Equipe do “Balanço Geral SP” reclama de audiência do “Hoje em Dia”

 

25-11-2013

25-11-2013

 

A equipe do “Balanço Geral SP” tem reclamado dos baixos índices de audiência do “Hoje em Dia”, que vem registrando médias entre 3 e 4 pontos no Ibope. O problema, segundo a jornalista Janaina Nunes, é o fato de que, sempre no final do programa, a audiência cai para 2 pontos. Entregando mal, o “Balanço” sofre mais para conseguir elevar os índices.

 

A jornalista lembra que, quando o “Hoje em Dia” entregava relativamente bem (há alguns anos atrás), o “Balanço Geral” conseguia bons índices, chegando a 8 pontos de média. Agora, o programa comandado por Geraldo Luís gira em torno de 5 e 6 pontos de média.

 

Vale ressaltar que quem está reclamando é a equipe do “Balanço Geral SP”. Um empecilho aos bons índices do “Hoje em Dia” é o programa de Fátima Bernardes que, nos últimos meses, conseguiu se consolidar na liderança absoluta no Ibope.

O Planeta TV

Programa da Tarde perderá espaço na grade da Rede Record para o seriado Todo Mundo Odeia o Chris

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Sem a garantia de se manter na programação da Record em 2014, o “Programa da Tarde” perderá espaço para o seriado Todo Mundo Odeia O Chris, a partir de dezembro.

O programa, apresentado por Ana Hickmann, Britto Jr. e Ticiane Pinheiro, segundo consta, será mais curto apenas no período de recesso de fim de ano, entre os dias 24 de dezembro e 10 de janeiro.

Internamente, são fortes os rumores de que o Programa da Tarde não emplaca no ano que vem, por falta de patrocínio.

O Planeta TV

“Vídeo Show” empata com o “Balanço Geral” na liderança do Ibope

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/091bca3b70aabb9604ec464084cf31ec.jpg

Divulgação/TV Globo

 

Uma semana após a estreia de seu novo formato, o “Vídeo Show” voltou a ser incomodado pelo “Balanço Geral”, da Record.

Segundo dados prévios do Ibope, a atração comandada por Zeca Camargo marcou nesta segunda (25), 11 pontos de média, contra os mesmos 11 da Record.

Hoje, o programa apresentado por Geraldo Luís exibiu durante o confronto com o “Vídeo Show” matérias sobre uma possível aparição do MC Daleste, morto no palco enquanto se apresentava na Guarulhos, na Grande São Paulo, em uma foto tirada por um fã, além de um depoimento da ex-dançarina e atriz Sheila Mello, dizendo que iria deixar a carreira de lado para cuidar da filha recém-nascida.

Na Globo, Zeca Camargo entrevistou a atriz Marisa Orth.

Os números podem sofrer alterações no consolidado e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores na Grande São Paulo. Cada ponto corresponde a 62 mil telespectadores.

NaTelinha

Newcastle Jets 3 x 1 Melbourne Heart

Sunday, 24 November 2013 7:11 PM

A spectacular hat-trick from Adam Taggart has propelled the Newcastle Jets to a comprehensive 3-1 victory over the Melbourne Heart on a beautiful Sunday afternoon at Hunter Stadium.

After a scrappy opening half-hour, Newcastle broke the deadlock with a superb volley on the edge of the area from the Jets striker.

The impressive youngster doubled the Jets lead with a superbly taken goal in the 55th minute before the Heart got one back through a deflected free kick from Andrea Migliorini shortly after.

But the Jets sealed the points midway through the second half with Taggart completing his treble.

The match started in perfect conditions but both teams struggled to maintain possession in the early stages.

The Heart had the first real chance when a dangerous free kick from Iain Ramsay fell to David Williams inside the six-yard box, but he fired his volley straight at Jets goal keeper Mark Birighitti who made a smart reflex save.

The Jets got their first opportunity through captain Ruben Zadkovich in the 12th minute, when his in-swinging free kick from the touchline evaded everyone forcing a spectacular save from Andrew Redmayne.

The Heart had the better of much of the first half but could not translate their dominance into a goal, while the Jets picked up four yellow cards for some cynical defending in the opening stanza.

