequestros de gerentes de bancos em Goiás

Vítimas tinham que facilitar roubos enquanto parentes eram mantidos reféns.
Grupo é suspeito por ações em 4 cidades, mas só obtiveram êxito em uma.

Bandeira de Goiás

Seis suspeitos foram apresentados na Deic, em Goiânia, nesta segunda-feira (14), em Goiás (Foto: Fernanda Borges/G1)
Seis dos oito presos foram apresentados na sede da Deic, em Goiânia (Foto: Fernanda Borges/G1)

A Polícia Civil prendeu oito homens, com idades entre 19 e 38 anos, suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em crimes de extorsão mediante sequestro, em Goiás. Segundo as investigações, eles sequestravam gerentes de bancos e mantinham seus familiares reféns até que as vítimas facilitassem roubos às agências bancárias. Os crimes foram cometidos em pelo menos quatro cidades.

A primeira ação ocorreu em 31 de julho deste ano, quando o gerente de um banco foi sequestrado em Rubiataba, na região central do estado. A família dele foi mantida em cárcere privado até a concretização do plano. Na ocasião, segundo a polícia, os criminosos conseguiram atingir o objetivo e roubaram uma quantia de dinheiro não especificada da agência. Em seguida, liberaram as vítimas e fugiram.

Segundo o delegado Alex Vasconcelos, titular do Grupo Antirroubo a Banco da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), a modalidade do crime é conhecida como “sapatinho”.

“Esse grupo agia de forma organizada, indo até a cidade dias antes do crime para estudar a rotina do gerente e de seus familiares. Aí, na noite anterior, eles abordavam as vítimas e as levavam para um cativeiro, normalmente às margens de rodovias. Aí obrigavam o gerente a abrir o cofre da agência e a colocar o dinheiro em sacolas, de forma discreta, para que o sistema de segurança não flagrasse a ação, e entregasse esses pacotes para um dos criminosos, que ficava dentro do banco se passando por um cliente”, explicou.

Depois de Rubiataba, foram cometidas ações semelhantes em Palmeiras de Goiás, a 98 km de Goiânia, no último dia 10 de agosto; em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, no dia 3 de setembro; e em Uruaçu, no norte do estado, no último dia 10 de novembro. Em nenhuma delas eles conseguiram levar dinheiro dos bancos, pois houve intervenção da polícia.

“Após o caso de Rubiataba, passamos a monitorar esse grupo e logo depois prendemos dois integrantes da quadrilha, que são Marlon Alves da Silva, que está detido em Pernambuco, e Eduardo Nonato da Silva, em Valparaíso de Goiás, este último apontado como o líder do bando. A partir daí, obtivemos informações sobre os demais suspeitos e conseguimos interceptar os outros sequestros, libertando as vítimas antes que eles conseguissem roubar os bancos”, relatou Vasconcelos.

Com o andamento das investigações, também foram presos Marcos Alberto Santana, Washington Maia, Tiago Rosa dos Santos, Wesley Honório Ferreira, Johnattan Rodrigues de Oliveira e Wagner Barbosa Rodrigues.

Com eles, foram apreendidas três armas de fogo: um revólver calibre 38, uma pistola de uso restrito das forças policiais calibre .40 e uma espingarda calibre 22, além de munições. Também foram recolhidos três veículos, sendo um GM Corsa, usado em todos os sequestros, um VW Gol e uma Nissan Frontier.

Armas apreendidas com suspeitos de sequestrar gerentes de bancos, em Goiás (Foto: Fernanda Borges/G1)
Armas apreendidas com suspeitos de sequestrar gerentes de bancos, em Goiás
(Foto: Fernanda Borges/G1)

Os presos serão indiciados pelos crimes de extorsão mediante sequestro, associação criminosa qualificada e porte ilegal de armas de fogo de uso permitido e restrito, com penas somadas que variam entre 30 e 120 anos de prisão.

Seis dos oito presos foram apresentados na manhã desta segunda-feira (13), na Deic, e serão levados para o Núcleo de Prisão Provisória de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Os outros dois seguem detidos em Valparaíso de Goiás e em Caruaru (PE).

Base luxuosa
De acordo com o delegado, os integrantes da quadrilha se conheceram na cidade de Redenção, no Pará, onde decidiram se associar para cometer os crimes em Goiás. Para isso, tinham quatro imóveis, entre eles uma chácara luxuosa, que serviam como base em Anápolis, a 55 km de Goiânia.

“Eles se conheceram em Redenção e, a partir daí, passaram a se organizar para cometer os crimes em cidades goianas. Apesar do líder ser o Eduardo, era o Washington quem tinha o maior prestígio entre os criminosos, pois obtinha de muitos recursos financeiros para viabilizar as ações criminosas”, explicou Vasconcelos.

O delegado ressaltou que os presos já tinham passagens anteriores por crimes como associação criminosa, extorsão mediante sequestro, roubo, furto, uso de documento falso, tráfico de drogas e desobediência.

Segundo ele, nos primeiros sequestros, os suspeitos agiam da maneira mais discreta possível, mas na última, em Uruaçu, chegaram a agredir o gerente do banco. “Apesar disso, eles não obtiveram êxito na ação”, destacou o investigador.

