Renato Maurício Prado comenta Figueirense 3 x 0 Flamengo e Fluminense 2 x 0 São Paulo

Clayton gol Figueirense x Flamengo (Foto: CRISTIANO ANDUJAR - Agência Estado)

Enquanto o Fluminense, jogando bem, derrotava o São Paulo por 2 a 0, no Maracanã, afastando-se mais da zona do rebaixamento e ganhando tranquilidade para disputar as semifinais da Copa do Brasil, competição que pode salvar sua temporada, garantindo vaga na Libertadores, do ano que vem; o Flamengo fazia um papelão em Santa Catarina, levando de 3 a 0 do Figueirense, time até então do Z-4, desperdiçando fenomenal oportunidade de voltar ao G-4 – todos os outros resultados da quarta-feira lhe foram favoráveis.

Se os tricolores encontraram mais motivos para sonhar com um final de temporada à altura de suas tradições, os rubro-negros foram dormir de cabeça inchada, com uma pergunta que não quer calar: o que Oswaldo de Oliveira e sua comissão técnica fizeram nos 10 dias de folga que as eliminatórias lhes proporcionaram, paralisando o Campeonato Brasileiro?

O Flamengo, que poderia ter dormido no G-4, se tivesse vencido um rival fraco e desesperado, conseguiiu a proeza de chegar a ter 70% de posse de bola, durante a partida, e mal ameaçar o gol defendido por Alex Muralha. Em compensação, seus volantes inúteis (ninguém merece Márcio Araújo e Canteros – ainda mais juntos!) e sua zaga estabanada (como são ruins Pará e César Martins!) foram capazes de levar três gols do Figueirense!

O Mais Querido ainda tem possibilidades de obter uma vaga na principal competição do continente, em 2015, porque Palmeiras, São Paulo e Internacional, rivais diretos nesta briga, também perderam. E o Santos, que ainda jogará nesta quinta-feira (contra o Grêmio, no Sul) igualmente pode acabar a rodada sem somar pontos.

Só que diante da inaceitável passividade com que seus jogadores atuaram e aceitaram uma derrota vergonhosa e acachapante fica muito difícil crer nesse milagre. A menos que Paolo Guerrero volte a vestir a capa de super-herói que chegou a ser nos seus primeiros quatro jogos com a camisa do Fla. Seu substituto, Kaike, desta vez chegou a dar pena, no Orlando Scarpelli. Na única boa oportunidade que teve cabeceou ridiculamente para o chão e para fora a bola que recebeu, cara a cara com Muralha…

Voltando ao Fluminense, Marcos Júnior fez mais um golaço, o segundo do tricolor carioca. O primeiro foi de Fred, voltando ao time. Vinícius, que substituiu Gerson, também entrou muito bem na partida e Gustavo Scarpa, como de hábito, também foi desataque. Jogando assim, o Flu tem chances reais de ganhar a Copa do Brasil, onde enfrentará o irregular Palmeiras, na semi, e talvez até o mesmo São Paulo (ou o Santos), na final.

Impossível ter a dupla Fla-Flu junta na Libertadores não é. Mas do jeito que o Fla está jogando, as chances maiores parecem ser mesmo do Flu.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 16/10/2015

Liga Sul-Minas-Rio tem os três grupos definidos. Confira quais são os times

Tabela da competição será anunciada na próxima segunda-feira

Alexandre Kalil em coletiva de imprensa no Independência (Foto: Bruno Cantini \Flickr Atletico-MG)

Alexandre Kalil é o executivo-chefe da Liga (Foto: Bruno Cantini \Flickr Atletico-MG)

A Liga Sul-Minas-Rio já tem os três grupos definidos. A competição, cuja primeira edição será no ano que vem – com início previsto para o fim do mês de fevereiro -, contará com 12 times participantes.A divulgação oficial do calendário e do regulamento será na próxima segunda-feira. A Sul-Minas-Rio recebeu o aval da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no último dia 9, quando o executivo-chefe da liga, Alexandre Kalil, esteve na entidade.

Confira os grupos:

Grupo 1: Cruzeiro, Fluminense, Avaí, América-MG
Grupo 2: Grêmio, Internacional, Atlético-PR, Chapecoense
Grupo 3: Atlético-MG, Flamengo, Figueirense e Coritiba

São 15 os clubes integrantes da liga, mas apenas 12 participarão da primeira edição, com início marcado para fevereiro do ano que vem – a final também já tem data: 30 de março.

– Isso já estava formatado. Nós temos nos reunido de 15 em 15 dias. Fomos à CBF, já havíamos ido à CBF outras vezes, e o que aconteceu ontem (quinta-feira) foi que o Kalil (Alexandre), representante da Liga, discutiu as datas com o pessoal da CBF. Serão três grupos de quatro times cada, se classificando para as semifinais os melhores de cada grupo e o melhor segundo colocado – disse o presidente da Liga, Gilvan de Pinho Tavares, que explicou o que ficou acordado com a CBF.

