“Pecado Mortal” e “Além do Horizonte” são ótimos folhetins policiais

Marcello Novaes, Caco Ciocler e Thiago Rodrigues em "Além do Horizonte" (Foto: Divulgação/TV Globo)

Marcello Novaes, Caco Ciocler e Thiago Rodrigues em “Além do Horizonte” (Foto: Divulgação/TV Globo)

O telespectador não está dando a devida atenção para duas ótimas novelas atualmente no ar: “Pecado Mortal” (de Carlos Lombardi, na Record) e “Além do Horizonte” (da dupla Carlos Gregório e Marcos Bernstein, na Globo). Ambas passam por uma audiência vexatória e carregam o estigma do “menor Ibope”. “Pecado Mortal” é o menor Ibope entre as novelas da Record desde a retomada da dramaturgia da emissora, em 2004 – oscila entre 4 e 5 pontos. E “Além do Horizonte”, o menor Ibope da história entre as novelas do horário das sete da Globo – média de 19 pontos (há um ano, no mesmo período de horário de verão, “Guerra dos Sexos” estava em 21).

As duas causam/causaram preocupação em suas emissoras. “Pecado Mortal”, apesar de bem recebida pela crítica especializada, tem audiência ainda menor que os metralhados três folhetins anteriores (“Máscaras”, “Balacobaco” e “Dona Xepa”). Era grande a esperança da Record em retomar o público que se esvaiu do canal, mas só decepcionou. Numa estratégia para melhorar o seu primetime, a emissora jogou a novela para concorrer diretamente com a nova atração da Globo, a aguardada “Em Família”, de Manoel Carlos. É claro que não surtiria efeito.

Além do Horizonte” começou com ares de “inovação”. Uma trama cheia de mistérios – que lembrava seriados americanos do gênero – e subjetiva demais (a busca da felicidade) que afastou o público, não acostumado com esse tipo de abordagem às sete horas. Com o horário de verão, não teve como escapar da pecha de “menor audiência da história no horário”.

Fernando Pavão e Simone Spoladore em "Pecado Mortal" (Foto: Divulgação/TV Record)

Vejo que os dois folhetins têm algo em comum: atualmente, são tramas carregadas de ação, com uma pegada policial, mas sem abandonar o romance. “Pecado Mortal”, desde o começo, tinha ação, perseguições policiais e o humor sarcástico embutido no ótimo texto de Carlos Lombardi. Para chamar a atenção do público, o que autor fez? Engrossou o romance e o apelo familiar, com muitas cenas de idílio amoroso entre os protagonistas Carlão (Fernando Pavão) e Patrícia (Simone Spoladore) e sua prole.

Além do Horizonte”, por sua vez, abandonou os mistérios nebulosos e deixou claro para o público do que se tratava, carregou no romance (inclusive rearranjando casais românticos), no humor e transformou-se de uma trama de suspense em uma trama policial. A novela ganhou em agilidade narrativa. Aliás, foi impressionante a forma como os autores reverteram a situação, transformando personagens dúbios (como Líder Jorge/Cássio Gabus Mendes, LC/Antônio Calloni, Hermes/Alexandre Neroe Tereza/Carolina Ferraz) em tipos bem mais ricos e interessantes.

Quando se fala em tornar uma novela mais digerível para o público médio, o primeiro diagnóstico é o de que falta romance na trama. Folhetim é folhetim, não é seriado americano (e nem cabe comparação). Não adianta fugir da velha fórmula de amores complicados, cheios de percalços. Até a revolucionária “Beto Rockfeller” (1968-1969), considerada a grande virada na teledramaturgia brasileira, manteve-se fiel ao gênero. “O Bem Amado” (1973), “Roque Santeiro” (1985-1986), “Vale Tudo” (1988), “Que Rei Sou Eu?” (1989), todas tinham boas doses de amores conflituosos. O público mais conservador entende que vai assistir a algum romance. Se não o reconhece, estranha.

O Rebu” (1974) e “A Próxima Vítima” (1995) são exemplos de folhetins policiais por excelência (romance + o gênero policial). “Pecado Mortal” e “Além do Horizonte” são interessantes casos de novelas policiais em que o folhetim não está abandonado. A proposta de “inovação” sempre será bem vinda. Mas não adianta reinventar a roda. E o mais do mesmo feijão com arroz ainda funciona, mesmo em tempos de novas mídias e concorrência com tv a cabo e internet. Chamar a atenção da audiência adormecida é outra questão. E não é tarefa fácil.

 

Nilson Xavier – Universo Online

Um comentário sobre ““Pecado Mortal” e “Além do Horizonte” são ótimos folhetins policiais

  1. Com as mudanças ocorridas em alem do horizonte ouve um maior interesse do público , a novela mesclou humor, suspense, drama , romance na medida adequada além de dar ritmo as cenas e o que ocooreu foi um belo aumento de audiência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.