Preview: Melbourne Victory v Perth Glory

Thursday, 12 December 2013 7:00 PM

Preview: Melbourne Victory v Perth Glory

Melbourne Victory and Perth Glory will meet in Round 10 of the 2013-14 A-League season at AAMI Park on Friday December 13 at 7.30pm AEDT.

Form past five matches:
Victory: LDWLL
Glory: WLLDD

The Game:
Victory will be looking to arrest something of a form slump in recent weeks, having lost three of their past five outings. The most recent defeat was a 2-1 reverse at home to Newcastle Jets on Sunday, a particularly disappointing result given they dominated possession in front of a packed AAMI Park in their first appearance at the rectangular stadium this season. Convincing wins over Wellington and Adelaide mean rumblings of discontent directed at Kevin Muscat are yet to be heard, but Ange Postecoglou’s successor will need to coax considerably more consistency from his talented charges to stave off the inevitable scrutiny. Glory meanwhile have recorded their best results on home soil, and are yet to win on the road this season. The odds are against them breaking that duck on Friday, but they did beat Victory at AAMI late last season, and may be motivated by the chance to gain revenge for their finals defeat to the navy blue and whites at Etihad Stadium in April.

The big issue:
Victory – It’s a recurring theme for the powerhouse club, but Victory need to start turning their dominance of possession into more goals and wins. They controlled proceedings away to the Central Coast Mariners in Round 8, but were unable to breach the champions’ defence. It was a similar story last time out, with James Troisi’s well-worked goal all they managed despite spending the majority of the game camped out in the Jets’ half. There are issues at the back too, where expensively acquired Chilean marquee defender Pablo Contreras continues to underwhelm, and was specifically at fault for Nathan Burns’ winner on Sunday.

Glory – There is plenty to like about Perth Glory. Their crop of talented youngsters, touted so publically as the future of the club by coach Alistair Edwards in pre-season, have performed admirably when called on to replace the likes of Scott Jamieson, who has been ruled out for the rest of the campaign with a torn Achilles, and Steve Pantelidis, allowed to move to Malaysia club Selangor FA. Brazilian wide forward Sidnei Scolari gets better every week, and made the difference with two goals in a 4-2 win over Wellington Phoenix last week. But the Glory looked shaky away to Brisbane Roar in Round 8, up against a team with similar technical ability to Victory. Do they have what it takes to keep their shape and repel what are sure to be numerous waves of navy blue and white attacks?

The game breaker:
Michael Thwaite – A rugged, no-nonsense defender who has been in solid form so far in 2013-14. With the likes of Jack Clisby, Riley Woodcock and Matthew Davies sorely lacking in first-team experience, Glory will need the leadership and know-how of Thwaite to guide them through a testing encounter. It will be all about positional discipline for the visitors if they are to follow the Jets’ example in stifling Victory’s 4-2-4 formation, and Thwaite must lead by example at the back, breaking up attacks, using the ball well when he receives it and keeping a cool head throughout.

Football Federation Australia

Qatar’s Airbus A350 on track for late 2014

Qatar's Airbus A350 on track for late 2014

Airbus is confident that its A350 will begin commercial flights with launch customer Qatar Airways in the fourth quarter of 2014, although it’s just the first of a staggering 80-strong order placed by the Gulf carrier.

In a media briefing today Airbus CEO and President Fabrice Bregier said the first A350 outfitted with a cabin would take to the skies at the end of February 2014, marking another milestone in the next-gen jetliner’s development.

Two prototypes of the A350, which will stack up against Boeing’s 787 Dreamliner as well as the larger Boeing 777 family, have already been running test flights since mid-year, while a mock-up of the A350’s cabin – dubbed Cabin Zero – made a ‘virtual passenger flight’ in August with 129 passengers and a Cathay Pacific crew.

At an international Airbus press conference in June this year, A350 program director Didier Evrard told Australian Business Traveller that “for the first customer (Qatar) the cabin is fully defined, we have modelled everything to a level that has never been achieved before.”

 

Qatar’s A350 inaugural will involve the 300-seat A350-900 (shown above), which is the mid-sized member of the A350 family.

