Polícia do DF prende 2º suspeito de fraudar contas de clientes do BRB

Prejuízo ao banco pode ter chegado a R$ 20 milhões por ano desde 2013.
Ele oferecia pagar tributos com precatórios e dava desconto de 30%.

Bandeira do Distrito Federal (Brasil)

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na madrugada deste sábado (24) o segundo suspeito de integrar uma organização criminosa que pode ter causado prejuízo de cerca de R$ 20 milhões ao ano desde 2013 ao Banco de Brasília (BRB).

Em agosto deste ano, o agente penitenciário Marcos Barbosa foi preso suspeito de oferecer a servidores públicos e empresários o pagamento de tributos e multas junto ao GDF alegando que tinha créditos de precatórios a receber e, por isso, esses débitos poderiam ser compensados.

O delegado-chefe da 11ª DP, Victor Dan, afirma que o grupo agia em toda a capital federal e em Planaltina de Goiás. A suspeita é de que eles usavam hackers para entrar na conta das vítimas por meio de e-mails com vírus.

A polícia acredita que a organização seja responsável por mais de 200 fraudes só neste ano. “A partir do momento em que o email era aberto, os criminosso passavam a ter todos os dados sigilosos das vítimas”, explicou.

Neste sábado, Romoaldo dos Santos, de 31 anos, foi detido em Planaltina de Goiás. “O Romoaldo estava ameaçando as testemunhas para não ser descoberto. Esse grupo aliciava devedores de impostos e pagava em conta de terceiros oferecendo um desconto de 30%”, disse Dan.

Santos vai responder por furto mediante fraude e organização criminosa. Se condenado, ele pode pegar mais de 20 anos de prisão.

 

G1.COM

Trio que fugiu para manter namoro a três ficou acampado em cachoeira

Garotos, de 16 anos, e menina, de 14, só saíam para comprar comida.
Mãe acredita que a filha possa voltar a fugir: ‘Vou tentar evitar’.

Bandeira de Goiás

Nathanael, Andressa e Gevison mantém um relacionamento a três e fugiram de casa em Goiás (Foto: Arquivo pessoal)

Nathanael, Andressa e Gevison ficaram acampados em cachoeria por seis dias

(Foto: Arquivo pessoal)

Os dois garotos de 16 anos e uma menina, de 14, que fugiram de casa para manter um namoro a três, ficaram acampados às margens de uma cachoeira antes de serem encontrados. De acordo com os pais, eles só saíam do local, na zona rural de Cristalina, no leste de Goiás, para comprar comida.

A cachoeira fica a cerca de 130 km de Pires do Rio, no sul do estado, onde Nathanael Tiago de Melo, Gevison Silva dos Santos e Andressa Aparecida Cordeiro moram. Eles foram encontrados na quinta-feira (22) enquanto caminhavam pela BR-050, seis dias após terem desaparecido.

A atendente Andréia Aparecida Veiga, mãe de Andressa, disse que está feliz por ter encontrado a filha, mas ainda receosa com a situação. Segundo ela, o relacionamento entre elas é muito complicado.

“Depois que a busquei, ainda não conversamos. Infelizmente, acho que ela pode fazer isso de novo. Se fez uma vez, pode pôr na cabeça e fazer de novo. Vou falar com ela para tentar evitar isso”, disse ao G1.

A mulher também explicou que quer impedir a filha de namorar qualquer um dos dois garotos. “Não quero mais. Tenho que dar um ponto final nisso”, explica.

As três famílias já estiveram no Conselho Tutelar da cidade e irão receber apoio psicológico nos próximos meses.

Os adolescentes fugiram de casa no último dia 16. A família então registrou a ocorrência na polícia, mas só teve notícias no dia 20, quando um deles, Nathanael Tiago de Melo, de 16 anos,enviou uma mensagem para a mãe dizendo que estava bem: “Te amo muito, não preocupa”.

Garoto que fugiu para manter namoro a três manda recado para mãe em Goiás (Foto: Arquivo pessoal)

Garoto que fugiu para manter namoro a três manda recado para mãe, em Goiás

(Foto: Arquivo pessoal)

G1.COM

Bando que cometeu 6 roubos numa semana é presa na Grande Cuiabá

Suspeitos foram presos na capital e em Várzea Grande em operação.
Quadrilha roubou posto de combustíveis, motel e restaurante, diz polícia.

Bandera de Mato Grosso

Cinco pessoas suspeitas de terem cometido pelo menos seis roubos, em uma semana, a postos de combustíveis, motéis e restaurantes na região do Distrito Industrial de Cuiabá foram presas numa operação conjunta entre as polícias Civil e Militar. A quadrilha, segundo as investigações do Núcleo de Inteligência da Delegacia de Roubos e Furtos da capital (Derf), era especialista neste tipo de crime.

Os mandados de prisão foram cumpridos em Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana da capital, na sexta-feira (23), durante a operação ‘Faroeste’. O nome foi dado porque a quadrilha sempre chegava atirando para cometer os assaltos.

As informações iniciais sobre o bando foram dadas pelas Agências de Inteligência do 9º e do 24º Batalhões da PM. O grupo foi investigado pela Derf por aproximadamente um mês.

Um dos presos já foi condenado por roubo qualificado e porte ilegal de arma de fogo. Ele também foi autuado por tráfico de drogas, porque na casa dele foi apreendida grande quantidade de maconha.

Tentativas de latrocínio
Segundo a apuração policial, apenas no dia 13 de setembro a quadrilha praticou duas tentativas de latrocínio – roubo seguido de morte. O primeiro foi num restaurante no Distrito Industrial. Os criminosos, com espingarda calibre 12 e outras armas, chegaram ao local e atiraram várias vezes. Uma pessoa foi atingida, e funcionários e clientes foram rendidos. O bando roubou dinheiro, celulares e outros pertences.

Na sequência, os bandidos invadiram um motel na mesma região e rendeu o vigilante e o fiscal. As vítimas foram colocadas no chão e ameaçadas com armas de fogo, entre elas a espingarda calibre 12. E, mesmo sem a possibilidade de reação das vítimas, os criminosos atiraram num dos funcionários, que ficou gravemente ferido.

 

G1.COM