Empate desagrada técnico Jayme de Almeida: “Não era o que esperava”

Treinador acredita que retranca do Goiás dificultou a vida do Fla no Mané Garrincha .

Os jogadores e o técnicoJayme de Almeida não saíram do Mané Garrincha satisfeitos com o empate por 0 a 0 na estreia doCampeonato Brasileiro . Em entrevista coletiva, o treinador apontou a forma de atuar dos goianos como um complicador para seu timesair com os três pontos em Brasília. O goleiro Renan, por exemplo, foi um dos destaques, com quatro defesas difíceis.

– Acho que a proposta do Goiás  foi de contra-atacar, fechar bem, nós sabíamos que era difícil por dentro. Nossas melhores jogadas foram pelo lado. Infelizmente, tivemos algumas chances, mas não fizemos. Respeitando o Goiás, não era o resultado que a gente esperava. A posse de bola foi boa, mas o Goiás foi perigoso. Tentamos, tentamos e não conseguimos.

Jayme preferiu não lamentar a ausência de um grande número de jogadores. O time não teve André Santos, suspenso, além de Hernane, Elano, Léo, Samir e Cáceres, machucados. Também deixoude lado qualquer reclamação pelo fato de atuar fora do Rio de Janeiro mesmo com o mando de campo. No fim, o treinador ainda encontrou motivos para se emocionar ao falar do locutor Luciano do Valle, que morreu no sábado. Ele teve a chance de trabalhar ao seu lado quando atuou pela seleção de master.

Flamengo volta a campo no próximo domingo, contra o Corinthians, às 16h (de Brasília), no Pacaembu, pela segunda rodada do Brasileiro.

Jayme de Almeida Flamengo x Goiás (Foto: Carlos Costa/Agência Estado)
Jayme de Almeida não usou a última substituição que tinha contra o Goiás (Foto: Carlos Costa/Agência Estado)

Confira outros trechos da entrevista coletiva:

Retranca

– Trabalhamos bem a bola. A proposta do Goiás era essa e não é fácil. Voltavam dois jogadores com nossos laterais. Fizemos três ou quatro jogadas boas. São lances que decidem o jogo. Não fomos felizes, e a bola não entrou. No final, ainda ficou preocupante, pois deixamos espaços e quase o Goiás fez o gol.

Posse de bola

– Acho que o Flamengo foi muito bem de volume de jogo nos primeiros 30 minutos. Não dá para fazer 45 direto. Caiu um pouquinho. Com a volta para o segundo tempo, o Gabriel entrou e voltamos a ter esse tempo. De novo, por cansaço e por pressa para fazer o gol, abrimos espaço.

A gente não pode ficar lamentando. Se foi colocada essa situação, não tem como ficar chorando. Tem que encarar, enfrentar as dificuldades. Se o Flamengo tivesse aproveitado os 30 minutos bons que fez, ninguém falaria que está jogando fora do Rio”
Jayme de Almeida, técnico do Flamengo

Pontos perdidos

– Nesse Brasileiro, qualquer ponto é perdido. Deixamos de fazer dois pontos. E não é porque tínhamos o mandou de campo. No Brasileiro, é importante pontuar sempre.

Desfalques

– Houve trocas por vários motivos. É uma rotina. São jogadores importantes, mas os meninos lutaram e ajudaram. Não é isso que determina o resultado. A gente teve chance e não fez o gol. O time tentou até o fim. Não vou dizer que os jogadores fizeram falta.

Jogos fora do Rio

– Eu acho que a gente não pode ficar lamentando. Se foi colocada essa situação, não tem como ficar chorando. Tem que encarar, enfrentar as dificuldades. Se o Flamengo tivesse aproveitado os 30 minutos bons que fez, ninguém falaria que está jogando fora do Rio.

Garrafa no campo

– Não gosto de violência. Dificilmente, dou um grito. Agredir os outros é coisa que não faz parte do meu dia a dia. Como ex-atleta, futebol é esporte, tem que ganhar jogando bola e respeitar os árbitros. Se ele deu impedimento, é porque achou impedimento. Não adianta ficar jogando garrafa. Isso me entristece. Quando vejo na Libertadores aqueles guardas com escudo no escanteio, vem uma tristeza. Nada a ver com esporte. O torcedor que fez isso tem que ser punido de alguma forma.

Amaral Flamengo x Goiás (Foto: Jorge William / O Globo)
Jayme disse que não iria tirar Amaral no intervalo se ele não tivesse levado cartão (Foto: Jorge William / O Globo)

Gabriel na vaga de Amaral

– O Amaral estava marcando o João Paulo, camisa 10, habilidoso, e tinha levado um amarelo. Quando fomos para o vestiário, não ia mudar. Mas pensei e o árbitro estava dando muitos cartões, mesmo sem o jogo estar violento. Achei arriscado então voltar com o Amaral. Em um certo ponto deu certo, pois o Márcio Araújo melhorou a saída de bola e não arrisquei a expulsão.

Homem de criação

– O Lucas (Mugni) é um menino e estava muito difícil entrar por dentro. É ruim demais jogar com alguém no cangote. Ele se movimentou, quase fez um gol belo, deu um passe para o Alecsandro que quase deu em gol. E ele não vinha jogando. Coloquei o Mattheus que chuta bem e poderia ter uma chance de fora. Sei que a torcida é imediatista, mas ele (Lucas) vem de fora, está se adaptando e a posição é difícil. O mesmo com o Mattheus. Não pode julgar por esse jogo. Tentaram o melhor.

 O Lucas (Mugni) é um menino e estava muito difícil entrar por dentro. É ruim demais jogar com alguém no cangote. Ele se movimentou, quase fez um gol belo, deu um passe para o Alecsandro que quase deu em gol. Sei que a torcida é imediatista, mas ele (Lucas) vem de fora, está se adaptando e a posição é difícil”
Jayme de Almeida, técnico do Flamengo

Goiás

– Nunca faz um time fraco. É bem montado, com jogadores experientes. Vem de perder um campeonato aos 48 do segundo tempo. Jogou fechadinho e saindo rápido no contra-ataque. Não vai achando que o Goiás está fora. Queria ganhar, mas não é essa mosca morta que queriam dizer. Respeito muito a história do clube.

Luciano do Valle

– Quando ele estava começando a fazer aquela seleção de master, ele  me deu a chance de jogar com Rivellino, Edu, Clodoaldo, jogadores que foram campeões do mundo. O Luciano tinha um coração fantástico, adorava o esporte. Foram cinco anos jogando no Master e fiquei muito assustado quando liguei o celular chegando em Brasília e vi essa triste manchete. Não o via havia muito tempo até reencontrá-lo no jogo contra o Atlético-PR. Foi um prazer grande revê-lo. Gostava muito dele. É uma pena para o esporte por tudo que fez pelo vôlei, futebol de praia, basquete, Maguila. Abriu as portas da televisão, que era só voltada para o futebol. Um beijo para ele onde estiver.

GLOBO ESPORTE .COM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.