Nacional de Manaus 1 x o Ponte Preta

Uma classificação inédita para o Nacional-AM. Uma eliminação bem-vinda para a Ponte Preta. Assim pode ser definido o desfecho do duelo entre os times pela terceira fase da Copa do Brasil. Com uma vitória por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, em Manaus, o Naça ratificou a vaga para as oitavas de final e fez história ao se tornar a primeira equipe do estado a chegar a essa etapa da competição. Mas a Macaca também comemorou o resultado, já que garantiu presença na Sul-Americana para disputar um torneio internacional pela primeira vez em 113 anos.

Depois de fazer 1 a 0 em Campinas, o Nacional repetiu o placar sem muitas dificuldades, já que a Ponte deixou a Copa do Brasil em segundo plano, devido ao confuso regulamento da CBF, e viajou apenas com reservas para ‘diminuir’ a chance de avançar e ficar fora da Sul-Americana. Era o terceiro time da Ponte em campo. Alheio ao impasse dos paulistas, o Nacional aproveitou o apoio da torcida, que lotou os seis mil lugares do Sesi, e ampliou a vantagem com o gol de Leonardo, ainda no primeiro tempo.

Agora, o Nacional espera o sorteio da CBF para conhecer seu próximo adversário. A única certeza é que vem pedreira pela frente, uma vez o rival sairá do pote que conta com Atlético-MG, Corinthians, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Vasco, Flamengo e Internacional. A Macaca aguarda a definição das situações de Botafogo e Santos na Copa do Brasil para saber se pegará Bahia ou Criciúma na fase regional da Sul-Americana para tentar alcançar o estágio continental.

Nacional e Ponte voltam as atenções para o Campeonato Brasileiro. Pela Série D, o time amazonense folga no fim de semana. O próximo desafio está marcado para 4 de agosto, contra o Paragominas, fora de casa. A Macaca, por sua vez, entra em campo no sábado, quando recebe o Santos, às 21h, no Majestoso. Com uma vitória (Náutico) e um empate (Bahia) sob o comando do técnico Paulo César Carpegiani na Série A, a Ponte tem a chance de consolidar a reação e deixar a zona de rebaixamento.

Leandro gol Nacional-AM x Ponte Preta (Foto: Arlesson Sicsu / Ag. Estado)
Leonardo comemora o gol do Nacional contra a Ponte Preta (Foto: Arlesson Sicsu / Ag. Estado)

O jogo

Uma Ponte Preta sem inspiração, e um Nacional mais preocupado em segurar a vantagem conquistada em Campinas. A postura dos dois times não poderia resultar em outra coisa do que um primeiro tempo morno, com mais erros do que acertos. Os donos da casa tomaram mais a iniciativa e foram premiados com o gol de Leonardo, aos 18 minutos.

Depois de uma boa jogada do meia Danilo Rios, que acertou o travessão, o atacante, bem posicionado, aproveitou o rebote e mandou de cabeça para as redes. A Ponte não alterou seu estilo, mesmo precisando virar para seguir na competição. Um contra-ataque puxado por Rafinha que parou nas mãos de Jonathan foi a principal jogada da Macaca antes do intervalo.

O segundo tempo foi mais movimentado. As duas equipes tiveram boas chances para marcar. A primeira foi em uma linda bicicleta de Leonardo que Daniel buscou no ângulo. A resposta da Ponte saiu dos pés de Adrianinho, que acertou a trave. Jonathan ainda tocou na bola.

Com a Ponte aberta, o Nacional teve espaços para criar. Felipe tentou ampliar ao driblar a marcação e bater firme, mas Daniel apareceu bem mais uma vez. A Ponte voltou a carimbar a trave em jogada individual de Rafinha. Após os sustos, o Nacional passou a tocar a bola para administrar o tempo. A Ponte já também não mostrava sinais de reação. A vaga era do Nacional. A festa era dos dois times.

Presidente do Flamengo garante jogos fora do Rio: ‘Nossa torcida é nacional’

Eduardo Bandeira de Mello diz que não se surpreendeu com público grande em Brasília e mantém plano de explorar receitas longe do Maracanã.

 

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, afirmou que o time continuará a realizar jogos fora do Rio e apontou a grande torcida do clube espalhada pelo país como justificativa. Segundo o mandatário, apenas em Brasília, onde a equipe mandou três partidas no Mané Garrincha, uma pesquisa revelou que mais de 50% dos torcedores são rubro-negros.

