Enfoque NT: O grande desfecho de “Joia Rara” e o possível fiasco

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/e01cfa403b597ec427aff1354612da99.jpg

Divulgação/TV Globo

 

Quem foi telespectador de “Joia Rara”, não teve como não se emocionar com o último capítulo da trama, nesta sexta (04).

Escrita por Thelma Guedes e Duda Rachid em 173 capítulos, o que não faltou foi emoção e um exemplo de uma excelente história, além da pregação de amor ao outro. O budismo teve papel preponderante no desenvolvimento do folhetim e ajudou “Joia Rara” a se tornar mais uma bela história no horário das 18h.

O budismo

Tema pouco discutido nos folhetins e na mídia, muita gente se perguntava o que é budismo. Talvez os autores não tenham mergulhado no tema como gostariam. Mas o budismo, ao contrário do que se pensa e muita gente acha, não é uma religião. É uma filosofia que prega a paz individual e interior, além da lei do desapego e de amor ao próximo.

O foco, talvez, tenha espantado o grande público. A princípio, um monge reencarnar em uma menina anos depois pode parecer ridículo para alguns. Mas, quem usou isso como critério para determinar que não assistisse “Joia Rara”, perdeu uma grande obra.

Os desfechos

Para quem acompanhou a trama, certamente não ficou desapontado com nenhum final dos personagens. O que é bastante gratificante para quem torceu pelos atores que ali representavam.

Inclusive, ter Glória Menezes no papel de Pérola em sua fase adulta, e contar os destinos dos outros personagens, além de ter feito um discurso emocionante sobre a paz mundial em uma conferência sobre o assunto, foi formidável, criativo e surpreendente.

Aliás, seria injustiça deste espaço não reconhecer o talento ímpar dessa menina, Mel Maia, ao ter dado vida a Pérola, a jovem que foi reencarnação de Ananda Rinpoche (Nelson Xavier). Convenceu e emocionou.

Outro grande destaque da novela foi, sem dúvida, Manfred (Carmo Dalla Vecchia). Um vilão de traços e surtos psicóticos, perigoso e mau por essência, que também convenceu e despertou a ira de quem assistia.

Em “Joia Rara”, a ala de mocinhos e vilões era muito bem delineados e definidos. É o famoso 8 ou 80. E é aí que está o perigo: cair no clichê, como o folhetim caiu por diversas vezes ao longo dos capítulos. Se fosse um pouco mais curta, seria ainda melhor para não cair naquele grande imbróglio onde o telespectador fica de saco cheio com tanta enrolação, como no núcleo humorístico de Aurora (Mariana Ximenes) e Lola (Letícia Spiller).

Embora a trama tenha tido, de fato, diversas “barrigas”, não apagou seu brilho.

Sem esquecer…

… a atuação sublime de José de Abreu como Ernest Hauser. De vilão a “mocinho”, Ernest tinha com Pérola uma bela química em cena. Ernest era um homem com métodos arcaicos e cruéis para conquistar o que queria, e os momentos com a neta era onde não parecia nada disso. Derretia-se todo e no fim da vida, acabou descobrindo o amor e cumpriu sua missão, conforme Pérola fazia questão de repetir após sua morte.

Audiência

Como se sabe, “Joia Rara” não foi um suprassumo nos números do Ibope. Deu 18 pontos de média geral e 22 no último capítulo. Teve um desempenho ruim, mas é mais das produções da Globo que certamente conquistará prêmios internacionais.

A Globo não atravessa um bom momento “ibopicamente” falando. E isso afetou “Joia Rara”. A má performance de “Malhação”, a pior ainda de “Além do Horizonte”… É o efeito sanfona. Mas, repito: isso também não apaga a grande produção que foi “Joia Rara”.
Contatos do colunista: thiagoforato@natelinha.com.br – Twitter: @Forato_

SINAL DE JESUS EM ITAPIRANGA

Uma peregrina foi rezar as 15h o terço da misericórdia na cruz com os outros peregrinos. Ela queria ter a recordação do local para depois mostrar as suas amigas. Ela fez a foto da cruz e guardou depois o seu celular  para não atrapalhar a oração que os outros faziam. Quando ela foi ver a foto nela apareceu Jesus de pé, com manto azul olhando para as pessoas que rezavam o terço da misericórdia. Jesus está tocando com a sua mão esquerda na cruz.

Mensagem de Nossa Senhora em 05.04.2014


A Mãe Santíssima apareceu mostrando o seu Coração Imaculado que irradiava, sobre nós, raios de graças e de bênçãos. Com um olhar maternal e cheio de amor ela transmitiu a sua mensagem ao mundo:
A paz meus filhos amados, a paz!Eu, sua Mãe do Céu, venho lhes pedir orações pelos seus irmãos que ainda não abriram os corações a Deus e que se encontram distantes do seu amor.Filhos, olhem sempre para o meu Imaculado Coração e com o amor do meu Coração maternal eu os encherei das graças mais santas que os ajudarão a serem todos de Deus.Muitos não compreendem o amor de Deus, porque não pedem a minha ajuda e não se entregam com confiança ao meu Coração maternal.Rezem, meus filhos, rezem porque é por meio da oração que eu posso preparar os seus corações para Deus. Entrem no meu Coração Imaculado e eu os levarei até a Fonte da Sabedoria Eterna.Acolham os meus apelos e coloquem-nos em prática. Deus tem grandes coisas a realizar no Amazonas, mas para que isto aconteça vocês devem rezar, jejuar e saber oferecer tudo de si pelo Reino dos Céus.Eu estou aqui para ajudá-los a fazerem a vontade de Deus. A todos abençoo: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Bárbara Paz fala sobre romance que teve com José Wilker

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/9a46650200a4a09b10759efe8b1f62be.jpg
Divulgação

A atriz Bárbara Paz lembrou do romance que teve com José Wilker, que faleceu neste sábado (5), vítima de um infarto fulminante.

Em entrevista ao jornal da Globo News, a atriz da Globo disse: “Parceiro maravilhoso de cena, o humor dele era ótimo, nunca deixava ninguém sério. Ele foi uma pessoa muito fundamental na minha vida, a gente se conheceu jovem, eu fazia Antunes Filho e a gente teve um breve romance quando eu era adolescente. O José tinha uma liberdade intelectual. Foi uma pessoa muito importante na minha construção como ser humano. E, coincidentemente, a gente foi fazer o último par na novela Amor À Vida.”

 

NaTelinha

Conselho Tutelar será a primeira transmitida na tecnologia 4k

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/1ba37471e51af0cfeb30ad203c738911.jpg

Divulgação

“Conselho Tutelar”, a nova série da Record, já está em fase de finalização. A atração, ainda sem data de estreia, conta com uma inovação tecnológica e deve ser pioneira em TV aberta a ser transmitida em formato 4k.

O recurso permite que a imagem fique com uma qualidade quatro vezes superior ao Full HD. Assim, ao transmitir em 4K, a emissora irá permitir quem tem televisões com o mesmo formato, já comercializadas no país, a assistir com a maior definição possível.

O SBT chegou a gravar um clipe de “Carrossel” com a mesma tecnologia, enquanto que a Globo testou os formatos 4k e 8k. Porém, o sinal era convertido posteriormente para o HD de hoje.

Com informações do colunista Fernando Oliveira.

NaTelinha

Filha de José Wilker desabafa: “só tenho amor e agora saudades”

Ator teve um infarto fulminante na madrugada deste sábado (05)

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/e2f83b9e7d77e47f90b1e0bb542822fa.jpg

Foto: TV Globo/Cedoc

Isabel Wilker, uma das filhas do ator José Wilker, falou sobre a morte do pai em seu perfil no Instagram.

Ela postou uma foto abraçada com ele e com a legenda: “Só tenho amor, muito amor, e agora saudades, sempre. Obrigada a todos pelo carinho”.

Entenda

O ator faleceu na madrugada deste sábado (05), em sua casa no Rio de Janeiro.

Wilker teve um infarto fulminante enquanto dormia e morreu. A informação foi confirmada pela Globo News e depois pela Rede Globo, durante transmissão do vôlei.

Ele deixa as filhas Isabel, Mariana e Madá Wilker.

 A última aparição pública de José Wilker foi no evento “Vem Aí”, gravado na última quarta-feira (02) e exibido na quinta (03).  Ele inclusive brincou com Tatá Werneck. Os dois integraram o elenco de “Amor à Vida”, última novela que Wilker atuou.

Sua carreira no cinema também foi bastante extensa, o que lhe garantiu conhecimento e respaldo para participar de coberturas de eventos como as do Oscar.

Carreira:

José Wilker começou a carreira como locutor de rádio no Ceará, onde nasceu, e se mudou para o Rio de Janeiro aos dezenove anos.

Seu primeiro filme foi em 1965, “A Falecida”, com uma participação não creditada. Ele trabalhou com Fernanda Montenegro, a protagonista. Em 1979, esteve no elenco do filme “Bye Bye Brasil” e em 1985, no elenco de “O Homem da Capa Preta”.

Estreou nas novelas em 1971, em “Bandeira 2”, de Dias Gomes, na Globo. Fez muito sucesso com a novela “Roque Santeiro” na qual deu vida ao personagem-título junto com Regina Duarte e Lima Duarte.  Em 1987, se transfere para Rede Manchete, onde dirige o departamento de dramaturgia da emissora, mas em 88, volta para a Globo. Entre 1997 e 2002, dirigiu boa parte dos episódios do “Sai de Baixo”, além de ter participado de um dos episódios do programa, em 1998.

Interpretou personagens célebres na televisão, como Giovanni Improta, na novela “Senhora do Destino” e o ex-presidente Juscelino Kubitschek na minissérie JK. Em 2012 cai na boca do povo com o personagem Jesuíno Mendonça na novela “Gabriela”. O personagem foi marcado pelo bordão “Vou lhe usar”, que se tornou febre nas redes sociais.

No ano seguinte, narra a chamada da novela “Amor à Vida”, e no meio da trama entra no elenco como o personagem Herbert, no que seria sua última trama na TV.

Projetos:

Mesmo tendo saído de “Amor à Vida” em janeiro deste ano, Wilker não tinha intenção de parar de trabalhar por agora. Ele vinha sendo cotado para o elenco de “Geração Brasil”, a próxima novela das sete da Globo.

 

Ator global alfineta Walcyr Carrasco por papel dado a José Wilker – #WalcyrChurrasco

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/8d13f78b69fb62feceec69be66b10f80.jpg

José de Abreu critica Walcyr Carrasco no Twitter – Divulgação/Globo

A morte de José Wilker, ocorrida na manhã deste sábado (05) no Rio de Janeiro, continua gerando comoção e tristeza no Brasil.

As manifestações de apoio e solidariedade vêm ocorrendo pelas redes sociais. O ator José de Abreu prestou solidariedade ao ator mas também alfinetou Walcyr Carrasco, que escreveu “Amor à Vida”, último papel da carreira de Wilker, que interpretou o doutor Herbert.

“Espero que alguém se arrependa por ter dado como ultimo trabalho, um papel de m.. pro Ze Wilker”, disse Abreu, que estava no ar até hoje como o Ernest de “Joia Rara”.

A opinião de José de Abreu, embora radical, foi compartilhada por muitos outros. Até as 19h57 deste sábado, mais de 150 internautas espalharam a mensagem. Antes mesmo da publicação ocorrer, outras pessoas haviam feito tal ligação.

Vale lembrar que durante “Amor à Vida”, José Wilker teria pedido a Walcyr Carrasco para deixar o folhetim. O pedido ocorreu no fim de novembro mas não chegou a ser atendido. O ator se manteve na história até o capítulo final.

A trama de Herbert foi iniciada com uma suspeita de incesto, afinal ele se relacionava com Gina, papel de Carolina Kasting e de quem poderia ser pai. Temendo rejeição dos telespectadores, Walcyr mudou os rumos da história e deixou claro que não havia tal possibilidade. Herbert então passou a se relacionar com Ordália, vivida por Eliane Giardini, mãe de Gina e antiga paixão de tempos passados.

Ordália era casada com Denizard, papel de Fulvio Stefanini, que também demonstrou insatisfação com com o seu personagem em declarações recentes. “Esse personagem foi um personagem muito esquecido. Ele foi um pouco excluído, digamos assim, da trama central..Ele não tinha história, não tinha conflito, não tinha nada. Eu tirava leite de pedra pra conseguir fazer alguma coisa”, disse Stefanini no “Todo Seu”, atração de Ronnie Von na Gazeta, na última terça-feira (01).