Tony Abbott’s report card: The first 100 days

December 16, 2013 – 7:39AM

Opinion

Mark Kenny

Chief political correspondent

Tony Abbott was typically generous. “We’ve made a strong start,” he opined through successive early morning interviews.

Abbott is prey to a raft of situational factors of his own making

The end-to-end chats with the chief correspondents of all the major mastheads were designed to spruik the Government’s achievements, approaching the otherwise meaningless 100-day mark.

The first ton: The polls already have the Opposition in front of the government.The first ton: The polls already have the Opposition in front of the government. Photo: Alex Ellinghausen

It’s been a rough ‘ton’ beset by problems such as the MP’s entitlements furore, the Indonesian spying allegations, the vetoed GrainCorp take-over, the education funding row, and big troubles for Holden and Qantas.

Advertisement

What Abbott’s rave review lacked in objectivity, it made up for in enthusiasm.

Far more influential though will be the assessments of the financial markets, his parliamentary colleagues, and of course the voters.

Already, more people back the Opposition than the government. The last Newspoll and Fairfax Nielsen polls put two-party support for Labor at 52 per cent to the Coalition on 48.

It is still a long way to the next election and nobody believes that result would be replicated even if an election were held now.

But the sharp collapse in government enthusiasm is remarkable nonetheless – a reminder perhaps of the new volatility in politics as the big voting blocs of Labor and Liberal continue to fray.

These factors aside, Abbott is prey to a raft of situational factors of his own making.

First, there is his low popularity – he is the only prime minister in the contemporary era to be elected with a negative net approval rating.

Then there’s the very live question of expectation management. Here, Abbott faces a deadly foe: an earlier version of himself, still strong in the voters’ memories. Abbott the opposition leader, was the ultra-priest of political cut-through.

Complex policy challenges were reduced to cartoonically blunt goals such as stop-the-boats, axe-the-tax, end-the-waste, repay-the-debt, and balance-the-budget. Their strength was their simplicity, their memorability, their unadorned straight-forwardness.

Once in government however, those same qualities make the promises very difficult to resile from. In short, voters remember them.

It turns out, ‘cut-through’ cuts both ways.

Retro-fitting nuance into election slogans which had only masqueraded as policies, is seen for what it is – dissembling.

Witness the storm when Christopher Pyne claimed the government had not promised to keep Labor’s Gonski school funding but rather just the school funding “envelope”.

Voter reaction was scathing. Abbott was made to wear his election-eve declaration that he was on a unity ticket with Kevin Rudd on school funding, like a crown of thorns.

Retreat was inevitable. And costly.

Abbott to his credit, has since turned the failed deceit on schools into a kind of personal catharsis by reframing it as a prime ministerial lesson on the value of keeping your word – both in letter and in spirit.

Among the other explanations for the Government’s surprisingly swift descent into unpopularity is the sense that the government is not what it said it would be. The Opposition has hammered this for all its worth but then, why not?

After all, Abbott came to power promising to restore trust, put the adults back in charge, run an open government, and end the inveterate profligacy of Labor.

Yet his response to problems as they have arisen has tended to assert the opposite. When the MP’s entitlement stories emerged for example, Abbott refused to act. The promise of attacking dishonesty, of rooting out waste, of being open and accountable, evaporated. By his refusal to impose a new standard, Abbott sent the opposite message – that as Julia Gillard had with Craig Thomson and Peter Slipper, Abbott would put his MPs ahead of voters, even if they were wrong.

Ditto for the alleged debt crisis. An Opposition waging a war on debt suddenly became a government looking to double the credit card limit. Of course it’s not that simple, but when your entire policy fiscal policy was reduced to axe-the-tax, repay-the-debt, and end-the-waste, you can hardly cry foul when you are marked against such rudimentary benchmarks as well.

Abbott couldn’t axe the taxes because he couldn’t control the Senate – he knew that before the election. Now we find out he couldn’t simply pay down the debt because it will keep growing even past this term. Again, he must have known this. And so it goes. And as for openness, his Border protection minister has been a monument to arrogance.

