Fantástico realizará troca de famílias em comunidades do Rio e de SP

Programa aproveita reta final da novela das sete para produzir quadro de troca de experiências.

Foto: Reprodução/TV Globo

Reprodução / TV Verdes Mares

Com a última semana de I Love Paraisópolis se aproximando, o Fantástico  irá estrear no próximo domingo, 1º de novembro, a série “Conexão Vidigal – Paraisópolis”. Nesse quadro, três duplas de homens e mulheres com idade entre 18 e 25 anos, que vivem nas comunidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, respectivamente, irão trocar suas famílias.

Os jovens de Paraisópolis irão passar alguns dias no Vidigal, e vice-versa, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo. Com o total de três episódios, eles irão registrar com o celular toda a sua rotina nas novas casa. No fim do dia, irão compartilhar as experiências e impressões acerca do novo ambiente com o públuco, algo que funcionaria como o “confessionário” do Big Brother Brasil.

Ainda de acordo com a publicação, o projeto é apoiado pelo grupo Nós do Morro e pela Associação de Moradores Nova Paraisópolis. A ideia da experiência é mostrar os potenciais das comunidades e a inserção dos jovens nelas.

 

O Planeta TV

“Chamas da Vida” reestreia com boa audiência na Record

 

Reestreia do dia na TV, a novela “Chamas da Vida” voltou com bons números de audiência para a Record na tarde desta última segunda-feira (26).

Segundo dados consolidados do Ibope, a trama escrita por Cristianne Fridman e protagonizada por Juliana Silveira e Leonardo Brício marcou 5 pontos de média com 5 de pico e 11% de share.

Juliana Silveira participou da novela interpretando Carolina

No mesmo horário – das 15h45 às 16h20 -, o SBT também marcou 5 pontos com “Pérola Negra”, mas ficou em terceiro lugar na diferença da casa decimal. O índice já é acima do que sua antecessora no horário – que ainda está no ar – “Dona Xepa” marcou em toda a sua trajetória. A novela protagonizada por Ângela Leal nunca teve mais que 4 pontos.

“Chamas da Vida” foi exibida originalmente entre 08 de julho de 2008 e 28 de abril de 2009, fechando com 253 capítulos. Tem no elenco principal nomes como Juliana Silveira, Leonardo Brício, Bruno Ferrari, Amandha Lee, Juliana Lohmann, Dado Dolabella, Andreia Horta, Victor Hugo, Claudiana Cotrim, Rafael Queiroga, Roger Gobeth, Luíza Curvo,

Antônio Grassi, Jussara Freire, Lisandra Parede, André Di Mauro, Letícia Colin e Lucinha Lins.

 

NaTelinha

SBT e Record devem produzir mais novelas em 2016

Escrava Mãe pode abrir um segundo horário de novelas na Record.

Globo, SBT e Record produzirão mais novelas em 2016. A Record adiou para o início do ano a exibição de Escrava Mãe, que deve abrir um segundo horário, provavelmente na faixa das 19h30, após o Cidade Alerta.

O SBT também pretende apostar numa novela de temática adulta  na faixa das 22h, horário da reapresentação de Carrossel.

Na Globo, no ano que vem, haverá a exibição de duas novelas às 23h, ao invés de uma como de costume.

 

O Planeta TV

“Jornal da Record” tem 100% de crescimento no Ibope em seis praças

O ano de 2015 deverá ser excelente para o “Jornal da Record“, ancorado por Celso Freitas e Adriana Araújo.
Segundo dados divulgados pela Record, entre janeiro deste ano e setembro, em pelo menos seis praças o telejornal cresceu mais de 100% em audiência.
Curitiba registrou o maior aumento: 133%, ou seja, passou de 3,9 pontos em janeiro para 9,1 em setembro. Em Belo Horizonte, a variação foi de 127%. A média, que era 4,4 pontos em janeiro, subiu para 10 pontos em setembro.
Em Vitória, a média em janeiro foi 4,2 pontos e chegou a 9,2 em setembro, o que representa 119% de aumento. No Rio de Janeiro, o crescimento foi de 110%, saindo de 5,7 pontos para 12. No Distrito Federal, a variação foi de 106%, passando de 5 pontos em janeiro para 10,3 em setembro.
Por fim, em Salvador, o “JR” teve 100% de aumento, dobrando a audiência, de 5 pontos para 10.
O jornal também teve crescimento expressivo em outras importantes praças. Em São Paulo, a principal delas, o “Jornal da Record” cresceu 89%: marcou 6,5 pontos em janeiro e 11,9 em setembro. Em Campinas, o índice praticamente dobrou, ficando com 9,8 pontos de média em setembro ante 5,2 de janeiro.
Em Goiânia, alcançou 7,1 pontos de média no início do ano e 11,9 no último mês, o que representa um aumento de 67%. Em Belém, a audiência saltou de 10,3 pontos em janeiro para 16,8 pontos em setembro, ou seja, subiu 63%.
Em Porto Alegre, o jornalístico registrou 4,8 pontos de média em janeiro e foi para 7,3, fechando com um crescimento de 52%. Em Recife, o “Jornal da Record” também conquistou 8,2 pontos de média no primeiro mês e 11,6 em setembro, um aumento de 41% nos dados.
O menor crescimento foi em Manaus: 16%, saindo de 4,2 pontos para 4,9. Por fim, no PNT (Painel Nacional de Televisão), a variação foi de 90%, passando de 5,7 em janeiro para 10,8 em setembro.
Os dados são consolidados e refletem às médias de janeiro e setembro do telejornal. O “Jornal da Record” vai ao ar de segunda a sexta, às 21h45, e aos sábados, às 19h45.
NaTelinha

Government to develop new security training program for regional airports

Deputy Prime Minister and Minister for Infrastructure and Regional Development Warren Truss at the RAAA national convention. (Seth Jaworski)

Deputy Prime Minister and Minister for Infrastructure and Regional Development Warren Truss says the government plans to release a new training program designed to assist regional airports better manage their security processes.

Slated to begin in 2016, the new regional aviation security awareness training package would be available to the 150-odd security controlled airports in small, lower risk categories as well as the 48 airports that have screened air services such as Bundaberg, Devonport, Geraldton and Tamworth, Truss said.

The package would assist airports to understand the current risk environment, assist then to plan responses to future threats and improve general security awareness.

“While there is no evidence of a specific threat to regional aviation, it is likely to remain a potential terrorist target for the forceable future,” Truss told delegates at the Regional Aviation Association of Australia (RAAA) national convention in the NSW Hunter Valley on Friday.

“The nature of this threat will continue to evolve and so it is essential for government and industry to continue the efforts to deal with it.

“Regional and remote airports are vital to Australia’s prosperity and well being and the new training initiatives will support their efforts to provide a secure aviation environment.

“My department will shortly begin consultations with regional and remote airport and airline representatives to develop the content and learning delivery model of this package.”

On airport security generally, Truss said he hoped the advancements in equipment would enable passenger screening to be “easier and less intrusive”.

Further, the Deputy Prime Minister said there was some consideration to eliminating the screening of arriving passengers at some major capital city airport who had flown in from regional airports where they had already been through security checks.

“The equipment in the country is just as good. In some cases it is better and because of the numbers involved the checking is probably more reliable,” Truss said

“There is plenty of room for us to improve the system.

“The security training package . . . will address how we can better train the people who are involved and hopefully deliver a smoother and faster service to the people who travel through the airports.”

In another initiative, Truss said the government would shortly establish a business stakeholder group whose purpose would be to improve aviation and maritime connections in northern Australia.

The stakeholder group was one of the initiatives contained in the government’s White Paper on developing Australia’s north published in June, with representatives to come from aviation and maritime sector, as well as the wider business community.

“The group will work closely with regional aviation stakeholders to identify impediments to aviation services and develop practical solutions to further growth in the north,” Truss said.

“It comes in part as a response to concerns about the cost of travel to northern Australia.”

The government was also undertaking an aviation workforce skills study to better understand the future needs of Australia’s aviation workforce and ensure there was a sufficient pipeline of pilots and engineers to meet the demand for new aircraft and the forecast growth in air travel.

The Aviation Industry Consultative Council helped draw up the parameters of the study, while the Transport and Logistics Industry Skills Council (TLISC) will undertake the work in consolation with industry. Truss said the study was expected to be completed early in 2016.

Boeing’s 2015-2034 Pilot and Technician Outlook expects Australia, New Zealand and the countries of the South Pacific to require an additional 12,000 new pilots and 13,000 new maintenance engineers (technicians) over the next two decades to meet the growing demand for air travel.

Meanwhile, Truss said the proposed airport at Sydney Badgerys Creek would provide opportunities for regional airlines.

Also, the scheme that guaranteed access for regional airlines at peak times at Sydney Airport would remain in place at Mascot once the Badgerys Creek airport was operational some time in the mid-2020s.

“Kingsford Airport will remain an essential transport hub for regional NSW. It will be the airport of choice for people who actually want to do business in Sydney or visit its major tourist attractions, but the reality is it will reach its capacity and we have to have other ways of dealing with the growth in airport traffic,” Truss said.

“The government is committed to retain the existing protections for regional airline access to Kingsford Smith Airport and ensuring that it operates as a gateway for people coming to Australia and for those wanting to visit the capital city of NSW.”

 

Australian Aviation