Associação dos Advogados Criminalistas repúdia personagem de “Amor à Vida”

Postaram da personagem seria “imoral e antiética”.

Foto: Divulgação

A personagem Silvia de “Amor à Vida”, interpretada pela atriz Carol Castro, está causando mau-estar entre os advogados.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, desta sexta-feira (12), a Acrimesp (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo) diz que a conduta dela é “imoral e antiética”.

Advogados mandaram carta para a Globo reclamando da personagem. Na novela, Silvia orienta clientes a mentirem em juízo. Para a Acrimesp  a postura “induz a uma opinião equivocada” sobre os advogados.

Ademar Gomes, presidente do conselho da Acrimesp, pede que a personagem seja punida. A Globo informa desconhecer a carta. E declara que novelas são obras de ficção sem compromisso com a realidade: “Ao recriar livremente situações que podem ocorrer na vida real, a dramaturgia busca apenas tecer o pano de fundo para suas histórias, sem a intenção de ofender qualquer categoria profissional”.

O Planeta TV

Renato Maurício Prado comenta que o Fluminense fez um péssimo negócio ao assinar contrato com o Consórcio Maracanã

 

 

O que acho do acordo do Fluminense com o Consórcio do Maracanã? Minha avó já dizia: quem está com a corda no pescoço sempre faz o pior negócio. Precisa dizer quem era o enforcado?

O tricolor ficou com os ingressos dos lugares de menor valor (atrás dos gols) e não terá participação alguma no que o consórcio ganhará com a venda dos camarotes e dos assentos mais caros. Além disso, não verá um tostão da renda dos bares, restaurantes, estacionamento, publicidade estática etc.

Um cálculo, por alto, indica que o tricolor abiscoitará aproximadamente 30%, no máximo 35%, do faturamento total. Cota justa para quem, afinal, leva todo o público consumidor ao estádio?

Por fim, um detalhe problemático: se o sócio-torcedor quiser comprar, com desconto, ingressos fora das áreas mais baratas (aquelas que pertencem ao clube, atrás dos gols), caberá ao Flu pagar a diferença ao consórcio. Bom negócio?

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 12/07/2013

Renato Maurício Prado comenta a chegada de Dorival Júnior ao Vasco da Gama

 

 

Dorival Júnior aceitou o abacaxi porque tem cerca de R$ 750 mil a receber dos cofres cruz-maltinos, referentes à primeira passagem por lá, nos tempos da Série B. Tomara que não tenha que revivê-los, no ano que vem…

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 12/07/2013

Renato Maurício Prado comenta a saída de Paulo Autuori do Vasco e sua ida para o São Paulo

 

 

Não há o que criticar na postura de Paulo Autuori, que se dispôs a trabalhar no Vasco por um salário abaixo do que poderia ganhar no mercado e fez uma única exigência: que o clube mantivesse os pagamentos dos jogadores em dia. O prazo final dado pelo treinador venceu no último dia 5 e, cansado de promessas não cumpridas, ele decidiu sair. É uma covardia dizer, agora, que Autuori deixou São Januário porque recebeu convite do São Paulo.

Independente financeiramente, após anos a fio dirigindo clubes no exterior, Paulo Autuori trabalha agora por prazer. E se o ambiente da Colina, com um elenco fraquíssimo e os salários em atraso, não o agradava ele tinha todo o direito de trocar de ares.

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 12/07/2013

Renato Maurício Prado critica Val do Flamengo

Val está à direita na foto

 

Ele pode até queimar a minha língua: mas até pela idade (29 anos), o volante Val, que veio do Mogi Mirim, me parece não passar de um genérico do apenas esforçado Amaral, que já está no Flamengo faz tempo. Pra que, então, contratá-lo?

Enquanto esteve em campo, diante do fraco Asa de Arapiraca, Val não acertou nada, comprovando o equívoco de Mano Menezes ao escalá-lo — aliás, é um grande mistério o que leva os técnicos a insistirem em jogar com tantos marcadores contra adversários que mal tem capacidade de atacá-los!

Somente quando Val saiu (e em seu lugar entrou o jovem atacante Nixon), o rubro-negro descobriu o caminho do gol e venceu por 2 a 0. Tomara que Mano tenha percebido que empurrar Elias para as funções de meia só piora o seu desempenho. Ele é bom marcando e chegando ao ataque vindo de trás (como faz, por exemplo, Paulinho, que era do Corinthians). Elias não tem nem cacoete de maestro.

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 12/07/2013

Renato Maurício Prado comenta a classificação do Atlético Mineiro para a final da Libertadores

 

 

A alcunha de imortal é do Grêmio. Mas quem parece ter se transformado num Highlander é o Atlético Mineiro. Em pelo menos três ocasiões nessa Libertadores, seu fim parecia selado. Primeiro foi aquele pênalti, no último minuto, contra o Tijuana; depois, o enorme desafio de vencer o Neweel’s por, no mínimo, 2 a 0. Aí, suas “mortes” se multiplicaram. Mas ainda assim o Galo está vivo. E na final.

Quando vários refletores do Estádio Independência se apagaram, e faltavam menos de 15 minutos para o fim, o destino dos mineiros parecia selado — e não era bom. A penumbra, aliada à paralisação, às instruções e às modificações de Cuca operaram o primeiro milagre da noite e o gol de Guilherme levou aos pênaltis.

Onde, uma vez mais, a fama de Highlander esteve à prova. Jô e Richarlysson desperdiçaram suas cobranças, mas os argentinos que os sucederam também! E depois de Ronaldinho Gaúcho bater e marcar a quinta penalidade da série, Vitor (sempre ele!) defendeu o chute de Maxi Rodriguez, garantindo a primeira final de Libertadores da história do clube.

Com todo o respeito ao Olímpia, do Paraguai, o outro finalista, se o Galo não morreu naquele pênalti contra o Tijuana, nem tampouco nas várias situações adversas em que esteve, diante do Neweel’s, acho que pode até rolar um novo estresse mas a taça acabará em Belo Horizonte.

Afinal, como reza o slogan “Highlander”, (campeão) “só pode haver um”. Melhor campanha da competição, mesmo tendo caído de produção nas duas últimas fases, o time de Cuca parece abençoado. E seu ótimo técnico merece muito essa conquista.

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 12/07/2013

C” est fini-Fantástico vai exibir seriado sobre dinossauros-Flávio Ricco volta amanhã às 12h00 de Fortaleza

 

 

Neste domingo, o “Fantástico” vai exibir o primeiro episódio da série “Planeta Dinossauro”, uma superanimação gráfica da emissora inglesa BBC.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery