Exodo cubano, una historia que se repite

Una serie de seminarios y exposiciones para conmemorar el éxodo de los balseros de 1994 se celebran en las últimas semanas en la ciudad de Miami, pero la historia de las salidas ilegales de la isla se repite todavía en las notidias del día.

Este sábado, una exposición en el Centro Cultural Español de esta ciudad fue inaugurada. En ella están los trabajos deWilly Castellanos, fotógrafo que captó cómo viviendas en La Habana fueron destrozadas para construir balsas de madera con neumáticos, entre otros elementos. “Vivir en La Habana en ese momento y viendo el éxodo se sentía como la caída del Muro de Berlín. Era el fin de la utopía, el modelo socialista en el que crecimos”, dijo.

Alicia García destacó que nunca olvidará los cinco meses que pasó en 1994 en un improvisado campo de refugiados en la base naval deGuantánamo, en el oriente de Cuba, antesde llegar a Miami. Ella no ha regresado a Cuba para visitar a sus abuelos que la criaron. García y otros balseros sostienen que el éxodo de 1994 no ha sido tomado muy en cuenta por los cubanos llegados a Miami en la década de 1960 o en el éxodo masivo del Mariel.

“Los cubanos que vinieron antes, en 1980, nunca estuvieron de acuerdo con la revolución. Se suponía que íbamos a ser diferentes”, agregó García, nacida en 1974. “Eramos los hijos de la revolución”, señaló.

Ella recuerda su rescate en el mar hace 20 años durante el éxodo masivo de balseros que salieron de Cuba. “No pensamos que lo lograríamos. Oramos y nos pusimos en lasmanos de Dios”, dijo García al contar su terrible experiencia de seis días junto a otras cinco personas, aferradas a una balsa hecha con cámaras de camiones y cuerdas.

Ese verano boreal, entre el 12 de agosto y el 13 de septiembre, unos 31.000 cubanos fueron detenidos en el mar po rlos buques estadounidenses. Fue el mayor éxodo desde el de 1980 a través del puerto del Mariel, en el occidente de Cuba, cuando unos 120.000 cubanos llegaron a las costas de Florida, a borde de naves con cubano-estadounidenses que fueron a buscar a sus familiares a LaHabana.

La historia se repite con nuevas salidas ilegales

Las salidas ilegales por vía marítima desde Cuba están nuevamente en alza y funcionarios estadounidenses sostienen que más de 2.000 inmigrantes han sido recogidos por la Guardia Costera de Estados Unidos en los últimos 12 meses. Esta es la cifra más alta de los últimos seis años.

Las salidas ilegales por vía marítima desde Cuba están nuevamente en alza y funcionarios estadounidenses sostienen que más de 2.000 inmigrantes han sido recogidos por la Guardia Costera de Estados Unidos en los últimos 12 meses.

Muchos más están pasando sin que nadie lo advierta, partiendo desde la parte occidental de la isla a bordo de endebles embarcaciones de fabricación casera, en una arriesgadaapuesta para cruzar el Caribe hacia Honduras, con la esperanza de finalmente cruzar la frontera entreMéxico y Estados Unidos.

A fines de agosto, 17 cubanos fueron rescatados por la Armada de México tras casi un mes en el mar y 20 días sin comer. Los detalles no están del todo claros, pero más de una decena de personas pueden haber fallecido por deshidratación, con los sobrevivientes viéndose obligados a lanzar los cuerpos al mar.

La ciudad de Manzanillo, en el este de Cuba y donde residían la mayoría de las víctimas, llevó a cabo una misa en una iglesia católica el viernes por la noche. “Mi esposa, ella no se atreve a decirme lo que realmenteocurrió. Es demasiado terrible”, dijo José Caballero, esposo de una de las sobrevivientes que viajó en diciembre desde Cuba siguiendo una ruta similar y actualmente vive en Texas.

