Números de ontem do TV TOTAL

Isabel Vilela_Juliana Silveira

País Visualizações
Sinal BrazilBrazil 1.203
Sinal Estados UnidosEstados Unidos 75
Sinal PortugalPortugal 18
Sinal SwitzerlandSwitzerland 11
Sinal AustráliaAustrália 6
Sinal TurkeyTurkey 5
Sinal PolandPoland 3
Sinal United KingdomUnited Kingdom 3
Sinal Korea, Republic ofRepública da Coreia 3
Sinal IrelandIreland 2
Sinal MéxicoMéxico 2
Sinal FranceFrance 2

Beach volleyball facility to cost $1 million

London 2012

An artist's impression of the proposed beach volleyball facility at the Lyneham Sports Precinct.

An artist’s impression of the proposed beach volleyball facility at the Lyneham Sports Precinct. Photo: ACT Government

Get your sheepskin bikini ready, Canberra is about to get a $1 million beach volleyball facility.

The development application for the six-court complex has been lodged and it reveals a new seven-figure cost estimate.

A controversial decision by the ACT government to provide $500,000 toward the new facility over two years was reported in February.

At the time the total cost was estimated at $750,000 with Volleyball ACT chipping in $250,000 of that total.

However the ACT government has already spent a significant amount of money remediating the site. The cost of this preliminary work has been included in the development application.

All associated works such as landscaping have been estimated at $950,000 while public works and off site works come to another $50,000.

Beach volleyball is an unlikely fit for the Territory. Canberra has no beaches and temperatures are chilly for much of the year.

Minister for Sport and Recreation Andrew Barr has admitted beach volleyball wasn’t strongly associated with the capital, but hoped the new facility could help change that.

Volleyball ACT chief executive Andrew Crozier could not be reached for comment before publication.

However Volleyball ACT has more than 3700 registered players and 1200 of them play beach volleyball.

Mr Crozier has previously said the new beach volleyball facility would lead to a doubling of participation numbers in five years.

Volleyball ACT will take out a loan for the majority of its $250,000 contribution toward the project.

Plans are in motion to christen the beach volleyball centre in January or February 2015.

Source : The Canberra Times

Classificação do Campeonato Brasileiro após a segunda rodada

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Rio de Janeiro Fluminense 6 2 2 0 0 4 0 +4 100 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 2015
2 São Paulo São Paulo 4 2 1 1 0 4 1 +3 67 Baixa1
3 São Paulo Corinthians 4 2 1 1 0 2 0 +2 67 Aumento6
4 Paraná Atlético Paranaense 4 2 1 1 0 3 2 +1 67 Aumento1 Primeira fase da Copa Libertadores de 2015
Minas Gerais Cruzeiro 4 2 1 1 0 3 2 +1 67 Baixa1
Rio Grande do Sul Internacional 4 2 1 1 0 3 2 +1 67 Aumento1
Pernambuco Sport 4 2 1 1 0 3 2 +1 67 Aumento3
8 Goiás Goiás 4 2 1 1 0 1 0 +1 67 Aumento1
9 Bahia Bahia 3 2 1 0 1 3 2 +1 50 Aumento6
10 Rio Grande do Sul Grêmio 3 2 1 0 1 2 2 0 50 Aumento7
São Paulo Palmeiras 3 2 1 0 1 2 2 0 50 Baixa7
12 São Paulo Santos 2 2 0 2 0 1 1 0 33 Baixa7
13 Paraná Coritiba 2 2 0 2 0 0 0 0 33 Baixa4
14 Bahia Vitória 1 2 0 1 1 2 3 –1 17 Aumento3
15 Minas Gerais Atlético Mineiro 1 2 0 1 1 1 2 –1 17 Baixa6
Santa Catarina Chapecoense 1 2 0 1 1 1 2 –1 17 Baixa6
17 Rio de Janeiro Flamengo 1 2 0 1 1 0 2 –2 17 Baixa8 Zona de rebaixamento à Série B de 2015
18 Rio de Janeiro Botafogo 1 2 0 1 1 2 5 –3 17 Aumento1
19 Santa Catarina Criciúma 0 2 0 0 2 1 3 –2 0 Baixa4
20 Santa Catarina Figueirense 0 2 0 0 2 0 5 –5 0 Baixa1

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Minas Gerais América Mineiro 4 2 1 1 0 4 1 +3 67 Aumento5 Zona de promoção à Série A de 2015
2 Pernambuco Náutico 4 2 1 1 0 4 2 +2 67 Aumento2
3 São Paulo Bragantino 4 2 1 1 0 4 3 +1 67 Aumento1
4 Rio Grande do Norte ABC 4 2 1 1 0 2 1 +1 67 Aumento2
Mato Grosso Luverdense 4 2 1 1 0 2 1 +1 67 Aumento10
6 Rio Grande do Norte América de Natal 3 2 1 0 1 4 3 +1 50 Baixa5
Paraná Paraná 3 2 1 0 1 4 3 +1 50 Baixa4
8 Santa Catarina Joinville 3 1 1 0 0 3 2 +1 100 Aumento8
Maranhão Sampaio Corrêa 3 2 1 0 1 3 2 +1 50 Aumento12
10 São Paulo Oeste 3 2 1 0 1 2 2 0 50 Aumento8
11 Ceará Ceará 3 2 1 0 1 1 3 –2 50 Baixa2
12 Goiás Atlético Goianiense 2 2 0 2 0 3 3 0 33 Baixa6
São Paulo Ponte Preta 2 2 0 2 0 3 3 0 33 Baixa6
14 Pernambuco Santa Cruz 2 2 0 2 0 2 2 0 33 Baixa8
15 São Paulo Portuguesa 1 1 0 1 0 1 1 0 33 Aumento1
16 Rio de Janeiro Vasco da Gama 1 2 0 1 1 2 3 –1 17 Baixa10
17 Minas Gerais Boa Esporte 1 2 0 1 1 1 2 –1 17 Baixa11 Zona de rebaixamento à Série C de 2015
18 Goiás Vila Nova 1 2 0 1 1 0 2 –2 17 Baixa4
19 Ceará Icasa 1 2 0 1 1 1 4 –3 17 Baixa13
20 Santa Catarina Avaí 0 2 0 0 2 2 5 –3 0 Baixa1

Goiás 1 x 0 Criciúma

 1 x 0 

2ª RODADA
EM JOGO DE POUCOS ARREMATES, GOIÁS ACHA O GOL E A VITÓRIA SOBRE O CRICIÚMA
Renan aparece bem no primeiro tempo, e Amaral surge no segundo para marcar o único gol da partida. Criciúma ocupa a penúltima colocação . 
As poucas finalizações de perigo e os arremates de fora da área eram indício de uma partida de poucos gols. E saiu um só, do Goiás. Em jogada de bola parada, Amaral acabou com o jejum esmeraldino e fez 1 a 0 sobre o Criciúma, na noite deste domingo, no estádio JK, pela segunda rodada do Brasileirão. Agora, a escassez está para o lado do Tigre, que acumula dois jogos sem pontuar nesta Série A.

Os catarinenses não podem reclamar que não tiveram a sua oportunidade. No fim do primeiro tempo, foram parados por Renan duas vezes. As mudanças no início da etapa final foram mais eficazes para o Goiás: o atacante Welinton Júnior saiu do banco para arrumar a bola para o volante Amaral marcar aos 36 minutos, após cinco jogos seguidos sem gol do time.

O Goiás começou o jogo em cima, mais pelo lado esquerdo, com Lima. Mas a primeira oportunidade clara só ocorreu aos 30 minutos, com David furando a bem postada defesa e parando no goleiro Bruno. Deste lance em diante, só deu Criciúma. Foram três finalizações em que a bola esteve perto de entrar. Em duas delas, Renan fez belas intervenções. Do outro lado, Araújo apenas observava a partida, pouco acionado. A pouca agressividade da equipe catarinense sob o comando de Drubscky, que lhe custou a demissão, repetiu-se no primeiro tempo goiano.

O placar zerado obrigou os treinadores a colocarem sangue novo no jogo. O ataque dos goianos logo contou com Assuério (no lugar de Araújo), e o meio-campo teve Ramon (na vaga de João Paulo). No Criciúma, o lateral Cortez entrou, mas a esperança de Caio Júnior era que Cristiano fizesse a bola entrar em sua estreia. O mais eficaz a sair do banco foi Welinton Júnior. Foi ele quem deu a assistência, após cobrança de falta, para que Amaral marcasse.

O Goiás chegou aos quatro pontos e terminou a segunda rodada na oitava colocação. O próximo jogo será contra o Atlético-MG, às 18h30 de domingo, no Independência. O Criciúma segue zerado e na penúltima colocação. Recebe o Figueirense no Heriberto Hülse, às 16h do mesmo dia.

Bruno Lopes, Goiás x Criciuma (Foto: Fernando Ribeiro/Futura Press)
GLOBO ESPORTE .COM

Figueirense 0 x 2 Bahia

 0 x 2 

2ª RODADA
BAHIA APROVEITA CAMPO NEUTRO E BATE O FIGUEIRA DIANTE DE 777 PAGANTES
Tricolor faz 2 a 0 na Arena Barueri, gols de Lincoln e Fahel, em jogo que marca reencontro entre os amigos Marquinhos Santos e Vinícius Eutrópio .

Depois de 11 anos, Marquinhos Santos e Vinícius Eutrópio se reencontraram em campo. Desta vez em lados opostos. E o jovem treinador do Bahia saiu de campo como vencedor diante do homem quem em 2003 lhe deu oportunidade de treinar a equipe sub-15 do Atlético-PR. Na ocasião, Eutrópio era coordenador da base do Furacão. Bahia e Figueirense colocaram a amizade de lado e, com o placar de 2 a 0 para os tricolores, apenas Marquinhos teve motivo para comemorar.

O jogo pela segunda rodada do Brasileirão foi realizado na Arena Barueri, uma vez que o time de Santa Catarina cumpre suspensão por perda do mando de campo, e teve 777 pagantes – número menor do que o de qualquer partida na edição de 2013. A renda foi R$ 20.480. Lincoln abriu o placar no primeiro tempo, e Fahel marcou no segundo.

Sem poder ofensivo, o Figueirense foi um adversário que não custou a ser batido – pela segunda vez no nacional. A chance de reação do lanterna será no clássico contra o Criciúma, no domingo, no Heriberto Hülse, às 16h. O Tricolor comemora o primeiro triunfo, fica em nono lugar e agora recebe o Botafogo, no mesmo dia e horário. Antes, na quarta-feira, pega o Villa Nova-MG, pela Copa do Brasil, na Fonte Nova, às 21h.

O Bahia começou melhor a partida e chegou logo ao gol com Lincoln, enquanto o Figueira iniciou o jogo estudando o adversário e parecia surpreendido pela sua postura ofensiva. Depois do 1 a 0, o Tricolor passou a esperar as ações catarinenses e apostar na bola parada, nos pés de Lincoln ou Talisca. O Figueirense esbarrou na falta de criatividade dos homens de frente e no baixo poder ofensivo. A única chance veio com Marco Antônio, numa bola que passou perto.

O segundo tempo foi no mesmo ritmo, um samba de uma nota só. O Bahia chegava com perigo no ataque, e o Figueirense não assustava Marcelo Lomba. O goleiro praticamente assistiu ao jogo e fez poucas intervenções. Administrando a vantagem, o time baiano chegou com perigo em diversas ocasiões e poderia ter saído de Barueri com um placar mais elástico. Balançou a rede apenas mais uma vez. Após cobrança de falta batida por Lincoln, Titi ajeitou, e Fahel fez alegria dos poucos, porém barulhentos tricolores na Arena Barueri.

Maxi Biancucchi e Giovanni Augusto, Figueirense x Bahia (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press)
GLOBO ESPORTE .COM

Grêmio 2 x 1 Atlético Mineiro

 2 x 1 

2ª RODADA
RESERVAS DO GRÊMIO ESPANTAM CRISE E BATEM GALO NA ESTREIA DE LEVIR: 2 A 1
Tricolor preserva titulares e com time cheio de jovens evita quarta partida seguida sem vitória diante de Atlético-MG com força máxima e técnico novo .

O Grêmio desafiou a lógica. E se deu bem. Embora imensamente pressionado pela torcida com três derrotas seguidas, Enderson Moreira escalou um time reserva e muito jovem. Ousadia premiada. Essa equipe com apenas três titulares jogou bem, artigo raro nos últimos jogos, e venceu o Atlético-MG por 2 a 1, neste domingo, na Arena, pela segunda rodada do Brasileirão. Foi o primeiro tirunfo tricolor no campeonato diante de um Galo com força máxima e revitalizado com a chegada do treinador Levir Culpi, que manteve a amarga rotina de tropeços do antecessor Paulo Autuori.

Além de inaugurar uma trégua entre torcedores e time, a vitória encerra um incômodo jejum, uma vez que o Grêmio não batia o Atlético-MG em Porto Alegre desde 2010. O jogador maisvelho do Tricolor em campo foi o goleiro Marcelo Grohe, com 27 anos. Depois, o estreante como titular Rodriguinho, de 26. De resto, uma garotada que dividiu cada bola como se fosse a última. E que abriu cedo o placar, com gol de falta de Alan Ruiz. Logo depois, veio o desfecho, com Lucas Coelho anotando mais um, diante de 10.968 pessoas. Que ainda viram Fernandinho descontar no fim.

Agora, tudo é Libertadores para gaúchos e mineiros. Ambos precisam superar derrotas por 1 a 0 na casa do rival, no meio da semana. Ou seja, são obrigados a ao menos igualar o placar para levar aos pênaltis ou, melhor ainda, aplicar vitória por dois gols de diferença. O Grêmio recebe o San Lorenzo, na quarta, na Arena, e o Atlético-MG, o Nacional de Medelim, na quinta, no Independência. O Brasileirão volta apenas no sábado para o Tricolor, que visita o Santos, e no domingo para o Galo, que duela com o Goiás, em Belo Horizonte.

Além de Luan, retornando após fratura na mão direita, a atração ficou por conta da estreia da nova camisa tricolor, que pareceu dar ânimo ao time. A intensidade dos reservas do Grêmio foi possível de ver desde o primeiro minuto, com marcação adiantada e muita correria. A torcida ajudou a inflamar, jogando junto e vaiando o desafeto Ronaldinho. Aos dez minutos, Alan Ruiz marcou na maior arma de R10, batendo falta com perfeição. O Galo até esboçou reação, mas encontrou os vigorosos Saimon e Bressan na zaga. Faltou esse vigor ao lateral Alex Silva, que recuou curto demais para Victor. Melhor para Lucas Coelho, que arrancou, driblou o goleiro e fez 2 a 0.

Fora uma cobrança de falta de Ronaldinho, salva por Grohe, o Atlético-MG não mais assustou no primeiro tempo, prova de que Levir Culpi precisa de mais tempo para dar seu toque ao time. Restou a ele torcer para que o placar não fosse mais dilatado. Aos 16 da etapa final, Victor fez milagre em chute de Rodriguinho. Fernandinho, sempre inconformado, conseguiu descontar em chute cruzado. Depois, o Alvinegro pressionou muito, mas ficou nisso. Porque os garotos de Enderson não paravam, não cansavam, não desistiam.

Grêmio e Atlético/MG (Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

GLOBO ESPORTE .COM

Sport 2 x 1 Chapecoense

 2 x 1 

2ª RODADA
SPORT MANTÉM EMBALO DO TÍTULO ESTADUAL E BATE A CHAPECOENSE
Rubro-negro dá resposta imediata após sofrer gol de empate e assegura o dever de casa em um confronto longe de encher os olhos, mas equilibrado .
A atuação esteve longe de ser das melhores na temporada, mas o Sport conseguiu se impor e manteve o embalo após a conquista do estadual, na quarta-feira. O campeão pernambucano e da Copa do Nordeste venceu a Chapecoense por 2 a 1 no reencontro da Ilha do Retiro com a Série A do Brasileirão, após o acesso em 2013. Pouco mais de 13 mil torcedores viram o Leão atuar de verde, em homenagem à seleção do México – uma ação do departamento de marketing foi criada para homenagear as seleções que passarão pelo Recife na Copa.
O Sport chegou a quatro pontos, em quarto lugar. Na terceira rodada, visitará o Inter, no domingo. A Chapecoense soma um ponto, está em 15º lugar e terá pela frente o Corinthians, em casa, no mesmo dia.
O momento-chave da partida foi o segundo gol rubro-negro: Ananias acertou um chutaço de fora da área e desempatou apenas um minuto depois de Ricardo Conceição deixar tudo igual, em tabela com Régis. Antes, Rithely havia inaugurado o placar, aproveitando rebote de Danilo em chute de Ailton.

Eduardo Baptista apostou na formação com dois meias no Sport. Renan Oliveira, a grande novidade, teve uma atuação apagada ao lado de Ailton. Outra aposta foi Rithely, pivô de uma polêmica durante a semana com o Inter, que contava com o seu empréstimo. Ewerton Páscoa ficou no banco. Na Chape, o volante Abuda foi o único desfalque. No primeiro tempo, o Sport foi um pouco mais organizado e ativo, tirando vantagem da sua eficiência. Não fosse o golaço de Ananias, em lance individual, o empate teria sido um resultado justo. Nenhum dos times criou tanto.
Os catarinenses iniciaram a segunda etapa mais preocupados em sair para o jogo. E levaram perigo ao goleiro Magrão em pelo menos três ocasiões. Mais retraído, o Sport se soltou aos poucos e, na parte final, reforçou a marcação para administrar o resultado. Deu certo.

GLOBO ESPORTE .COM

Vitória 2 x 2 Atlético Paranaense

 2 x 2 

2ª RODADA
VITÓRIA É VÍTIMA DA PRÓPRIA ARMADILHA E CEDEEMPATE AO ATLÉTICO-PR: 2 A 2
Leão faz 2 a 0 explorando velocidade nos contra-ataques. Mas atacantes cansam no segundo tempo, Mosquito entra e melhora Furacão, que reage .
Às vezes uma armadilha pode se tornar fatal para quem a arquitetou. Foi isso o que aconteceu no estádio de Pituaçu, no domingo à tarde, no duelo de rubro-negros Vitória x Atlético-PR. O técnico Ney Franco lançou na partida um ataque veloz – Caio, Vinicius e Dinei – para, nos contra-ataques, dar o bote no visitante. A tática deu certo no primeiro tempo, quando o time teve fôlego e fez 2 a 0. Mas na segunda etapa os jogadores cansaram. E o técnico Miguel Àngel acertou em cheio nas mudanças no Furacão. A entrada do jovem Mosquito foi fundamental para a reação e o empate por 2 a 2.

Os paranaenses até começaram melhor a partida, mas se empolgaram no ataque e deixaram espaços. A defesa, pressionada pela marcação do Leão da Barra, começou a errar a saída de bola. Foi assim que o Vitória abriu o placar. Cléberson perdeu a jogada para Caio e cometeu pênalti. Mas a bola sobrou para Dinei, que fez 1 a 0 aos 11 minutos.

O gol abalou o Atlético-PR. Bom para o time da casa, que começou a explorar mais ainda as jogadas velozes. Caio, Vinicius e Dinei levavam a melhor e só não aumentaram o placar porque encontraram um valente zagueiro chamado Dráusio. Mas José Welison vinha de trás e surpreendia. Foi assim que o volante-meia arrancou em várias jogadas, como a do sem-pulo maravilhoso em bola que chegou mascada do lado direito. Não tinha defesa: 2 a 0, aos 36 minutos.

Mas, na segunda etapa, o cansaço tomou conta do Vitória. Vinicius cansou, entrou William Henrique. Caio ficou exausto, saiu sob aplausos para Mauri tentar dar mais ritmo. Dinei ficou em campo aos trancos e barrancos – Ney Franco já trocara Euller por Tarracha. Do lado do Furacão, o time procurava criar tudo para Marcelo Cirino, mas a velocidade solitária do camisa 7 não era capaz de resolver. Felipe entrou para melhorar a armação. Mas o que melhorou mesmo foi a entrada de Mosquito.

jovem de 18 anos assustou em bela cabeçada e mais tarde testou com precisão, aos 33 minutos. No fim da partida, liderou pressão do Furacão até a bomba santa de Marcelo Cirino aos 37. Justamente o mais veloz, o mais perigoso, dava o empate com sabor de triunfo. O Furacão chega aos quatro pontos e recebe o Cruzeiro no sábado. O Leão tem um ponto e visita o Fluminense no mesmo dia.

vitoria x Atletico-PR (Foto: Romildo de Jesus/Agência Estado)
GLOBO ESPORTE .COM

Cruzeiro 1 x 1 São Paulo

 1 x 1 

2ª RODADA
SÃO PAULO ARRANCA EMPATE COM CRUZEIRO E MANTÉM TABU DE DEZ ANOS
De cabeça, Antônio Carlos marca nos acréscimos. Júlio Baptista faz o gol do time mineiro, que não vence o rival em casa desde maio de 2004 .

Da cabeça de Antônio Carlos, nos acréscimos, saiu o gol que salvou uma atuação fraca do São Paulo e puniu um futebol mais consistente do Cruzeiro. Melhor em campo, o time mineiro saiu na frente em cobrança de falta de Júlio Baptista, mas o zagueiro tricolor assegurou o 1 a 1, em Uberlândia, pela segunda rodada do Brasileirão. O lance que originou a igualdade saiu depois de falta de Bruno Rodrigo em Luis Fabiano. Os mineiros reclamaram muito.

O resultado mantém uma escrita de dez anos. É esse o tempo que o São Paulo não perde do Cruzeiro em nacionais jogando em Minas Gerais.

Na maior parte do jogo, a superioridade foi celeste. Do outro lado, em seus melhores momentos, o São Paulo não conseguiu assustar o goleiro Fábio. Esteve longe derepetir a boa atuação na vitória sobre o Botafogo, na estreia. Os dois times têm quatro pontos em duas rodadas.

O Cruzeiro, agora, dá um tempo no Brasileirão para pensar na Libertadores. Na quarta-feira, no Paraguai, encara o Cerro Porteño, pelas oitavas. Na primeira partida, em casa, houve empate por 1 a 1. No sábado, visita o Atlético-PR. A semana do São Paulo será de folga. No sábado, pega o Coritiba no Pacaembu.

A iniciativa do jogo foi do Cruzeiro. Usou a velocidade, partiu para cima do São Paulo (que perdeu Douglas, machucado, aos 16 minutos), mas não conseguiu extrair chances de gol dessa maior posse de bola. Júlio Baptista exigiu defesa de Ceni em cabeçada, e Boschilia arriscou chute rasteiro. As melhores oportunidades não foram concluídas: Everton Ribeiro e Pato ficaram livres para cabecear, mas erraram. No fim, Rogério Ceni ainda bateu falta  .

 

GLOBO ESPORTE .COM

Corinthians 2 x 0 Flamengo

 2 x 0 

2ª RODADA
CORINTHIANS JOGA PARA O GASTO E VENCE O FLAMENGO NO ADEUS AO PACAEMBU
Timão abre o placar no início, administra resultado e faz 2 a 0 no fim. Rubro-Negro tem Léo Moura expulso e chega ao quinto jogo sem vencer .
O Corinthians não fez muito, mas deixou o campo com a sensação de dever cumprido. Marcou muito, criou pouco e venceu no seu adeus ao Pacaembu. O Flamengo fez menos ainda, completou a quinta partida sem vencer (duas pelo Carioca, uma pela Libertadores e duas pelo Brasileiro), duas sem fazer gol (pela competição nacional) e volta para o Rio preocupado com o que vislumbra para o futuro. Na festa programada pelo Timão para a despedida de sua casa habitual antes da mudança para o Itaquerão, o 2 a 0 ficou sob medida para mais de 39 mil presentes. O bom futebol, neste caso, ficou em segundo plano.

Com o resultado, os corintianos chegaram a quatro pontos, na terceira posição. Na próxima rodada, enfrentam a Chapecoense no domingo, e a inauguração do novo estádio será no dia 17 contra o Figueirense. O clima de festa no Pacaembu se completou com a apresentação do volante Elias, que foi ao campo uniformizado e recebeu o carinho das duas torcidas. Muitos rubro-negros gritaram o nome do jogador, que defendeu o clube no ano passado.

O torcedor do Flamengo tem motivos para se preocupar. Com mais uma atuação pobre, o time tem início idêntico ao do Brasileirão do ano passado, quando lutou para não ser rebaixado. Com um ponto, está na 17ª colocação, na zona de degola, e recebe o Palmeiras no domingo. A série sem vitórias é a pior sob o comando de Jayme de Almeida.

O reencontro de Mano Menezes com o Flamengo aconteceu em clima cordial. Jogadores e membros da comissão técnica cumprimentaram o ex-comandante antes do apito inicial. Sinal de respeito, sentimento que foi visto também com a bola rolando. Com duas linhas de quatro, os rubro-negros davam campo aos rivais e tentavam se fechar na defesa. Não deu muito certo. Logo aos 10 minutos, em jogada de escanteio, a bola sobrou para Guilherme abrir o placar e colocar um freio no ritmo intenso dos donos da casa.

A desvantagem obrigava o Flamengo a sair para o ataque. Faltava, então, qualidade nos passes. Alecsandro recuava para armar e errava. Chegou a discutir com Jayme, que pedia velocidade na troca de passes. Já o Corinthians esperava espaços que praticamente não existiram para contra-ataque. A expulsão de Léo Moura por carrinho em Petros foi o lance derradeiro de uma etapa com raros lances de emoção: foram duas finalizações para cada lado e nenhuma defesa dos goleiros.

Na volta do intervalo, Nixon substituiu o irritado Alecsandro, para dar velocidade ao jogo. O Flamengo se manteve no campo de ataque, com maior posse de bola. Nixon perdeu chance na pequena área, e Luiz Antonio obrigou Cássio a fazer grande defesa. Incomodado pela primeira vez no jogo, o Corinthians trocou peças (saíram Guerrero, Petros e Romarinho, entraram Luciano, Danilo e Malcom), renovou o gás e ampliou, com Gil. Futebol burocrático, mas festa empolgante na arquibancada.

Gil comemora, Corinthians x Flamengo (Foto: Marcos Ribolli)
GLOBO ESPORTE .COM