– A torcida do Flamengo é nacional. A vantagem é que ela é extremamente majoritária no Rio e amplamente majoritária fora também. O Flamengo não pode esquecer e nem negligenciar o torcedor que está fora. O sucesso dos jogos em Brasília só veio a confirmar isso – disse Bandeira ao “Arena SporTV”.

O Mané Garrincha será o palco do duelo entre Flamengo e Atlético-MG, no dia 4 de agosto, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time já disputou três partidas no estádio pelo Brasileirão – empates contra o Santos (0x0) e Coritiba (2×2) e vitória sobre o Vasco (1×0). Segundo Bandeira de Mello, o estádio é o único confirmado até o momento para receber outros jogos, apesar do interesse em levar o time a outros estados.

Vasco x Flamengo - Mané Garrincha (Foto: Richard Souza)
Vasco x Flamengo teve bom público no Mané
(Foto: Richard Souza)

A presença do Flamengo no Mané também é interessante do ponto de vista financeiro, segundo o dirigente. No clássico contra o Vasco, estima-se que o clube tenha arrecadado cerca de R$ 1,2 milhão – o público foi de 61.767.

– Não foi surpresa nenhuma para nós ver esses públicos de 50 e 60 mil pessoas. Estamos falando de Brasília. Se formos olhar no Norte ou Nordeste do país, veremos que a adesão é maior ainda. Temos que explorar esse potencial e ele continuará a ser explorado – disse.

O Flamengo possui acordo independente com o Mané Garrincha em relação ao Maracanã. É possível que os duelos contra Grêmio e Atlético-PR ocorram em Brasília. O clube, no entanto, fechou contrato para mandar partidas no estádio carioca até o final deste ano – a reestreia será no clássico contra o Botafogo, neste domingo, pela 9ª rodada do Brasileirão.

São Paulo 0 x 1 Internacional

Favorito ao título no papel, o Internacional é agora também o novo líder do Campeonato Brasileiro. A quarta vitória consecutiva veio no palco que se transformou no “salão de festas” de quem visita o São Paulo. Com uma atuação segura, o Colorado venceu o Tricolor paulista por 1 a 0, nesta quarta-feira, no Morumbi, e afundou ainda mais o adversário na crise.

Os gaúchos souberam jogar à espera do desespero rival. Pacientemente, o time dirigido por Dunga aguardou o momento exato para dar o bote fatal. E ele veio com Leandro Damião, ainda no primeiro tempo, em chute rasteiro que Rogério Ceni só olhou. Poderia ter sido mais se Forlán, Willians e Josimar aproveitassem as chances.

Do outro lado, só Aloísio assustou. Para piorar, Luis Fabiano saiu machucado, virando dúvida para o clássico contra o Corinthians, domingo, às 16h, no Pacaembu, última partida antes da excursão por Alemanha, Portugal e Japão.

O São Paulo soma agora 11 partidas sem vencer (nove derrotas e dois empates), igualando o recorde negativo de 1951 e 1986 – o último resultado positivo foi há 56 dias, diante do Vasco, dirigido na ocasião por Paulo Autuori. Já são oito derrotas consecutivas, seis delas jogando no Morumbi.

O Colorado assume a liderança com 18 pontos, mas tendo uma partida a mais que a maioria dos concorrentes – a partida diante dos são-paulinos foi adiantada da 12ª rodada. Agora, o time gaúcho pega o Náutico, domingo, às 16h, nos Aflitos. Já os paulistas seguem com oito, agora tendo dois jogos a mais que os adversários, grudados na zona do rebaixamento.

Leandro Damião e Lucio no jogo São Paulo e Internacional (Foto: Alex Silva / Ag. estado)
Leandro Damião e Lúcio, em disputa no jogo entre São Paulo e Inter (Foto: Alex Silva / Ag. estado)

Colorado, gelado, abre vantagem

Paulo Autuori surpreendeu ao colocar em campo uma escalação diferente. O treinador mexeu em três posições para suprir a ausência do lateral-esquerdo Clemente Rodríguez, machucado. Douglas passou da lateral direita para a esquerda. O volante Rodrigo Caio foi jogar na ala, enquanto o zagueiro Paulo Miranda acabou improvisado na função de primeiro marcador do meio de campo.

Parecia estranho, mas deu resultado nos primeiros minutos. Douglas foi a alternativa para fugir da forte marcação, principalmente pelo meio, sobre Jadson e Ganso. Aos dois minutos, em tabela com Luis Fabiano, ele invadiu a área e chutou para boa defesa de Muriel. A inovação tática, animadora naquele instante, caiu por terra gradativamente.

