Joinville 0 x 2 Grêmio

Grêmio faz a sua parte e vence o JEC, mas termina Brasileirão em terceiro

Com gols de Marcelo Olviveira e Bobô, gremistas vencem por 2 a 0, mas triunfo do Galo não permite o segundo lugar e diminui premiação em R$ 2 milhões aos gaúcho

A ambição do Grêmio era termina o Campeonato Brasileiro em segundo lugar, e com R$ 2 milhões a mais no bolso. Jogou para isso, ganhou por 2 a 0 do JEC, sem ligar se os donos da Arena Joinville não tinha pretensão alguma – já rebaixados como lanternas. Porém, com o triunfo do Atlético-MG sobre a Chapecoense, os gremistas concluiram o Campeonato Brasileiro na terceira posição.

Os tricolores do Rio Grande do Sul exerceram pressão nos minutos iniciais e conseguiram abrir o placar com o lateral Marcelo Oliveira. Com o que sobrou do desmanche do elenco deste ano, a maioria com contratos em vigor, o Joinville chegou a colocar duas bolas na trave. A última delas, porém aponta para a má fase. A afastada virou contra-ataque com ajuda das poças geradas pelas fortes chuvas e Bobô anotou o segundo.

O Joinville termina a temporada como vice-campeão Catarinense, eliminado na primeira da fase na Copa do Brasil e na Sul-Americana e na lanterna da Série A. O Grêmio conclui 2016 também como vice estadual, eliminado nas quartas da Copa do Brasil e em terceiro no Brasileirão, classificado à Libertadores do próximo ano.

Joinville x Grêmio (Foto: Carlos Jr/Futura Press/Estadão Conteúdo)

O jogo

De semelhança do jogo de ida, apenas a pressão gremista. Se em Porto Alegre ela ocorreu no segundo tempo, com o time em desvantagem, na Arena Joinville foi desde o início. Não tardou para fazer efeito: aos 12 minutos o placar estava aberto. Depois de escanteio, e jogada de Geromel, o lateral-esquerdo Marcelo Oliveira apareceu na área e desviou para as redes. O jogo era do Grêmio, melhor em campo e com a torcida fazendo mais barulho que os tricolores da casa.

Ficou só no barulho, porque aos 20 minutos o Joinville cresceu, se colocou no campo de ataque e ofereceu perigo. Não estava morto, e Mariano Trípodi e Edigar Junio lutavam muito, também contra as poças causadas pela forte chuva no Norte de Santa Catarina. O jeito era chutar de fora. Na finalização do volante Anselmo, a bola desviou e ficou na trave. Ficou também o 1 a 0 para os visitantes a etapa inicial.

Com o campo pesado, o técnico Roger Machado tirou o leve Everton e colocou Edinho em campo. Era para ganhar no físico e passou a jogar no contra-ataque. Na despedida da Série A do Campeonato Brasileiro, o rebaixado Joinville ganhou um argumento para reclamar da sorte na campanha. Aos 14, Mario Sérgio fez bela jogada e botou na área. Ítalo mandou o voleio na trave. A afastada da defensiva gremista virou contra-ataque, e água no campo traiu o JEC. A bola ficou perdeu força ao quicar na gramada e deixou Agenor no meio de caminho. Foi assim que Bobô carregou a bola sozinho até o fundo das redes para anotar o segundo.

Depois disso, foram pouco mais de 30 minutos com os gremistas administrando o placar e o Joinville, sem forças, ainda tentando algo. Capitão do título da Série B, no ano passado, o meia Marcelo Costa entrou em campo para se despedir do torcedor. Foi a última lembrança da estada do JEC na elite do futebol nacional.

GLOBO ESPORTE.COM

Ponte Preta 0 x 1 Sport

Com belo gol de Diego Souza, Sport fecha em alta e deixa Ponte em jejum

Em despedida sem responsabilidade para os times, Leão leva a melhor graças ao talento individual do meia; Macaca se despede com quatro derrotas nos jogos finais

A despedida de Ponte Preta e Sport em 2015 teve o brilho solitário de Diego Souza. Em partida de baixo nível técnico e sem grande importância para os times, o meia garantiu a vitória ao Leão por 1 a 0 na tarde deste domingo, com um belo gol no segundo tempo em um Majestoso vazio.