In addition to ordering 43 of the debutante A350-900, Qatar has also signed up for 37 of the stretched A350-1000, which has room for 350 passengers in a three-class cabin and will enter service in mid-2017.

Airbus will also build a smaller A350-800 with room for 270 passengers in a three-class layout although this is proving less popular than its siblings, with Airbus listing only 79 orders for the -800 out of 814 across the entire family.

All three of the Gulf carriers intend to add the A350 to their long-range fleets: Emirates has 70 A350s on order, including ten of the A350-1000, while Etihad’s dance-card lists 40 A350-900s and ten A350-1000s.

Evrard told Australian Business Traveller that, in common with the Boeing 787, he expects business class to be the premium cabin in most A350s.

“I don’t think there will be many airlines with first class, but with the A350-1000 there will be more than with the A350-900, which is at most around 300 seats or more” Evrard said

 

ausbt.com.au

Sydney Airport to get more public bus routes

Sydney Airport to get more public bus routes

 

More buses will run to Sydney Airport next year, following the NSW government’s announcement of new and additional bus services.

The new routes will be

  • Chatswood to Sydney Airport, via Sydney CBD and Botany Road
  • Bondi Junction to Miranda via Sydney Airport

The existing Route 400 service from Bondi Junction to Burwood via Sydney Airport will also run more often.

The government also plans to introduce more bus lanes around Sydney Airport, and give buses priority at traffic lights, to speed the journey and improve on-time performance.

Sydney Airport CEO Kerrie Mather welcomed the announcements, saying “we’ve long advocated for additional and more affordable bus and train services to the airport, with only one public bus route to the airport until now.”

The airport’s master plan includes building a new bus and multi-purpose parking facility, Maher said.

“These new and increased bus routes are a good first step towards easing road congestion, meeting passenger demand, and providing people with more choice and convenience when getting to and from the airport.

The Government has yet to release details of the new routes, including if they will stop at both the domestic and international terminal precincts.

The new services are expected to begin in the first half of 2014.

 

AUSBT.COM.AU

Depois de receber ameaças de torcedores, STJD pede reforço policial

Na tarde desta quinta-feira, uma cena chamou atenção na portaria do prédio onde fica localizado o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), no centro do Rio. Cerca de 30 policiais – do Batalhão de Grandes Eventos e do 5º BPM – foram convocados para garantir a segurança nos acessos ao tribunal. O pedido por mais segurança aconteceu por receio de represálias e manifestação de torcedores, segundo relato de policiais. Além disso, foram recebidas ameaças por e-mail e telefone de pessoas que não se identificaram.

O acesso ao prédio também está cercado por cones laranjas. Às 14h15m, 13 policiais, e o destacamento se revezam de tempos em tempos. O andar onde funciona o STJD também conta com dois policiais do Gepe.

Nesta quinta, diversos processos estão sendo julgados no Tribunal. O advogado envolvido na polêmica com a Portuguesa, Osvaldo Sestário, defenderá clubes como Paysandu, Fortaleza, Criciúma, Ceará, ABC e Avaí.

E os próximos dias também serão movimentados no STJD. Nesta sexta-feira, o tribunal vai julgar Atlético-PR e Vasco por conta da briga na Arena Joinville, no último domingo. Já na próxima segunda, o STJD vai julgar a denúncia da procuradoria que envolve a escalação de Héverton, da Portuguesa, e André Santos, pelo Flamengo.

stjd policias pm (Foto: Vicente Seda)Policiais militares monitoram o acesso ao prédio do STJD  (Foto: Vicente Seda)

Rhosana Dhalle lança livro de poesis

 

Rhosana Dalle lança hoje o livro de poesias “O travesseiro da mulher borboleta”, na Casa das Rosas, da avenida Paulista, a partir das 18 horas. A obra ainda tem em destaque depoimentos dos jornalistas Verônica Dalle, irmã da autora, é Márcio Campos, da TV Bandeirantes.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Lanús é campeão da Copa Total Sudamericana 2013