The Jets hit the lead in the 38th minute through a lovely piece of improvisation from Taggart.

After struggling to control a pass from Zadkovich on the edge of the area, the ball sat up nicely for Taggart who smashed a volley past the helpless Redmayne, sending the Hunter Stadium crowd into raptures.

A melee broke out moments later when Heart players reacted to a late challenge from Taggart who picked up a yellow card, along with Zadkovich for his involvement in a fracas with the Heart players.

The Jets should have doubled their lead on the stroke of half-time when Nathan Burns found Zadkovich with a lovely ball inside the area but the Jets skipper blasted his shot over the bar with the goal at his mercy.

The Jets introduced Emile Heskey in the 51st minute and the Jets nearly scored moments later when an incisive run from Burns opened up the Heart defence but his drive was well saved by Redmayne.

The Jets doubled their advantage in the 55th minute after Taggart scored his second of the match.

The in-form striker was well found on the edge of the area by Jacob Pepper and he expertly curled his shot into the bottom right corner of the goal leaving Redmayne with no chance.

The Heart hit back in the 58th minute through a Migliorini free kick, which took a huge deflection off Jets defender Josh Mitchell.

But the Heart’s joy was short lived as Taggart scored a third, completing his first hat-trick in the A-League.

The 20 year-old found himself in acres of space on the edge of the area and he calmly slotted his shot into the bottom left corner, leaving Redmayne to question his team’s defending.

Taggart limped off with an injury in the 81st minute but received a rousing reception from an appreciative home crowd.

The Jets finished the match by far the stronger and could have easily extended their advantage but they had done enough to ensure their third win on the trot.

Newcastle Jets 3 (Taggart 38, 55, 62)
Melbourne Heart 1 (Migliorini 58)
Crowd: 12,806 at Hunter Stadium

Football Federation Australia

Classificação da Serie A do Campeonato Brasileiro após a trigésima sexta rodada

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Minas Gerais Cruzeiro 75 36 23 6 7 75 34 +41 69 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 2014
2 Paraná Atlético Paranaense 61 36 17 10 9 59 46 +13 56 Aumento2
3 Rio Grande do Sul Grêmio 61 36 17 10 9 41 35 +6 56 Baixa1 Primeira fase da Copa Libertadores de 2014
4 Goiás Goiás 59 36 16 11 9 48 40 +8 54 Baixa1
5 Rio de Janeiro Botafogo 58 36 16 10 10 51 39 +12 54 Estável
6 Minas Gerais Atlético Mineiro 55 36 15 10 11 45 34 +11 51 Aumento1 Segunda fase da Copa Libertadores de 20141
7 Bahia Vitória 55 36 15 10 11 53 49 +4 51 Baixa1
8 São Paulo Santos 51 36 13 12 11 46 37 +9 47 Aumento2
9 São Paulo São Paulo 50 36 14 8 14 39 38 +1 46 Baixa1
10 São Paulo Corinthians 49 36 11 16 9 27 21 +6 45 Baixa1
11 Rio de Janeiro Flamengo 48 36 12 12 12 40 41 –1 44 Aumento1
12 Rio Grande do Sul Internacional 46 36 11 13 12 51 52 –1 42 Baixa1
13 Bahia Bahia 45 36 11 12 13 34 42 –8 42 Aumento3
14 São Paulo Portuguesa 44 36 11 11 14 48 46 +2 41 Baixa1
15 Santa Catarina Criciúma 43 36 12 7 17 48 60 –12 40 Baixa1
16 Rio de Janeiro Fluminense 42 36 11 9 16 39 44 –5 39 Baixa1
17 Paraná Coritiba 42 36 10 12 14 39 44 –5 39 Estável Zona de rebaixamento à Série B de 2014
18 Rio de Janeiro Vasco da Gama 41 36 10 11 15 47 56 –9 38 Estável
19 São Paulo Ponte Preta 36 36 9 9 18 37 53 –16 33 Estável
20 Pernambuco Náutico 17 36 4 5 27 21 77 –56 16 Estável

Atlético Mineiro tem vaga garantida na Copa Libertadores de 2014 por ser o atual campeão do torneio.

Internacional 0 x 0 Coritiba

 0 x 0 

36ª RODADA
INTER EMPILHA CHANCES, MAS COXA SE SEGURA E EMPATE NÃO AJUDA NINGUÉM
Colorado tem mais de 20 finalizações em Centenário tomado, mas 0 a 0 não confirma matematicamente o alívio. Coxa completa nova rodada no Z-4

O Inter fez o que pôde. Já o Coritiba se segurou como deu. Assim, numa partida quase unilateral, com 27 finalizações contra apenas oito, gaúchos e paranaenses ficaram no 0 a 0 neste domingo no Centenário, em Caxias do Sul, pela 36ª rodada do Brasileirão. Não é só o resultado que terminou igual. Os rostos de preocupação com que entraram em campo permaneceram na saída. Afinal, o Colorado mantém perigosa distância do Z-4 (quatro pontos) e o Coxa fracassa na tentativa de deixar a inglória zona de rebaixamento. E pensar que ambos chegaram a liderar o campeonato em pelo menos uma rodada…

A igualdade enervou Willians. O volante, na saída de campo, criticou o técnico Clemer:

– Ele tem jogador e não bota para jogar. Tem três substiuições e não faz nada!

Bem mais calmo, o meia Alex, do Coxa, admitiu a superioridade colorada:

– Eles mereciam vencer a partida. Pelo que apresentaram hoje, não brigam pelo rebaixamento.

Em 12º lugar, com 46 pontos, o Inter tem pela frente, no sábado, o Corinthians, na despedida de Tite no Pacaembu – curiosamente, o técnico era um dos sonhos do presidente Giovanni Luigi para assumir o time na próxima temporada. No domingo, o Coritiba, em situação muito mais complicada, precisará fazer do Couto Pereira o seu Green Hell (Inferno Verde) para bater o Botafogo e tentar respirar no campeonato.

Leandro Damião jogo Internacional e Coritiba (Foto: Jeferson Guareze / Futura Press)Leandro Damião desperdiçou grandes chances (Foto: Jeferson Guareze / Futura Press)

Massacre vermelho, mas sem gol

A partida, assim como ocorreu em todas da rodada, teve antes de a bola rolar o protesto dos jogadores liderados pelos preceitos do Bom Senso FC. Mas não com os atletas sentados e com braços cruzados em suas posições de origem, e sim, no círculo central. Essa foi a única novidade. Porque, com o jogo em andamento, o que era esperado ocorreu: pressão total do Inter. Tanto que, nos primeiros cinco minutos, chegou a ter mais de 70% de posse de bola.

Efeito do temor pelo Z-4 e, claro, das mudanças no time. Clemer recuperou Ednei, devolveu Damião à titularidade e Josimar entrou no meio como grande surpresa – acabou levando cartão por simular pênalti, mas também assustou em finalização à queima-roupa defendida por Vanderlei. Já o centroavante era de longe quem mais lutava. Mas também era o que mais errava. A principal chance perdida foi aos 40 minutos. No cruzamento de Otávio, o camisa 9, na pequena área, gol aberto, cabeceou para o lado. Aos 44, D’Alessandro quase marcou golaço de fora da área. Antes, Vanderlei tinha feito grande defesa em disparo de Fabrício. Ao todo, 14 finalizações vermelhas contra apenas duas do Coxa, com o novo 3-5-2 de Tcheco, que ainda perdeu Geraldo lesionado no meio da primeira etapa.

– A gente só se defendeu, corremos riscos e não encaixamos o contra-ataque – reconheceu o meia Alex.

Já o outro 10, D’Alessandro, foi todo elogios ao seu time

– Acho que, se continuarmos assim, o gol vai sair.

Coxa melhora, mas placar não muda

Protesto Bom Senso FC Inter Coritiba (Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)
Protesto pelo Bom Senso FC antes do jogo
(Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)

E quase saiu. E de novo com Damião. Desta vez, errou com estilo, em bicicleta que quase roçou a rede de Vanderlei, aos cinco minutos. No entanto, ao contrário do primeiro tempo, o Coritiba respondeu. Logo depois, aos nove, Alex arrisca da meia-lua e para em Muriel. A saída contra o crescimento do Coxa era um só: o rugido da torcida vermelha no Centenário. A cantoria, antes tímida, voltara com tudo. Impulsionado pela massa, Damião tentou de novo. Giro rápido, chute forte e… Vanderlei! O time paranaense tomou gosto em revidar. No minuto seguinte, Carlinhos fez fila e acabou derrubado por Índio quase na risca da área. Para Alex, é quase um pênalti. A bola para fora, no entanto, virou alívio aos colorados.

