ESPN anuncia exibição da final da Champions em 19 salas de cinema

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/8622304ca6d1824515ad5365066e8034.jpg

Divulgação

Como acontece em todos os anos, a ESPN Brasil irá transmitir a final da UEFA Champions League em várias salas de cinema espalhadas pelo Brasil.

Em 2014, cerca de 19 salas de cinema da rede Cinemark mostrarão a final, que será transmitida diretamente do Estádio da Luz, em Lisboa.

Em comparação ao ano passado, mais três cidades poderão ver o jogo no cinema: Aracaju (SE), Niterói (RJ) e Natal (RN).

A grande decisão do maior campeonato interclubes do mundo será mostrada nos seguintes lugares: em São Paulo, nos shoppings Eldorado, Market Place, Pátio Paulista e Metrô Santa Cruz; em Campinas, no shopping Iguatemi Campinas; no Rio de Janeiro, no Botafogo Praia e no Downtown; em Niterói, no Plaza Shopping Niterói; em Belo Horizonte, no BH Shopping; em Vitória, no Shopping Vitória; em Porto Alegre, no Barra Shopping Sul; em Florianópolis, no Floripa Shopping; em Curitiba, no Shopping Riomar; em Brasília, no Pier 21; em Cuiabá, no Goiabeiras Shopping; em Recife e em Aracaju, no Shopping RioMar; em Salvador, no Salvador Shopping; e em Natal, no Midway Mall Natal.

A ESPN escalou uma equipe inédita, que fará o jogo apenas para os que comprarem os ingressos: Cledi Oliveira será o narrador, com comentários de Mauro Cezar Pereira e Alexandre Oliveira.

Os ingressos custam 50 reais a inteira e 25 reais a meia entrada, e já podem ser adquiridos nas bilheterias do cinemas e no site oficial da Rede Cinemark.

A final da Champions acontecerá no dia 24 de maio.

NaTelinha

Carlos Henrique Schroder fala sobre “nova Globo”: “tem que ousar”

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/ea95e99629b319162bce0da7378ffbd6.jpg

Divulgação

 

Diretor-geral da Globo desde janeiro de 2013, o jornalista Carlos Henrique Schroder falou sobre as novidades da emissora este ano e sobre sua linha de comando na emissora.

Em entrevista para o jornal “Extra”, Carlos Henrique disse que quer incentivar o ambiente criativo no canal carioca e em todo o grupo, com o objetivo de se renovar: “A gente acha que tem que ousar. Vamos, por exemplo, avançar na produção de séries semanais com ganchos fortes, algo a que o público americano está acostumado, mas que aqui ainda é novidade. Nossa cultura é a das novelas diárias. ‘A Segunda Dama’ e ‘O Caçador’ vão ao ar uma vez por semana, e suas tramas não se encerram num só episódio. Cada capítulo terá um gancho forte chamando para o próximo. As temporadas serão curtas, e teremos, em vez de 12 produções, como no ano passado, 16”.

Sobre as novelas, Schroder comentou que é uma tendência que elas sejam mais curtas e citou “Meu Pedacinho de Chão”, que estreia nesta segunda (07) como exemplo. O remake da trama de Benedito Ruy Barbosa terá apenas 110 capítulos: “tais mudanças são resultado de fóruns de discussão internos que foram criados no ano passado para uma ampla reflexão sobre a programação. Desde o ano passado instituímos esses grupos polivalentes, com autores e diretores, que contam com cerca de oito pessoas. Já promovemos debates sobre seriados e atrações de variedades. Vamos fazer um sobre formatos brasileiros, outro sobre novelas”.

Perguntado sobre metas de audiência, o diretor afirmou que pretende investir em qualidade de programação, sabendo que o Ibope é consequência disso: “não trabalhamos mais com trilho. O produto tem que ter relevância, cativar, ter abrangência. E aí a audiência vem, é consequência. A qualidade é o principal. Costumo fazer uma analogia com o futebol. O técnico não pode exigir do time um número de gols num jogo. Mas o time tem que jogar bem. Não queremos recuar por causa de audiência”.

Atualmente, a Globo tem uma média diária de 14 pontos no Ibope da Grande São Paulo, sendo líder com bastante folga. Porém, programas como “Vídeo Show” tem sofrido com a concorrência da Record e SBT.

 

NaTelinha

Consolidados 03.04.2014 GRANDE SP

Chimbinha e Joelma, da banda Calypso, com Danilo Gentili no The Noite da madrugada de hoje
RESUMO: Depois de uma semana, o The Noite com Danilo Gentili voltou a vencer o Programa do Jô na madrugada desta sexta, 4. Os dois talk shows se confrontaram durante uma hora e um minuto, da 0h29 à 1h30. Nesse período, o SBT marcou 5,0 e a Globo, 4,9 pontos. Gentili também enfrentou o Agora É Tarde, da Band, da 0h29 à 1h02. Bateu por 5,5 a 1,5. Na Globo, Vem_aí marcou 21,4 na Grande SP
Por REDAÇÃO, em 04/04/2014 · Atualizado às 12h07 3 ABRIL 2014

 

Media dia (6h/0h): 13,6

Globo Rural: 3,7

Bom Dia São Paulo: 6,5

Bom Dia Brasil: 8,1

Mais Você: 7,3

Bem Estar: 6,3

Encontro: 6,6

SP TV 1a Edição: 11,6

Globo Esporte: 10,7

Jornal Hoje: 9,9

Video Show: 8,8

Sessão da Tarde: 8,7

Caras e Bocas: 14,8

Malhação: 14,7

Joia Rara: 21,3

SP TV 2a Edição: 22,6

Além do Horizonte: 23,0

Jornal Nacional: 23,6

Em Família: 29,5

Vem_aí: 21,4

Jornal da Globo: 10,0

Programa do Jô: 5,0

 

Média do dia (6h/0h): 6,6

Balanço Geral: 4,2

SP no Ar: 6,5

Fala Brasil: 6,4

Hoje em Dia: 4,3

Balanço Geral SP: 7,3

Programa da Tarde: 6,4

Cidade Alerta: 9,5

Jornal da Record: 8,7

Pecado Mortal: 5,7

Era Uma Vez: 4,5

Super Tela: 3,8

 

Média do dia (6h/0h): 5,1

SBT Manhã 2a Edição: 3,3

Bom Dia e Cia.: 4,6

Três É Demais: 6,5

Eu, a Patroa e as Crianças: 6,6

Casos de Família: 3,9

Café com Aroma de Mulher: 4,3

Por Ela Sou Eva: 3,7

Abraça-me Muito Forte: 3,4

Por Teu Amor: 4,0

Esquadrão do Amor: 3,6

Chaves: 5,9

SBT Brasil: 6,1

Chiquititas: 12,1

Rebelde: 6,8

Programa do Ratinho: 6,7

A Praça É Nossa: 7,4

The Noite: 5,0

Jornal do SBT Noite: 2,9

Média dia (6h/0h): 2,7

Jogo Aberto: 3,1

Os Donos da Bola: 3,2

Só Risos: 2,3

Sabe ou Não Sabe: 3,0

Os Simpsons: 2,9

Brasil Urgente: 4,9

Jornal da Band: 4,1

Show da Fé: 1,1

Zoo: 1, 7

Como Eu Conheci a Sua Mãe: 2,8

Os Simpsons: 3,8

Polícia 24H: 4,4

Agora É Tarde: 2,1

Jornal da Noite: 1,4


Rede TV! não divulgou as audiências.


Fonte: Emissoras

Cada ponto equivale a 65 mil domicílios na Grande SP


Sabrina Sato negocia participar de game show de humilhação no Japão

RESUMO: A Record negocia com duasredes do Japão para que Sabrina Sato participe de um game show. A ideia é que ela entre em uma atração igual às que inspiraram o programa Sobrevivi a um Desafio Japonês, em que os competidores eram submetidos a punições. Antes, Sabrina irá a Los Angeles entrevistar a atrizCameron Diaz. Ela começou ontem a gravar seu programa

Por DANIEL CASTRO, em 04/04/2014 · Atualizado às 06h30

A Record negocia com duas redes de TV do Japão, a gigante NHK e a TBS Fuji, para que Sabrina Sato participe de um game show no país. As negociações estão avançadas. Os games shows japoneses são famosos pela bizarrice. Chegaram a gerar um programa, chamado Sobrevivi a umDesafio Japonês, exibido pelo extinto canal People+Arts.

A inspiração da Record vem justamente desse programa. A ideia é levar a nova apresentadora para o Japão e fazê-la participar de uma competição na TV daquele país, registrando tudo. A viagem de Sabrina ao Japão, que causou mal-estar no Pânico na Band, que a acusa de “roubar” ideias do humorístico para a nova emissora, ainda não foi agendada. Depende justamente dessanegociação.

Os game shows japoneses tem como principal característica os “batsu games”, ou jogos da punição. Fazem sucesso há décadas no país expondo as pessoas ao ridículo. Vêm desse subgênero televisivo formatos como as Olimpíadas do Faustão, quadro exibido pela Globo nos anos 1990, cujo clímax era ver o participante de uma gincana tentar se equilibrar em uma plataforma e ser derrubado por uma bola gigante, disparada de um canhão. Mais recente, o quadro De Cara no Muro, também do Domingão do Faustão, tem origem japonesa.

A Record negocia para que Sabrina participe de uma competição mais leve, para poupar sua estrela de um grande vexame.

Cameron Diaz

Antes de ir para o Japão, Sabrina Sato viajará para Los Angeles, nos Estados Unidos. A ideia é que material dessa viagem entre no Programa da Sabrina de estreia, no próximo dia 26. Sabrina vai entrevistar a atriz Cameron Diaz e estuda uma reportagem sobre as gangues que invadem casas de celebridades, como no filme Bling Ring: Gangues de Hollywood.

Ontem (3), Sabrina Sato gravou seu primeiro piloto na Record. Em Paulínia (interior de SP), testou o formato de My Man Can (Meu Marido É o Cara), em que mulheres disputam uma competição sobre as habilidades de seus maridos.

Jérôme Valcke: Brasil próximo de uma nova era

Valcke: Brasil próximo de uma nova era

© Getty Images

Prezados amigos do futebol,

Acabo de pousar em Zurique vindo de um seminário na África do Sul, onde tive o prazer de testemunhar mais legados positivos deixados pela Copa do Mundo da FIFA 2010. Recordo-me bem de todas as dúvidas e críticas que acompanharam os meses finais de preparação na África do Sul e como a realização do evento era constantemente questionada pela mídia. Quase quatro anos depois, a percepção comum é a de que aquela foi uma Copa do Mundo brilhante que alimentou a confiança de toda uma nação e alavancou a confiança para os negócios internacionais. Além disso, o país também ficou fortalecido pelas melhorias em TI e infraestrutura de um modo geral, ao mesmo tempo em que observou um avanço no turismo. Infelizmente, o pessimismo é uma tendência comum quando se trata da realização de eventos de grande porte. Mas, no final das contas, as coisas sempre funcionam.

Apesar de a corrida estar sendo apertada na aplicação dos últimos pontos operacionais pelo Brasil, as pessoas já podem ver esse mesmíssimo legado criando forma — pelo menos aquelas que querem ver. Todos os relatórios que recebo indicam a velocidade e o afinco do trabalho no Brasil neste momento para concluir as preparações, não só para a Copa do Mundo, mas também para as melhorias da infraestrutura cultural, urbana e de transportes que continuarão servindo gerações futuras. Os diversos projetos sociais, entre os quais o treinamento de pessoal para o trabalho em uma enorme gama de setores de serviços, são grande prova disso. Sem falar no legado esportivo, que jamais deveria ser esquecido em pleno país do futebol, já que o Brasil está muito próximo de entrar em uma nova era em termos de estádios e serviços ao espectador.

Além disso, a FIFA possui uma estratégia de sustentabilidade abrangente, que vai do treinamento dos operadores dos estádios, para ajudá-los a gerenciar e manter esses locais de maneira sustentável, à prestação de serviços de narração para torcedores cegos ou com problemas de visão, o que será feito pela primeira vez em uma Copa do Mundo. Todo o equipamento, bem como todos os profissionais treinados, permanecerão no Brasil, e isso refletirá em outro importante legado a ser introduzido em jogos do Campeonato Brasileiro para que o futebol possa chegar a todos os torcedores.

Outro projeto fascinante é o “Andar de Novo”, do professor Miguel Nicolelis, cuja equipe vem trabalhando lado a lado com a nossa para integrar a oportunidade de apresentar ao mundo, pela primeira vez, durante a cerimônia de abertura, um jovem paralítico que irá caminhar para dentro do campo usando um traje robótico controlado pelo cérebro. O futebol está diretamente relacionado com a esperança, e poder imaginar a alegria de milhões de pessoas paralíticas que têm a oportunidade de andar novamente é uma iniciativa que a FIFA e eu, pessoalmente, apoiamos integralmente.

À medida que entramos juntos na reta final, a maior parte dos preparativos já está bastante avançada. Contudo, ainda resta trabalho para os próximos 69 dias, e seguimos mantendo a nossa colaboração junto às partes envolvidas no Brasil de modo a assegurar que todo o necessário para que as partidas sejam realizadas com sucesso esteja disponível. Essa é a nossa responsabilidade para com os cerca de 2,6 milhões de torcedores que compraram ingressos até o momento e para com as 32 seleções. As coisas estão evoluindo rapidamente em Curitiba e Porto Alegre — dois dos três maiores desafios que estamos enfrentando. Eu estava, e ainda estou, muito triste com o trágico acidente ocorrido em São Paulo. A segurança é um item essencial e a nossa maior prioridade, seja durante a construção ou durante o evento em si. Os meus pêsames vão para a família e os colegas de Fábio Hamilton da Cruz. Ao longo dos últimos meses, algumas fatalidades de cunho bastante trágico ocorreram nas construções no Brasil, e eu, como pai de família, sinto-me muito tocado.

Considerando-se o estágio de montagem e das instalações complementares no estádio do jogo de abertura, estamos confiantes de que o impacto sobre o cronograma será limitado e que o estádio estará pronto para receber os eventos-teste até a metade de maio. E a realização dos testes é fundamental e contínua em diversos estádios por todo o país, assim como aconteceu em Manaus na quinta-feira, quando alguns aspectos operacionais da Copa do Mundo foram implementados. As nossas equipes operacionais deram início à configuração da infraestrutura para emissoras, à tecnologia da linha do gol e às instalações de mídia. Esta edição contará com presença recorde da mídia internacional, com cerca de 18 mil representantes de mais de 160 países. Contando com um esforço conjunto de todas as partes, estaremos no prazo considerando-se que tudo esteja sendo feito pelas cidades-sede e pelo governo federal de modo que possamos oferecer o melhor nível de serviço apesar do cronograma apertado. Na próxima semana, realizaremos aqui em Zurique a segunda fase preparatória para os árbitros da Copa do Mundo da FIFA 2014.

Aguardo ansioso por receber mais notícias positivas dos nossos parceiros na organização da Copa do Mundo no Brasil, em especial sobre como os desafios que ainda temos de superar serão resolvidos nas próximas semanas, assim como aguardo ansioso para voltar ao Brasil após a Páscoa. No mesmo período, o troféu da Copa do Mundo da FIFA irá aterrissar em solo brasileiro para encerrar o seu tour, apresentado pela nossa parceira Coca-Cola, com um passeio por todos os 27 estados do país ao som da música oficial “We Are One (Olê Olá)”, a ser lançada na terça-feira, dia 8 de abril.

 

FIFA.com

Antenado: Você confia no Ibope?

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/9a9282a958f852365bfd732976501998.jpg

Divulgação

Essa pergunta já me foi feita bastante, mas bastante mesmo, neste anos que escrevo sobre televisão, não só por leitores mas por profissionais que trabalham no meio televisivo, como produtores, diretores e até apresentadores de alto escalão.

A impressão que sinto, e não é de hoje, é que há uma desconfiança, não só de quem gosta mas também de quem faz televisão. O problema, no que eu ouço de relatos, é o seguinte: o método de medição, hoje, é bastante falho. O sistema peoplemeter, de medição em tempo real, sai do ar em vários momentos, os números sem correção são muito diferentes dos corrigidos e dos consolidados, que são divulgados um dia depois.

Na internet, nos últimos dias, tem sido questionado bastante a audiência da novela “Em Família”. Na prévia, na quarta retrasada (26 de março), a trama marcou 24 pontos, enquanto no consolidado subiu incríveis 3 pontos, o que deu margem para questionamentos e acusações de manipulação à favor da Rede Globo.

Quem sempre questionou muito os métodos de medição foi o SBT. Silvio Santos, há alguns anos, bancou a criação do Datanexus, para tentar provar que os dados são diferentes dos apontados pelo instituto. Porém, a estratégia saiu pela culatra, já que os índices foram praticamente iguais, fazendo Silvio fechar a empresa.

Volta e meia, o diretor de programação da emissora, Murilo Fraga, reclama no Twitter sobre os números, criando até um bordão: “My name is Bozo!”. Acho as reclamações de Murilo exageradas, pois creio que ele acha que faz a melhor programação da TV brasileira, o que não é o caso. Mas isso é outro assunto. Onde quero chegar é: não sou apenas eu, mas todos que acompanham televisão acham os métodos de medição antiquados e antigos.

E é por isso que a chegada do instituto alemão GFK, que promete modernizar a medição, foi tão bem aceita pelas emissoras de televisão. O jeito de ver TV mudou. As pessoas não deixaram de assistir novela, programa de auditório, jornal, mas mudaram o jeito de ver. Gravam, assistem no YouTube, assistem nos portais oficiais das emissoras. E isso precisa ser levado em conta hoje em dia. Medir audiência baseada apenas na Grande São Paulo não dá mais, no meu ver.

Uma pena que a Globo não tenha assinado com o GFK, creio que a concorrência faz bem. E ao não assinar com o instituto alemão, a emissora carioca mostrou que confia muito no Ibope.

E você, acredita no Ibope? Acha que existe algum tipo de manipulação ou alteração nos números, favorecendo esse ou aquele programa ou emissora? Deixe seu comentário! Minha intenção é abrir um debate.

Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. Além do “Antenado”, é responsável pelo “Documento NaTelinha”. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer