McLaren comete gafe e estampa folha de maconha em bandeira mexicana

Com objetivo de chamar a atenção para os fãs do piloto mexicano Sergio Perez, duas lojas oficiais de produtos da McLaren puseram bandeiras do México em suas fachadas. Mas elas cometeram uma gafe séria e viraram alvo de críticas nas redes sociais. As bandeiras possuíam uma folha de maconha estampada no meio do símbolo nacional.

INSTAGRAM - bandeira do mexico com folha de maconha (Foto: Reprodução / Instagram)Bandeira do México aparece com folha de maconha fora de loja da McLaren (Foto: Reprodução / Instagram)

O episódio gerou uma reclamação formal do consulado do país, e a escuderia retirou os objetos. De acordo com um comunicado da McLaren, as peças não foram fabricadas por eles, mas por uma empresa terceirizada. Além disso, não havia autorização para serem exibidas no exterior das lojas, que ficam na cidade de Austin, no Texas, onde acontece o GP dos Estados Unidos, neste domingo, a partir das 17h (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV. A TV Globo mostra a corrida na íntegra após o “Sai de Baixo”.

A outra equipe que possui um piloto do México na Fórmula 1 além da McLaren é a Sauber, que conta com Esteban Gutierrez. O Texas é um estado com grande concentração de mexicanos, já que fica na fronteira com o país vizinho.

Costa do Marfim garante vaga na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

 

A Costa do Marfim arrancou um empate do Senegal, em 1 a 1, em partida realizada em Casablanca, no Marrocos, por conta de uma punição aos torcedores senegaleses. Como os marfinenses tinham vencido por 3 a 1 no jogo da ida, a igualdade bastou para a seleção liderada por Didier Drogba vir ao Brasil no próximo ano.

É a terceira vez que a Costa do Marfim se classifica para um Mundial da FIFA – na edição passada, eles, inclusive, ficaram no mesmo grupo do Brasil.

 

 

Com a boa vantagem construída, os marfinenses claramente vieram se defendendo, tentando não levar gols para garantir a vantagem do jogo de ida. Apesar disso, Drogba teve as melhores chances da primeira etapa. Primeiro aos 13, quando fez um bonito lance e mandou por cima do gol, e depois aos 15, após limpar os defensores senegaleses e desperdiçar uma ótima oportunidade.

Os senegaleses pressionavam mas não conseguiam finalizar para o gol. Até que, com dois minutos do segundo tempo, Papiss Cissé ficou cara a cara com o goleiro Boubacar Barry e chutou em cima, perdendo uma oportunidade íncrivel.

Os senegaleses só foram agitar a partida para valer aos 75 minutos, quando o astro Drogba puxou o camisa Sadio Mane na grande área. No pênalti, Moussa Sow cobrou no cantinho e marcou o primeiro gol do jogo. No último minuto da partida, contudo, Salomon Kalou aproveitou um contra-ataque, recebendo livre para chutar no meio das pernas do goleiro e decretar o empate marfinense.

 

 

Restama agor mais três vagas em aberto para as equipes da África. No domingo, temos Camarões x Tunísia. Na terça-feira, Egito x Gana e Argélia x Burkina Fasso encerram as eliminatórias. Clique aqui para ver todos os resultados.

 

FIFA.com

Islândia 0 x 0 Croácia

O empate em 0 a 0 entre Islândia e Croácia, nesta sexta-feira, em Reykjavík, pelo jogo de ida da repescagem europeia para a Copa do Mundo, pode ser visto de duas formas, assim como aquela história do copo meio cheio ou meio vazio. Se de um lado precisará buscar a inédita vaga fora de casa contra um adversário considerado superior, a equipe nórdica, ao menos, evitou a derrota após atuar durante quase toda a segunda etapa com um jogador a menos e ainda perder Sigthórsson, um de seus destaques, lesionado no intervalo.

Pelo apresentado nesta sexta-feira, quem passar das duas seleções não deve fazer muito no Brasil em 2014, mas a Croácia, que até mês passado estava na décima colocação no ranking da Fifa, decepcionou. Agora, para não cair diante de seleção teoricamente bem mais fraca, a equipe de Modric, Mandkukic e companhia terá que vencer o jogo de volta, terça-feira que vem, para vir ao Brasil. Novo empate sem gols leva para prorrogação, enquanto a Islândia garante a vaga com qualquer outro resultado.

Modric Islândia e Croácia (Foto: Agência AP )Jogador do Real Madrid, Modric não consegue furar bloqueio rival, e a Croácia empata com a Islândia (Foto: Agência AP )

 

Segundo a Fifa, o jogo em Reykjavík recebeu um animado público de 15 mil pessoas, número que representa quase 5% da população islandesa, composta cerca de 320 mil habitantes. Caso se classifique para o Mundial, a seleção nórdica, aliás, será a menor nação a disputar um Mundial, superando Trinidad e Tobago, que em 2006, quando foi à Copa da Alemanha, abrigava 1,2 milhão de pessoas.

Islândia surpreende, mas expulsão atrapalha

A primeira etapa foi bem carente de emoções. Tirando uma chance da Croácia no início, na qual a defesa islandesa bloqueou uma finalização que tinha como endereço o fundo do gol, a partida foi muito concentrada no meio de campo. A postura islandesa foi de certa forma até surpreendente, mas faltava aos anfitriões um maior poderio ofensivo.

Eduardo  slândia e Croácia (Foto: Agência Reuters)
Croácia de Eduardo da Silva precisará vencer a Islândia para jogar a Copa (Foto: Agência Reuters)

As coisas começaram a desandar para a Islândia no intervalo. Sigthórsson, jogador do Ajax, deixou o campo lesionado e deu lugar ao veterano Gudjohnsen, ex-Chelsea e Barcelona. Para piorar, Skulason parou Perisic quando o adversário seguia livre para a área islandesa e não teve jeito: foi para o chuveiro mais cedo aos 4 minutos da etapa final.

Com a desvantagem numérica, a Islândia se retraiu no campo de defesa, e a Croácia se mandou para o ataque. Só que a defesa nórdica funcionava muito bem e dificultava – e muito – a vida dos adversários, que tocavam, tocavam, tocavam… e pouco assustavam. A melhor chance dos visitantes foi quando Olic finalizou em posição irregular para boa defesa do goleiro islandês, e o juiz marcou impedimento.

No fim da partida, a Croácia ainda tentou abafar os anfitriões com bolas levantadas na área, mas mostrou pouca eficiência. Por isso, quando o árbitro apitou o final da partida, a torcida islandesa fez a festa no estádio. Agora, é esperar mais quatro dias até a decisão final, em Zagreb.

Grécia 3 x 1 Romênia

A Grécia aproveitou muito bem o mando de campo para conquistar um importante resultado na primeira partida da repescagem para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. Na tarde desta sexta-feira, o time venceu a Romênia por 3 a 1 e fez e contagiou os torcedores no Estádio Karaiskakis, localizado em Pireu, região metropolitana de Atenas. Com dois gols, o atacante Mitroglou foi o destaque do confronto. Salpingidis fez o outro dos donos da casa, e Stancu marcou o de honra para os visitantes.

Com o resultado, a Grécia pode perder por 1 a 0 no jogo da volta, no próximo dia 19 de novembro, na Arena Nacional de Bucharest, na Romênia. O placar de 2 a 0 classifica os romenos, pois fizeram um gol fora de casa.

Kostar Mitroglou comemora gol da Grêcia contra a Romênia (Foto: Agência AP )Kostar Mitroglou comemora gol de Salpingidis brincando com o companheiro (Foto: Agência AP )

 

 

Os gregos chegaram à repescagem com 25 pontos e em segundo no Grupo G das eliminatórias do Velho Continente. A campanha foi a quinta melhor do classificatório europeu. Já a Romênia também ficou na segunda colocação do Grupo D atrás da invicta Holanda, mas fez 19.