– Fizeram alguma alteração de datas. Concordaram com tudo o que foi acordado pela Liga. E a CBF disse que daria toda a assistência no aspecto dos árbitros. Além do tribunal. Precisávamos de um modelo, como acontece na Copa do Mundo, Copa América, porque o torneio é curto. Não dá para ter primeira, segunda instância. Então, será um julgamento mais rápido, um caráter diferente de julgar, mas aplicando o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Vai ter mais uma reunião na segunda-feira, mas já está tudo definido.

Fazem parte América-MG, Avaí, Atlético-MG, Atlético-PR, Chapecoense, Coritiba, Criciúma, Cruzeiro, Figueirense, Fluminense, Flamengo, Internacional, Joinville, Grêmio e Paraná. Quando o grupo foi criado, a ideia era que a primeira edição do torneio contasse apenas com 10 participantes, sem Chape, Criciúma, Joinville, além de Paraná e América-MG, que se filiaram por último.

Há quem faça oposição à Liga Sul-Minas. O presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), Rubens Lopes, irritado com a participação da dupla Fla-Flu na competição,não crê que o presidente da CBF, Marco Polo del Nero, autorizará o torneio.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Rubens Lopes envia ofício a Del Nero pedindo o veto à Liga Sul-Minas-Rio

Presidente da Ferj critica “incompreensível indefinição” da CBF sobre a disputa de torneio em 2016 e afirma que aval vai de encontro ao próprio estatuto da entidade

Rubens Lopes presidente da FERJ (Foto: Vicente Seda)

Rubens Lopes presidente da FERJ (Foto: Vicente Seda)

O presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), Rubens Lopes, enviou um ofício nesta sexta-feira para o presidente da CBF, Marco Polo del Nero, questionando o que chamou de “incompreensível indefinição” da entidade nacional em relação à disputa do torneio da Liga Sul-Minas-Rio já em 2016. De acordo com a Ferj, o assunto “desnecessariamente está causando enormes transtornos, direta e indiretamente, a diversas entidades de prática desportiva e milhares de pessoas que dependem da força dos Campeonatos Estaduais para sobreviver. No fim do texto, Lopes chega a pedir punição aos participantes da liga.

De acordo com o ofício, a CBF não pode conferir o aval à competição para o próximo ano sem a “violação direta de vários pontos do seu estatuto”: “Dessa forma, não se pede nada além de que a CBF simplesmente faça valer as diretrizes e ditames em seu próprio estatuto”, diz o documento. Pela interpretação da Ferj, a CBF só poderia reconhecer ligas nacionais e, mesmo assim, em decisão aprovada em Assembleia Geral. A entidade reforça que o calendário anual já publicado “deve ser respeitado”.

Trecho Doc Ferj (Foto: GloboEsporte.com)
Ofício do presidente da Ferj foi enviado nesta sexta-feira para Marco Polo del Nero
(Foto: GloboEsporte.com)
GLOBO ESPORTE.COM

O diretor executivo da Liga Sul-Minas-Rio, Alexandre Kalil, esteve na CBF, que já sinalizou a aprovação da competição para o próximo ano através do seu secretário-geral, Walter Feldman. Os grupos da Sul-Minas-Rio já foram definidos e a tabela do torneio deve ser divulgada na segunda-feira. A competição ocorrerá em cinco datas, com a participação de 12 clubes, incluindo Flamengo e Fluminense, que assinaram como fundadores da liga e estão em racha declarado com a Ferj.

O documento é encerrado com cinco solicitações à presidência da CBF, conforme transcrito abaixo:

1 – Que a entidade se manifeste definitivamente sobre o tema indicando que não autoriza a participação de seus filiados em competição não prevista no calendário anual.

2 – Que a entidade faça seus filiados respeitarem e cumprirem os estatutos, regulamentos, diretrizes, decisões e demais atos editados, especialmente o calendário anual

3 – Que a entidade expeça à filiadas, com o caráter de adoção obrigatória, ato inerente à organização, funcionamento e disciplina das atividades de futebol que ratifique a obrigatoriedade de cumprimento do calendário anual, impedindo a realização de competições paralelas às oficialmente programadas.

4 – Que a entidade publique penalidades, no limite de suas atribuições, aos responsáveis pelas inobservância das normas estatutárias, regulamentares e legais, na forma do estabelecido pelo artigo 88 do seu estatuto.

5 – Que a CBF imponha o afastamento de entidade de prática de futebol partícipe de competições de futebol que violem o estatuto e demais normas vigentes aprovadas pela CBF.