“Os Dez Mandamentos” atinge alta audiência em capitais do Norte e Nordeste

"Os Dez Mandamentos" atinge alta audiência em capitais do Norte e Nordeste

Estreada no fim do mês passado, a novela “Os Dez Mandamentos” tem tido uma grande aceitação principalmente em capitais do Norte e Nordeste.

Segundo dados consolidados do Ibope, divulgados pelas assessorias de imprensa de afiliadas da Record em Fortaleza, Belém e Salvador, os desempenhos são bem agradáveis.

Na capital do Pará, a trama bíblica escrita por Vivian de Oliveira tem atingido o seu melhor desempenho, marcando médias de 20 pontos de audiência, ficando a apenas 5 pontos da TV Liberal/Globo, que tem fechado o horário com 25 pontos.

Já em Fortaleza, o desempenho é menor, mas não menos impressionante: são 14 pontos de média até o momento. No mesmo horário, a TV Verdes Mares/Globo marca 29. Já em Salvador, o desempenho também é bom: a média é de 10 pontos para a Record Bahia, mas assim como São Paulo, a briga pela vice-liderança é com o SBT e a TV Aratu, que também vai bem com “Chiquititas”.

Os números refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores na Grande Belém, Fortaleza e Salvador.

 

NaTelinha

Globo News estreia novo programa de entrevistas

O canal Globo News, da Globosat, estreia na próxima terça-feira (14) o programa “Ofício em Cena”, em que atores, autores e diretores de diferentes gerações falarão sobre suas profissões.
O programa é inspirado em um projeto de José Wilker, falecido em 2014, que estava preocupado com a formação de novos talentos. A atração será apresentada por Bianca Ranomeda e será semanal.
Na plateia estarão atores, diretores, roteiristas, preparadores de elenco, figurinistas, e estudantes de artes cênicas, comunicação e cinema convidados pelo Globo Universidade.
O primeiro assunto abordado será sobre a novela “Avenida Brasil” e a convidada será a diretora Amora Mautner.
NaTelinha

Crateús vence por 2 a 1 e freia reação do Ferroviário na Série B do Cearense

Crateús

Time do técnico Argeu dos Santos venceu a segunda na competição
FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK

O Ferroviário voltou a perder na Série B do Campeonato Cearense. Neste sábado (11), o time coral recebeu o Cratéus no Estádio Presidente Vargas e acabou derrotado por 2 a 1. O duelo foi válido pela 9ª rodada da competição. O resultado deixou o Cratéus na 7ª posição, agora com 9 pontos. O Ferroviário permaneceu na 5ª colocação com 14 pontos.

A equipe do técnico Argeu dos Santos abriu o placar com Biano. O Ferroviário empatou comFrança. Denis fechou a conta para o Crateús, que chegou a segunda vitória na Série B do Estadual.

10ª Rodada

Os times voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira (15), às 20h15, desta vez, no Estádio Juvenal Melo, em Cratéus.

 

Jogada -Diário do Nordeste – 11/04/2015

Michel Teló substituirá Daniel no The Voice Brasil

A quarta temporada do reality estreia em setembro.

Foto: Divulgação/TV Globo

De acordo com informações do jornalista Daniel Castro, Michel Teló foi o escolhido para ocupar a vaga de Daniel na próxima edição do programa The Voice Brasil. Este é o primeiro nome confirmado de mudanças no júri do reality show musical.

Por contrato com a Talpa, produtora holandesa dona do formato, a Globo terá que renovar metade dos jurados. J.B. Oliveira, o Boninho, o diretor do programa, ainda negocia para trocar só um deles, mas a contragosto pode ter que abrir mão de Claudia Leitte.

A quarta temporada do The Voice Brasil tem estreia prevista para setembro.

O Planeta TV

Falso talk show engana artistas e arranca confissão de Calabresa

Dani Calabresa e Antônio Tabet em gravação do Show do Kibe, talk show que estreia neste domingo
Por DANIEL CASTRO, em 11/04/2015 · Atualizado às 19h55

Estreia deste domingo (12) à meia-noite no canal TBS, o Show do Kibe é um falso talk show. Falso porque engana os entrevistados. Os convidados dão uma primeira entrevista para Antônio Tabet, o Kibe Loco, enquanto “eletricistas” fazem os últimos ajustes, “maquiadores” passam em frente à câmera e um “diretor” dá orientações estranhas, tenta combinar respostas. Em seguida, há uma segunda gravação, mais curta, mas a que vale mesmo é a primeira, toda “tosca”.

Foi assim, fingindo que era só um ensaio, que Tabet conseguiu arrancar de Marco Luque que o show de stand up de Rafael Cortez é um lixo. Já Dani Calabresa, ainda na bancada do CQC na época da gravação, em outubro passado, afirmou que tinha “errado no jogo da vida” ao ter escolhido ir para a Band, no final de 2012, e não para a Globo _dois meses depois, ela deu uma “cartada certa” e entrou para o elenco do novo Zorra.

“Se fosse um talk show tradicional, eles [os convidados] não falariam o que falaram”, justifica Tabet, integrante do grupo Porta dos Fundos. “Nas gravações, tem gente que é personagem o tempo todo, como a Dani Calabresa, mas o Marcos Mion foi muito diferente quando pensava que a gravação não estava valendo”, diz.