 

Algumas seleções já estão classificadas, são elas: Brasil, Argentina, Colômbia, Espanha, Alemanha, Bélgica e Suíça, Itália, Inglaterra, Rússia, Bósnia-Herzegovina, Chile, Equador, Japão, Irã, Coreia do Sul, Austrália, Estados Unidos, Costa Rica e Honduras. Oito ainda disputam vaga na Europa (Portugal x Suécia, Ucrânia x França, Islândia x Croácia e Grécia x Romênia), México venceu a  Nova Zelândia 5 a 1 no jogo de ida e ficou muito perto. Assim como o Uruguai que bateu a Jordânia por 5 a 0. Os africanos decidem seus representantes em cinco jogos entre sábado e terça-feira (Nigéria x Etiópia, Senegal x Costa do Marfim, Camarões x Tunísia, Egito x Gana e Argélia x Burkina Faso).

01PRIMEIRO TEMPO DE TRÊS GOLS

Precisando da vitória, a Grécia começou com três atacantes e mostrou que seria ofensiva. Logo aos dois minutos, Mitroglou recebeu na entrada da área e caiu pedindo pênalti, mas o árbitro ignorou. Após o lance, a Romênia se mostrou mais equilibrada em campo e dominava as iniciativas. Mas acabou levando o primeiro aos 14. Oportunista, o mesmo Mitroglou recebeu belo lançamento dentro da área e bateu de primeira no canto.

Os gregos ainda comemoravam quando sofreram o empate. Dorin Goian cobrou falta, o goleiro Karnezis saiu errado e Stancu, já sem ângulo, cabeceou para o gol. Desde o início das eliminatórias, a Grécia não havia levado gol dentro de casa. Porém, a euforia vinda das arquibancadas voltou no minuto seguinte. Konstantinos Katsouranis recebeu lançamento na ponta direita e cruzou rasteiro. Salpingidis chegou de carrinho e desempatou. A Grécia recuou e esperava o erro do adversário, que se mostrava melhor tecnicamente, para tentar o contra-ataque.

02GRÉCIA MATA O JOGO COM UM BELO GOL DE MITROGLOU

 

Kostar Mitroglou Grêcia e Romênia (Foto: Agência AP )
Mitroglou fez o terceiro da Grêcia(Foto: Agência AP )

Os times voltaram para o segundo tempo mais recuados. Mesmo perdendo, o resultado não chegava a ser tão ruim para os romenos, que precisariam ganhar de 1 a 0 em casa. Aos 12, Alexandru Bourceanu recebeu na entrada da área  e arriscou, mas mandou muito fraco e para fora.

Aos 22, a Grécia conseguiu aumentar e ficar mais próxima da Copa do Mundo. Após um cruzamento pela esquerda, Katsouranis desviou de cabeça e o artilheiro Mitroglou pegou de primeira. A bola ainda desviou no zagueiro antes de entrar. Festa no estádio Karaiskakis.

O time seguiu melhor e quase ampliou no ataque seguinte. Holebas avançou pela ponta e cruzou rasteiro para Katsouranis, que furou e perdeu grande oportunidade. A Romênia sentiu e não tinha o mesmo rendimento de antes. Preocupada, acabou recuando e parecia tentar segurar o resultado.

A Grécia ainda teve um gol bem anulado aos 45. Após um cruzamento na área, Gekas mandou para as redes de cabeça, mas o assistente já marcava impedimento. Após o lance, Lazar, que entrou no segundo tempo e tinha amarelo, fez falta dura e acabou expulso.

Aos 48, Samaras teve boa chance para aumentar. O atacante aproveitou cruzamento na área e cabeceou sozinho. A bola passou raspando o travessão. O lance foi o último do confronto, que acabou 3 a 1. Os torcedores vibraram muito com o importante resultado.

Ucrânia 2 x 0 França

 

Ribéry, Giroud, Pogba, Benzema, Nasri… Os nomes famosos estavam todos do lado azul no Estádio Olímpico em Kiev, mas isso não foi suficiente para assegurar a vitória da França. Sem inspiração, principalmente por parte do meia do Bayern de Munique, que foi muito marcado e pouco produziu, os Bleus perderam por 2 a 0 para a Ucrânia e se complicaram na repescagem europeia para a Copa do Mundo. Zozulya e Yarmolenko, de pênalti, fizeram os gols dos donos da casa

Agora, a Ucrânia leva uma vantagem considerável para a partida de volta, que acontecerá em Paris na próxima terça-feira. A equipe do leste europeu pode perder por um gol de diferença que, ainda assim, assegura a vaga na Copa. Uma derrota por dois gols, desde que balance as redes, também serve. Caso a França devolva o placar desta terça, a decisão será na prorrogação.A tarefa, porém, será difícil: os ucranianos não são vazados há oito partidas.

Se os franceses tinham um time cosmopolita, com atletas atuando nas principais ligas do mundo – na equipe titular, apenas Abidal e Matuidi jogam no torneio doméstico -, a Ucrânia levou a campo 11 jogadores que defendem clubes do próprio país. Entre eles, um brasileiro: o meia Edmar, de 33 anos, que nasceu em Mogi das Cruzes, mas atua no futebol ucraniano desde 2002 e defende atualmente o Metalist.

Ribery Ucrânia e França (Foto: Agência Reuters)Ucranianos fazem a festa, enquanto Ribéry lamenta: meia teve atuação apagada (Foto: Agência Reuters)

FREIO DE MÃO PUXADO

Apesar da diferença entre as equipes, havia algo em comum que os unia: o temor em se arriscar. No primeiro tempo, ninguém quis se aventurar. Apesar de jogar em casa, a Ucrânia preferiu se fechar na defesa, deixar a posse de bola com a França e sair apenas nos contra-ataques. Já os Bleus trocavam passes, mas pouco criavam, já que Ribéry era muito marcado – Nasri foi quem tentou levar os visitantes à frente.

Edmar Ucrânia e Suécia (Foto: Agência Reuters)Edmar disputa a bola com Nasri: brasileiro está na Ucrânia há 11 anos (Foto: Agência Reuters)

Com isso, a partida ficou truncada: muita correria e pouca imaginação. Neste cenário, quem se saiu melhor foi a Ucrânia. Aproveitando a velocidade de seus pontas, o time da casa levou mais perigo. Aos 29, Rotan avançou pela direita e cruzou na área. O brasileiro Edmar apareceu de surpresa na área e, de peixinho, mandou muito perto do gol.

Aos poucos, a Ucrânia começou a adotar outra postura e passou a pressionar a França na defesa. Os Bleus não conseguiam mais manter a posse de bola e tinham dificuldades com a forte marcação rival – Ribéry, inclusive, chegou a se desentender com Edmar após uma falta. O meia brasileiro, aliás, protagonizou outra boa chance, aos 38 minutos: ele recebeu lindo passe de Yarmolenko e cruzou rasteiro para Konoplyanka, mas a finalização foi travada.

UCRÂNIA APROVEITA CHANCES

O melhor momento ucraniano permaneceu no segundo tempo, com os anfitriões levando mais perigo no ataque. Não à toa, aos 15 minutos saiu o gol: Edmar recebeu na área e ajeitou para Zozulya, que ganhou de Debuchy e bateu rasteiro: 1 a 0 Ucrânia.

Roman Zozulya comemora gol da ucrânia contra a França (Foto: Agência AP )Ba-ban-do: Zozulya festeja seu gol, o primeiro da Ucrânia sobre a França (Foto: Agência AP )

A desvantagem desestabilizou a França, que foi ao ataque desordenadamente e esbarrou na forte marcação adversária. Aos poucos, a pressa dos Bleus foi se transformando em desespero, já que pouco se criava. Ribéry até apareceu mais, porém foi insuficiente: em seu melhor lance, ele recebeu na entrada da área, mas o chute foi desviado, e Pyatov defendeu. A melhor chance, entretanto, foi de Nasri, que, aos 20 minutos, recebeu de Giroud, invadiu livre a área, mas chutou em cima do arqueiro rival.

A Ucrânia, por sua vez, esperava o momento certo para definir o jogo. Ele veio aos 37 minutos. Zozulya recebeu na área, girou para cima de Koscielny e foi empurrado na hora do chute. O árbitro marcou pênalti, que Yarmolenko converteu, para desespero dos franceses, que ainda tiveram Koscielny expulso no fim do jogo por agredir Kucher, que também receberia o cartão vermelho minutos depois após falta em Ribéry.

Ribery Ucrânia e França (Foto: Agência Reuters)Ribéry tenta passar por Fedetskiy, seu marcador durante todo o jogo (Foto: Agência Reuters)