Según las últimas cifras de Estados Unidos, más de 14.000 cubanos han cruzado la frontera suroeste de Estados Unidos ilegalmente desde el 1 de octubre, casi el triple respecto al número registrado hace cuatro años.

Las reformas diseñadas para abrir la economía controlada por el Estado y la creación de puestos de trabajo en el sector privado no han logrado mejorar las condiciones de vida para la mayoría de los cubanos que siguen en la isla.
“Salimos de Cuba porque no hay trabajo o los elementos básicos para vivir”, dijo Ángel, un ex capitán de un barco de pesca que llegó la semana pasada a Honduras en una embarcación rústica junto a otras 11 personas, luego de una travesía de dos semanas a través de las Islas Caimán.

El bote fue construido clandestinamente e incluyó partes de un motor de automóvil, una hélice y láminas de aluminio selladas con resina, explicó Ángel. “No era muy diferente en 1994”, recordó García, excepto por el hecho de que aquella vez Cuba levantó las restricciones y dio luz verde a las personas que quisieran saltar al mar en balsas.

 

Fuente : Martí Notícias.com

Tony Abbott’s attention may be a little divided during his week in Arnhem Land

September 15, 2014 – 12:36AM

Michael Gordon

Political editor, The Age

Tony Abbott during a welcome to country ceremony in Yirrkala, Arnhem Land.

Tony Abbott during a welcome to country ceremony in Yirrkala, Arnhem Land. Photo: Alex Ellinghausen

Even before Tony Abbott announced that about 600 air and military personnel would prepare to join the fight against “the death cult that exalts in evil”, this was going to be a week like no other for national governance.

In promising to run the country from a remote indigenous community for a full week, Mr Abbott was committing himself to do what no prime minister before him had attempted.

Well before the nation’s terrorist threat level was increased from medium to high, arrangements were made for the seat of government to move temporarily from Canberra to Gulkula, a ceremonial place to the Yolngu people and the site of the annual Garma festival.

An army tent was erected to accommodate the Prime Minister, and the Gulkula Knowledge Centre was converted to an administrative hub, where the nation’s top public servant, Ian Watt, and many others will be based.

Now, the unprecedented has become the unimaginable: a prime minister making decisions on when deployment turns into military engagement and reacting to an unfolding international crisis in a surreal setting.

Mr Abbott made it plain on Sunday that his being in north-east Arnhem Land would not prevent him picking up the phone to Barack Obama and other world leaders as required.

“It is my intention to be in Arnhem Land for the week that I promised,” he said in Darwin, en route to Nhulunbuy, at the northern tip of Arnhem Land. “But I will be in regular contact with Canberra. There are secure communications available to me in Arnhem Land that are, in fact, being provided by the Australian Defence Force.”

Mr Abbott received a warm welcome to country on Sunday evening from the Yolngu people and one of the country’s pre-eminent indigenous leaders, Galarrwuy Yunupingu, who has done as much as anyone to put the issue of constitutional recognition on the agenda.

Discussions on that subject began over dinner with a group representing the 13 clans of the Yolngu people at the knowledge centre, catered for by the army. They will continue on Wednesday when Noel Pearson and the PM’s entire indigenous advisory council, chaired by Warren Mundine, fly in.

Sources predict that a broad agreement of the scope of the recognition question and the timing of a referendum could emerge from the meeting.

Mr Abbott made a habit of volunteering in indigenous communities each year well before he became opposition leader, and once was confronted by an angry girl with a knife when he arrived late one morning at her home as a volunteer truancy officer in Aurukun on Cape York.

That was in 2009, and Mr Abbott has witnessed the steady improvement in Cape York communities as they embraced the Pearson model of reform, responsibility and engagement.

On Wednesday, he will join school attendance officers as they do their morning rounds at Nhulunbuy.

Before the decision to deploy to Iraq was made, a full itinerary was designed to immerse Mr Abbott in indigenous issues and the way in which the Yolngu have tackled them. But the promise of his “undivided attention for seven days” has been tempered by the reality of war.

It was Pearson who once joked that Gulkula was the indigenous equivalent of Camp David, the place that allows the American president to reflect on war and engage foreign leaders.

But even Pearson, so long described by Mr Abbott as a prophet and a visionary, could not have imagined what beckons this week.

Source : The Sydney Morning Herald

Classificação da Serie B do Campeonato Brasileiro após a vigésima primeira rodada

Monk

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Santa Catarina Avaí 41 22 12 5 5 31 17 +14 62 Aumento1 Zona de promoção à Série A de 2015
2 Santa Catarina Joinville 40 22 12 4 6 31 22 +9 60 Baixa1
3 Rio de Janeiro Vasco da Gama 39 22 10 9 3 31 20 +11 59 Aumento1
4 Ceará Ceará 38 22 11 5 6 40 33 +7 57 Baixa1
5 São Paulo Ponte Preta 37 22 10 7 5 30 24 +6 56 Estável
6 Minas Gerais Boa Esporte 34 22 10 4 8 31 26 +5 51 Aumento2
7 Pernambuco Náutico 34 22 10 4 8 25 26 –1 51 Aumento3
8 Minas Gerais América Mineiro 33 22 10 3 9 31 27 +4 50 Baixa2
9 Maranhão Sampaio Corrêa 33 22 8 9 5 32 23 +9 50 Baixa2
10 Mato Grosso Luverdense 31 22 9 4 9 27 27 0 47 Baixa1
11 Pernambuco Santa Cruz 30 21 7 9 5 27 22 +5 47 Estável
12 Paraná Paraná 29 22 8 5 9 26 27 –1 44 Aumento2
13 Rio Grande do Norte ABC 29 22 8 5 9 19 20 –1 44 Baixa1
14 Goiás Atlético Goianiense 29 22 8 5 9 32 34 –2 44 Baixa1
15 São Paulo Oeste 26 22 6 8 8 23 31 –8 39 Estável
16 Rio Grande do Norte América de Natal 25 22 7 4 11 27 30 –3 38 Estável
17 São Paulo Bragantino 23 21 6 5 10 23 31 –8 36 Estável Zona de rebaixamento à Série C de 2015
18 Ceará Icasa 20 22 5 5 12 17 27 –10 30 Estável
19 São Paulo Portuguesa 17 22 3 8 11 20 35 –15 26 Estável
20 Goiás Vila Nova 14 22 4 2 16 15 36 –21 21 Estável

Avaí 2 x 1 Vila Nova

 2 x 1

22ª RODADA
AVAÍ TOMA SUSTO, MAS VENCE VILA NOVA E ASSUME A LIDERANÇA DA SÉRIE B
Leão da Ilha tem dificuldades contra o lanterna da competição, mas usa bola aérea para quebrar sina em casa e garantir a ponta da tabela
A ponta da tabela da Série B ainda é catarinense, mas agora pertence a outro dono. Saiu o Joinville, entrou o Avaí. Neste sábado, o Leão acabou com a sina de não vencer em casa e bateu o lanterna Vila Nova por 2 a 1 – Marquinhos e Diego Felipe fizeram para os catarinenses, enquanto Jheimy marcou para os goianos, que, apesar do abismo na classificação, impuseram dificuldade.

Apoiado pela torcida, o Avaí conseguiu superar o nervosismo e vencer na Ressacada após duas rodadas e muita cobrança. Para conseguir o feito, contou com Diego Felipe, artilheiro do Leão na Série B com nove gols – sete deles marcados de cabeça, como nesta noite. Aos goianos, resta a esperança de repetir o futebol para lutar contra o rebaixamento, mas com melhor sorte nas finalizações.

O Avaí volta a campo na terça-feira para defender a ponta da tabela. Novamente na Ressacada, recebe o Sampaio Corrêa, às 19h30. No mesmo dia, às 21h50, o Vila Nova, ainda lanterna, encara o Icasa, em Juazeiro do Norte.

Bocão Avaí (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
Com a vitória, Avaí assumiu a liderança da segundona (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)

Um integrante do G-4 em casa contra o lanterna. Na teoria, ataque contra defesa. No primeiro tempo de Avaí e Vila Nova, no entanto, a situação foi diferente. Sem nada a perder, os goianos jogaram com a defesa alta, posse da bola, e levaram perigo para os catarinenses. O espaço foi dado para o Leão, que chegou nos contra-ataques e nas bolas paradas, grande arma da equipe, mas mostrou ansiedade. Na Ressacada, o time de Geninho apresenta muita dificuldade de jogar.

O nervosismo em casa durou sete minutos no segundo tempo. Empolgado pela torcida, o Avaí voltou disposto a quebrar a sina para assumir a liderança pela primeira vez na Série B. Contou com Marquinhos, que aproveitou cruzamento para abrir o placar. O gol deu sinais de que o jogo ficaria mais tranquilo, mas o time catarinense parece gostar de emoções. Em cruzamento, Jheimy empatou e comemorou por três minutos. Para vencer, o Leão usou sua arma fatal: a bola aérea. Marquinhos cobrou escanteio, e Diego Felipe marcou para dar um gosto inédito neste ano para a maioria dos 7.057 presentes na Ressacada.

Diego Felipe Avaí x Vila Nova (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
Triunfo teve estreia de camisa comemorativa (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
GLOBO ESPORTE.COM

Portuguesa 1 x 3 Boa Esporte

 1 x 3 
22ª RODADA
NO CANINDÉ, BRAGANTINO SURPREENDE, VENCE E AUMENTA DESESPERO DA LUSA
Time de Bragança faz dois gols nos minutos iniciais e um terceiro já no fim, ganha, mas segue na zona do rebaixamento; Portuguesa agoniza em 19º

Os maus resultados e o lugar praticamente cativo na zona de rebaixamento já fizeram a diretoria da Portuguesa demitir três técnicos nesta Série B. A equipe começou com Argel Fucks no banco, teve Marcelo Veiga e depois Silas – o último a cair, na quinta-feira. Mudar de treinador não parece ser a solução: neste sábado, no Canindé, com o interino José Augusto no comando, a Lusa perdeu outra vez, agora para o Bragantino, por 3 a 1, pela 22ª rodada.

Em duelo de desesperados – o Bragantino está desde a 11ª rodada na zona da degola, e a Lusa só esteve fora dela em duas jornadas –, os visitantes se mostram mais perto de sair do sufoco. Com a vitória, o time de Bragança foi aos 23 pontos e se manteve na 17ª posição, mas está só dois atrás do América-RN, o 16º. A Lusa estacionou nos 17, na vice-lanterna.

O Bragantino fez 2 a 0 com menos de dez minutos de jogo, o que enterrou a pouca tranquilidade que existia pelos lados da Portuguesa, que até conseguiu marcar o seu, no começo da etapa final, quando partiu com tudo para cima do rival. Mas o Braga aproveitou um contra-ataque para anotar o terceiro e matar o jogo.

Na próxima rodada do Brasileiro, a Portuguesa volta a atuar no Canindé, na terça-feira, às 19h30, contra o Boa Esporte. O Bragantino, no mesmo dia e horário, desafia o América-MG no estádio Independência, em Belo Horizonte.

portuguesa x bragantino (Foto: Fábio Moras/Agência Estado)
Bragantino vence a Portuguesa no Canindé (Foto: Fábio Moras/Agência Estado)

 

O jogo

Bastaram dez minutos para que o Bragantino anotasse dois gols, ambos com a colaboração do sistema defensivo da Lusa. Logo aos 4, Robertinho aproveitou uma falha de Jean Mota e abriu o placar. Pouco depois, aos 9 minutos, Tobi viu Jocinei escorregar dentro da pequena área e deixar a bola no jeito para fazer 2 a 0.

Atordoada, a equipe da casa teve dificuldades de se reencontrar em campo. Seus avanços, quando não eram interrompidos pela zaga rival, terminavam em más conclusões. Aos visitantes, bastou trocar passes no meio-campo e pouco se arriscar para manter a vantagem até o intervalo.

Os primeiros momentos do segundo tempo indicavam uma nova postura da Portuguesa. Com Caio no lugar de Serginho, a equipe partiu para cima e, com seis minutos, conseguiu diminuir o prejuízo, num belo gol de Gabriel Xavier. Sobrou ânimo, mas faltou qualidade para os anfitriões conseguirem o empate. A Lusa apertou, mas o Bragantino se aproveitou de mais uma falha da defesa rival para marcar o terceiro em um contra-ataque fechar a contagem.

 

GLOBO ESPORTE.COM

América Mineiro 0 x 2 Boa Esporte

 0 x 2 

22ª RODADA
BOA ESPORTE VENCE O AMÉRICA-MG E ULTRAPASSA O ADVERSÁRIO NA TABELA DA B
Time de Varginha faz 2 a 0 no Independência e sobe na classificação. Coelho, que era imbatível no estádio, emplaca segunda derrota seguida
Elevador para um, ladeira para o outro. No duelo mineiro pela 22ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o Boa Esporte confirmou o bom momento que vive na competição pós-Copa do Mundo e venceu o América-MG por 2 a 0, no Independência, em Belo Horizonte. Tomas, no início do primeiro tempo, e Fernando Karanga, já nos acréscimos da segunda etapa, fizeram os gols do jogo. A derrota custou o emprego do técnico americano, Moacir Júnior.

Com o triunfo, o Boa chegou aos 34 pontos e tomou a sexta posição do Coelho, que caiu para oitavo e amarga uma série negativa de quatro jogos sem vencer – um empate e três derrotas. Além do momento ruim no campeonato, a situação do time americano pode piorar nesta segunda-feira, quando o clube será julgado no STJD pela escalação irregular do lateral Eduardo e pode perder 21 pontos.

Os dois times voltam a campo na rodada da próxima terça-feira. O América-MG volta a jogar em casa e recebe o Bragantino, às 19h30 (de Brasília). Já o Boa Esporte vai até o Canindé para encarar a Portuguesa.

Com o pensamento de se aproximar do G-4, os dois times começaram a partida buscando o gol, principalmente com os homens mais avançados, Júnior Negão pelo América-MG e Fernando Karanga do lado do Boa. No entanto, quem balançou as redes foi o meia Tomas, que aproveitou sobra de bola da zaga americana para abrir o placar para o time de Varginha, aos 21 minutos.

O placar adverso, princípio de vaia vindo das cadeiras do Independência e a sequência ruim deixou os jogadores do América-MG nervosos em campo. Com mais passes errados e faltas, o Coelho só chegou com perigo aos 39 minutos, quando Renan Oliveira obrigou João Carlos a fazer boa intervenção em chute rasteiro. Já nos acréscimos, Mancini cobrou falta e a bola bateu caprichosamente na trave.

Lance de América-MG x Boa Esporte (Foto: Divulgação / América FC)
Coelho e Boa Esporte fizeram um jogo muito disputado no Independência (Foto: Divulgação/América FC)

 
Boa se segura e liquida no fim

O nervosismo do América-MG seguiu no segundo tempo. Sem muita inspiração, as chances criadas pelos donos da casa foram apenas na base da vontade. Do outro lado, o Boa esperava a bola certa para encaixar contragolpe e matar o jogo. Clebson e Uallison Pikachu quase fizeram outro gol, mas a primeira tentativa parou em Fernando Leal e a segunda, na trave.

Já bastante vaiado pela torcida, o técnico Moacir Júnior colocou o Coelho para frente, e o time passou a pressionar mais o adversário. Criou muitas chances, mas sem sucesso nas finalizações. Quando tudo parecia definido, Fernando Karanga aproveitou contragolpe rápido e fechou a conta para o Boa Esporte no Independência: 2 a 0.

 

GLOBO ESPORTE.COM