United 5 – 2 Japan

USA ended their 16-year FIFA Women’s World Cup™ drought in the most emphatic manner imaginable with a Carli Lloyd hat-trick lifting the Stars and Stripes past holders Japan for their third title.

A scarcely believable four-goal salvo inside the opening 16 minutes meant there was only ever going to be one winner to the joy of the largely pro-USA 53,341 crowd in Vancouver.

USA were quickest to the ball from the opening whistle and immediately reaped greater rewards than they could ever have imagined. A low driven Megan Rapinoe corner from the right deceived a flat-footed Japan defence and Lloyd finished first time from near the penalty spot to put a perfect flourish to a training ground move.

Barely 150 seconds had passed on the stadium clock but, incredibly it was about to get even better for the Stars and Stripes. A low free-kick from Lauren Holiday evaded a swathe of players before the ball found its way, almost magnetically, to Lloyd who applied the finishing touch from close range. USA were 2-0 up inside five minutes and Lloyd had nabbed the two fastest goals in Women’s World Cup Final history.

Japan were looking uncharacteristically shaky at the back and when central defender Azusa Iwashimizu failed to deal with a Tobin Heath delivery, Holiday latched onto the loose ball to volley home. Only fourteen minutes had elapsed but USA already had one hand on the trophy.

Just two minutes later the contest was effectively over as Lloyd completed a 13-minute hat-trick with a goal straight from the realms of fantasy. Collecting the ball inside her own half Lloyd advanced before unleashing a high shot from the halfway line over the head of Ayumi Kaihori, whose desperate back-peddling only resulted in finger-tipping the ball onto the inside of the post and into the net.

Incredibly Lloyd, playing the match of her life, almost immediately scored another, heading just wide and narrowly failing to become the first person to score four in a World Cup Final of either gender.

Then it was the turn of Alex Morgan who made a trademark driving run into the box and although she didn’t make full connection with her shot Kaihori was still forced into a diving save.

However, Japan grabbed a much-needed goal midway through the opening half thanks to inspired finishing from Yuki Ogimi who ended Hope Solo’s run of 540-minute unbeaten run by superbly spinning away from marker Julie Johnston and coolly firing home.

The Nadeshiko momentarily looked like they would pull another goal back three minutes later and only some fine scrambling defence prevented a clear shot on goal with Aya Miyama’s final shot unable to trouble Solo.

Japan coach Norio Sasaki threw caution to the wind making two substitutes inside 40 minutes. The heroine of the 2011 Final Homare Sawa firstly entered the fray soon followed by forward Yuika Sugasawa, in place of central defender Iwashimizu and Nahomi Kawasumi.

Five minutes after the break Morgan Brian forced Kaihori to push a long-rage effort over the crossbar, but it was Japan who managed to reduce the deficit further as Johnston could only get a glancing header on Miyama’s perfectly-flighted free-kick inadvertently directing the ball past Solo.

Yet USA restored their three-goal margin almost immediately as Heath netted from close range after Morgan Brian provided the assist after Kaihori was unable to deal with a corner.

Striker Morgan then looked to get her name on the scoresheet with a sharp turn and shot narrowly wide. While there were to be no further goals, some of the biggest roars of the day were reserved for the late introductions of veterans Abby Wambach and Christie Rampone.

Live Your Goals Player of the Match: Carli Lloyd (USA)

 

FIFA.COM

TV Record marca data da estreia de Escrava Mãe

Novela vai substituir Os Dez Mandamentos no horário das 20h30.

Foto: Antonio Chahestian/TV Record

Escrava Mãe tem a difícil missão de segurar os índices conquistados por Os Dez Mandamentos, responsável pelas maiores audiências da Record. A novela, uma parceria da emissora com a produtora Casablanca, teve a sua data de estreia definida para o dia 19 de outubro, segundo informa a coluna de Flávio Ricco (Diário de S.Paulo).

A trama é escrita por Gustavo Reiz e é gravada em São Paulo, na capital e no interior, sob responsabilidade do diretor Ivan Zettel. Jussara Freire, Zezé Motta, Léo Rosa, Pedro Carvalho, Luiza Tomé e Gabriela Moreyra são alguns nomes do elenco.

 

O Planeta TV

RICTV/Record comemora audiência do “Cidade Alerta” e “Os Dez Mandamentos”

RICTV/Record comemora audiência do "Cidade Alerta" e "Os Dez Mandamentos"

A briga pela audiência entre RICTV/Record e Rede Massa/SBT teve novos desdobramentos no dia 22 de junho, a favor da emissora afiliada a Edir Macedo.

Segundo dados de audiência divulgados pela assessoria de imprensa da RIC, o programa policial “Cidade Alerta Paraná”, o noticiário “RIC Notícias” e a novela “Os Dez Mandamentos” se destacaram nos números de audiência em Curitiba, capital do estado.

O “RIC Notícias” foi o segundo programa mais assistido da emissora neste dia, obtendo média de 11 pontos e 17% de participação, fechando na vice-colocação de audiência. O terceiro mais visto foi o “Cidade Alerta Paraná”, que marcou 8 pontos de média e 14% de participação, um dos mais altos índices deste mês de junho e no ano.

A atração mais assistida, logicamente, foi a trama escrita por Vivian de Oliveira. A novela registrou 12,4 pontos de audiência e 19% de participação.

Os números são consolidados e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores na Grande Curitiba.

NaTelinha

CRB 1 x 1 Boa Esporte

CRB faz gol espírita no Rei Pelé, mas Boa empata nos acréscimos, de pênalti

Zé Carlos abre o placar e Radamés deixa tudo igual aos 46 minutos do 2º tempo

CRB x Boa Esporte, no Rei Pelé (Foto: Ailton Cruz/ Gazeta de Alagoas)
Zé Carlos faz gol com a panturrilha contra o Boa Esporte (Foto: Ailton Cruz/ Gazeta de Alagoas)

A chuva caiu com gosto neste sábado em Maceió e afugentou o público. Pouca gente assistiu ao jogo da 10ª rodada da Segundona entre CRB e Boa Esporte no Estádio Rei Pelé. O temporal até deu uma trégua durante o confronto, marcado por muitos arremates de fora da área. O que pesou na definição do placar foi o imponderável. Gol espírita e pênalti no apagar das luzes. Aos 18 minutos da etapa final, o atacante regatiano Zé Carlos finalizou errado, de panturrilha, e viu a bola entrar mansamente no gol de Andrey, que esperava uma pancada. Não ficou por aí. De pênalti, o meio-campista Radamés empatou aos 46 minutos e levou um pontinho importante para Minas.

O resultado de 1 a 1 mantém o Galo na nona colocação da Série B, agora 14 pontos, e tira duas posições do time mineiro, que caiu para o 17º posto, com 10. Os times voltam a campo na próxima terça-feira, pela 11ª rodada. O Boa Esporte recebe o Vitória às 19h30, em Varginha, e o CRB visita o Santa Cruz, às 21h50, no Recife.

Chutes de longe no primeiro tempo

A partida começou em ritmo lento. Aos 9 minutos, o zagueiro Gabriel cortou mal e Clébson pegou de primeira, errando o alvo, mas assustando o goleiro do CRB. O Galo respondeu com um chute violento de Glaydson Almeida do meio da rua. Andrey fez ótima intervenção, não dando rebote.

Aos 29, Leandro Brasília, do CRB, se livrou da marcação e finalizou da entrada da área. Ela ainda desviou na zaga e quase entrou. O Boa chegou dois minutos depois, numa bomba de Bruno Felipe. O primeiro tempo foi mesmo marcado por chutes de fora da área. Antes do intervalo, aos 38, Brasília arriscou de longe outra vez, rasteiro, e ela passou assobiando pelo gol.

Gol chorado de Zé Carlos e empate no fim

CRB x Boa Esporte, no Rei Pelé (Foto: Ailton Cruz/ Gazeta de Alagoas)
Olívio e Radamés viram protagonistas do jogo no final (Foto: Ailton Cruz/ Gazeta de Alagoas)

Técnico do CRB, Mazola Júnior precisou substituir o goleiro Júlio César no intervalo. O camisa 1 estava debilitado por uma virose e deixou o campo para a entrada de Bruno. O segundo tempo começou com muitas bolas levantadas na área do Boa. Paulo Sérgio apareceu mais no ataque, no entanto, sem levar perigo a Andrey.

Aos 15 minutos, Radamés colocou o goleiro do CRB para trabalhar numa cobrança de escanteio fechada. Quase marcou olímpico. Três minutos depois, a sorte sorriu para o Galo. Após bate-rebate na área mineira, Glaydson Almeida não deixou ela sair e cruzou por baixo. Zé Carlos finalizou errado, de panturrilha, e venceu o goleiro do Boa. O arremate foi feio, mas valioso.

Aos 29 minutos, a zaga do CRB bobeou, o goleiro Bruno saiu em falso e Chapinha ficou com a sobra, livre. Faltou categoria e ele escorregou antes do chute, facilitando a defesa do arqueiro. A chance incrível perdida pelo Boa acordou o Galo, que quase ampliou com um chutaço de Olívio. Ela bateu no travessão e saiu. Ainda faltava tempo. E o próprio Olívio errou feio na saída de bola e, de carrinho, fez um pênalti indiscutível em Márcio Diogo, aos 45. Um minuto depois, Radamés bateu bem, com força, e deixou tudo igual.

 

GLOBO ESPORTE.COM

América Mineiro 3 x 1 Mogi Mirim

Em casa, América-MG vence lanterna Mogi Mirim e volta ao G4 da Série B

Coelho chega a 20 pontos na tabela enquanto time paulista segue sem vencer na competição

América-MG e Mogi Mirim fizeram um jogo muito bom, na noite deste sábado, no Independência, em Belo Horizonte. O Coelho se deu melhor. Fez 3 a 1 no Sapo, gols de Mancini, Marcelo Toscano e Richarlison, contra um de Edson Ratinho, e termina a rodada no G4 do Campeonato Brasileiro da Série B, com 20 pontos, na quarta colocação.

O Mogi Mirim permanece na lanterna, com apenas três pontos.

América-MG e Mogi Mirim se enfrentaram no Independência (Foto: Divulgação/AFC)
América-MG e Mogi Mirim se enfrentaram no Independência (Foto: Divulgação/AFC)

Apesar da posição dramática na classificação, o Mogi Mirim mostrou qualidades e dificultou a vida do América-MG, que teve que ter muita paciência para sair de campo vitorioso. O Coelho foi premiado com os gols da vitória depois dos 30 minutos do segundo tempo e o Sapo sai de campo com a sensação de que pode dar a volta por cima e se reabilitar.

A próxima rodada terá os dez jogos disputados na próxima terça-feira, dia 7. Tanto América-MG quanto Mogi Mirim vão entrar em campo às 19h30 (de Brasília). Os mineiros vão ao Moacyrzão, no interior do Rio de Janeiro, enfrentar o Macaé, enquanto os paulista recebem o Náutico, no Romildo Ferreira, em Mogi Mirim.

O jogo  

O roteiro imaginado para a partida, desde antes de a bola rolar, foi cumprido à risca por América-MG e Mogi Mirim, no começo do jogo. O time da casa, lutando por uma vaga no G4, tinha a obrigação de atacar e buscar o gol, enquanto o visitante, na lanterna da Série B e ainda sem vencer, se defendendo com todas as suas forças. A diferença na posição dos dois times na classificação dava a impressão de que o Coelho teria vida fácil, mas não foi isso que aconteceu. O Sapo se armou muito bem defensivamente e criou grandes dificuldades para o adversário penetrar e conseguir espaços. Além disso, o Mogi adiantou a marcação, depois dos 20 minutos, e complicou a saída de bola americana.

Sem ter grandes oportunidades de gol até então, o América-MG abriu o placar, aos 37 minutos, através de um pênalti cobrado por Mancini. A penalidade foi cometida pelo lateral Leonardo, que desviou um chute de Bryan com o braço. O empate do Mogi Mirim veio na mesma moeda, cinco minutos depois. O goleiro João Ricardo derrubou Júnior Juazeiro na área. Edson Ratinho cobrou bem e deixou tudo igual. O primeiro tempo ficou no 1 a 1, num jogo de variações táticas interessantes e muito empenho dos jogadores.

Mancini comemora gol do Coelho na vitória do América-MG sobre o Mogi (Foto: Divulgação/AFC)
Mancini comemora gol do Coelho na vitória do América-MG sobre o Mogi (Foto: Divulgação/AFC)

O segundo tempo manteve o bom nível do primeiro. Os dois times continuaram buscando o gol e mantendo a organização em campo. O Mogi voltou um pouco mais solto, acreditando na primeira vitória no campeonato, e isso deu espaços para o América-MG ter o contragolpe com mais uma opção ofensiva.

Os dois times se alternaram no ataque durante toda a segunda etapa e tiveram a chance de decidir a partida, com lances claros de gol, dentro da área. O Sapo foi valente durante todo o jogo. Buscou a vitória, com raça e valentia, mas não foi capaz de segurar o Coelho de Marcelo Toscano. Aos 34 minutos, o artilheiro americano fez seu quinto gol na competição. Ele recebeu de Mancini e bateu sem chances para o goleiro Daniel, colocando o América-MG na frente do placar. O dono da casa ainda teve tempo para fazer mais um, com o garoto Richarlison, que aproveitou o rebote de um voleio de Toscano, para empurrar para as redes, aos 41 minutos.

Quem olhar a classificação da Série B do Campeonato Brasileiro verá o América-MG, merecidamente, no G4. E o Mogi Mirim, na última colocação, ainda sem vencer. Fica um alento para o time paulista de que se continuar apresentando o futebol competitivo deste sábado, tem boas chances de se reabilitar. Ao Coelho, fica a certeza de que o trabalho está sendo bem feito e, se for mantido, tem tudo para levar o time de volta à Série A, em 2016.

GLOBO ESPORTE.COM