Belo cancela gravação e faz Raul Gil chorar nos bastidores do SBT

Belo cancela gravação e faz Raul Gil chorar nos bastidores do SBT

Na última segunda-feira (7), estava programada a participação de Belo no “Programa Raul Gil”, no SBT, mas o cantor cancelou o compromisso domingo à noite, véspera da gravação, sem dar nenhuma explicação.

A esquipe da atração decidiu seguir com a pauta, já que se tratava de um especial sobre o músico, com direito a muitos depoimentos. Assim, uma espécie de boneco com a foto do cantor foi utilizada.

Entretanto, segundo a colunista Janaina Nunes, o apresentador Raul Gil ficou tão chateado com a desfeita que chegou a chorar nos bastidores. “Eu não mereço isso! Sou a pessoa que mais divulga a música brasileira na TV!”, dizia ele.

Esta não seria a primeira vez que Belo cancela sua presença no programa. Há dois anos, ele também desistiu da gravação sem dar nenhuma explicação. “Perdemos todo o material porque ficou velho”, disse Raulzinho, filho de Raul Gil e diretor da atração.

“Desta vez, nos avisou no domingo à noite. Um tal de Renan me ligou dizendo que ele não poderia comparecer. Essa pessoa me deu o telefone do Belo, nós ligamos, mas ele não nos atendeu. Não sabemos o que houve”, comentou.

Ainda de acordo com o diretor, o programa não foi cancelado porque a homenagem estava pronta. “Falamos com várias pessoas ligadas ao Belo. Não daria para cancelar de novo”, concluiu.

Vale lembrar que a primeira vez que o cantor apareceu na TV, quando fazia parte do grupo Soweto, foi em um programa do Raul Gil.

O “Programa Raul Gil” é exibido aos sábados no SBT.

 

 

 

 

NaTelinha

Tony Abbott in China shows skills beyond his years

April 8, 2014

Opinion

Prime Minister Tony Abbott and Premier of the People's Republic of China, Li Keqiang in discussion while witnessing the signing of MOUs after their bilateral meeting in Sanya, during his visit to China on Wednesday 9 April 2014. Photo: Alex Ellinghausen

Tony Abbott and the Premier of China, Li Keqiang. Photo: Alex Ellinghause

Tony Abbott was given a useful piece of advice for his swing through Japan, Korea, and then China: Your visit to China starts when you arrive in Japan but your visit to Japan won’t end until you’ve left China.

Abbott laughs nervously when he reflects on the joke, as if to say, “I know that’s true but you won’t hear it from me, ha ha ha”.

In the lead up to this North Asian tour, taking in the three economies which together account for more than half of all of Australia’s two-way trade, he’s had it emphasised time and again through briefings with foreign policy boffins, top CEOs, strategic experts, and academics.

Concern on these things is reasonable, but the heightened fear among the wonks was that “stop-the-boats-Tony” might lack the temperament for international diplomacy.

But Abbott has spent a political career surprising those who under-estimate the power of his intelligence, his people skills (funnily enough), and perhaps most importantly, his directness.

Not that this trip was ever going to be easy whomever led it.

Tokyo and Beijing watch each other like hawks, and rage with jealousy when any advantage is taken by the other.

And never forget Korea – the economically sophisticated, yet perennially anxious middle brother. It sits at the cross-roads of western democratic capitalism on the one hand, and the more militaristic command states of Asia on the other, and lives with the ever present threat of attack from North Korea just kilometres and therefore minutes away.

These economic and strategic power-houses are crucial to Australia’s prosperity. They are also crucial to regional stability.

For Abbott, prosperity and stability are two peas from the same pod. Not for him the over-blown puffery of a Kevin Rudd or the China-first pre-occupation of his successor Julia Gillard.

Rather he has gone for the honest approach of unvarnishing Australia’s desire for wealth, in order to stress more effectively, the mutual benefits to be had by all from that very pursuit. It’s admirably simple. Prosperity and freedom, of themselves bring stability – and stability is vital to ongoing improvement in living standards.

In North Asia as anywhere else, this rings true. Wealthy democracies do not invade each other.

It is a recognised truism that the political leaders claiming the deepest expertise in foreign policy when they arrive, tend to make the least effective international players. Names like Gough Whitlam, Bob Carr (albeit as foreign minister), and Kevin Rudd are sometimes cited. All made some foreign policy gains – Whitlam on relations with China springs to mind, but all felt they were above advice, and in no need of extra learning.

Rudd, the great diplomat and China expert, managed to annoy everyone, starting with the Japanese, followed by the Chinese, and quickly extending to many in the US political community, Europe, and of course voters and his own colleagues at home.

His decision in 2008 to lecture the Chinese on human rights in Tibet on his first visit, displayed little of the deftness diplomacy might have called for.

Paul Keating, John Howard, and Julia Gillard came to the international stage more reluctantly, simply as a by-product of gaining the prime ministership. They had the common decency to start unsurely, yet all turned out to be better at it.

Gillard’s deft handling of the Chinese culminating in her successful visit just over a year ago, is a case in point.

One China insider this week described the Gillard achievement of securing “strategic partnership” status with Beijing in early 2013 as “really remarkable”.

Although some contend her Beijing focus came at a cost to other issues in the region – including the Japan free trade push.

Abbott is building on these solid foundations.

An official meeting with Premier Le Keqiang on arrival in Hainan (southern China) on Wednesday, took place under the terms of the annual leaders’ level dialogue licensed by that very partnership.

A telephone call last week ostensibly made to discuss the search MH370, turned quickly to the forthcoming visit, which given his plan to go to Tokyo first, might have been tricky. Abbott’s advisers said the tone was more than cordial, it was extremely warm.

Instead the Premier said the bilateral relationship was in good shape and he hoped Abbott’s visit would elevate it to a new level.

Which is not to downplay the complexity of the diplomatic footwork needed by Abbott on this week’s tour.

Beijing is more concerned about Australia’s open endorsement of increased Japanese military spending than Australia wants to admit.

So Abbott’s commitment to a formal arms and military technology agreement with Tokyo, was always risky – especially in light of his earlier classification of Japan as Australia’s best friend in Asia.

The other favourable aspect of Abbott’s North Asia tour is the timing. Despite their differences and their deep animosities, all three Asian economies are at a common place.

And all three have reforming leaders looking for help to drive reform. That help is trade liberalisation.

The Japanese call it Gai atsu – which means, external pressure. The Chinese talk of Gai ge and Kai Fang which means Change, Reform, Open up. And even the Koreans are into it as they look to rejuvenate a flat-lining market for more than a decade through the Creative Economy initiative of President Park Geun-hye. All are bumping up against the limitations of command-state capitalism and export-dependent growth, and want the outside leverage to pierce institutionalised sluggishness.

That outside pressure can be used to Australia’s considerable advantage. That’s another thing Tony Abbott seems to know.

Mark Kenny is Fairfax chief political correspondent.

Source : The Sydney Morning Herald

Ceará x Sport tem maior arrecadação da história do futebol cearense

Com 60.068 pagantes, decisão da Copa do Nordeste registra ainda maior público da Arena Castelão após a reforma e maior presença de torcedores no Brasil em 2014 .

Ceará x Sport Copa do Nordeste Castelão (Foto: Elton de Castro)
Ceará x Sport Copa do Nordeste Castelão (Foto: Elton de Castro)

A toricda do Ceará saiu frustrada da Arena Castelão na última quarta-feira (9) após a perda do título da Copa do Nordeste para o Sport com o empate em 1 a 1. No entanto, os 60.068 torcedores que pagaram para ver a decisão renderam ao clube de Porangabuçu um total de R$ 1.476.187,00 em arrecadação. a quantia representa a maior renda da história do futebol cearense.

O recorde anterior pertencia ao jogo Ceará 0 x 1 ASA, também pela Copa do Nordeste, na semifinal de 2013. A partida entre o Vovô e o clube alagoano registrou uma renda de R$ 1.266.417,00. Outra partida do Castelão que teve a renda ultrapassando a barreira do milhão de reais ocorreu em 2010, quando o estádio ainda não era Arena. O jogo Ceará 2 x 0 São Paulo pela Série A daquele ano teve renda de R$ 1.118.960,00.

Maior público da Arena Castelão

O jogo entre Ceará e Sport bateu outras duas marcas. A grande decisão da Copa do Nordeste teve o maior público da Arena Castelão desde que ela foi inaugurada em janeiro de 2013. Os 60.068 pagantes (61.230 presentes) superaram os 57.804 torcedores que assistiram a Brasil 2 x 0 México pela Copa das Confederações. Entre clubes, o recorde de público pertencia a Fortaleza 2 x 2 Sampaio Corrêa com 57.143 torcedores.

Outro recorde batido com foi o de maior público do ano de 2014. Até o jogo entre Ceará e Sport, a melhor marca pertencia a Botafogo 4 x 0 Deportivo Quito no Maracanã. 45.158 torcedores viram a partida do alvinegro carioca contra a equipe equatoriana pela primeira fase da Copa Libertadores.

GLOBO ESPORTE . COM

Após expulsão, Assisinho desfalca o Vovô no jogo de volta da Semi

O jogador do Mais Querido foi expulso no jogo de ida

Kim Jong-un ‘reelected’ as chief of Korea DPR powerful defense body

North Korean leader Kim Jong-un was “reelected” as head of the country’s most powerful body at a parliamentary session Wednesday, which experts said may offer a glimpse into its leadership reconfiguration in the wake of the execution of his influential uncle.

The Supreme People’s Assembly meeting came about a month after the election under the young ruler of a new roster of deputies for the rubber-stamp parliament, including Kim Jong-un and other 686 military and party officials who all won unanimous approval.

Kim became chairman of the potent National Defense Commission at a session in April 2012.

North Korean leader Kim Jong-un (Yonhap)

During the latest meeting, all the deputies and participants “broke into stormy cheers of ‘hurrah!’ extending the highest glory and warmest congratulations to him,” the official Korean Central News Agency said.

This marked an “expression of the absolute support and trust of all service personnel and people in him,” it added.

On Tuesday, Kim presided over a meeting of the political bureau of the ruling Workers’ Party, which discussed “party organization and other key issues,” state media said.

Though the assembly’s main function is to legitimize the party line and policy, the gathering could give an indication of the ebb and flow within the North Korean power elite in the aftermath of the December death of Jang Song-thaek, who was once considered the communist state’s second-most powerful man as Kim’s uncle and vice chairman of the defense body.

The Kim regime appears to have since been reshuffling its top brass to consolidate his grip, appointing new coal industry and metal industry ministers and other key aides.

 

By Shin Hyon-hee (heeshin@heraldcorp.com)

Source :

Marcelo Adnet diz: “Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias”

Humorista estreia novo programa na Globo

Marcelo Adnet diz: "Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias"

Divulgação/TV Globo

Na noite desta quinta (10), o humorista Marcelo Adnet estreia a sua nova aposta na Rede Globo, onde é contratado desde janeiro de 2013: é o “Tá no Ar – A TV na TV”.

Além de atuar, Adnet assina o roteio final do programa ao lado de Marcius Melhem. Em entrevista para o jornal “Extra”, Marcelo falou sobre como tem sido a parceria com o colega: “Estamos fazendo uma dupla muito gostosa. E eu acho que todo o elenco tem uma coisa de abrir para o outro brilhar também”.

Adnet também comentou sobre o primeiro ano de Globo, onde foi bastante criticado por tem um desempenho abaixo do esperado e do que ele tinha na extinta MTV: “Não tenho que me criticar, me analisar. Eu tenho que trabalhar, tentando sempre fazer o melhor. Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias. Acertamos e erramos. Em ‘O Dentista Mascarado’, eu tinha acabado de entrar na Globo. A MTV estava fechando as portas, e logo de cara tive que embarcar rápido no projeto. Não tive uma relação de autoria. Quando você é autor, fica mais envolvido”.

O “Tá no Ar – A TV na TV” irá ao ar às quintas, logo após a série “Doce de Mãe”, a partir das 23h45.

NaTelinha

Após polêmica com comentarista, “Jornal da Massa” volta a ter opinião

Retorno teria acontecido após pressão dos telespectadores

Após polêmica com comentarista, "Jornal da Massa" volta a ter opinião

Depois de uma grande polêmica, onde os comentaristas do “Jornal da Massa”, da Rede Massa, afiliada do SBT no Paraná e de propriedade de Ratinho, teriam sido afastados por ordem de estatais, que ameaçaram tirar anunciantes do canal, o jornalístico voltou a ter opinião.

O anúncio foi feito pelo próprio apresentador e dono do canal, em seu programa noturno no SBT. A novidade foi comemorada pelo apresentador do jornal, Denian Couto: “Ratinho disse ontem em seu programa no SBT que o Jornal da Massa retornará ao formato que o consagrou, com debate e comentários. Grande!!!”.

Com isso, os debatedores e opinadores do noticiário, Ogier Buchi, Ruth Bolognese e Paulo Eduardo Martins, o mais polêmico de todos, voltarão a opinar no jornalístico matinal.

O motivo seriam dois: a pressão do público nas redes sociais, que não gostou das mudanças, e uma queda de audiência, reflexo da insatisfação do povo com a mudança do formato. Ainda não há uma data exata para a volta do jornal no formato antigo.

Procurado pelo NaTelinha, Paulo Eduardo Martins confirmou seu retorno ao “Jornal da Massa” e comentou: “É uma decisão que faz de todos os envolvidos, vencedores. Os comentaristas, que recuperam o espaço; o público, que volta a acompanhar os comentaristas; a empresa, que volta a agradar o público; e até o governo, que pode melhorar se souber ouvir os críticos”.

“O momento que o país atravessa requer que profissionais preocupados em compreender e explicar para o público o que acontece tenham espaço nos veículos. A reação do próprio público demonstra isso. Eu fiquei feliz pelo fato da empresa reconsiderar a decisão de fazer um jornal sem comentários”, finalizou.

Entenda o caso

No último dia 28 de março, a mudança do formato do “Jornal da Massa” foi anunciada pelo jornalista Paulo Eduardo Martins: “Amigos, hoje (28) fiz minha última participação no Jornal da Massa. Por uma decisão legítima da direção da Rede Massa, o telejornal não mais contará com comentaristas. Agradeço aos que acompanharam e compartilharam o programa, aos colegas de bancada Denian Couto, Ogier Buchi, Ruth Bolognese e também a todos da emissora por terem sustentado o formato que nos proporcionou fazer o debate e enfrentar as amarras culturais que envolvem a imprensa brasileira. Sigo como colunista do telejornal SBT Paraná. A vida segue”.

No estado, a informação é de que ele teria sido afastado do noticiário por pressão do governo federal, que ameaçou retirar os patrocínios de estatais do programa. Paulo Eduardo é um crítico ferrenho do governo do PT, que ele chama de “comunista” e “ditatorial”.

Porém, em entrevista exclusiva ao NaTelinha, o jornalista negou esta informação e disse que sempre teve liberdade nos comentários: “Sempre fui um crítico severo do governo do PT, mas não posso atribuir a mudança a uma intervenção do governo. Não tenho informação de nenhum movimento nesse sentido. Seria leviano da minha parte afirmar algo assim”.

NaTelinha

CBF tem vitórias quase ao mesmo tempo e recoloca a Lusa na Série B

Decisão do STJ diz que somente 2ª Vara do Rio é competente para julgar imbróglio .

No duelo com a Portuguesa, a CBF conseguiu nesta quinta-feira duas vitórias e o mesmo resultado: mandou a Lusa de volta à Série B, pelo menos por enquanto. Uma decisão favorável foi no Tribunal de Justiça de São Paulo e outra foi no Superior Tribunal de Justiça.

O contexto da decisão do STJ se deu pela resolução de mais um conflito competência entre os Tribunais de Justiça do Rio e de São Paulo. O ministro Sidnei Beneti, como anteriormente no caso das ações de torcedores, decidiu que a 2ª Vara Cível fluminense, na Barra da Tijuca, seja a responsável por julgar os processos que tratam da decisão do STJD a respeito da Lusa.

Segundo Carlos Miguel Aidar, advogado que atua com a CBF, a decisão faz até com que a ação civil pública aberta pelo Ministério Público de São Paulo venha para a competência do Rio. Processos futuros em qualquer estado brasileiro também terão como destino a Cidade Maravilhosa, de acordo com a decisão do STJ.

Quase ao mesmo tempo, a CBF recebeu resposta positiva sobre o agravo de instrumento impetrado na 43ª Vara paulista para derrubar a liminar concedida no processo aberto pela Lusa.

Com o saldo do dia, a CBF também conseguiu afastar a chance da presença da Lusa na eleição presidencial da entidade, que acontece na próxima quarta-feira, no Rio.

Fonte : Lancenet
© 1997-2014 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!

Repórter sobre tentativa de assalto no Rio: “situação inacreditável”

Repórter sobre tentativa de assalto no Rio:

O repórter Eduardo Tchao deu uma entrevista ao programa “Encontro com Fátima Bernardes”sobre a tentativa de assalto de um marginal enquanto uma mulher era entrevistada por ele para o “RJTV”, da Globo.

Na conversa, Tchao ressaltou que a situação já acontece há alguns anos no Centro do Rio e que é inacreditável o fato do roubo ter acontecido na frente das câmeras de reportagem: “Eu, o cinegrafista e a senhora não esperávamos por isso. Ela tomou um susto, mas o cordão não foi levado. Corri atrás do ladrão. O impulso e o reflexo me levou a isso, Mas é uma situação inacreditável, bizarra. Eles não se intimidam nem com as câmeras de uma emissora de televisão como a Globo”.

Tchao ressaltou que a Polícia Militar só apareceu no local depois que os trombadinhas já tinham fugido: “Depois da matéria de ontem, apareceram PMs aqui. Mas será que esses carros vão continuar aqui amanhã ou depois, porque a impunidade continua e forte”.


Rosto do acusado é preservado por haver a possibilidade dele ser menor de idade

Fátima concordou e ainda acrescentou: “A região já é violenta, e ainda não tem nenhum policiamento. A polícia precisa intervir”.

Entenda o caso

Uma mulher sofreu uma tentativa de assalto durante entrevista à TV Globo do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (9).

A reportagem era sobre a falta de segurança no Centro do Rio. Um rapaz tentou roubar a corrente da entrevistada diante das câmeras, passando a mão no pescoço da mulher. O repórter correu atrás do jovem, mas ele conseguiu fugir sem levar o cordão.

Em entrevista para o “RJTV”, a vítima disse: “Chegou a arranhar o meu pescoço. Fiquei até nervosa”. A reportagem flagrou outros menores entrando em um ônibus pela janela, em diferentes ocasiões. Além de um furto, no qual o menor arranca o cordão de uma outra mulher e sai correndo.

NaTelinha

Atlético Mineiro 1 x 0 Zamora

Atletico mineiro galo.png

1 x 0

Zamora FC de Venezuela.png

Com o gol único de Jô, ainda antes dos dez minutos da partida, o Atlético-MG fez o dever de casa nesta quinta-feira, venceu seu terceiro jogo na Libertadores e terminou a primeira fase na liderança do Grupo 4, com 12 pontos. Sem nunca ter vencido uma só vez antes da atual edição, o Zamora começou a rodada em segundo lugar, mas perdeu o posto para o Nacional, que venceu o Santa Fé por 3 a 2 e se classificou junto com o Galo.

No restante da quinta-feira, os atleticanos acompanharão os últimos jogos do torneio apenas para ver quem vai encarar a força do Horto nas oitavas de final.

 

 

O jogo

O Atlético-MG apresentou uma postura bastante ofensiva desde o início do jogo, apesar de não ter chegado com perigo nos minutos iniciais. As descidas constantes de jogadores como Marcos Rocha, no entanto, oferecia espaços ao Zamora, que chegou por três vezes ao ataque em menos de cinco minutos. Apesar da forte pegada dos venezuelanos, contudo, foi o Galo quem aproveitou bem uma falha na saída de bola. Guilherme fez o papel de ladrão na intermediária central e serviu Jô. O artilheiro recebeu na entrada da área e de perna esquerda bateu no cantinho, rasteiro, no canto direito de Angulo. 1 a 0 Galo.

Confortável com a vantagem no marcador, o Atlético-MG mostrou-se ainda mais inteligente em campo. Sem deixar de atacar, o atual campeão da América tocou a bola, valorizou o jogo e deixou que o adversário corresse atrás do prejuízo. Mesmo com o ritmo pouco menos acelerado, a equipe mineira permaneceu segura na partida, gerando dificuldades para os venezuelanos em chegar ao gol de Giovanni.

Passadas meia hora de jogo, Guilherme, em outro lançamento primoroso, deixou Neto Berola na cara do gol, que apesar da ótima condição, foi desarmado pelo zagueiro. Ainda antes do intervalo, Jô subiu sozinho dentro da pequena área, mas cabeceou por cima do gol, desperdiçando a chance de marcar o segundo. Em 45 minutos, o Zamora só assustou em dois chutes perigosos de fora da área.

O Atlético-MG voltou sem Marcos Rocha para o segundo tempo de jogo. No final da etapa inicial, o lateral sentiu uma fisgada na coxa direita e caiu sozinho após uma disputa de bola. Sem nenhum lateral de origem no banco de reservas, o volante Claudinei foi escolhido por Autuori para entrar no jogo. Minutos mais tarde, outra alteração no Galo, desta vez previsível. Recuperado de uma lesão muscular, Fernandinho voltou ao time titular, recuperando a vaga antes ocupada por Neto Berola.

Necessitando do resultado, o Zamora foi pra cima na etapa final. Apesar do novo gás de Fernandinho e Marion, o Atlético-MG permaneceu oferecendo terreno aos venezuelanos, que chegavam, mas não conseguiam incomodar o goleiro Giovanni. A situação dos visitantes piorou ainda mais após a expulsão de España, ao acertar o braço no rosto do capitão Léo Silva.

Com a vantagem numérica, o Atlético-MG passou a dominar melhor a partida. Guilherme voltou a servir bem os companheiros, assim como Marion deu mais mobilidade pelas pontas. Em uma dessas jogadas, Marion escapuliu pelo lado esquerdo e cruzou rasteiro para Jô, debaixo das traves, tocar por cima. Ao fim da partida, Fernandinho também perdeu outra ótima oportunidade em lance de contra ataque. Final de jogo, 1 a 0 Galo.

ATLÉTICO-MG 1×0 ZAMORA
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data-hora: 10/4/2014 – às 17h30
Árbitro: Roberto Tobar (Chile)
Assistentes: Francisco Mondria (CHI) e Raúl Orellana (CHI)

GOLS: Jô, 9’/1ºT (1-0)
Cartões amarelos: Soto, Mello (ZAM)
Cartão vermelho: Jonathan España (ZAM)
Público/Renda: 15.031/R$764.420,00

ATLÉTICO-MG: Giovanni; Marcos Rocha (Claudinei – Intervalo), Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Leandro Donizete, Neto Berola (Fernandinho – 9’/2ºT) e Guilherme; Diego Tardelli (Marion – 22’/2ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.

ZAMORA: Angulo; Hugo Soto (Zafra – 17’/2ºT), Javier López, Jonathan España, Luis Ovalle; Arles Flores (Arenas – 26’/2ºT), Mello, Ramírez e Murillo (Pierre Puchino – Intervalo); Clarke, e Falcón. Técnico: Noel Sanvicente.

Fonte : Lancenet
© 1997-2014 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!

%d blogueiros gostam disto: