A decisão que pode mudar os rumos do Fortaleza em 2015

Pouco tempo de trabalho, mudança de treinador, reforços ainda sem estrear, jogadores sem condicionamento físico e colocados às pressas em campo, problemas financeiros, brigas com ex-dirigentes, cinco partidas, uma vitória, nenhuma atuação convincente e um inacreditável receio de que pode não se classificar para a 2ª Fase do Estadual.

Esse é o Fortaleza em menos de um mês na atual temporada. Depois da tragédia da eliminação na Série C para o Macaé, em 2014, não se imaginava que o clube poderia ter um início de ano tão desesperador.

Sem ter tempo para o elenco treinar e se condicionar melhor, ou ainda contratar e colocar em campo jogadores de qualidade para acabar com a crise, já no domingo, a diretoria do Fortaleza precisa tomar uma decisão.

Independente da solução tomada para escapar dessa crise, o que a atual diretoria resolver será contestada pelos pessimistas e aliviada pelos otimistas. Só que o peso do que os dirigentes decidirem terá um reflexo enorme na quarta-feira, dia 04, no clássico contra o Ceará.

Sem esquecer obviamente do duelo contra o São Benedito, domingo, em Horizonte. Este será como o primeiro jogo de uma final de campeonato. Enquanto a segunda partida a “do título” será diante do maior rival, na próxima semana.

Um triunfo ou empate diante dos alvinegros fará o elenco respirar e mostrar que tem raça e com mais duas ou três peças e um pouco mais de trabalho pode recuperar a confiança dos torcedores e mostrar seu valor.

Por outro lado, um revés será o estopim para mudar treinador, dispensar jogadores e acabar as chances de paz entre clube e torcida. E aí, é que está o grande perigo.

Recomeçar do zero, faltando somente três partidas para o fim da primeira fase do Cearense e ainda em busca da classificação é algo impensável.

Apesar de muitos acreditarem que o estadual não deveria ser prioridade para o Fortaleza e que o foco deveria ser a Série C do Brasileiro, o Tricolor precisa ao menos chegar à decisão do Estadual.

Um lugar na final é garantia de Copa do Nordeste e Copa do Brasil na temporada seguinte. Estar fora dessas competições é uma perda incalculável de receita, prestigio e de visibilidade.

Aí, surgem as perguntas que não querem calar: O que fazer? Espera pelo Clássico-Rei? Espera terminar o jogo contra o São Benedito? Manter o treinador?

Com a palavra, o presidente Jorge Mota.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 29/01/2015

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.