O Inter incorporou o frio de oito graus da capital paulista. Teve paciência de sobra para esperar o tempo passar e ver o adversário abrir a defesa. D’Alessandro recebeu marcação de Paulo Miranda, mas Jorge Henrique passeou. Aos 13, com muito espaço, acertou belo lançamento para Leandro Damião. Rodrigo Caio olhou, Lúcio sumiu, e o centroavante avançou livre até chutar rasteiro no canto direito. Rogério Ceni, congelado no meio da meta, só olhou.

Como de costume, o São Paulo se abateu. Era nítido o medo de arriscar qualquer jogada com medo das vaias, cada vez maiores na arquibancada, acompanhadas dos pedidos de “Fora, Juvenal”. A vantagem gaúcha poderia ter sido maior. Bem maior. Forlán, na entrada da área, perdeu grande chance. Damião também quase fez o segundo, de cabeça, após D’Alessandro entortar Toloi. Willians ainda acertou a trave em chute de fora da área.

Tricolor reage, Inter segura a vitória

Só Aloísio poderia mudar a postura apática do São Paulo no segundo tempo. E foi nele em quem Autuori apostou, para o lugar de Osvaldo. Não que o time tenha passado a  jogar um futebol exemplar, mas, pelo menos, ganhou voluntariedade. Logo aos cinco minutos, o “Boi Bandido” fez tudo certo. Roubou a bola, disparou pela esquerda e encontrou Jadson, livre na área. Tempo para dominar, driblar Muriel e…chutar para fora. Que fase!

Quando o Tricolor parecia reagir, o ataque sofreu uma baixa. Luis Fabiano sentiu dores na coxa direita e precisou ser substituído por Ademilson. O time perdeu experiência e sua principal referência ofensiva. Pouco depois, o Inter voltou a jogar para fora uma chance de ampliar. Kleber cruzou da esquerda, a defesa não cortou e Josimar, na pequena área, desviou pela linha de fundo.

Os erros nas finalizações quase custaram caro ao Internacional. O São Paulo fez o mínimo em meio a crise e arriscou tudo. Mas correr não basta. Entre trombadas e arrancadas, Aloísio continuou sendo o melhor tricolor em campo. Faltou qualidade. Faltou sorte também. Primeiro, ao mandar uma cabeçada rente à trave. Depois, ao receber livre e chutar em cima de Muriel.

Nos minutos finais, os paulistas até ensaiaram uma pressão, mas, sem nenhuma organização, esbarraram na boa marcação gaúcha. Pouco para quem quer sair da crise e se afastar da zona do rebaixamento. Fácil para o novo líder. A torcida colorada ainda tirou onda: “O Morumbi virou o Beira-Rio”.

Antenado: “A Liga” mostra porque é o melhor programa da TV

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/5de77bd55402d1e47086b7d04e7cb237.jpg

Divulgação/Band

 

Desde sua estreia, em 2010, “A Liga” já mostrava que era um belo programa para as terças. Porém, o que se viu nas duas últimas semanas, nas edições sobre funk ostentação e cura gay, foi algo de encher os olhos do telespectador.

Neste ano, a atração da Band mostrou uma edição de puro jornalismo, exibindo choques de realidades e de opiniões. O programa sobre homossexualidade, nesta terça (23), onde Cazé e Thaíde colocaram uma drag-queen e um pastor evangélico que se diz ex-gay frente a frente foi tenso, mas bastante oportuno e interessante.

O resultado final ficou excelente. Uma pena que a audiência não foi a mesma: enquanto na estreia da nova temporada o programa fechou com 11 pontos, ontem a média prévia foi de 4 pontos.

Mas enfim, vamos falar das novidades deste ano: as entradas de Mariana Weickert, China e Rita Batista.

Mariana, pelo que vi, entrou bem, com a pegada de “A Liga”, sendo aquela moça de beleza que mostra que não é nenhuma idiota. China ainda não apareceu muito, mas o pouco que fez, também foi bem. Rita Batista, dos novatos, é a melhor até agora. Confesso que nunca duvidei de seu potencial, já que acompanho ela desde os tempos de Band Bahia.

Criticada no seu estado por ter ido para São Paulo, para fazer um “programa de fofoca”, o extinto “Muito +”, Rita mostra porque a Band apostou nela e apostou certo. É aquele negócio que uma pessoa muito querida me disse: primeiro se faz o que tem, pra depois fazer o que gosta.

Bom, falar de Cazé, que admiro faz muito tempo, e de Thaíde é meio que chover no molhado. Aliás, falar bem de “A Liga” é chover no molhado. O programa lembra demais o “Documento Especial”, jornalístico que marcou época nos anos 90 na Manchete e no SBT, melhorado e mais bem produzido.

Ver “A Liga” é um orgulho que tenho, por ser puro jornalismo e nada mais. É o melhor programa da TV, disparado.
Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. Além do “Antenado”, é responsável pelo “Documento NaTelinha”. Converse com ele. Twitter: @bielvaquer

Números de ontem do TV TOTAL

Country Views
Brazil FlagBrazil 656
United States FlagUnited States 60
Portugal FlagPortugal 16
Canada FlagCanada 8
United Kingdom FlagUnited Kingdom 3
Australia FlagAustralia 3
Russian Federation FlagRussian Federation 2
Indonesia FlagIndonesia 1
Mozambique FlagMozambique 1
Angola FlagAngola 1
Croatia FlagCroatia 1
France FlagFrance 1

 

Carrossel 25/07/2013

Monk

Natalie Teeger

Valéria acredita que Suzana tenha trancado Helena na sala dos professores. Graça vê Helena sentada e chorando na praça. A professora explica o que viu e todos ficam irritados com Renê e Suzana. Triste, Renê chega ao colégio e conta a Firmino o que aconteceu. O porteiro tenta acalmá-lo, mas Renê acha que não terá volta. Firmino fica furioso e diz a Renê para ele não desistir. Cristina não acredita que Renê tenha culpa no que aconteceu e acha que a história está muito mal contada. Helena diz que não quer ver Renê por um bom tempo. Firmino conta a Olívia o que aconteceu com Helena e Renê. Furioso, Renê vai à casa de Suzana e pede para conversar com a megera. Irritado, o professor jura que se a professora continuar perseguindo ele e Helena, a denunciará. O namorado de Helena vai até a casa de Helena, mas Valéria impede que ele entre e bate a porta na sua cara. Cristina aconselha Helena a não ver Renê nesse momento. A professora decide ir atrás de seu namorado, pois quer saber o que ele tem a dizer. Helena encontra Renê na praça e diz que está disposta a ouvir as explicações do amado. Olívia fica preocupada com a situação do relacionamento entre Renê e Helena e pede para Firmino ajudar os dois de alguma maneira. Renê explica o motivo de ter planejado tudo e mostra as passagens que havia comprado para os dois viajarem de trem. O professor jura que Suzana o pegou de surpresa e que ele não queria aquele beijo. Renê fala a Helena que todo o amor que sente é dela. O casal se beija. Valéria conta a todos que viu os professores se beijando. Helena diz que está magoada. O professor diz que a história deles não pode acabar por causa de Suzana. Helena diz a Renê que precisa pensar. Ao voltar para a sua casa, Helena diz a todos que eles deram um tempo. Firmino encontra Renê na praça. O professor diz que Helena entendeu o que aconteceu, mas não o perdoou. No dia seguinte, Davi conta a Jaime a história da noite anterior. Irritada, Valéria acredita que Renê seja culpado por tudo o que aconteceu. Triste, Helena confessa a Cristina que não sabe se fez a escolha certa. Sua mãe conta que as histórias de amor não são perfeitas e quando o amor é verdadeiro, ele passa por cima de todos os obstáculos. Cirilo tenta acalmar Valéria. O garoto faz a espoleta menina entender que Helena e Renê só ficarão felizes juntos. Cirilo dá a ideia de eles escutarem a versão do professor. Os amigos encontram Renê na sorveteria. As crianças estão dispostas a ajudar o professor a reconquistar Helena e contam o plano que tiveram a ele. Em sua casa, Helena não para de pensar em Renê. Adriano visita sua professora e diz que não gosta de vê-la triste, Helena promete que tudo ficará bem. Renê adora a ideia das crianças e todos decidem colocar o plano em prática.

Sônia Lima e Lua Blanco serão mãe e filha na novela “Pecado Mortal”

Semelhança física das atrizes é destaque nos bastidores.

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/ab23ab2fae58f2072b93458a73084325.jpg

Fotos: Divulgação/TV Record

Escaladas para “Pecado Mortal”, a primeira novela de Carlos Lombardi na Record, Sônia Lima e Lua Blanco viverão mãe e filha.

Comenta-se que as duas atrizes são parecidas e assim o parentesco delas passará um ar mais verdadeiro.

Na trama, Sônia e Lua serão Norma Shirley e Silvinha. Apesar da aparência física, elas têm diferenças no estilo de vida.

Norma é uma mulher fofoqueira e não consegue guardar segredo de nada. Essa postura da mãe faz Silvinha não a ver como exemplo e querer se aventurar mais na vida. Nessa busca, acaba tendo um romance proibido.

“Pecado Mortal” tem previsão de estreia para outubro, mas ainda não é descartado seu adiamento para 2014.

Com informações do jornal “Extra”.

bf106-7b60db35fa-b674-4c4d-bc7a-03925e42f2707d_record

Zadkovich relishing Socceroos chance

Wednesday, 24 July 2013 2:33 PM

Zadkovich relishing Socceroos chance

Ruben Zadkovich is delighted to have made his first appearance for Australia since 2009, after finally overcoming the injury problems that dogged his early career.

Zadkovich started for the Socceroos in their 0-0 draw against South Korea at the EAFF East Asian Cup on Saturday, ending a four-year wait to pull on the national team shirt again since his only previous run-out against China in 2009.

While disappointed with Australia’s struggles in the game against the host nation in Seoul, the 27-year-old midfielder made no secret of his pleasure at earning a second cap for his country.

“On a personal note it was really great to be in the green and gold again,” he said.

“It really was a nice feeling, but the game probably didn’t pan out the way I would have liked. It was a little bit of a tough game for me individually and the team.”

Zadkovich looked on track to join the ranks of Australian players impressing in Europe when he sealed a transfer to Derby County in 2008, but a succession of serious groin problems scuppered his chances of making a name for himself at Pride Park.

Now an established A-League player and captain of Newcastle Jets, Zadkovich understandably choose to look on the bright side when quizzed on his failure to make it overseas.

“Yeah I think that’s the way football goes and the way life seems to go,” he said.

“Back then when I got that opportunity to go to Derby it seemed like everything was going great. I signed for Derby and then had the [2008 Beijing] Olympics and it was the game against Argentina when I tore my groin and that’s pretty much when my injury problems started.

“It depends how you way things up in your footballing life. Right now I am back at a place in Australia which is a great place to live, I’m playing for a team that has great fans, they’re very working class, blue collar, I’ve made myself captain of that team and I’m very proud to be captain of Newcastle.

“Now I’m back in the green and gold, so I guess things happen for a reason and I could probably say I was a little bit unlucky but then, on the other flip of the coin, I could also look at it that I’m very lucky, because there’s some good players and good friends of mine who aren’t even playing the game anymore who, when they were 19 or 20 were playing for Australia.”

“People like Jacob Timpano, he’s captain of a state league side, Wollongong Wolves, he’s one of the best defenders I’ve ever played with or ever seen. He had ridiculous amounts of injury problems.

“I still keep in contact with Jake, so for me, I consider myself lucky. I like to look at it as the glass is half full, not half empty.

“Even though in those tough times it’s hard to see it like that, where I am right now, playing football for Newcastle and back in the Australian game, I really am enjoying life and I’m grateful for it.”

Zadkovich’s next challenge is to keep his place in Australia’s starting line-up for the match against Japan at Hwaseong Stadium on Thursday, as he bids to stay in the plans of head coach Holger Osieck.

 

Football Federation Australia

“Hoje em Dia” garante a liderança na manhã desta terça (23)

Do terceiro ao primeiro lugar

O programa “Hoje em Dia” conquistou ótima audiência na manhã desta terça-feira (23), a atração matinal da Record venceu a Globo e o SBT na disputa por audiência.

De acordo com dados prévios do Ibope, marcou 6,7 de média com picos de 7,8 pontos, garantindo a liderança por um décimo, pois a Globo ficou na vice com 6,6, o SBT ficou em terceiro com 5,1, a Band em quarto com  2,1, e a TV Cultura fechou em quinto com 1,8 pontos.

Vale lembrar que o “Hoje em Dia” costuma marcar entre 4 e 5 pontos, e as vezes perde para o SBT.

* Cada ponto equivale a 62 mil domicílios na grande São Paulo.
* Os números são prévios e podem sofrer alterações no consolidado.

Todos os caminhos levam a Botafogo

Placa com indicações de trânsito, instalada na rua Princesa Isabel, pouco depois da saída do Túnel Novo,  para “orientar” os motoristas durante a Jornada Mundial da Juventude. De fato, é possível chegar a Copacabana seguindo as duas setas. Mas, onde fica Botafogo? Com toda justiça, a placa virou motivo de piada nas redes sociais.

Atualizado às 16h30: O pedaço da placa que mais confundia foi retirado entre o final da noite de ontem e a manhã de hoje. Agora ela está assim (abaixo):

Maurício Stycer