A última rodada do Campeonato Brasileiro reflete a reta final das equipes: o Sport fecha em alta, enquanto a Macaca encerra o ano em jejum. Com o resultado, o Leão chegou aos 59 pontos e terminou na sexta colocação. São duas vitórias consecutivas e três partidas de invencibilidade para coroar uma campanha positiva.

Ponte Preta x Sport (Foto: Fabio Leoni/PontePress)

Partida sem apelo para os times atraiu pouca atenção dos torcedores em Campinas

(Foto: Fabio Leoni/PontePress)

Apesar da recente queda de rendimento, a Ponte também tem motivos para comemorar. Afinal, cumpriu o objetivo de permanecer na elite nacional. No entanto, ficou devendo na reta final. Foram quatro derrotas nos últimos cinco jogos sem vitória. Agora os clubes pensam exclusivamente na próxima temporada.

O jogo

A falta de responsabilidade pelo resultado deixou o jogo aberto. Os jogadores até demonstravam interesse, mas a concentração evidentemente não era a mesma. Até por isso os erros aconteciam em excesso. A Ponte tentou aproveitar os espaços ao insistir pela direita no começo. Foi por ali que saíram dois cruzamentos para Leandrinho quase marcar. A primeira passou por cima do travessão, e a outra parou em Danilo Fernandes. Foram os únicos lances de emoção.

Se a iniciativa foi da Macaca no primeiro tempo, o Sport voltou para o segundo tempo com postura mais agressiva. Ainda assim, a partida ficou longe de empolgar, como já era esperado. A Ponte chegou a ter um gol de Tiago Alves mal anulado. Diante do fraco nível técnico, o talento individual fez a diferença. Em lançamento preciso de Durval, Diego Souza dominou com categoria, tirou Fábio Ferreira da jogada e tocou na saída de João Carlos para abrir o placar, aos 16 minutos.

A Ponte ainda tentou o empate, mas faltou inspiração. Os times entram em férias com sentimentos distintos. O Sport fecha em alta, já a Macaca, apesar de cumprir o objetivo de permanecer na elite, teve uma reta final melancólica.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Goiás 0 x 1 São Paulo

Com golaço de Rogério, São Paulo vai à Libertadores e rebaixa o Goiás

Derrota confirma a queda do time esmeraldino à Série B. Time terminou a competição na vice-lanterna. Tricolor salva a temporada com vaga na competição internacional

Um golaço do atacante Rogério, aos 47 minutos do segundo tempo, sacramentou a vitória do São Paulo por 1 a 0 sobre o Goiás, neste domingo, no Serra Dourada, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Triunfo que coloca o Tricolor na Libertadores de 2016 e rebaixa o time esmeraldino para a Série B. Ao final da partida, Ceni, que encerra sua trajetória como jogador, foi ao gramado comemorar depois de um jogo que caminhava para um empate insosso.

O goleiro não pode estar em campo para se despedir de jogos oficiais por conta de uma lesão no pé direito. Mas viajou com a delegação e viu mais uma péssima atuação do Tricolor das tribunas, ao lado de Luis Fabiano, que também se despede do time, Rodrigo Caio e Breno.

Após 38 rodadas do Brasileirão, o São Paulo termina a competição em quarto lugar, com 62 pontos. O Goiás, com 39, encerra sua participação na vice-lanterna.

Rogério São Paulo (Foto: André Costa/Estadão Conteúdo)

Rogério fez um golaço no ângulo e assegurou a vitória do São Paulo

(Foto: André Costa/Estadão Conteúdo)

O jogo

Goiás e São Paulo fizeram muito pouco no primeiro tempo para times que estão lutando contra o rebaixamento e por vaga na Libertadores, respectivamente. Prova disso é a primeira jogada mais emocionante ter sido construída apenas aos 39 minutos. Thiago Mendes tabelou com Kardec e, na cara do gol, parou em boa defesa do goleiro Renan.

Quatro minutos depois, Thiago Mendes retribuiu o passe de Kardec e deixou o atacante em boa condição na pequena área, mas a finalização não saiu. Na sobra, Ganso mandou longe do gol. Duas chances em minutos. Bem pouco para a importância do jogo para os dois times. O Goiás, em situação preocupante, foi apático. O São Paulo, em temporada irregular, também.

As conversas no intervalo não ajudaram a mudar o panorama para o segundo tempo. A partida continuou na mesma: sem emoção, com duas equipes apáticas e sem criatividade em campo. O Goiás parecia conformado com o rebaixamento, e o São Paulo seguro de que nada poderia lhe tirar a vaga na Libertadores. Resultado: um jogo feio.

Feiura que ficou mais amena com o golaço de Rogério, o atacante, aos 47 minutos do segundo tempo. Foi do são-paulino o gol da vitória do Tricolor em um jogo que ninguém merecia vencer.

Ao Goiás resta agora juntar os cacos e se preparar para tentar voltar à elite do futebol brasileiro na próxima temporada. E ao São Paulo resta também juntar os cacos de um ano conturbado dentro e fora de campo, mas que, mesmo com todos os problemas, teve a vaga na Libertadores de 2016 como alento. Poderia ter sido pior.

Goiás x São Paulo no Serra Dourada (Foto: Wildes Barbosa/O Popular)

Goiás e São Paulo fizeram uma partida muito ruim tecnicamente

(Foto: Wildes Barbosa/O Popular)

GLOBO ESPORTE.COM

Santos 5 x 1 Atlético Paranaense

Show da base! Santos se despede com goleada de 5 a 1 sobre Atlético-PR

Peixe vence o Furacão de virada, com dois gols de Gabriel e Geuvânio, além do primeiro de Vitor Bueno com a camisa santista. Cleberson desconta

Geuvânio comemora gol do Santos (Foto: Mauricio de Souza / Diário do Litoral / Estadão Conteúdo)

Geuvânio marcou duas vezes (Foto: Mauricio de Souza / Diário do Litoral / Estadão Conteúdo)

Depois de perder a final da Copa do Brasil para o Palmeiras, o Santos tinha tudo para fazer um jogo morno na despedida da temporada, contra o Atlético-PR, na Vila Belmiro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Mas mesmo sem chances de classificação para o G-4 do Campeonato Brasileiro, o Peixe mostrou não estar de “ressaca” e goleou o Furacão por 5 a 1, de virada, com dois gols de Gabriel e Geuvânio, além do primeiro de Vitor Bueno com a camisa santista.

Com a vitória, o Santos termina o Brasileirão na sétima colocação, com 58 pontos, enquanto o Atlético-PR fica em 10º, com 51. As duas equipes saem de férias e voltam no início de 2016 para a pré-temporada.

Virada relâmpago

O Atlético-PR iniciou o primeiro tempo na Vila Belmiro como se jogasse em casa. As melhores chances foram criadas pela equipe visitante nos primeiros minutos, até que Cleberson subiu sozinho após escanteio e cabeceou no canto direito de Vladimir, que nem se mexeu, para tirar o zero do placar.

O gol do Furacão acordou o Santos, que demorou apenas dois minutos para empatar. Gabriel fez lançamento e deixou Geuvânio sozinho, frente a frente com Rodolfo. O atacante teve dificuldades no domínio, mas acabou driblando o goleiro adversário sem querer, e “entrou com bola e tudo”.

Com o empate no placar, as duas equipes seguiram procurando o gol e criando diversas chances. Mas foi o Peixe quem conseguiu o segundo gol. Geuvânio fez boa jogada pela direita e encontrou Gabriel, sozinho na pequena área, para empurrar e virar o jogo.

A virada santista desanimou o Atlético, que viu o Santos criar chances para ampliar o placar nos minutos finais da primeira etapa. Na principal delas, Lucas Lima cruzou para Gabriel cabecear e Rodolfo fazer grande defesa.

Gabriel - Santos x Atlético-PR (Foto: FRED CASAGRANDE - Agência Estado)

Destaque da goleada, Gabriel fez dois gols e deu duas assistências
(Foto: FRED CASAGRANDE/Agência Estado)

Virou passeio

Diferentemente do primeiro tempo, o Santos começou a etapa complementar mais ligado e empilhou chances até construir uma goleada. O terceiro gol veio aos 14 minutos, quando em jogada característica do Peixe, Lucas Lima tocou na ultrapassagem de Victor Ferraz pela direita. O lateral rolou para trás e Gabriel fez mais um.

O Alvinegro seguiu criando chances de gol contra um Atlético Paranaense entregue em campo. Não demorou para o quarto gol acontecer. Vitor Bueno, que entrou muito bem no segundo tempo, encontrou Gabriel livre pela esquerda e chegou à área para receber de volta e começar a goleada santista aos 28.

E cabia mais. Vitor Bueno tabelou com Lucas Lima pela direita e encontrou Geuvânio, sozinho na pequena área, para marcar o segundo dele e o quinto gol do Santos aos 35 minutos do segundo tempo para fechar o placar.

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Mineiro 3 x 0 Chapecoense

Na saideira do Brasileiro, Galo vence a Chape, termina com vice e bolso cheio

No último jogo das duas equipes na temporada, donos da casa vencem visitantes
por 3 a 0 e garantem premiação de R$ 6,3 milhões. Time de SC fica com o 14º lugar

Futebol para Atlético-MG e Chapecoense, só em 2016. Na despedida dos times do Campeonato Brasileiro, o Galo venceu por 3 a 0, no Mineirão, e fechou a temporada com bolso cheio. O time mineiro garantiu a segunda posição e uma premiação de R$ 2 milhões a mais do que se terminasse em terceiro. A Chapecoense terminou na 14ª posição. Em tarde de festa da torcida, que marcou boa presença no estádio, Thiago Ribeiro abriu o placar no primeiro tempo, Leonardo Silva e Patric, fizeram os outros gols no segundo tempo.

Ataque contra defesa

O jogo de despedida da temporada valia mais para o Atlético-MG, que precisava da vitória para terminar o Brasileirão em segundo, do que para a Chapecoense, já livre do rebaixamento. A briga do Galo pelo vice era com o Grêmio. Os gaúchos abriram o placar logo aos cinco minutos do jogo com o Joinville, o que fez com que os donos da casa partissem para cima do time de Santa Catarina com mais dedicação ainda.

Mesmo com vários desfalques, a Chape se defendia bem e forçava o erro no último passe do Atlético-MG. Quando conseguiu encaixar, Rafael Carioca deixou Marcos Rocha livre. O lateral cruzou para Thiago Ribeiro, mas o atacante perdeu sem goleiro. No entanto, a redenção veio seis minutos depois, aos 38, quando, depois de muito insistir, o camisa 22 venceu Nivaldo e, com chute forte, fez 1 a 0.

Atlético-MG; Lucas Cândido; Luan (Foto: Bruno Cantini/CAM)

Atlético-MG venceu a Chapecoense por 3 a 0 neste domingo, no Mineirão (Foto: Bruno Cantini/CAM)

Se no primeiro tempo foi complicado, no segundo bastaram cinco minutos para o Galo balançar as redes. Giovanni Augusto cobrou escanteio, Leonardo Silva ganhou no alto e não deu chances para o goleiro da Chapecoense.

Apesar de o placar de 2 a 0 já garantir ao time a segunda posição, independentemente de qualquer outro resultado da rodada, o Atlético-MG seguia melhor. Pratto perdeu duas chances claras, uma delas sem goleiro. Coube a Patric, que fez uma boa partida improvisado na lateral-esquerda, marcar o terceiro, completando grande lance de Marcos Rocha. À Chape, restou os parabéns de ter feito uma bela homenagem aos sobreviventes da tragédia em Mariana, cidade do interior mineiro que teve distritos arrasados com o rompimento de uma barragem – os jogadores entraram com um escrito #forçamariana nas costas do uniforme. Belo gesto!

 

GLOBO ESPORTE.COM