Carros apreendidos com quadrilha que sequestracva gerentes de bancos, em Goiás (Foto: Fernanda Borges/G1)
Polícia apreendeu Gol, Frontier e Corsa com integrantes da quadrilha, em Goiás
(Foto: Fernanda Borges/G1)
G1.COM.BR

Católicos de Mato Grosso celebram a abertura da ‘Porta da Misericórdia’

Jubileu inicia o período de perdão aos arrependidos pelos pecados.
Celebrações marcam a abertura do Ano da Misericórdia.

Bandeira do estado deMato Grosso

Cerca de 2 mil fiéis participaram de celebração em Várzea Grande (Foto: Reprodução/ TVCA)
Fiéis participaram de celebração em Várzea Grande (Foto: Reprodução/ TVCA)

As igrejas católicas de Mato Grosso fizeram a abertura da ‘Porta da Misericórdia’ ou ‘Porta Santa’, neste domingo (13), para marcar o início das atividades do período de perdão àqueles que estão arrependidos pelos pecados. Em Cuiabá, a cerimônia no Santuário Divino Espírito Santo foi presidida pelo padre Jean Jacky Genesté.

Pela primeira vez, a ‘Porta da Misericórdia’ foi aberta em igrejas fora de Roma. A cerimônia marca a abertura do Ano da Misericórdia, Ano Santo instituído pelo Papa Francisco.

Além de Cuiabá, a ‘Porta da Misericórdia’ foi aberta nas igrejas de Várzea Grande, na região metropolitana da capital, Nobres, Jangada, Acorizal, Distrito da Guia, Rosário Oeste, Barão de Melgaço e Santo Antônio de Leverger.  Passar por ela tem um grande significado para os fiéis: o perdão dos pecados. O Ano Santo vai até novembro de 2016.

“Toda vez que confessamos, tiramos os pecados. É como uma ferida que você se machuca e fica aquela mancha e passando por essa porta a gente elimina todo ele [pecado] e, com isso, vem todas as bênçãos, vem a alegria de viver. Isso para mim foi muito importante”, disse a dona de casa Luzeni Matos.

Na Igreja Católica, o jubileu [celebra algo em especial], também chamado Ano Santo, acontece a cada 25 anos, mas o Papa Francisco promulgou o Jubileu Extraordinário, anunciado no dia 13 de março 2015, com o lema “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). A última celebração foi no ano 2000.

É a primeira vez que a ‘Porta da Misericórida’ é aberta nas paróquias, catedrais e santuários, ou seja, não é preciso ir a Roma, localizada na Itália, para receber o perdão pelos pecados.

“Sentir e ser comovido pelas falhas, pelas fraquezas, reconhecendo Deus misericordioso. Sentindo a conversão, uma mudança de vida para um caminho de luz e de santidade”, explicou o padre Jean Jacky, pároco do Santuário Divino Espírito Santo.

G1.COM.BR

Ação em área nobre leva 32 para delegacia e flagra 77 sem documentos

Duas mil pessoas foram abordadas por policiais civis, em Campo Grande.
Região tem registrados furtos, roubos e badernas, diz polícia.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Bebidas alcoólicas, canivete e drogas apreendidas (Foto: Osvaldo Nóbrega/ TV Morena)
Bebidas alcoólicas, canivete e drogas apreendidas (Foto: Osvaldo Nóbrega/ TV Morena)

Operação da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul em área nobre de Campo Grande terminou com 32 pessoas, entre adolescentes e adultos, levadas para a Delegacia de Atendimento à Infância e à Juventude (Deaij).

A abordagem a cerca de 2 mil pessoas resultou ainda em 77 adolescentes entregues aos pais por policiais porque estavam sem documentos. Situação classificada como de risco.

Entre as 32 pessoas levadas para a Deaij, sete são suspeitas de fornecer bebidas alcóolicas a menores, dentre elas um funcionário de um supermercado. Várias portavam drogas, por serem usuários, e um adulto e um adolescente foram autuados por tráfico. Também houve apreensão de 23 porções de entorpecente.

A operação “De Domingo” começou a ser planejada há mais de um mês depois da polícia receber várias denúncias de furtos, roubos e badernas na região do bairro Chácara Cachoeira e altos da avenida Afonso Pena.

 

G1.COM.BR

Racing Extinction – Vida em Extinção já está disponível no Net Now para os clientes Net HD

 

O documentário “Racing Extinction – Vida em Extinção”, dirigido por Louies Psihoyos, que ganhou o Oscar em 2010 com “The Cove”, exibido mundialmente dia 2 de dezembro pelo Discovery e no Animal Planet no Brasil, já está disponível no Net Now, sem custo adicional para clientes Net HD que possuem o Discovery.

A produção se infiltra no mercado clandestino de espécies ameaçadas de extinção.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

As 3 cidades cenográficas da novela Eta Mundo Bom estão em trabalhos alucinantes

 

As três cidades cenográficas de “Êta Mundo Bom!” no Projac, substituta de “Além do Tempo”, estão com seus trabalhos em ritmo alucinante…
…  E o mesmo acontece em estúdios. Tudo em função da estreia, 18 de janeiro, que está muito próxima.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Rede Globo toma cuidado para evitar superexposição de Pedro Bial em 2016

 

Mariana Ximenes e Pedro Bial estão na minissérie “SuperMax”, da Globo, já gravada…
… Mas também estarão, respectivamente, em “Haja Coração”” e “BBB”, tudo para  2016…
… Está havendo, no entanto, o cuidado de buscar alternativas para evitar que essas produções entrem no ar coladinhas uma na outra.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery