James Akel comenta recuo tucano no pedido de auditoria das eleições 2014

PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira

O estranho recuo tucano em relação à representação do partido no TSE questionando auditoria nas urnas e as declarações de Aécio Neves de que era contra o impeachment de Dilma, tem a ver com a real origem tucana que é socialista.

O comando do PSDB está decepcionando a parcela da população que acreditava ser este um partido diferente do PT.

Mas os fatos atuais estão mostrando que Aécio e seu grupo, incluindo socialistas históricos tipo FHC e Alberto Goldmann, não tem nenhum interesse de verdade de representar o povo que não quer o PT.

Estariam apenas fazendo teatro da política e esta foi a razão pela qual Aécio tirou o pé do acelerador nos debates e jamais questionou o dinheiro mandado para Cuba ou os acordos feitos pelo governo da Venezuela direto com o MST, sem passar pelo governo.

Infelizmente falta um partido de centro de verdade e o PSDB não tem nada a ver com este tipo de partido e por isto durante tantos anos jamais foi oposição verdadeira a Lula e quando apareceu o mensalão acabou recuando e nem pediu o impeachment de Lula e sua turma.

O fundamento real do recuo do PSDB foi ver toda uma classe média na rua bradando por liberdade e regime capitalista igual aconteceu em 1964 contra os comunistas.

Nem os tucanos imaginavam isto de verdade.

E o medo de que a parte ativa das forças armadas usasse este movimento para tomar o poder apavorou os tucanos e fez com que dessem declarações a favor de Dilma.

Os tucanos apenas mostraram a origem de verdade.

A diferença entre os tucanos e os petistas é que os petistas foram espertos em aproveitar o bolsa família para garantir eleição sempre.

Esta é a triste realidade do Brasil de hoje que so tem partido socialista ou comunista.

Não existe mais partido de centro ou o que quer que seja.

Depois das declarações de Aécio dizendo que é contra o impeachment de Dilma e de Alebrto Goldmann dizendo que as urnas são perfeitas, apenas nos resta cumprimentar Dilma e desejar boa sorte em seu governo.

Quanto às denúncias do Petrolão devem ser mentiras que a revista Veja inventou.

 

 

 

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 03h26 no dia 05/11/2014
<!–[ ] –>
         

James Akel comenta que Nícolas Maduro está mandando no MST

O acordo assinado entre o chefe da milícia venezuelana e o chefe do MST faz com que o presidente da Venezuela passe a mandar na guerrilha rural brasileira.

Nenhum grande jornal faz reportagem sobre isto.

Nenhuma emissora de tv fez reportagem sobre isto.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h27 no dia 05/11/2014

James Akel comenta postura da mídia brasileira em dois casos recenetes

b5c04-su25c325a1sticaefoiceeomartelo

Quando na Avenida Paulista um manifestante isolado mostrou um cartaz pedindo o regime militar, toda mídia bateu bumbo dizendo que o movimento todo queria o regime militar.

Agora o presidente da Venezuela fala publicamente que o Brasil está no caminho da Revolução Venezuelana, a mídia se cala.

Ato bem interessante

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h30 no dia 05/11/2014

James Akel comenta radicalismo do PT contra a mídia livre

É esse tipo de telejornal que o PT quer no Brasil

Decisões tomadas em executiva do PT assustam quem não quer ditadura.

Os petistas querem que Dilma se posicione de maneira radical contra a mídia oposicionista tentando calar as canetas.

Outra coisa assustadora é acabar com a Lei da Anistia e prender militares, o que vai causar revolta em quartéis.

Pior ainda é a desmilitarização das polícias estaduais.

Isto é a verdadeira ditadura.

Acabar com a militarização da polícia faz com que a presidente mande e desmande no Brasil e que os estados fiquem à mercê dos petistas.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h35 no dia

James Akel comenta auditoria que fez o presidente da Transpetro ser afastado

 

Foi necessário uma empresa de auditoria de fora do Brasil para que o presidente da Transpetro fosse afastado.

A empresa de auditoria se recusou a assinar os laudos necessários para que a Petrobras continuasse na Bolsa fora do Brasil.

Isto deveria ter sido feito faz tempo.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h40 no dia 05/11/2014

James Akel comenta medo de Dilma Rousseff para o segundo mandato

Dilma Rousseff e o PT tentam sovietizar o Brasil de todas as maneiras . Temos que evitar isso a qualquer custo

Muito mais efetivo que um possível golpe militar contra o governo do PT é o futuro presidente da Câmara dos Deputados.

Este sim pode tirar o poder de Dilma e colocar nas mãos de Michel Temer.

O futuro é agora.

O cargo de Dilma está em jogo de verdade

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h45 no dia 05/11/2014

Perdas no setor elétrico chegam a R$ 105 bilhões

 

 

Cálculos feitos pelos especialistas Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) e Mário Veiga, da consultoria PSR, revelam, segundo reportagem publicada nesta terça-feira (4), no jornal Folha de S.Paulo, que “desde que o governo federal publicou a medida provisória 579, a fim de reduzir os preços da energia, foram perdidos R$ 105 bilhões.”
Conforme a matéria, “o valor é equivalente a um ano de receitas das distribuidoras de energia.”. E reforça: “A perda bilionária foi causada pelo desequilíbrio entre receitas e despesas das distribuidoras, pela baixa geração de energia por usinas hidrelétricas e pelas indenizações pagas às empresas que aceitaram renovar as concessões de usinas e linhas de transmissão por meio da MP.”

 

Para o deputado federal Cesar Colnago (PSDB-ES), trata-se de uma situação lamentável. “Na verdade, são os grandes equívocos de quem não tem noção do que é o setor energético brasileiro”, pondera.

Setor, que, na sua opinião, precisa de investimentos permanentes e que hoje encontra-se fragilizado e deficitário.

“Uma gestão temerosa por parte do governo federal. Isso foi alertado pelo PSDB no sentido de que não seria bom para as empresas. Medidas que do ponto de vista da eficiência não levariam ao fortalecimento do setor”, reitera.

Colnago reforça ainda que o setor elétrico nacional é um insumo fundamental para o desenvolvimento.

 

Fonte : Site do PSDB