Segundo o apresentador, só humoristas mais próximos dele, como Clarice Falcão e Fábio Porchat, perceberam que era a “falsa” gravação que valia. Todos só foram comunicados do segredo do formato após encerrada a participação, mas ninguém reclamou ou pediu para cortar alguma fala que poderia trazer aborrecimentos. Todos os 13 episódios foram gravados no ano passado. Ou seja, ninguém conhecia previamente a pegadinha do formato.

O próprio Tabet considera o Show do Kibe um falso talk show, um programa que se apropria das entrevistas e até do cenário com vista urbana ao fundo para fazer rir. Todos os convidados são comediantes ou têm um pé no humor _como Miá Mello, Diogo Portugal, o grupo Os Barbixas e, por que não, o locutor Silvio Luiz. “A ideia era fazer um programa que falasse de humor, só com comediantes, e que desconstruísse o formato do talk show tradicional, que fosse todo armado, roteirizado”, conceitua Tabet.

Além do próprio Tabet, que faz algumas perguntas desconcertantes, chama a atenção no programa o ator Daniel Furlan, ex-MTV. Ele interpreta um diretor, que aparece em cena para pedir, por exemplo, que Marco Luque, o convidado da estreia, responda que nasceu em Ivaiporã, no Paraná, e não no Ipiranga, em São Paulo, porque isso já está no texto de apresentação. Furlan tem a função de desconcentrar o entrevistado durante a “falsa” entrevista, a que vale. Para completar o cenário nonsense, um contrarregra oferece água em copo descartável e a banda surge toda fantasiada de animais _e não toca nada.

O Show do Kibe informa e diverte. Pena que o formato dificilmente sobreviva a uma segunda temporada, porque os entrevistados já saberão que a falsa entrevista é a verdadeira.

Em nova série, Globo faz paródia da Record, e Beatriz Segall surpreende

Por RAPHAEL SCIRE, em 11/04/2015 · Atualizado às 00h38

Dar voz e vez a veteranos não é expediente corriqueiro na televisão, e sempre que surge um produto como Os Experientes, que preza por figurões do meio como protagonistas, a iniciativa é louvável. Só que dessa vez a Globo saiu atrasada: em dezembro do ano passado, a Record levou ao ar o especial Manual Prático da Melhor Idade, em que a temática da terceira idade também era central. Em um total de quatro episódios, Os Experientes trata de um tema comum entre todos eles: a velhice. A série da Globo é uma produção da O2 e a direção-geral, de Fernando Meirelles, que assinou a bem recebida Felizes Para Sempre?, no começo do ano.

Os Experientes carrega no drama, mas também traz uma leveza saudosista e um humor irônico em seus diálogos. O primeiro episódio brincou com a dicotomia velho versus novo e contou a história de Yolanda (Beatriz Segall), uma senhora que estava na hora e no lugar errados. Com dificuldades para sacar dinheiro de um caixa eletrônico, ela se vê refém de um roubo malsucedido em um banco. O assaltante, Kleber (João Cortês), envolve-se com o crime meio que por engano: o combinado era que ele plantasse as armas para que os assaltantes pudessem executar a tarefa, mas no fim ele acaba sendo o bandido principal da história.

Alvejado pelo segurança bancário, Kleber passa então a fazer exigências para a polícia. Quase sem ar, ele pede por um médico, e imediatamente Yolanda identifica-se como tal. É nesse instante que a história tem uma virada interessante, e a protagonista mostra que de indefesa não tinha nada. Na juventude, combateu a ditadura e sabe manter a calma muito melhor do que o assaltante. Em questão de segundos, o destino do bandido está nas mãos da vítima.

Houve espaço também para parodiar os programas policiais de fim de tarde na televisão aberta _com um apresentador cujos trejeitos lembraram Marcelo Rezende, do Cidade Alerta (Record). Os Experientes quebrou, ainda, uma regra de anos do jornalismo da Globo: a de não pronunciar a sigla PCC, a facção criminosa que domina os presídios paulistas.

Cortês poderia ser a grande armadilha da história, afinal, protagonizar 30 minutos de um episódio não é a mesma coisa que protagonizar 30 segundos de um comercial, e o ator/garoto propaganda não fez feio. Mas quem brilhou mesmo foi Beatriz Segall, cujo semblante no imaginário popular está diretamente ligado à força da vilã Odete Roitmann, de Vale Tudo (1988).

A atriz surgiu em cena algo que fragilizada, completamente indefensa, amparada em uma bengala, mas a reviravolta da personagem surpreendeu o espectador e revelou toda sua versatilidade. A cena final, em que ela caminha quase invisível diante da multidão e, sozinha, cai aos prantos, foi a melhor do episódio.

Fluída e rápida, a série, em seu primeiro episódio, mostrou uma bem acabada fotografia. Os Experientes fugiu, ainda, da lamentação e da vitimização dos idosos. Cumpriu com o papel de emocionar, mas ganhou um horário de exibição ingrato: o final das noites de sexta-feira. Pela qualidade do produto, poderia ter um espaço tão nobre na grade da emissora quanto os protagonistas das histórias.