Going into 2014, the fortunes of the Abbott government will rest substantially on Treasurer Joe Hockey’s ability to communicate a new more complicated message while stimulating a slowing economy. Abbott and his team have found out that governing is complex and that slogans might get you elected, but they are no substitute for policy.

The Sydney Morning Herald

Perth Glory calls crisis talks over captain-coach feud

December 15, 2013 – 9:46PM

Alistair Edwards.

Alistair Edwards. Photo: Getty Images

The futures of Perth Glory coach Alistair Edwards and captain Jacob Burns are in doubt after the pair became embroiled in a bitter feud.

Burns was furious at his coach after being left on the bench during Friday night’s 2-0 loss to Melbourne Victory.

The 35-year-old had just returned from a two-week suspension, and couldn’t understand why he wasn’t given any game time in a team already missing a host of its best players.

Jacob Burns.

Jacob Burns. Photo: Getty Images

The Glory launched crisis talks on Saturday in a bid to settle a rumoured player-driven revolt against Edwards, who has been accused of favouring his two sons, Ryan and Cameron, over other players.

Advertisement

”There’s definitely a rift between Jacob Burns and myself, that’s for sure,” Edwards said.

”It stems from the fact we had a discussion a few weeks ago about his future at the club. I couldn’t give him any assurances about what’s happening going forward. Since then it’s been a bit testy.

”And because he wasn’t reintroduced into the team after winning last week, it sort of caused a bit of a problem.”

Edwards is in the first season of a three-year deal after replacing Ian Ferguson in February.

But with rumours rife that he has lost the trust of a host of senior players, his position is under threat.

Burns, who has been with the club since 2009, is also facing an uncertain future.

When asked whether Burns would play for the Glory again, Edwards said he wasn’t sure.

AAP

The Sydney Morning Herald

Winning Asian Cup must become our focus

File:2015 AFC Asian Cup crest.png

The World Cup draw has played right into Ange Postecoglou’s hands. Not that I like it. I don’t. But the silver lining to the black cloud which rained on the Socceroos parade in Costa do Sauipe is that the chances of winning the 2015 Asian Cup have improved immeasurably as a result. And that’s got to be the end game for this difficult period of transition after all.

The Australian reaction to a draw which has given us the two finalists from the last World Cup and one of South America’s toughest teams has been very PC. Players have talked about their excitement about being tested against the best. Postecoglou has talked about ‘embracing the challenge’. All true, to a point.

But let’s not ignore the blindingly obvious. We won’t get through. Am I the only person in Australia who was hoping for a team like Switzerland, or Bosnia-Herzegovina, or Greece, or Algeria, or even Ecuador to give us a fighting chance of reaching the knockout stage? I’ve always been a glass half-full kind of guy when it comes to the Socceroos, but even I cannot allow myself one percent of hope that we will get out of this group. The international reaction to our ‘Group of Death’ draw takes all the emotion out of the discussion. No one gives us a snowflake’s chance in hell of progressing. To be frank, I can’t even see us getting a point.

Do I find that disappointing? Well, yes, I do. I’ve been fortunate enough to have been to the last six World Cups, and it’s the fairytales I tend to remember. Much as I have enormous faith in Postecoglou’s coaching – and I’m sure the players will be primed to rise to the occasion – there won’t be any fairytales in Cuiaba, Porto Alegre or Coritiba. That’s not pessimistic. It’s realistic. C’mon, admit it, it would have been nice to dare to dream.

So what do we do instead? We use the World Cup to prepare for the Asian Cup, that’s what we do. And in that sense the draw is a godsend. There’s now no pressure on the Socceroos to get results in Brazil. Absolutely none. Postecoglou has a completely free hand to select his squad with the Asian Cup in mind. Bad news for a few veterans who have probably already played their last game. But good news for the emerging talent which, until now, has been held back in deference to the so-called ‘Golden Generation’.

Even better, these players, the coaching staff, and the team as a collective, will be given the best-possible tune-up free of charge. What would it cost to arrange friendlies against Spain, Chile and The Netherlands? Let’s just say there wouldn’t be much change from the $8.8million the FFA is reportedly getting for participating in the World Cup. This way Postecoglou gets to learn more about his players, and perhaps himself, than he could have hoped for under any other circumstances. And that, to me, is the real excitement from the draw.

