Números do TV TOTAL nos últimos 7 dias

País Visualizações
Sinal BrazilBrazil 5.041
Sinal Estados UnidosEstados Unidos 547
Sinal PortugalPortugal 86
Sinal EspanhaEspanha 25
Sinal AustráliaAustrália 14
Sinal GermanyGermany 13
Sinal FranceFrance 10
Sinal United KingdomUnited Kingdom 8
Sinal ItalyItaly 7
Sinal MéxicoMéxico 6
Sinal MoçambiqueMoçambique 6
Sinal ArgentinaArgentina 6
Sinal BélgicaBélgica 5
Sinal SuíçaSuíça 5
Sinal ParaguayParaguay 5
Sinal ColombiaColombia 4
Sinal Korea, Republic ofRepública da Coreia 4
Sinal JapanJapan 3
Sinal IndiaIndia 3
Sinal EcuadorEcuador 2
Sinal JerseyJersey 2
Sinal EgitoEgito 2
Sinal TurkeyTurkey 2
Sinal New ZealandNew Zealand 2
Sinal IsraelIsrael 2
Sinal Russian FederationRussian Federation 2
Sinal Saint Vincent and the GrenadinesSaint Vincent and the Grenadines 1
Sinal SingapuraSingapura 1
Sinal CanadáCanadá 1
Sinal PakistanPakistan 1
Sinal Cabo VerdeCabo Verde 1
Sinal AngolaAngola 1
Sinal PeruPeru 1
Sinal VenezuelaVenezuela 1
Sinal Arábia SauditaArábia Saudita 1
Sinal United Arab EmiratesUnited Arab Emirates 1
Sinal PolandPoland 1
Sinal GuatemalaGuatemala 1
Sinal IrelandIreland 1
Sinal FijiFiji 1
Sinal SwedenSweden 1
Sinal MalásiaMalásia 1
Sinal HolandaHolanda 1

Plínio Arruda desencarnou

O ex-deputado foi candidato a presidente da República em 2010, pelo PSOL .

plinio

Em 2010, aos 80 anos, lançou-se em uma espécie de anticandidatura à Presidência pelo PSOL. Com tiradas bem-humoradas, virou atração dos debates presidenciais
FOTO: REUTERS
Morreu nesta terça-feira (8), em São Paulo, o ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio, 83. Ele foi candidato a presidente da Repúblicaem 2010, pelo PSOL, e ficou em quarto lugar, com 886 mil votos.

Plínio tratava um câncer nos ossos no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. A assessoria de imprensa da instituição confirmou o falecimento, mas ainda não informou as causas. No dia 26 de julho, Plínio completaria 84 anos de idade. Ícone da esquerda católica, Plínio mantinha boas relações com políticos de partidos antagônicos, como PT e PSDB, e era um dos poucos remanescentes da política pré-ditadura militar.

Em 1964, quando o golpe derrubou o presidente João Goulart, era deputado pelo antigo PDC (Partido Democrata Cristão) e relator da Comissão Especial de Reforma Agrária. Teve os direitos políticos cassados pelo AI-1 (Ato Institucional) e foi obrigado a se exilar no Chile. Depois fez mestrado em Cornell, nos EUA. Voltou ao Brasil em 1976.

Em 1981, Plínio se filiou ao PT, do qual passou a ser um dos mais importantes formuladores. Voltou à Câmara em 1985, como suplente de Eduardo Suplicy, e se reelegeu no ano seguinte para a Assembleia Constituinte.
Participou da coordenação da primeira campanha de Lula à Presidência, em 1989. No ano seguinte, disputou o governo de São Paulo pelo PT e ficou em quarto lugar.

Plínio deixou o PT em 2005, desiludido com o escândalo do mensalão. Ajudou a fundar o PSOL e disputou o governo de São Paulo no ano seguinte.

Em 2010, aos 80 anos, lançou-se em uma espécie de anticandidatura à Presidência pelo PSOL. Com tiradas bem-humoradas, virou atração dos debates presidenciais, mas não conseguiu se aproximar de Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) nas pesquisas.

Com a saúde debilitada, ele acompanhou de longe a desistência de Randolfe Rodrigues e a escolha de Luciana Genro como nova candidata do PSOL ao Planalto.

Diário do Nordeste

Números de anteontem do TV TOTAL

London 2012

País Visualizações
Sinal BrazilBrazil 709
Sinal Estados UnidosEstados Unidos 84
Sinal EspanhaEspanha 5
Sinal AustráliaAustrália 4
Sinal ParaguayParaguay 4
Sinal PortugalPortugal 4
Sinal SuíçaSuíça 3
Sinal ColombiaColombia 3
Sinal ArgentinaArgentina 2
Sinal GermanyGermany 2
Sinal New ZealandNew Zealand 1
Sinal Arábia SauditaArábia Saudita 1

Renato Maurício Prado comenta Brasil 1 x 7 Alemanha

Em poucas palavras: nosso time era ruim, sem o Neymar, horroroso! Aos trancos e barrancos, fomos até longe demais. Mas a goleada humilhante diante da Alemanha foi triste. Uma página negra na história da seleção brasileira.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 08.07.2014