Conheça o primeiro entrevistado do The Noite com Danilo Gentili

Fábio Porchat será o convidado do programa de estreia de Danilo Gentili no SBT. O The Noite estreia na segunda-feira (10).

O humorista do Porta dos Fundos será alvo de uma pegadinha no final da atração. O cenário do The Noite traz imagens de São Paulo e uma plateia para 160 pessoas.

Confira uma parte do cenário do programa, que vazou nas redes sociais:

O Planeta TV

Gravação de “Geração Brasil” confunde pessoas e é alvo de protesto no Rio

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/436cad92397d0314c283dc433ed7080d.jpg

A gravação de uma das cenas de “Geração Brasil”, a próxima novela das sete da Globo, foibastante difícil por conta de uma confusão seguida de um protesto no Rio de Janeiro. As informações são da coluna Controle Remoto.
Tudo começou quando, em meio à produção de uma cena de manifestação na faculdade de arquitetura da UFRJ, os alunos da própria instituição começaram a fazer um protesto contra a equipe.
Alguns dos envolvidos no manifesto armado chegaram a acreditar que o mesmo fazia parte da produção e que os alunos verdadeiros também eram figurantes.
Sem controle da situação, a gravação acabou sendo cancelada pela direção do folhetim.
“Geração Brasil” estreia no dia 05 de maio, substituindo “Além do Horizonte”.
NaTelinha

Sindicato dos Jornalistas do Rio critica privilégios da Globo no Carnaval

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/626fffe817762d4cbc25cd8ced91fbdc.jpg

O Sindicado dos Jornalistas do Rio de Janeirodivulgou uma nota nesta sexta (07), onde critica alguns privilégios que a Rede Globo teve na cobertura do Carnaval deste ano.

A entidade diz que, mesmo com as melhorias em relação ao ano passado e com a fiscalização, muitas coisas ainda não mudaram. Segundo eles, apenas a Globo tem acesso aos entrevistados de escolas de samba, mestres-salas e porta-bandeiras, dentre outros membros.

Além disso, dezenas de seguranças impediram o acesso dos jornalistas que não eram da emissora carioca a personalidades no local, o que caracteriza uma “política de favorecimento”. Um repórter do jornal “O Dia” teria sido agredido, mas o caso foi levado à Polícia Civil, cujos agentes localizaram oautor, que foi autuado e levado em seguida ao Juizado Especial local.

A Globo ainda não se pronunciou sobre as acusações do sindicato.

Confira o comunicado na íntegra:

“Legítimo instrumento de luta da categoria, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro agiu preventivamente e também na própria Avenida Marquês de Sapucaí para fiscalizar as condições de trabalho da categoria nos dias de folia. O tratamento dispensado pelos organizadores do evento aos jornalistas foi avaliado como melhor do que nos anos anteriores — houve um inédito serviço de lanche e melhor estrutura na Sala de Imprensa. Ainda assim foi possível observar alguns empecilhos graves ao pleno exercício profissional dos profissionais de imprensa na cobertura das escolas de samba.

A principal queixa referente aos organizadores se referiu à própria política de organização da cobertura do espetáculo, que, conforme testemunhou o Sindicato, privilegiou de modo abusivo o acesso a entrevistados por apenas um veículo de comunicação, a Rede Globo.

Dezenas de jornalistas em plantão na Apoteose sofreram notório cerceamento ao seu trabalho em função do uso de seguranças e de equipamentos a serviço da própria Riotur/Liesa, como o Carvalhão, para impor a exclusividade das entrevistas à Rede Globo, instalada no palco da Praça da Apoteose. Mesmo quando as personalidades demonstraram interesse em conceder entrevistas aos demais veículos credenciados para a cobertura, foram impedidos de fazê-lo por dezenas de seguranças. Houve jornalistas feridos no tumulto provocado por essas situações.

O Sindicato manifesta total repúdio a essa política de favorecimento a uma única emissora nas condições da cobertura jornalística do evento, mesmo que esta detenha os direitos de transmissão do evento. Direito de transmissão não pode ser confundido com a liberdade de cobertura de um espetáculo público como o Carnaval. O direito dos jornalistas ao trabalho não pode ser cerceado.

Na semana anterior ao espetáculo, o Sindicato visitou o Ministério Público do Trabalho para reivindicar atenção dos seus fiscais às condições de trabalho dos jornalistas na Sapucaí. Vamos encaminhar nesta semana as denúncias e situações que foram constatadas de violação de direitos.

Em função de um histórico lamentável de agressões de seguranças do evento contra jornalistas, o Sindicato também conversou com o responsável pela equipe de seguranças do Sambódromo.

O principal caso de violência notificado pelo nosso Sindicato partiu de um folião que agrediu um repórter fotográfico do jornal O Dia no setor 11. O caso foi levado à Polícia Civil, cujos agentes localizaram o autor, que foi autuado e levado em seguida ao Juizado Especial local. O Sindicato, em apoio ao jornalista, acompanhou todos os procedimentos.

Os organizadores não informaram ao Sindicato até a tarde desta última quarta-feira (5/3) quantos jornalistas trabalharam credenciados na Sapucaí ao longo deste Carnaval 2014”.

 

NaTelinha