Unlike Germany, unlike South Africa, the environment in and around the team in Brazil will be cool, calm, and collected. That’s a rare privilege, and means Postecoglou has the luxury of working without distraction, without interference, and, yes, without pressure.

Each game can be planned in splendid isolation. How the team, and how individuals, contend with the varied tactical and technical challenges presented by Spain, The Netherlands and Chile, will tell Postecoglou everything he needs to know.

The World Cup has, to me, become Mission Impossible. Winning the Asian Cup, by contrast, remains a realistic target. Ideally, things would have turned out differently. But that’s the luck of the draw, after all.

The views expressed in this article are solely those of the author, and do not reflect those of Football Federation Australia.
Mike Cockerill

Raja Casablanca 2 x 1 Monterrey

A surpresa Raja no caminho do Galo

© Getty Images

O técnico Cuca preferia enfrentar o mexicano Monterrey, para evitar surpresas na estreia da Copa do Mundo da FIFA 2013. No entanto, será justamente contra a zebra Raja Casablanca que os brasileiros iniciarão sua campanha rumo ao título mundial. Depois de derrotar o Auckland City no último minuto, a equipe local voltou a aprontar na competição ao vencer os mexicanos por 2 a 1, na prorrogação, e marcou encontro com o Galo na semifinal do dia 18 de dezembro.

Antes em má fase e de técnico novo após uma série de derrotas, o campeão marroquino de 2013 agora aparece revigorado e com armas perigosas para incomodar o campeão da Libertadores. A principal delas, aliás, entrou em ação antes mesmo de a partida começar: sua fanática e barulhenta torcida, que canta sem parar em espanhol, árabe e francês e promete lotar também o estádio em Marrakech. Sem parar de vibrar um minuto sequer, os quase 40 mil espectadores em Agadir colocaram pressão nos mexicanos desde o início e explodiram junto com o time após o apito final.

Outra destas armas que Cuca e o Galo terão de prestar atenção apareceria no decorrer da primeira etapa. Com ao menos cinco defesas importantes, em chutes perigosos de Neri Cardoso – um deles cara a cara que poderia ter definido a vitória na segunda etapa – e Cesar Delgado, Khalid Askri fechou o gol marroquino, mostrando que o sábado seria dos mais complicados para os campeões da CONCACAF.

E se contava com grande atuação do goleiro, no ataque o Raja mostrou força com arrancadas ousadas. Em uma delas, o lateral Zakaria El Hachimi recebeu no meio da área, mas se afobou na hora de concluir. Pouco depois, ele apareceu pela ponta, cruzou e viu o goleiro Jonathan Orozco falhar feio, deixando a bola livre para o aniversariante Chemseddine Chtibi marcar.

Outro que se destacava era Mouhssine Iajour, que teve a chance de marcar no fim do primeiro tempo, quando seu chute quase sem ângulo atravessou toda a linha do gol, e também no segundo. E mesmo que tenha visto o Monterrey criar as melhores chances, foi com frieza que o Raja decidiu sua classificação na prorrogação, quando o marfinense Kouko Guehi completou de cabeça um escanteio da esquerda.

O Monterrey ainda tentou desesperadamente chegar ao empate, em cruzamento na área e em chute de Humberto Suazo no finzinho, mas não conseguiu, aumentando a série de maus resultados para equipes mexicanas em Mundiais – e a sua também, que já incluía eliminações precoces na atual Liga dos Campeões e no Campeonato Mexicano.

Por outro lado, o Raja Casablanca segue fazendo história na competição 13 anos após perder as três partidas no torneio realizado no Brasil – uma delas para o Corinthians. E o Galo que fique ligado para não se tornar uma nova surpresa nessa caminhada do campeão marroquino.

 

FIFA.com

Globo não vai transmitir estreia do Galo no Mundial de Clubes

 

É oficial: a direção da Globo decidiu não transmitir para todo país a estreia do Atlético Mineiro no Mundial de Clubes do Marrocos, quarta-feira, dia 18, às 17h30 (hora de Brasília).

A primeira partida do time de Ronaldinho Gaúcho na competição será exibida apenas para Minas Gerais.
Na equipe de transmissão: Galvão Bueno, Arnaldo Cezar Coelho, Bob Faria e Casagrande.
Os repórteres Guto Rabelo, Maíra Lemos e Eric Faria, no Marrocos, acompanham o Mundial.
A Globo informa também que se o Atlético-MG chegar à final, no sábado, dia 21, haverá a transmissão do jogo para todo o país com a mesma equipe.
Internamente, comenta-se que a decisão de não mostrar em rede a estreia do clube brasileiro no Mundial está relacionada aos problemas de audiência enfrentados pela emissora naquela faixa de horário, onde transitam “Malhação”, “Joia Rara” e “Além do Horizonte”, principalmente. A Globo tem sofrido com a concorrência de programas policiais como “Brasil Urgente”, da Band,  e “Cidade Alerta”, da Record.
A Bandeirantes, através da sua Comunicação, informa que vai transmitir, quarta-feira, o jogo de estreia do Atlético Mineiro no Mundial de Clubes do Marrocos.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Está muito difícil a situação de Luciano Faccioli na Bandeirantes

O apresentador Luciano Faccioli

O apresentador Luciano Faccioli

É bastante complicada a situação do Luciano Faccioli na Band.
O que se sabe é que ele ainda tem contrato na casa, mas ficará sem programa a partir da estreia do novo jornal da manhã. E que não estaria disposto, por exemplo, a abrir mão da atual condição de apresentador para voltar a ser repórter, por exemplo.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Band quer as participações de José Simão e Ricardo Boechat no novo jornal

José Simão
Já se sabe que neste seu novo jornal das manhãs, a direção da Bandeirantes pretende promover a unificação de todos os seus veículos – rádio e TV.
Apenas a Bandeirantes AM é que, neste primeiro momento, não será envolvida no meio disso.
Outra questão
Levando em consideração todas as conversas sobre o projeto e os pilotos gravados nos últimos dias, até com certa facilidade se conclui que a ideia é desenvolver um informativo na mesma linha da rádio BandNews FM.
Existe o desejo, inclusive, de contar com a participação especial de alguns nomes conhecidos, casos do José Simão e Ricardo Boechat.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Conversas de bastidores não podem ser levadas ao ar nos canais da Globo

Tanto na Globo aberta quanto nos seus canais pagos, há uma orientação para que seus profissionais não levem para o ar, durante programas ao vivo, assuntos particulares tratados nos bastidores. E isso também inclui certas brincadeiras.
Algo que, fatalmente, deve levar todos a se lembrar do episódio Galvão x Renato Maurício Prado.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Copa do Mundo promete mexer com toda a Globo

 

O Globo Esporte – São Paulo está preparando várias séries especiais para exibição a partir de janeiro. É o caso, por exemplo, de “Narradores”, que irá movimentar uma grande parte da sua equipe de repórteres.

O plano é enviar todos eles para a Argentina, Espanha, Itália, Portugal e México, além de outros países diretamente envolvidos com o mundial e entrevistar, em cada um deles, os principais profissionais desta área.
Narradores brasileiros também serão convidados a participar do programa, mas a lista ainda não foi definida. Há ainda a questão que envolve nomes de outras emissoras, se serão chamados ou não.
A Globo, em todo o primeiro semestre de 2014, vai ser muito assim, com várias das suas ações diretamente ligadas com a Copa que vai acontece em nosso país entre os dias 12 de junho e 13 de julho.
A novidade nisso é que outros setores da emissora, como o jornalismo de forma natural, mas também o artístico, através de alguns dos seus nomes mais importantes, também serão convocados a participar de eventos que possam promover a competição.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Personagens centrais do julgamento da Lusa já defenderam teses opostas

No passado, advogado do Fluminense sustentou teoria semelhante à atual defesa da Portuguesa, e procurador-geral do STJD descarta contradição no caso Tartá em 2010

Saem os jogadores, entram os advogados. Em semana agitada com a expectativa pelo julgamento da Portuguesa, que acontecerá nesta segunda-feira, eles estiveram sob os holofotes. Procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e autor da denúncia da irregularidade do jogador Héverton (após notícia de infração feita pela CBF), Paulo Schmitt foi um dos protagonistas. Na sexta-feira, circulou uma declaração sua de 2010, na qual a posição difere da adotada atualmente. O procurador, contudo, nega ter caído em contradição e chegou a enviar uma nota oficial para explicar a questão. Outros dos três personagens do julgamento desta segunda, como o advogado do Fluminense Mário Bittencourt, parte interessada no processo que pode livrar o clube do rebaixamento, já defendeu tese oposta ao que seu atual cliente alega.

Em 2010, Bittencourt esteve do outro lado. O seu escritório era contratado pelo Grêmio Prudente, que perdeu três pontos no Brasileirão por ter escalado irregularmente o jogador Paulão na derrota para o Flamengo. O caso é bastante semelhante ao da Lusa, já que na sexta-feira anterior ao jogo o atleta havia sido suspenso pelo STJD. A tese foi elaborada pelo escritório de Mário Bittencourt e sustentada no julgamento pelo advogado Pedro Vasconcellos.

Bittencourt explicou que construiu a tese a pedido do cliente, reconhecendo ser bastante semelhante aos argumentos atuais da Portuguesa, mas ressaltou que saiu derrotado do tribunal com essa defesa. Por isso, acredita que o mesmo acontecerá com o time paulista nesta segunda-feira.

– Na época, quem atuou diretamente no caso foi o doutor Pedro Vasconcellos, que trabalhava conosco. A pedido do cliente, construímos uma tese bastante semelhante a esta que a Portuguesa vai defender agora. Perdemos. O que me faz ter a convicção de que o STJD manterá seu entendimento e a Portuguesa perderá os quatro pontos neste caso. Mas nosso cliente se convenceu de que fizemos o possível para defendê-lo, apesar de termos perdido, não prosperando a tese defendida que era frágil diante do que diz a lei, o regulamento e toda a jurisprudência do tribunal. Até mesmo por isso o cliente manteve o contrato com nosso escritório – disse Mário Bittencourt.

documento Grêmio Prudente advogado (Foto: Reprodução)Parte da defesa do Grêmio Prudente em 2010: clube perdeu três pontos por escalação irregular (Foto: Reprodução)

Agora, terminado o campeonato, o Fluminense torce pela perda dos pontos da Portuguesa. Se a Lusa for punida por ter colocado o suspenso Héverton para atuar contra o Grêmio, perderá quatro pontos e será rebaixada, livrando o time das Laranjeiras de disputar a Série B. Na última quinta-feira, o Tricolor entrou com o pedido de habilitação no STJD para participar do julgamento como parte interessada do caso.

Construímos uma tese bastante semelhante a esta que a Portuguesa vai defender agora. Perdemos. O que me faz ter a convicção de que o STJD manterá seu entendimento e a Portuguesa perderá os quatro pontos
Mário Bittencourt

A Portuguesa será defendida no tribunal por João Zanforlin, advogado do Corinthians. Em outubro, o advogado viu a corte, numa sexta-feira, punir o atacante Emerson por um jogo. Ligou para o clube paulista avisando para não escalá-lo na partida do dia seguinte contra o Criciúma. Agora, precisará convencer os auditores de que não houve dolo por parte da Lusa em escalar Héverton.

–  Eu vou levar essa contradição do Paulo Schmitt ao julgamento no STJD. Isso vai ser importante para a nossa defesa. Em 2010, ele achou que o vermelho era vermelho. Agora, ele diz que o vermelho é amarelo. Como ele é o fiscal da lei, a mudança de opinião do Paulo Schmitt vai ser levada em consideração. A opinião dele que vale é a de 2010, claramente – disse Zanforlin.

A opinião a que se refere o advogado foi a que circulou na última sexta-feira e deixou irritado o procurador do STJD (veja vídeo acima). Em 2010, após o título do Fluminense, foi ventilada a hipótese de que o Tricolor teria escalado o atacante Tartá de forma irregular. Porém, não houve erro por parte do clube carioca, e o caso sequer foi a julgamento. Na ocasião, Paulo Schmitt deu a seguinte opinião sobre o caso.

Se clubes não puderem perder pontos quando culpados, passa a ideia de que se faz julgamento político.
Paulo Schmitt

– Não acredito que haja condição moral, disciplinar até (de tirar os pontos do Fluminense). Pode ter (condição) técnica. Técnica e jurídica, com base em uma jurisprudência. Mas moralidade… Rediscutir o título que foi conquistado no campo de jogo, da forma como foi, agora, abrindo um precedente… Essa decisão poderia ser em algum momento revista, mas isso seria um caos.

Ao saber que o advogado João Zanforlin utilizaria suas supostas contradições de 2010 no processo deste ano, o procurador-geral afirmou.

– Já manifestei em nota e pela TV. Podem usar o que quiserem. Nada mudou. Se está irregular tem que ser julgado. É para preservar o resultado de campo, sim, que seria outro se atletas punidos tivessem atuado sem cumprir suas penas, como fizeram Portuguesa e Flamengo. Em 2010, não havia irregularidade. Seria um caos fazer recontagem de cartões de todos os clubes com base no julgamento do Duque, que não gerava precedente algum.
Se é para falar em jurisprudência, temos em 2013 onze irregularidades de atletas julgadas, sendo nove condenações e duas absolvições. Uma delas, a do Cruzeiro, aguardando recurso. A única absolvição do ano foi do Duque (novamente ele), porque a CBF admitiu anotar errado no BID (Boletim Informativo Diário) por falha de sistema, e foi até investigada por isso. Em suma, são nove condenações. E se é para fazer comparações, entre essas condenações tem o caso do Naviraiese deste ano, defendido pelo doutor Zanforlin. O clube foi punido por irregularidade de atleta e deu lugar ao Paysandu na Copa do Brasil. Contra o Naviraiense pode, mas contra a Portuguesa não? Simplesmente porque vai beneficiar o Fluminense? Inadmissível! – rebateu Schmitt.

Pivô de polêmica já ganhou pontos no tribunal

Advogado da Portuguesa no julgamento em que Héverton foi suspenso por dois jogos, Osvaldo Sestário foi dispensado do clube após a polêmica, já que é acusado pela Lusa de não ter passado corretamente o resultado. No passado, o advogado já esteve em audiências nas quais defendeu clubes interessados em tirar pontos dos adversários. E ganhou.

Em 2007, o Rio Branco-PR se classificou diante do Avaí na primeira fase da Copa do Brasil ao empatar o primeiro jogo em 1 a 1 e vencer o segundo confronto por 1 a 0. Os paranaenses chegaram a enfrentar o Villa Nova-MG pela fase seguinte e venceram por 3 a 0 no jogo de ida. Mas devido à escalação irregular do jogador Paulo Massaro, o Rio Branco-PR foi eliminado, e os catarinenses avançaram na competição. Em 2013, outro caso semelhante. O Paysandu retornou à Copa do Brasil após ser eliminado pelo Naviraiense na segunda fase, porque o adversário havia escalado jogadores irregulares – Paulo Sérgio e Bahia.

– Já houve casos de equipes voltarem para a Copa do Brasil. Lembro um episódio do Avaí com o Rio Branco de Paranaguá, a conseguimos voltar o Avaí para a Copa do Brasil. Esse ano teve o Paysandu, que voltou porque conseguimos a eliminação do clube do Mato Grosso por problema de documentação. É cheio de coisas, talvez não vou lembrar detalhes. São muitos julgamentos importantes, e tenho isso com muito carinho, porque obtivemos muitos resultados favoráveis – disse Sestário, que não participará do processo de segunda-feira.

O julgamento da Portuguesa acontecerá às 17h (de Brasília) desta segunda, na sede do STJD, no Centro do Rio de Janeiro. Na mesma sessão, o Flamengo será julgado por ter escalado o lateral-esquerdo André Santos irregularmente na última rodada do Brasileiro. Se for punido, o Rubro-Negro também perderá quatro pontos, mas não será rebaixado. Vai encerrar o nacional com 45 pontos, em 16º lugar. A Lusa, se punida, ficará em 17º, com 44 pontos.

Veja o texto da defesa assinada por Mário Bittencourt para o Grêmio Prudente:

Mário Bittencourt advogado Fluminense julgamento Fred (Foto: Globoesporte.com)
Mário Bittencourt, advogado do Fluminense, em julgamento de Fred (Foto: Globoesporte.com)

“No presente Código não consta qualquer dispositivo que mencione que será o dia seguinte à condenação independente de ser ou não dia útil, e com o entendimento do voto vencedor que não importa em dia últil, o princípio da ampla defesa preconizado pelo Primeiro Inciso do artigo 2º do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) encontra-se plenamente confrontado, eis que em casos semelhantes ao do apresentado na lide o condenado jamais terá o direito de recorrer de sua suspensão sem cumprir ao menos uma partida de suspensão.

Logo, resta demonstrada a contradição da referida decisão com o princípio da ampla defesa, sem mencionar o periculum in mora que neste caso também não seria respeitado, uma vez que o prazo de execução já teria se inciado, sem que o mesmo tivesse iniciado o seu prazo para recurso, consequentemente a possibilidade de efeito suspensivo.

A segunda é corroborada pelo brilhante entendimento do Dr. Alberto Puga que votou no sentido de absolver o embargante nas penas do artigo 214 do CBJD, uma vez que o atleta entrou apenas no meio do segundo tempo da partida de sábado, e ao fazê-lo cumprir a suspensão na partida de quarta-feira comprovou sua boa-fé quanto ao caso, e de que em nada queria desrespeitar a decisão proferida, razão pela qual o mesmo estaria amparado pelo artigo 282 do CBJD.

Senão vejamos:

Artigo 282 – A interpretação das normas deste Código far-se-á com a observância das regras gerais de hermenêutica, visando à defesa da disciplina, moralidade do desporto e do espírito desportivo.

Ou seja, o atleta, ao cumprir a suspensão na quarta-feira e ao ser colocado apenas no final do jogo de sábado, comprovou que em nada feriu o que visa punir o artigo 214 do CBJD, qual seja a defesa da disciplina, da moralidade do desporto e do espírito desportivo, o mesmo por ter agido de plena boa-fé não merece a condenação a que lhe foi imposta, razão pela qual os presentes embargos merecem ser conhecidos”.

Veja a íntegra da nota de esclarecimento emitida pelo procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt:

“Vamos esclarecer de uma vez por todas esses casos de 2010 e de hoje, e minhas declarações. Mas vamos fazer um acordo, as pessoas de bem e que buscam a verdade, não aquelas que querem “ganhar” a discussão, tem que poupar o tribunal e os abnegados que lá atuam de críticas infundadas e ou levianas. Lá não é um circo, não tem nenhum palhaço, não tem tapetão ou se faz viradas de mesa. É um lugar de respeito, de pessoas honestas e probas, capitaneadas por um Presidente, Dr Flávio Zveiter, calmo, sereno, inteligente, preocupado com julgamentos sempre técnicos e em melhorar as condições de atuação de todos, e que emprestam voluntariamente seu tempo e conhecimento em prol de um futebol sem máculas, na proporção que ele é dentro de campo e representa para nosso país e toda sociedade.

Vamos aos casos e o que eu disse e continuo dizendo e defendendo, sempre:

Em 2010 a CBF encaminhou comunicado de irregularidade de um atleta do Duque de Caxias, identificando que ele não havia cumprido impedimento automático pelo acúmulo de 3 cartões amarelos. A defesa do clube logrou êxito em demonstrar que seria impossível para saber acerca de cartões aplicados a atletas de outras agremiações, devendo constar essa informação no documento de transferência do atleta. O que fez o tribunal? Absolveu por essa razão, e não porque entendeu que se um atleta vier de outro clube transferido não deve carregar seus cartões de origem. Com o resultado desse julgamento, campeonato encerrado, quase um mês depois fui procurado pelo SporTV e disse que isso seria um caos, rediscutir um certame encerrado com um campeão já homologado e sem nenhuma irregularidade, apenas porque alguns defendiam que o precedente do Duque de Caxias possibilitava rever pontos conquistados em campo.

Daí o que eu disse de ser imoral, pois teríamos que recontar todos os cartões, e desconsiderar os cartões de atletas transferidos, mesmo que eu tivesse um prazo de 60 dias das datas dos fatos e jogos para oferecer denúncias. Seriam dezenas de clubes eventualmente punidos com perda de pontos, concordam? Afinal são muitos os atletas transferidos de um clube para outro no mesmo campeonato, sendo que todos se submetem a esse tipo de contagem de cartões, tanto que a CBF nunca jamais em tempo algum enviou a irregularidade do Tartá. Justamente porque seguiu o parâmetro correto, e esse atleta sempre cumpriu suas automáticas. Ele e, fora o do Duque, todos os demais aliás sempre desfalcaram suas equipes a cada 3 amarelos ou 1 vermelho, considerando o que fora aplicado de cartão em clubes de origem. A jurisprudência do tribunal e minha fala portanto não tem nada de incoerente, pois nunca o STJD fixou entendimento de que um cartão aplicado em clube anterior quando o atleta for transferido não pode ser considerado. Isso seria contra as normas. Apenas entendeu que NO CASO CONCRETO (o que não faz jurisprudência) o Duque não tinha como saber desses cartões se nada constava da ficha de transferência do atleta.

Difícil de entender? Com um pouco de boa vontade não E o que temos agora? Os clubes não sabiam das punições de seus atletas no tribunal? Sim sabiam, pois foram intimados para a sessão e se fizeram representar por advogados. Os atletas cumpriram suas penas? Não! E como ficam todos os atletas de 2010 e agora em 2013, para fazer um comparativo, que cumpriram suas penas e desfalcaram suas equipes? Tem reflexo técnico, seria modificar resultado de campo? Sem dúvida que sim! É disso que estamos falando. Processo, julgamento, irregularidade, cumprimento de penas para todos, sem exceção, senão causa um desequilíbrio, favorecimento indevido a quem não cumpre as penas impostas.

Em 2010 não houve irregularidade de Tartá, não houve julgamento, não houve pena. E a irregularidade do Duque não deixou de existir, apenas foi isento de culpa o clube por inexigibilidade de conduta diversa por entenderem os auditores que o clube de destino deve receber informação oficial sobre cartões aplicados em atletas transferidos de clube de origem. Abre precedente para agora? Para mim não, são casos totalmente diferentes. Temos dois atletas punidos, cujos clubes tinham ciência através de seus advogados, que simplesmente não cumpriram suas penas. Imoral? Caos? Sim, tanto em 2010 se fôssemos recontar cartões para punir todos os clubes, apenas porque o tribunal absolveu o Duque da forma como foi (sem desconsiderar o controle correto diga-se), como agora em 2013 quando atletas punidos pelo STJD, não cumpriram suas penas. Se perderem pontos, como pretende a Procuradoria, será justo porque não se trata da relevância ou fase que um jogador entrou ou não em campo, ou mesmo se ficou no banco, mas sim de tantos outros que se soubessem que não era para cumprir poderiam ter auxiliados suas equipes em campo, por melhores resultados.

Desculpem se não me fiz entender anteriormente mas é difícil lembrar de milhares de casos julgados em tantos anos de tribunal. A minha fala de 2010 na matéria do Sportv no mínimo descontextualizada. É assim mesmo, te pegam nas mais diversas situações por telefone. Hoje mesmo, em um estúdio, na Globo, para o GE, houve muita edição. Você fala 15 as vezes 20 minutos, e editam, colocam apenas poucos minutos ou segundos. Em outros programas pode sair na íntegra talvez. Tudo depende do tempo de cada programa, matérias a serem veiculadas, enfim.

Fiquem certos porém que estamos sempre tentado acertar, ser coerentes, e não camaleônicos, mudando de opinião conforme o freguês da vez. Isso é inadmissível pensar. Não temos compromisso com nossos erros, ninguém tem, e não apenas pode como deve mudar de opinião quem achar que errou no passado. Mas isso está longe, anos-luz, de ocorrer nessas comparações esdrúxulas de 2010 para 2013.

Agora vamos aos julgamentos, e que venham as defesas, acusações, as argumentações e sejam os auditores iluminados para que decidam de acordo com as provas e suas convicções, como deve ser”.