 2 x 0 

Final
PONTE É VICE DA SUL-AMERICANA, E BOTAFOGO SE GARANTE NA LIBERTADORES
Macaca erra duas vezes, leva 2 a 0 ainda na etapa inicial e trava na hora de reagir contra um Lanús empolgado no caldeirão de La Fortaleza

Enquanto desacreditada, a Ponte colecionou feitos de superação: despachou o Deportivo Pasto na altitude colombiana, ignorou a tradição do Vélez Sarsfield em Buenos Aires e passou como quis pelo São Paulo mesmo sem a força do Moisés Lucarelli. Mas, ao chegar à decisão, a Macaca se tornou protagonista. Angariou simpatizantes, atraiu atenções e virou foco. A pressão foi demais para ela.

Em campo, o time fez o que não havia feito até agora: errou. Diante de uma pressão absurda em La Fortaleza, a Alvinegra de Campinas caiu na armadilha programada pelo Lanús. Em dois problemas de marcação logo no primeiro tempo, viu os argentinos conseguirem 2 a 0 no placar e a vantagem necessária. Daí, foi só esperar o segundo tempo e o título dos hermanos, que erguem a taça da Copa Sul-Americana pela sexta vez desde 2004. O sonho do primeiro título em 113 anos de história acabou. E da maneira mais difícil possível.

Quem se deu bem foi o Botafogo. Se a Ponte fosse campeã, se classificaria para a Libertadores da América. Com o vice, a última vaga do país na competição foi herdada pelo time carioca, quarto colocado no Brasileirão.

Victor Ayala comemora, Lanús x Ponte Preta (Foto: AP)Victor Ayala não contém a emoção durante a comemoração do primeiro gol dos argentinos (Foto: AP)

Enquanto argentinos festejam, pontepretanos choram. Assim como em cinco edições de Campeonato Paulista e uma Série B do Brasileiro, o clube morre em uma nova final, para desespero dos torcedores, incomodados com a sina de vice. Quatro mil fanáticos viajaram até a Argentina e, mesmo com a derrota, não se intimidaram com a aparência de “praça de guerra” da casa do Lanús, com cercas e arames farpados. De Campinas, outros milhares assistiram a mais um vice-campeonato sem acreditar. Parecia a hora da Ponte, mas o primeiro título de expressão vai ter que esperar.

Tão desacreditado quanto à equipe brasileira no início da Sul-Americana, o Lanús teve de passar por adversários duros. Venceu Racing na segunda fase, Universidad do Chile nas otiavas, River Plate nas quartas e Libertad na semifinal. Assim, quebra o jejum de seis temporadas sem levantar uma taça e ainda se garante na disputa de outras duas em 2014: a Libertadores da América e a Copa Suruga, contra o Kashiwa Reysol, no Japão.

A Ponte, por sua vez, viaja ao Brasil nesta quinta-feira de manhã de volta à dura realidade. Rebaixada na Série B do Brasileiro, a Macaca inicia nos próximos dias a reformulação do elenco. Destaques do time, Uendel (que, suspenso, tanta falta fez nesta noite), Baraka e Rildo têm propostas vantajosas e devem se despedir do Majestoso. Outros têm o futuro indefinido.

Certo é que, se a derrota abala, a campanha dá força. O time mostrou o potencial que tem ao chegar à final da Sul-Americana. A torcida também já se acostumou a feitos maiores e abraçará o elenco neste momento. Trunfos importantes para a próxima temporada, em que a Alvinegra, com a mesma força deste segundo semestre, lutará para voltar à elite do Brasileirão. A fé é a mesma, garantem os fanáticos. A hora da Ponte vai chegar.

Lanús x Ponte Preta (Foto: AP)Torcedor volta derrotado, mas com esperança de dias melhores para a próxima temporada (Foto: AP)

La Fortaleza impressiona e faz Ponte errar

Arames, fosso, sujeira. Clima de guerra. O ambiente em La Fortaleza não era de maneira nenhuma favorável à Ponte Preta, que percebeu isso logo na chegada. Do ônibus, os brasileiros viram a festa de mais de 40 mil argentinos na entrada do estádio, duas horas antes da partida. Ali, estava o recado: o Lanús estava pronto para tudo. E provou isso durante todo o primeiro tempo. Com três atacantes, abafou a saída de bola alvinegra desde o campo de ataque, distribuiu algumas pancadas (típico de finais entre os países) e entrou em todas as divididas possível, nem sempre na bola.

A Ponte, então, assumiu o papel que mais gosta: retraiu-se em busca do contra-ataque perfeito. Fernando Bob, no papel de Uendel pelo lado esquerdo, quase não atacou. A outra novidade do time, Magal, entrou para cuidar do lado direito. Sem cacoete de jogador ofensivo, foi dele o erro que complicou a vida da Macaca no alçapão argentino. Perdeu o controle da bola e viu Ayala armar o contra-ataque mortal. O meia abriu jogo com Blanco e entrou na área para receber. A marcação brasileira não acompanhou. De joelhos, César viu a finalização para o gol vazio.

Victor Ayala marca, Lanús x Ponte Preta (Foto: Reuters)Victor Ayala marca, César lamenta de joelhos: Lanús garante vantagem logo no começo (Foto: Reuters)

O estádio, se já estava pulsante, explodiu de vez. Argentinos não se calaram por um minuto sequer e fizeram a Ponte sentir. Com o meio congestionado, Elias esbarrou na falta de espaços para armar. Rildo, pela esquerda, era vigiado por dois a todo momento, mesma atenção dada a Fellipe Bastos, que teve duas chances de chutar a gol – ambas de longe e para fora. O nervosismo estava no rosto dos pontepretanos, em campo e fora dele. Torcida roia as unhas e Jorginho, aos berros, não conseguia arrumar o time.

A irritação do treinador chamou a atenção da arbitragem, que, após uma falta duvidosa na lateral do campo, decidiu expulsá-lo. Incrédulo, Jorginho deixou o campo muito a contragosto, como se pressentisse o pior. Dito e feito. Devido à demora, o árbitro acrescentou um minuto à partida, tempo suficiente para Santiago Silva cabecear, Roberto defender e Blanco, de novo sem goleiro, ampliar.

Ponte tenta de tudo, mas em vão

Impedido de acompanhar a partida do banco, Jorginho usou o intervalo para (tentar) mexer com os brios dos pontepretanos. De cara, trocou Magal por Adailton, o que não funcionou. O passo seguinte foi tirar Artur e apostar em Ferrugem, empolgado por reforçar a delegação no jogo mais importante da história do clube. Também não deu certo. Na única vez que teve espaço para entrar na área, a Ponte viu Rildo furar a cabeçada frente a frente com Marchesin.

Foi a última participação do camisa 7 na partida – possivelmente pela Ponte Preta até. William, artilheiro da equipe na temporada, entrou para aumentar a presença no campo de ataque e abusar do jogo aéreo. Mas, sem laterais de ofício, o camisa 9 ficou isolado na área. Com ele em campo, é verdade, a Macaca foi mais guerreira e participativa. Arriscou mais, mas sem efeito.

Ferrugem, em chute cruzado da lateral do campo, foi quem mais chegou perto de marcar. A visível insatisfação pelo mau resultado, porém, não era suficiente para tentar a reação. A desvantagem – a maior que o clube teve em toda a Sul-Americana – e a expulsão de Jorginho acabaram com as forças da Alvinegra.

O Lanús, claro, não tem nada a ver com isso. Controlou o jogo com paciência, catimba e tranquilidade. Deu-se ao luxo até de não assustar a meta de Roberto. Os titulares postaram-se atrás do meio-campo com o objetivo apenas de retrancar o campo de defesa. Nos contra-ataques, assustaram apenas com González, em chute da meia-lua. Pouco, mas suficiente para garantir o resultado. La Fortaleza explodiu mais uma vez no fim da noite desta quarta: o Lanús, depois de seis anos, ergue uma taça diante da torcida. A Ponte terá que esperar mais um pouco para viver algo parecido.

Ismael Blanco e Fernando Bob, Lanús x Ponte Preta (Foto: Reuters)Ismael Blanco e Fernando Bob disputam jogada: improvisado, pontepretano não rendeu (Foto: Reuters)