Anunciantes irão gastar R$ 8 milhões com Vitória

Juliana Silveira vai participar da novela Vitória

Próxima novela da Record, Vitória, escrita por Cristianne Fridman, começa a ser vendida pela Record ao mercado publicitário.

 

O material da trama tenta conquistar anunciantes como Brahma e Bradesco, que teriam que desembolsar cerca de R$ 8 milhões para a emissora, com cotas na TV e na internet.

A novela tem estreia prevista para maio, substituindo Pecado Mortal.

O Planeta TV

Marília Pêra se afasta da TV para cuidar da saúde

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/db63395f178c66932f5590ad2cd96a94.jpg

 

Uma das atrações mais queridas de “Pé na Cova”, Marília Pêra deixará as gravações do seriado por tempo indeterminado para cuidar da saúde.

Segundo o colunista Fernando Oliveira, a atriz irá passar por uma cirurgia ortopédica e deve ficar de repouso por algumas semanas.

Para justificar a sua ausência, o autor Miguel Falabella já traçou o destino de Darlene, personagem de Marília na produção da Globo. Com problemas de alcoolismo, ela irá ser internada em uma clínica de reabilitação.   

A expectativa é de que Marília Pêra retorne em tempo de gravar a segunda metade dos episódios deste ano. Já entre as novidade, Diogo Vilela integra o elenco a partir desta nova temporada, que estreia em abril.

 

NaTelinha

Depois de demissão do SBT, Carlos Chagas acerta novo destino na TV

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/4a9d29362a78c40dfd4cdd8d43ead4cb.jpg

 

Com prestígio no mercado, já que há anos cobre os bastidores da política, o jornalista Carlos Chagas já tem nova função na televisão, depois de ser demitido do SBT.

Carlos Chagas foi contratado pela rede paranaense CNT, onde terá duas funções. Na primeira, ele fará comentários diários no telejornal “CNT Jornal”. A segunda será a volta do programa de entrevistas “Jogo do Poder”, onde apresentou por vários anos nesta emissora, na extinta Rede Manchete e na RedeTV!.

Chagas havia deixado a televisão há apenas 30 dias, quando foi demitido do SBT juntamente com José Nêumanne Pinto e Denise Campos de Toledo. Ele também, recentemente, saiu da Rádio Jovem Pan, onde era comentarista.

Além do trabalho na televisão, Chagas se dedica à divulgação de “A ditadura militar e os golpes dentro dos golpes”, livro editado e comercializado pela Editora Record que chegou ao mercado no fim de janeiro.

 

NaTelinha

Veja última conversa entre pilotos do AF 447 registrada pela caixa-preta

05/07/2012 15h37 – Atualizado em 06/07/2012 12h25

Quatro segundos antes do Airbus da Air France bater contra o Oceano Atlântico em 2009, deixando 228 mortos, o copiloto menos experiente, Pierre-Cedric Bonin, de 32 anos, percebeu que o acidente era inevitável e disse: “Nós vamos bater! Isso não pode ser verdade”.

A última conversa registrada pela caixa-preta na cabine foi divulgada nesta quinta-feira (5) pelo BEA (Escritório de Investigação e Análises) junto com o relatório final sobre a tragédia do voo AF 447.  A investigação concluiu que falhas humanas e técnicas, como o congelamento dos sensores de velocidade pitot, o automatismo do Airbus, além de falhas no treinamento da tripulação e na coordenação da cabine, provocaram a tragédia.

Nos segundos finais, Bonin passa o controle da aeronave para o copiloto mais experiente,David Robert, de 37 anos e com 6.547 horas de voo.

O comandante de bordo, Marc Dubois, de 58 anos e com quase 11 mil horas de voo, retorna à cabine do descanso durante a crise no voo e não assume os comandos.

A íntegra da transcrição da conversa na cabine, em inglês, está disponível no site do BEA.

Veja abaixo o último trecho da conversa entre os pilotos:

2h11min21 – Robert – Nós ainda temos os motores. O que está acontecendo (…)?
2h11min32 – Bonin – (…) eu não tenho mais os controles do avião. Eu não tenho nenhum controle do avião.
2h11min38 – Robert – Vire à esquerda
2h11min41 – Bonin – Eu tenho a impressão (que temos) a velocidade
2h11min43 – (Barulho de abertura da porta da cabine)
Dubois – O que vocês estão fazendo?
Robert – O que está acontecendo? Eu não sei, eu não sei o que está acontecendo
2h11min52 – Dubois – Então peguem os comandos logo
2h11min58 – Bonin – Acho que temos um problema, que tem muita variação.
Dubois – Sim.
Bonin – Não tenho mais nenhuma indicação
2h12min04 – Bonin – Tenho a impressão que nós estamos numa velocidade maluca, não? O que vocês acham?
2h12min07 – Robert – Não sei, mas não solte (…)
2h12min13 – Robert – O que você acha? O que você acha? O que devemos fazer?
2h12min15 – Dubois – Eu não sei. Está descendo.
2h12min26 – Robert – A velocidade?
2h12min27 – Robert – Você está subindo. Você está caindo, caindo, caindo
2h12min30 – Bonin – Mas eu estou caindo?
Robert – Caindo
2h12min32 – Dubois – Você está subindo
2h12min33 – Bonin – Eu estou subindo? Ok, então vou descer
2h12min42 – Bonin – Quanto subimos?
2h12min44 – Dubois – (…) não é possível!
2h12min45 – Robert – Como está a altitude?
Bonin – Estamos caindo ou não?
Robert – Agora você está caindo
Dubois – Coloque as asas na horizontal
Bonin – É o que estou tentando fazer
Dubois – Coloque as asas na horizontal
2h13min25 – Bonin – O que está havendo… Por que nós continuamos caindo?
2h13min28 – Robert – Tente encontrar um jeito de acionar os comandos lá pra cima, os principais etc.
2h13min36 – Bonin – Nove mil pés
2h13min39 – Robert – Sobe, sobe, sobe, sobe
2h13min40 – Bonin – Mas eu estou empinando já há algum tempo
Dubois
 – Não, não, não, não suba mais
Robert – Agora caindo
2h13min45 – Robert – Então me passe os comandos, me dê os comandos
2h13min46- Bonin – Siga, você tem o controle
2h14min05 – Dubois – Atenção, você está subindo.
Robert – Estou empinando?
Dubouis – Você está subindo
Bonin – Bem, é o que nós devemos fazer, estamos a 4 mil pés
2h14min18 – Dubois – Então puxa. Agora, tire!
2h14min19 – Bonin – Puxa, puxa, puxa, puxa
2h14min23- Bonin – Nós vamos bater! Isso não pode ser verdade…
2h14min25- Bonin– Mas o que está acontecendo?
2h14min28 – Fim das transmissões

Voo 447 (Foto: Editoria de Arte/G1)
Arte voo af 447 Vale este (Foto: Arte G1)

Venda de ingressos para a Copa do Mundo 2014 por ordem de compra começa nesta quarta-feira

A segunda fase da venda de ingressos para a Copa do Mundo 2014 começa nesta quarta-feira (12), às 8h. Diferente da primeira, a comercialização será por ordem de compra e não por sorteio. 160 mil entradas estarão à venda, mas os jogos disponíveis ainda não foram divulgados.

Para solicitar os ingressos, os interessados deverão fazer a solicitação pelo site da FIFA e ter, em mãos, um cartão de crédito ou débito. As compras não podem ser parceladas.

Cada pessoa pode comprar até 4 ingressos por partida e até 7 ingressos para jogos em diferentes datas. Não é possível encomendar entradas para 2 jogos no mesmo dia.

Estudantes, idosos ou beneficiários do Bolsa Família podem solicitar a meia entrada em ingressos para os jogos, somente na categoria quatro. Crianças, que não possuem carteira de estudante, e esses beneficiários, em outras categorias, pagarão o valor normal do ingresso.

Após a Solicitação

O ingresso é pessoal e intranferível e, após a aprovação da compra, serão enviadas confirmações por e-mail e SMS. Essa fase de vendas seguirá até o dia 1º de abril.

A entrega dos ingressos será feita nos Centros de Distribuição, que ainda não foram divulgados, a partir do dia 15 de abril.

Quem não conseguir comprar nessa fase poderá ainda conseguir os ingressos restantes na fase de vendas de última hora, a partir do dia 15 de abril.

Para mais dúvidas, os ingressantes podem acessar o Guia de Solicitação de Ingressos.

Veja tabela de localização por categorias e preços:

Mapa das categorias dos Ingressos

 

Preços dos Ingressos

 

Números de ontem do TV TOTAL

Isabel Vilela_Juliana Silveira

País Visualizações
Sinal BrazilBrazil 552
Sinal Estados UnidosEstados Unidos 51
Sinal TurkeyTurkey 17
Sinal MexicoMexico 5
Sinal SingapuraSingapura 5
Sinal PortugalPortugal 4
Sinal IndiaIndia 4
Sinal SwitzerlandSwitzerland 3
Sinal GermanyGermany 3
Sinal United KingdomUnited Kingdom 3
Sinal FranceFrance 2
Sinal AustráliaAustrália 2
Sinal MalaysiaMalaysia 2

United Airlines: why Melbourne got our first Boeing 787-9 Dreamliner

United Airlines: why Melbourne got our first Boeing 787-9 Dreamliner

The trans-Pacific run between Melbourne and Los Angeles was probably not anybody’s guess for the inaugural route of United Airlines’ first Boeing 787-9, but the airline says it’s all part of a plan to bolster its share of the Australian market.

“This is part of a larger business plan that we have for Australia, and one we have been working on for quite a long time now” Matt Miller, United’sManaging Director, Japan and Pacific Sales, tells Australian BusinessTraveller.

The Boeing 787-9’s move onto Melbourne-LA from October 28th also upgrades it to a direct route compared to today’s time-consuming and just plain bothersome Sydney stop-over.

This gives the US carrier three direct services between Australia and the US west coast, allowing United to take on Qantas and Virgin Australia, plus US competitor Delta from Sydney.

(It also remains the only airline flying direct from Sydney to San Francisco since Qantas axed its San Fran service in May 2011.)

“Melbourne to LA is a market that we have wanted to serve non-stop for many years” Miller says, describing the route as “a perfect fit for the Boeing 787-9. It’s the right size, the right range and the right economics.”

So why not Sydney for the Dreamliner’s debut?

“We wanted consistency in our product out of Sydney if you’re flying to either LA or San Francisco” Miller explains.

“We also heard that the three-cabin Boeing 747 aircraft with first class which we’re flying today day was still important for Sydney, so we to maintain that same three-class configuration in the Boeing 777.”

United says first class remains popular with Sydney travellers

“And the majority of customers we’re flying out of Melbourne are going to LA, so we want to capitalise on that.”

Miller hopes the Melbourne-Los Angeles service will be bumped up from the initial six flights a week to daily status next year when United takes delivery of more Boeing 787-9s.

“As soon as we continue to take more of the 787-9s we will up it to a daily service” Miller says. “We’re looking to do that sometime in 2015, that’s our goal.”

Jumbo’s farewell

Replacing the Boeing 747s which currently run between Sydney and the US with Boeing 777s from April 1st is another element in United’s overhaul of its Aussie routes.

Miller is well aware that the Boeing 747’s track record for delays and cancellations out of Sydney is a sore point with business travellers.

“I’ll certainly admit that we’ve had some challenges with the 747 but the 777 is going to be a great plane for Sydney” he affirms.

“The 777-200 is the backbone of our long-haul international services all around the world and we have leading on-time statistics in the countries we’re using this aircraft, so we’re really confident that it’s going to exceed expectations, especially in terms of reliability.”

Sydney flights re-timed

When Melbourne goes direct to Los Angeles from October 28 and loses its ‘tag’ flight to Sydney, United will adjust the schedule for both Sydney flights.

“We’ll retime these flights for an earlier departure out of Sydney, which means an earlier arrival on the west coast and easier connections to New York and the rest of the east coast, to get you there before dinner time” Miller says.

“That’s something we’re not able to do today when you’re waiting for that Melbourne flight to come up and connect with Sydney.”

While that United is “still working through” the revised schedule, the flights to Los Angeles and San Francisco will probably be staggered “to give our customers more of a choice.”

“We’ll probably have one that turns around on arrival (from the US) and goes back in the morning, and another one leaving an hour or two later” Miller expects.

However, Miller is non-committal on the prospects of the direct Houston-Auckland route which United had previously tagged for the Boeing 787’s debut.

“We do have a very large customer base in New Zealand and now we’ll be able to serve them via Sydney or Melbourne direct to the west coast, so the situation is a little bit different then it originally was when we looked at Houston to Auckland.”

“But Houston is still a really important hub for us, and Auckland is as well, so we’ll continue to look at that.”

 

Source : Australian Business Traveller