Capri by Fraser Brisbane hotel set to open next year

Frasers Hospitality it set to add Brisbane to its map with the opening of the Capri by Fraser Brisbane next year.

Construction is already underway to convert an office tower into the new apartment hotel – the first Capri by Fraser in Australia, and the fourth Frasers location in Australia following Sydney, Melbourne and Perth.

Styled to offer a modern, hotel-type environment but with the comforts of a home or apartment, the 239-room Albert Street property sits in the CBD and is just a short walk from the Riverside Centre: Brisbane’s financial hub.

Packed with an indoor swimming pool and gymnasium, there’s also a 24-hour laundrette for added convenience.

Hungry travellers will be greeted by a street-level restaurant and café featuring Australian produce and a Club Lounge for breakfast, afternoon tea, evening drinks and canapés.

Meeting room facilities are also slated for the property, along with ‘Spin’ and ‘Play’ rooms with interactive games.

With a modern-day flair, Capri comes with bright, vibrant and airy Interiors, common social spaces and contemporary art installations.

Already on the Australia map for the chain is the Fraser Place Melbourne, the award-winning Fraser Suites Sydney in the heart of the CBD andFraser Suites Perth.

 

Source : Austraçian Business Traveller

Sydney Airport warns of traffic congestion as roadworks begin

Sydney Airport warns of traffic congestion as roadworks begin

Travellers are warned to give themselves extra time when driving toSydney Airport from this week as work begins on upgrading the road network at the T1 International terminal.

Some parts of T1’s outdoor car park will be temporarily fenced off during construction, although the airport says that additional spaces will be made available in the multi-storey car park.

From July 28th the car park entrance on Cooks River Drive will be permanently closed.

By year’s end the terminal will boast a new centre road to provide better traffic circulation through the T1 precinct, with the car park’s entry and exit gates relocated “to provide faster entry and exits” according to Sydney Airport.

There will also be “a larger, purpose-built pick-up area to make pick-ups and drop-offs easier and quicker.”

It’s all a matter of pain before gain says Craig Norton, Sydney Airport’s General Manager Parking and Ground Transport.

“Sydney Airport is investing in these works at the International terminal to significantly improve the journey to and from the airport for passengers and visitors alike.”

“While we are undertaking these upgrades, we do anticipate some traffic delays, particularly in traditionally busy periods such as school holidays and weekends.”

Norton suggests that travellers check the Sydney Airport website and@SydneyAirport Twitter channel for any daily updates on the T1 roadworks before heading to the airport.

Motorists approaching T1 are advised to watch for signs indicating changed traffic conditions, while additional airport ground staff will be on hand to direct motorists around the affected roads and parking areas.

The work at T1 is part of a five-year, $300 million program which also includes a revamp of ground transportation for the T2/T3 Domestic terminal precinct.

This will include widening Joyce Drive and General Holmes Drive (between O’Riordan Street and Mill Pond Road) to three lanes in each direction, and replacing the level railway crossing for the Port Botany freight line at General Holmes Drive with a road underpass linking General Holmes Drive, Botany Road and Wentworth Avenue.

 

Source : Ausstralian Business Traveller

Qantas considers domestic-international split

Qantas considers domestic-international split

IN BRIEF | Qantas is reportedly considering a formal split of its domestic and international arms with the aim of attracting more foreign investment under changes to the Qantas Sale Act.

Ironically, the move could see the Flying Kangaroo adopt an identical structure to challenger Virgin Australia and allow overseas investment in Qantas Domestic.

Foreign airlines can in theory now hold as much as 49% of Qantas, up from a previous 25% cap for any single overseas investor

Qantas already runs its domestic and international arms as two distinct business units, each with its own CEO heading up operational and commercial functions, following a restructure in May 2012.

 

Source : Australian Business Traveller

Para voltar à Seleção, Dunga teria pedido fim de privilégios à Globo

 

 

O técnico Dunga foi apresentado na manhã desta terça-feira (22) como o novo comandante da Seleção Brasileira, após o fiasco na Copa do Mundo onde o Brasil foi eliminado pela Alemanha na semifinal, perdendo de 7 a 1.

Segundo o jornalista Ricardo Perrone, para voltar a treinar a Seleção (ele foi técnico entre 2006 e 2010), Dunga fez alguns pedidos, que podem ser considerados como exigências.

Ele pediu o fim dos privilégios para alguns membros da imprensa, principalmente a Rede Globo. Para Dunga, ninguém pode falar apenas com um canal, e sim com todos, de preferência em entrevistas coletivas. Na Copa de 2010, a Globo teve vários problemas com o técnico, por causa dos privilégios que era acostumada a ter. O mais emblemático episódio foi quando, em uma entrevista coletiva, Dunga xingou Alex Escobar. O fato fez o “Fantástico” escrever um editorial, rebatendo a grosseria dele nas coletivas. Pouco depois, o técnico pediu desculpas e reconheceu o erro.

Depois que saiu da Seleção, Dunga comandou apenas o Internacional de Porto Alegre, em 2013. Na equipe, venceu o Campeonato Gaúcho mas foi demitido durante o Campeonato Brasileiro. Ele foi criticado por fazer um time de qualidade não jogar bem.

Em tempo

Na coletiva desta terça, como já era esperado, Dunga falou sobre sua relação com a imprensa.

“Sei que eu tenho de melhorar no contato com as pessoas, com os jornalistas. Talvez na primeira passagem pela seleção, por ser oriundo do futebol e por não ter tido experiência anterior como treinador, tenha focado demais dentro de campo. Sobre os resultados dentro de campo eu não preciso falar muito, mas preciso aprimorar meu relacionamento com a imprensa, o que é normal. Essa é a minha mea culpa”, disse ele.

 

Na Telinha

James Akel comenta erro da TV Globo no lançamento da novela Império

 

 

 

e6d71-rede-globo

Eu poderia escrever aqui uma coleção de palavras pra preencher espaço sobre o baixo ibope do lançamento da novela das oito ontem na TV Globo, mas nem precisa nada.

Vamos direto ao objetivo.

O péssimo ibope da novela nada tem a ver com seu conteúdo.

Tem a ver com o calendário apenas.

Lançar uma novela na última semana de julho é um atrevimento que apenas os desconhecedores do ramo poderiam fazer.

O ibope que as agências de propaganda reconhecem é o ibope da cidade de São Paulo e algumas cidades ao lado chamadas de Grande São Paulo.

É neste local que o Ibope faz sua pesquisa sobre tv por ser considerada a maior região consumista do país e por isto é o ibope de básico pras agências.

Nesta última semana de julho minha cidade está vazia.

Se nem tem gente no trânsito também não vai ter gente suficiente pra assistir novela.

Um erro destes não acontecia quando Boni comandava a emissora.

Não existe mais nenhum remanescente da era Boni ali dentro da TV Globo, ou porque já morreram ou porque foram desprezados por Roberto Irineu, presidente e filho do fundador, que de tv conhece apenas nada.

Alguns leitores vão de criticar e dizer que Roberto Irineu é o presidente da TV Globo e portanto deve conhecer de tv.

E eu contradigo ao mostrar fatos que já mostrei outrora e que levaria páginas pra mostrar.

Mostro apenas o fato de que Roberto Irineu demitiu Boni no melhor momento da TV Globo, tanto de público quanto de dinheiro e a partir daquele momento jamais a TV Globo foi o que foi.

Os ódios pessoais são bem maiores que o raciocínio das pessoas.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h26 no dia 22.07.2014

James Akel comenta caso da TV Monte Carlo que deu um enorme prejuízo para Roberto Marinho

798ca-nota-de-100-silas-malafaia

Muitos anos atrás, quando Roberto Marinho ainda era vivo e Boni comandava a TV Globo, o filho mais velho de Roberto Marinho, Roberto Irineu, talvez ansioso por não poder mexer em nada na TV porque Boni tinha comando de verdade, decidiu partir pra uma empreitada pessoal.

Mas não tinha capital pra tanto e precisava de dinheiro do pai.

Roberto Irineu queria ter uma tv dele, pra ele comandar, e escolheu fazer isto na Europa, comprando a TV Monte Carlo.

O resultado da empreitada foi o maior insucesso da história do grupo.

Durante um jantar de aniversário, Roberto Marinho, numa mesa com Antonio Carlos Magalhães, Arnaldo Niskier e um ex político carioca, contava aos amigos a sua tristeza ao ter que desembolsar 150 milhões de dólares na época pra cobrir a empreitada do filho.

Vale aqui contar que na época, com muito menos dinheiro, Roberto Marinho poderia ter se associado à CNN que estava em busca de um sócio.

Mas na CNN o filho não poderia mandar.

Outro detalhe que houve foi o fato que numa reunião entre Roberto Marinho, seu filho Roberto Irineu e Boni, o Boni ter sido contra o investimento.

Talvez, e eu digo talvez porque não estou na cabeça do Roberto Irineu, ali possa ter gerado um ódio sem par de Roberto Irineu contra Boni porque o evento da compra não foi sucesso.

Dali pra frente, quando Roberto Irineu teve que passar pra frente a tv e voltar a ser apenas um herdeiro, Roberto não teria suportado a comparação que seu pai sempre faria do insucesso da TV Monte Carlo com o sucesso da TV Globo gerenciada por Boni e sua equipe.

Hoje a TV Globo tem lucro, bastante até, mas por pura inabilidade dos concorrentes.

Em tempo algum foi tão fácil mudar o cenário e tirar a liderança da TV Globo.

Mas nenhuma das outras emissoras tem equipe que possa realizar tal façanha.

E isto nada tem a ver com os diretores de programas.

Tem tudo a ver com os donos das outras emissoras.

Na TV Record o Bispo Edir Macedo tinha bons executivos que comandavam a programação e conteúdo da emissora, até que achou que estava tudo bem e poderia continuar assim no comando de um Bispo.

E a partir daí, sempre com um Bispo no comando, antes Honorilton Gonçalves e agora Marcelo Silva, a TV Record perdeu ibope e só não deixou de ser vice líder porque a administração do SBT, sob comando exclusivo de Silvio Santos, embora ele desminta isto, consegue ser pior que a administração da TV Record.

Na TV Record só vai ao ar o que os Bispos Edir Macedo e Marcelo Silva permitem.

No SBT só vai ao ar o que Silvio Santos deixa.

Coincidência ou não, as duas emissoras só deixaram de ser concorrentes da TV Globo quando os executivos comandantes passaram a ser os donos.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h27 no dia 22.07.2014