Aos 20 minutos, o apoio da torcida, que atendeu ao apelo da direção e à promoção de ingressos, virou súplica: gritos por Forlán preenchiam o ar tenso do Centenário. Mas Alex foi o escolhido para entrar, na vaga de Ednei. Tcheco respondeu com outro meia, Lincoln, sacando Deivid. Mas o Inter seguiu melhor. E, para variar, Damião e Josimar foram os donos das melhores chances. E, como se tornara hábito, seguiam errando. E Inter e Coxa seguirão tensos até a próxima rodada. Há um fantasma chamado Z-4 ainda à espreita.

Torcida Inter Centenário (Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)Torcida ajudou o Inter, mas… o Coxa soube segurar (Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)

Bahia 1 x 0 Portuguesa

 1 x 0 

36ª RODADA
BAHIA VENCE A PORTUGUESA NA FONTE NOVA E RESPIRA NA BRIGA CONTRA O Z-4
Tricolor abre três pontos para o Coritiba, primeiro time da zona de degola. Já a Lusa fica em situação delicada e segue ameaçada de rebaixamento

Em jogo onde o resultado é fundamental, o espetáculo fica em segundo plano. Às vezes ele sequer aparece, como neste domingo, no confronto entre Bahia e Portuguesa, pela 36ª rodada da Série A. Na Arena Fonte Nova, em Salvador, as jogadas de efeito foram renegadas em nome das disputas de bola. Os erros apareciam em maior número que os acertos. E, graças a uma falha da defesa da Lusa, o Tricolor venceu o confronto pelo placar de 1 a 0, com gol do artilheiro Fernandão, que já soma 15 tentos no Campeonato Brasileiro.

– Cara, é muito difícil jogar contra a Portuguesa. Jogo muito disputado, é um time que também precisa da vitória. Mas tentamos de todas as formas e consegui marcar – disse o goleador tricolor, que continua na briga pela artilharia do campeonato, três gols atrás de Ederson, do Atlético-PR.

– Fui tentar dar o passe no meio de campo, mas o Talisca, que é alto, conseguiu interceptar. Falha nossa – tentou justificar o volante William Arão, autor da falha que originou o gol do Bahia.

O triunfo mantém o Bahia vivo na luta contra o Z-4 do Brasileirão e em situação bem mais confortável que antes. O Tricolor sobe para a 13ª colocação com 45 pontos, três a mais que o Coritiba, primeiro time da zona de rebaixamento. Na próxima rodada, a equipe baiana pode selar de vez a permanência na elite do futebol nacional no duelo contra o Cruzeiro, no Mineirão. A partida está marcada para domingo, às 17h (horário de Brasília) e marca a entrega das faixas e do troféu de campeão brasileiro para o time mineiro.

jogo Bahia e Portuguesa (Foto: Felipe Oliveira / Agência Estado)Bahia vence a Portuguesa e volta a respirar no Brasileiro (Foto: Felipe Oliveira / Agência Estado)

Enquanto isso, a Portuguesa volta a ficar em situação delicada. O time paulista cai para a 14ª colocação, com 44 pontos, dois acima do Z-4. A Lusa volta a campo também no domingo, às 17h, para enfrentar a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Tensão, erro e gol

Antes de a bola rolar, os jogadores dos dois times sentaram no gramado e cruzaram os braços por quase um minuto. O ato fazia parte de um protesto do movimento Bom Senso F.C, que cobra mudanças no futebol brasileiro para 2014, e acabou se transformando no único momento de tranquilidade no confronto. Quando o árbitro apitou o início de jogo, a tensão dominou os atletas. Erros de passe, divididas mais duras e até discussões evidenciavam o nervosismo dentro de campo. O jovem volante Feijão levou um cartão amarelo ainda nos primeiros minutos e escapou de ser expulso em mais de uma ocasião ainda no primeiro tempo.

Em alta tensão, Bahia e Portuguesa pouco produziram no setor ofensivo. Pelo lado tricolor, William Barbio, após boa jogada de contra-ataque, desperdiçou chance em chute cruzado. Na Lusa, Wanderson fez boa jogada pela direita e cruzou para Moisés, que chutou em cima do zagueiro Titi. Tudo indicava que a etapa inicial acabaria com um insosso empate sem gols. Mas William Arão resolveu contrariar a lógica. O volante tentou sair jogando, mas entregou a bola de graça para Anderson Talisca. O meia baiano armou o contra-ataque e passou para Wallyson cruzar na medida para Fernandão. Sem marcação, o centroavante só teve o trabalho de completar para o fundo das redes e sair em comemoração com a bola debaixo da camisa, em homenagem para a esposa, que está grávida.

Feijão expulso e pressão da Lusa

Para o segundo tempo, William Arão, autor da falha capital da partida, saiu de campo substituído por Ferdinando. A princípio, a mudança não parecia ter impacto tático, por se tratar da troca de um volante por outro. Contudo, a Portuguesa voltou do intervalo melhor e ameaçou a meta defendida por Marcelo Lomba. Com um belo chute de fora da área, o atacante Gilberto exigiu grande defesa do goleiro tricolor, que de mero espectador, passou a trabalhar bastante.

Principal homem de marcação do Bahia, Feijão acumulava jogadas ríspidas. De falta em falta, o volante acabou recebendo o segundo amarelo e foi expulso da partida. Com um a menos, o Bahia se fechou no campo de defesa e foi pressionado pela Lusa. Bruno Henrique e Gilberto tentaram vencer o goleiro Marcelo Lomba, mas não obtiveram sucesso. Na base da raça, o Tricolor segurou o resultado até o apito final.

São Paulo 1 x 1 Botafogo

 1 x 1 

36ª RODADA
BOTAFOGO EMPATA COM SÃO PAULO E NÃO ENTRA NO G-4; CENI SUPERA PELÉ
Time carioca perde chance de ultrapassar o Goiás e tem ajuda da trave em noite em que Ganso quase fez obra-prima; Rogério atua com a 10

O Botafogo tinha muito mais a ganhar e a perder do que o São Paulo. Talvez por isso tenha se contentado tanto com o empate. Ainda na luta pela vaga na Libertadores, a equipe voltaria ao G-4 com uma vitória, mas, depois do 1 a 1 no Morumbi, segue na quinta colocação, atrás do Goiás. Para os tricolores, livres do rebaixamento e preocupados com a péssima situação na semifinal da Copa Sul-Americana, o jogo valeu para reverenciar o ídolo Rogério Ceni.

Pela milésima centésima décima sétima vez, ele defendeu o gol do São Paulo. Pela primeira vez usou a camisa 10, enquanto os companheiros entraram em campo com a sua 01. Homenagem que fica até singela diante de seu tamanho na história. O mito superou Pelé, que entrou em campo 1.116 vezes pelo Santos, e passou a ser o jogador com maior número de partidas pelo mesmo time no futebol mundial.

Se Rogério decidir se aposentar ao fim deste ano, pode ter sido também seu último jogo oficial no Morumbi. Punido pelo STJD, o Tricolor terá de enfrentar o Coritiba, na última rodada, fora de seu estádio. Há também o risco alto de eliminação no torneio internacional. A equipe precisa vencer a Ponte Preta por três gols de diferença na quarta-feira, em Mogi Mirim.

– Agradeço a todas as homenagens. Foi uma pena não termos saído com a vitória. Mais pena ainda foi ter perdido para a Ponte Preta. Agora estamos concentrados no único objetivo que nos resta no ano, que é conquistar o título da Copa Sul-Americana. Vai ser difícil, complicado,  o placar do primeiro jogo foi ingrato.

Do lado botafoguense, o camisa 10 também se destacou. O craque Seedorf não brilhou, mas, com simplicidade, fez o time jogar. O meio-campo não teve força de combate e dependeu muito dos bons chutes do lateral Edilson. A equipe só melhorou no fim, com as entradas de Lodeiro e Bruno Mendes.

Os gols foram marcados por Aloísio e Elias, que imitou Cristiano Ronaldo e disse “eu estou aqui” na comemoração.

– Foi uma semana muito difícil para mim, mas o médico me ajudou, e eu pude entrar e colaborar com a equipe. Já havia prometido que se fizesse o gol comemoraria assim, mas o importante mesmo foi ajudar o Botafogo – disse Elias.

A partida, que começou com jogadores ajoelhados em protesto do Bom Senso F.C., teve uma jogada magistral de Ganso, que deu drible por entre as pernas de Julio Cesar, encobriu Jefferson e parou na trave.

Coincidências da tabela, São Paulo e Botafogo terão os mesmos adversários nas duas últimas rodadas. Os cariocas enfrentam o Coritiba no próximo fim de semana – e, novamente, precisam ganhar para entrar no G-4 – e o Criciúma na sequência. Em ordem inversa, é claro, são os mesmos rivais dos paulistas. Ambos ainda lutam contra o rebaixamento.

Maicon jogo São Paulo e Botafogo (Foto: Marcos Bezerra / Agência Estado)Maicon é cercado por Gabriel em duelo no Morumbi (Foto: Marcos Bezerra / Agência Estado)

Boi Bandido x ‘CristElias’ Ronaldo

Duas bolas paradas, dois gols, duas comemorações. Aloísio marcou em um movimento de “semi-voadora”. Em posição duvidosa, após cobrança de falta de Douglas e desvio de Rodrigo Caio, abriu o placar no início do jogo. E castigou a bandeirinha de escanteio com sua celebração habitual.

Elias empatou após cruzamento de Seedorf e desvio de Rafael Marques. E com uma cara marrenta que combina muito mais com Cristiano Ronaldo do que com ele, disse: “Eu tô aqui!”. Imitação da comemoração de um dos gols do português em sua monumental atuação diante da Suécia, na semana passada.

Foram os lances marcantes do molhado primeiro tempo no Morumbi. A chuva castigou torcedores e jogadores. O São Paulo foi mais time. Ganso teve liberdade contra os volantes botafoguenses, mas o ataque com Aloísio e Ademilson usufruiu pouco de seu futebol.

Apesar disso, o Alvinegro foi mais perigoso. Dois chutes de Edilson e um de Hyuri pararam no camisa 10 Rogério Ceni, que espalmou todas. A primeira, uma grande defesa. Seedorf não teve o mesmo espaço do outro camisa 10, já que Denilson o acompanhou de perto. Tão de perto, que o craque até pediu pênalti. Não foi atendido.

Ao fim do primeiro tempo, os são-paulinos avisaram o time: “É quarta-feira!”. A Ponte Preta está entalada na garganta.

A quase obra-prima de Ganso

Sabe-se lá quantos milímetros impediram que Paulo Henrique Ganso concluísse uma obra-prima no Morumbi. Ele invadiu a área e parecia sem solução quando colocou a bola entre as pernas de Júlio César e cavou, quase sem ângulo, por cima de Jefferson. A bola tocou a trave esquerda e rolou sobre a linha. O quase-gol mais bonito do Brasileirão.

O quase-gol, por sinal, deu o tom ao segundo tempo são-paulino. Além do mágico lance de Ganso, Ademilson e Antônio Carlos acertaram o travessão. O atacante ainda perderia outro ao chutar em cima de Jefferson após belo passe de primeira de Douglas, jogador cuja importância a torcida insiste em não reconhecer.

Com o meio escancarado, Oswaldo de Oliveira trocou Renato por Marcelo Mattos. Estava fácil demais transitar pela (não) marcação alvinegra. Lodeiro e Bruno Mendes também entraram. Com sangue novo, o Botafogo aumentou sua movimentação em campo e diminuiu o amplo domínio são-paulino.

Com mais equilíbrio, Muricy Ramalho respondeu com Luis Fabiano, que novamente começou no banco de reservas, e Osvaldo. As substituições do Alvinegro foram muito mais eficazes. O time ainda esboçou uma pressão no fim, mas Seedorf perdeu duas boas chances. Alívio para Ceni em mais um recorde.