Honorilton Gonçalves espionava funcionário da Rede Record

 

 

Só agora, na Record, com as coisas mais assentadas e após a chegada dos seus novos diretores, são comentadas algumas passagens – contadas como verdadeiras – da administração anterior.

Dizem, entre tantas, que os executivos da casa, em mais de uma ocasião, foram convocados e obrigados a entregar os seus celulares, para que se apurasse a existência de alguma amizade ou contato recente com este ou aquele jornalista. Os aparelhos, dizem, passavam por minuciosos exames.

Fala-se também do caso de outro diretor, que se viu forçado a fazer uma ligação, no viva voz e na frente dos demais executivos, para se apurar o seu grau de intimidade com um certo colunista.

Essas, entre outras passagens, que lembram alguns dos piores procedimentos ditatoriais. Hoje, com alívio informa-se, tudo passou a funcionar de uma maneira mais profissional e sem se instalar o mesmo estado de terror.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.